vote

terça-feira, 10 de março de 2015

Chaos Divine - Colliding Skies (2015) Austrália


2015 Marca os dez anos da formação desta excelente banda de melódico rock / metal progressivo e eles estão comemorando sem inequívocos, com o lançamento de seu magnífico terceiro álbum.
Em Colliding Skies, a banda agarrou os sons, arranjos e a habilidade de compor canções presentes em The Human Connection de 2011 dando um passo em frente e mostrado um grande desenvolvimento e aprimoramento da sua arte ao fazê-lo, como no seu último álbum que foi um lançamento excelente. Colliding Skies é ainda melhor. É sempre muito bom ver uma banda de longa duração, com vários lançamentos por trás deles, que se esforça para melhorar a cada nova versão.
Estes músicos se rotulam uma banda de "progressive heavy rock" nos dias de hoje, ao contrário de anteriormente serem mais orientados ao metal, e isso parece muito apropriado. Colliding Skies é muito melódico, muito orientado ao prog-rock e com apenas alguns momentos metálicos tocados de vez em quando para adicionar um pouco de tempero picante e power. Claro, isso significa que quando chegam os momentos heavy , eles batem mesmo no centro de sua cabeça.
O primeiro sinal de peso só aparece na faixa três Painted with Grey.
O álbum abre no verdadeiro estilo épico com o tema Landmines com sete minutos quarenta segundo, que é cheio de groove, uma faixa de sucesso que o leva a uma viagem musical verdadeiramente dinâmica. Tal com o forte tema de abertura pode ter sido difícil de acompanhar, mas eles conseguem faze-lo lindamente com o tema mais curto, o cativante Badge of Honour , o primeiro grande single, música emocionalmente inspirada única e muito digna.
Colliding Skies é um álbum muito consistente, de ponta a ponta, praticamente sem momentos fracos e absolutamente sem nenhum enchimento. Todos os temas são forte, até ao aproximar do último tema With Nothing We Depart. E altamente diversificado, bem, não há sequer um toque de bluesy boogie na faixa Soldiers.
Na verdade, é óbvio que a habilidade para escrever canções foi o foco absoluto aqui, com o fluxo, a emoção, a abertura e a natureza memorável das músicas enfatizados durante a exposição de ondas vistosas e musicalidade. Consequentemente, as músicas soam bem e depois ficam na tua cabeça por longos momentos.




Temas:
01. Landmines
02. Badge Of Honour
03. Painted With Grey
04. Soldiers
05. Symbiotic
06. Tides
07. Before The Dawn
08. The Shepherd
09. Mara
10. With Nothing We Depart
Banda:
Simon Mitchell - Guitars
David Anderton - Vocals
Ryan Felton - Guitars
Ben Mazzarol – Drums
Michael Kruit - Bass

Sem comentários: