terça-feira, 3 de março de 2015

Vanilla Fudge - Spirit Of '67 (2015) USA


Uma das maiores e mais influentes bandas de sempre, Vanilla Fudge está de volta com um estrondo. Mas a verdade é que eles nunca se foram embora.
Nascido em 1966 em Long Island, Nova York, Vanilla Fudge criou uma celeuma de imediato com suas temperamentais covers expandidas de canções populares da altura. Não só a banda se encaixar bem com o clima psicadélico dos tempos, mas acrescentou algo extra e emocionante para o ambiente empreendedor. Imponente e pesado, Vanilla Fudge enroscado nos seus trabalhos com extravagante improvisação e iniciativas sinfónicas, levando-os a ser um animal original. A banda definitivamente inventou um estilo próprio e são devidamente considerados os padrinhos do rock progressivo e heavy metal.
Apesar de ser de 1967 a 1970 que Vanilla Fudge conseguiu seu maior sucesso, eles reuniram-se em numerosas ocasiões com aplausos. Mais recente encarnação da banda, que conta com membros originais Mark Stein (vocais, teclados), Carmine Appice (bateria e vocal) e Vince Martell (guitarra e vocal), junto com Pete Bremy (baixo, vocais), está programado para acertar a turnê circuito em breve em apoio de um novo álbum fantástico, Spirit of '67 (editado em 03 março de 2015 via Purple Pyramid), que presta homenagem a canções conhecidas e famosas da época.
Aspirações do funk do Vanilla Fudge sobe ao topo em versões ousadas e fascinantes do Spencer Davis Grup "Gimme Some Lovin '" e o clássico Motown, "I Heard It Through The Grapevine", enquanto os Monkees são saudados em “I’m A Believer,", que cobras e combinações com grooves e harmonias gospel. Provocada pelo rufar militar de Buffalo Springfield "For What It’s Worth", em seguida, assume um tom mais calmo antes de evoluir para um giratório apertado.
Os Rolling Stones, sem dúvida ficaram impressionados com os ajustes da banda de "Ruby Tuesday", o qual par lírico move-se com mão dura a cantar e tocar, e the Who de "I Can See For Miles" atira uma lasca de figuras do jazz numa demonstração deslumbrante de reflexos de rock gótico. Melodias e arranjos remodelados, carimbados com a assinatura de Vanilla Fudge assombrando o toque que torce e estica as músicas como caramelo, continuando a agradar aos ouvidos em "A Whiter Shade Of Pale" dos Procol Harum, Smokey Robinson com "The Tracks of My Tears" e "The Letter " por Box Tops.
A parte final do álbum, "“Let’s Pray For Peace", que foi escrito por Mark Stein, ataca uma mensagem positiva para a brilhante e polida batida do coração e alma. O nível de energia no Spirit of '67 é tão tenso e electrizante que desmente a idade da banda. É fácil ouvir Vanilla Fudge gostaram de fazer o álbum, e seu entusiasmo é contagiante. Estes rapazes são músicos matadores cuja química é constantemente bloqueada e carregada.
Vocais poderosos, escoltados por bateria violenta, riffs palpitantes, grandes refrões, ritmos Doomy e teclados que são alternadamente suaves e agressivos, somando a questão de condução destas partes. Repleto apertado com surpreendentes voltas e reviravoltas, Spirit of '67 diz nos que Vanilla Fudge ainda tem o que precisa para se destacar na multidão. Rock experimental no seu melhor e excêntrico é o que você vai encontrar neste disco.



Тemas:
01. I Heard It Through the Grapevine
02. The Letter
03. I Can See for Miles
04. Break on Through (To the Other Side)
05. The Tracks of My Tears
06. I'm a Believer
07. Gimme Some Lovin'
08. For What It's Worth
09. Ruby Tuesday
10. Whiter Shade of Pale
11. Let's Pray for Peace

Banda:
Mark Stein – Lead Vocals, Keyboards (1966–1970, 1982–1984, 2005, 2006–present)
Vince Martell – Guitar, Vocals (1966–1970, 1999–2003, 2004–present)
Carmine Appice – Drums, Vocals (1966–1970, 1982–1984, 1987–1988, 1991, 1999–2008, 2009–present)
Pete Bremy – Bass, Vocals (2002, 2008, 2011, 2011–present)

De outro álbum

Sem comentários: