vote

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Crow7 – Symphony of Souls (2012) Alemanha


CROW7 banda alemã, formada em 2005, lançaram dois álbuns até à data e fizeram espectáculos de sucesso no centro da Europa, mas a banda ainda, é relativamente desconhecida para muitos.
Agora eles estão de volta com um novo trabalho, "Symphony Of Souls".
Musicalmente, o quarteto combina estilos diferentes no seu som, como gostam de chamá-lo: ProMeRo (Progressive-Metal-Rock), que dá uma ideia bem geral sobre o som da banda, mas eles adicionaram vários elementos como o old school Hard Rock, Sympho, Epic e uma pitada de atmospheric Metal
No papel, essa mistura parece um pouco estranha e não é fácil de digerir, o que ainda a torna mais interessante.
Ouvi seus álbuns anteriores, no passado, mais moderno Hard Rock orientado (especialmente o primeiro). Em "Symphony Of Souls" eles procuram expandir todas as fronteiras.
O musical que os CROW7 tentam é louvável, mesmo que por vezes não seja totalmente bem sucedida, talvez devido ao comprimento do álbum: quinze músicas e quase 80 min. de música parece demais.
Enfim, há muitos bons momentos para desfrutar aqui.
A faixa-título "Symphony of Souls" abre num bom caminho, lembrando um Savatage comercial com um som moderno e um toque sympho. "Street Of Slaver” e “The Guide”" tem um coro sólido o suficientes ganchos para fazê-los sobressair.
"Dirty Lies" é realmente um bom balanço mid-tempo número que evita o comercialismo servil, adicionando um toque progressivo ao coro, bem como alguns backing vocals esforçados que funciona bem e é original.
Uma das minhas músicas favoritas é o semi-midtempo e bastante comercial "Great Spirit", que tem um verso muito ao genero de Valensia / Valentim com uma secção rítmica pulsante e uma melodia empolgante.
"Breed of the Crime" traz alguma credibilidade de metal sensível à sua saída sonora com boas teclas sinfônicas e violinos acentuando o fundo da mistura, enquanto "The Final Ride" traz uma explosão de adrenalina em dose dupla.
"Where Do We Go Now" encerra o CD e tem a forma de algum tipo de balada, mas esta banda não grava as coisas da maneira tradicional, por isso esta música lenta tem suas mudanças de tempo interessantes e abundância de teclados e vocais com harmonia.
Crow7 oferece em "Symphony Of Souls", um passeio musical que mistura vários géneros.
Para lhe dar uma ideia adequada, isso é basicamente rock progressivo intenso slathered, com a produção beefy tão popular hoje, salpicando o sympho e batida de metal para aumentar a intensidade.
Estilisticamente, como disse antes, nas partes em que a música tem muitos pontos em comum com obras Valensia / Valentine, (Robby) ou Valensia's project Metal Majesty. Hard Rock e power com energia também saem para tocar de vez em quando, com a adição de alguns efeitos electrónicos modernos.
Todos os membros da banda são músicos qualificados e a produção de som são impecáveis.
Muitos artistas se contentam em se esconder na zona de conforto e marcha para fora exactamente a mesma coisa como mil bandas antes deles, por isso parabéns ao Crow7 por ter a coragem de ir contra a corrente e aventureiro algo tentativa.



Temas:
01 - Symphony of Souls
02 - Street of Slaver
03 - Shiva Sigh
04 - The Guide
05 - Kingdom of Calm
06 - Spawn of Evil
07 - Dirty Lies
08 - Virtual Reality
09 - Great Spirit
10 - Winter Breeze
11 - Breed of Crime
12 - Ocean of Fire
13 - Winner of the Quest
14 - The Final Ride
15 - Where Do We Go Now

Banda:
Corbin Eved (vocals, guitar)
Seth Aban (guitars, backing vocals)
Gideon Vanth (bass, backing vocals)
Janus Mantus (drums)



Sem comentários: