vote

quarta-feira, 18 de março de 2015

Whitesnake - Forevermore (2011) UK


O Whitesnake entrou em uma máquina do tempo antes de gravar Forevermore, seu décimo-primeiro álbum de estúdio. Porque eu digo isso? Simples: as treze faixas do disco trazem para 2011 o que de melhor o grupo de David Coverdale fez em seus primeiros álbuns. O hard embebido no blues de trabalhos como Trouble (1978), Lovehunter (1979) e Ready an' Willing (1980) dá a tônica de Forevermore, um disco que irá cair no gosto de qualquer fã do Whitesnake.
Coverdale tem como principal parceiro em Forevermore o guitarrista Doug Aldrich, no grupo desde 2003. A dupla é responsável por todas as faixas, e se mostra afiadíssima. Completam o time Reb Beach (guitarra), Michael Dewin (baixo) e Brian Ticky (bateria). Sem exageros, esse é um dos melhores line-ups da longa carreira do Whitesnake. Basta ouvir o CD para não ter dúvidas disso.
“Steal Your Heart Away” abre o play atualizando o embalo do Whitesnake do final da década de 1970 e apresentando-o para os ouvintes atuais. “All Out of Luck” traz um riff meio funkeado e David Coverdale cantando divinamente. O primeiro single, “Love Will Set You Free”, é Whitesnake safra Slide It In da melhor espécie. Um sonzão!
O álbum é uma sucessão de ótimas músicas, mostrando a solidez da atual formação. “Tell Me How” é um hard repleto de classe e bom gosto, com ótimo refrão. “I Need You (Shine a Light)” tem um grande riff temperado pela dose certa de malandragem, enquando “One of These Days” é uma ótima balada com sonoridade acústica, perfeita para pegar a estrada com o coração partido e fugir de tudo.
Além de Coverdale, que tem uma performance sensacional em todo o disco, o principal destaque de Forevermore são as guitarras de Doug Aldrich e Reb Beach. Seja nos riffs ou nos solos, a dupla rouba a cena em diversos momentos. “Love and Treat Me Right” é um exemplo disso: uma faixa baseada nos riffs das guitarras e com ótimos solos, como um bom hard rock deve ser. Além disso, “Love and Treat Me Right” tem, provavelmente, a melhor interpretação de Coverdale em todo o álbum.
“Dogs in the Street” difere um pouco das demais por ser a mais pesada do CD, com certas características que nos levam a álbuns como o clássico 1987. O hard furioso de “My Evil Ways” é outro momento que irá agradar em cheio os fãs de sons mais pesados. Já “Whipping Boy Blues” tem um groove empolgante, e é daquelas faixas que você tem vontade de deixar no repeat por um bom tempo. A bonita e épica faixa-título encerra os trabalhos deixando um gostinho de quero mais, comprovando a ótima fase do quinteto.
Forevermore me surpreendeu positivamente. Gostei muito do álbum anterior, Good to Be Bad, de 2008, mas Forevermore é ainda melhor. A escolha de trazer à tona as raízes blues do grupo foi pra lá de acertada, pois é uma das principais responsáveis por fazer o disco soar tão contagiante. Para mim, Forevermore é o melhor álbum do Whitesnake desde Slide It In (1984) e se equivale a 1987.
Por Ricardo Seelig
Fonte: http://www.collectorsroom.com.br/2011/03/whitesnake-review-do-album-forevermore_18.html


Temas:
01. Steal Your Heart Away (05:18)
02. All Out Of Luck (05:28)
03. Love Will Set You Free (03:52)
04. Easier Said Than Done (05:12)
05. Tell Me How (04:41)
06. I Need You (Shine A Light) (03:49)
07. One Of These Days (04:53)
08. Love And Treat Me Right (04:14)
09. Dogs In The Street (03:48)
10. Fare Thee Well (05:18)
11. Whipping Boy Blues (05:01)
12. My Evil Ways (04:33)
13. Forevermore (07:22)
14. Whipping Boy Blues (Swamp Mix) (05:59)

Whitesnake:
David Coverdale – vocais
Doug Aldrich – guitarras
Reb Beach – guitarras
Michael Devin – baixo
Briian Tichy – bateria



Sem comentários: