quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Alkateya - Lycanthropy (2006) Portugal



Muitos anos depois daquilo que seria justo, aqui está o primeiro longa-duração a sério para a lenda Alkateya, editado por uma obscura editora grega – um sinal dos tempos em que vivemos. «Lycantrophy» exibe uma nova banda que terá crescido em todos estes anos, quer colectiva, quer individualmente, mas felizmente essa maturidade nunca põe em causa o carácter muito espontâneo do álbum. Ao longo de todo o disco, nota-se bem que a maior referência da banda é Judas Priest, começando logo com os solos muito bons e aquela melodia fatal da guitarra na abertura «Believe My Eyes». Um tributo que volta a estar mais vincado na possante balada «Feeling», onde se destaca o trabalho do baixista Paulo Rui, mais um excelente solo de guitarra e a saudosa narração do António “Lança-Chamas” Sérgio. «Let It Break» tem um refrão inspirador para a revolução mais do que necessária e um final pleno de energia. Completam o CD o instrumental metálico «Red Line» e «Death Messiah», sendo a música mais pesada – talvez – «The Sinless Sinner», cuja secção robusta a seguir ao solo obriga ao headbanging. O disco já seria bastante bom mas o melhor está mesmo reservado para o final. «Street Survivor(s)», um dos melhores temas dos Sepulcro tem aqui uma nova versão, muito fiel ao original, mas os Alkateya foram mais longe e acrescentaram um novo capítulo à música, numa tocante passagem de testemunho – a parte final do tema é uma coisa absolutamente fabulosa. Destaca-se também a participação neste tema de várias vozes ilustres a acompanhar João Pinto, casos do ex-Rebellion Nelson Canário (que participa em mais três canções), de Tann (Ironsword), Miguel Pinto (ex-Sepulcro) e Fernando Ribeiro (Moonspell) – num toque a reunir da cena Heavy Metal nacional em que todos são, de facto, “Street Survivors”. Como se isso não bastasse, o tema título que fecha o disco é um violento estouro (depois de uma introdução ao teclado) no tema mais directo que é um verdadeiro hino ao Heavy Metal vociferado aos 4 ventos, com um final perfeito em comunhão alcateica muito na onda Manowar. Gostava de acreditar que «Lycantrophy» (um dos melhores discos do Heavy Metal nacional) vai catapultar a banda para o reconhecimento que lhe é devido há muitos anos mas todos sabemos que as hipóteses de isso acontecer são extremamente reduzidas – um pouco à imagem do último disco dos Ironsword que continua a ser um segredo muito bem guardado, apesar de ter recebido os maiores elogios da crítica (esta sim!) especializada. Por outro lado, não deixa de ser curioso este anonimato que persegue o grupo, fazendo de todos os que têm o orgulho de viver com esta obra, à sua maneira, uma alcateia de lobos unidos por uma causa comum. É precisamente isso que sentimos em Lycantrophy» – somos todos Alkateya: “Hear them howl, they’re standing tall, crushing your back to the wall!!!”.



Review feita pelo Defiance aka Luís

Temas:
01.Believe My Eyes
02.Let It Break
03.Insanity
04.Red Line (To Lafayeette... In Memoriam)
05.Feeling (With The True Knowledge From Oscar Wilde)
06.The Sinless Sinner
07.Death Messiah
08.Street Survivous (A Sepulcro's Anthem Reinterpretation)
09.Lycantrophy (Burning Still)

Banda:
Manuel Animal Drums
Alex Domingues Guitar
Nuno Duarte (as El Cid) Guitar
João Pinto Vocals
Paulo Rui Bass