vote

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Keldian - Outbound (2013) Noruega



Por quase cinco longos anos, os fãs Keldian prenderam a respiração por notícias do próximo projeto de ficção inspirado em ciência da dupla norueguesa. Finalmente, no final do inverno de 2013, um trabalho de financiamento foi anunciado e entusiasticamente saudado por apoiantes de todo o mundo. Em resumo, Outbound é uma história do sucesso da música independente, é uma história da grandeza do cosmo infinito, e, finalmente, é uma história de excelência musical continuada.
Aqueles que estão abilitados a fazer um projeto capaz de se ouvir as duas músicas iniciais : a abretura "Burn The Sky " e " Morning Light Mountain" . Como " singles" de um movimento tipo , essas músicas são boas escolhas: elas estão entre as músicas mais imediatamente emocionantes do álbum e bem colocadas perto do começo. "Burn The Sky " é um número de abertura anthemic adequadamente a par com o requinte melódico de Heaven’s Gate em "Crusader " ou Journey Of Souls com " The Last Frontier " . " Earthblood " tem uma melodia interessante e não aquela que eu estava preparado para ouvir a primeira vez. A faixa mais lenta, às vezes pisando e às vezes brilhando como uma miragem , também capitaliza a reputação da Keldian para melodias inesperadamente emocionantes. Ele provou ser um criador lento para mim, e juntamente com a seguinte, um pouco mais básica " Never Existed " , está entre as menos excepcionais das canções. Considerando a resistência geral à prova de balas do álbum , no entanto, isto não é uma queixa.
A banda está sem dúvida, soando mais moderna e mais pesada do que nunca e graças ao aumento do uso de amostras de som, o aumento da experiencia com a tonalidade, timbres de guitarra mais variados, o trabalho de teclado mais ativo e o aumento do uso de efeitos vocais, Keldian soa mais variadamente e sutilmente progressivo do que nunca. Tudo isso também tem o efeito adicional de tornar Outbound um álbum com uma sensação mais animada. Journey Of Souls foi uma exibição poderosa de suavidade e melodia brilhante, mas Outbound se sente mais vivo, mais emocional, mais frenético e mais humano. Os dois primeiros álbuns da banda tinham um talento nato para o básico, eficiência quase minimalista nas suas melodias e isso foi particularmente verdade para as teclas. Outbound é tudo menos um simples álbum: existem aqui mais sons e as músicas são cobertas com camadas mais ricas do que nunca, mas a mesma eficiência melódica pode ser observada, especialmente na lenta, mas encantadora " Morning Light Mountain"
" Kepler And 100.000 Stars" relembra mais facilmente o som que a banda abraçou em Journey Of Souls, mas e para a produção, poderia ter sido retirada do álbum. Este tipo de comportamento me impressiona: embora consideravelmente mais dinâmico do que trabalhos anteriores este álbum flui organicamente. A banda parece ter escrito sobre qualquer idéia que veio à mente e construiu as músicas naturalmente. Este pode ser o tipo de comportamento que leva a muita experimentação e eu admito que após a primeira audição eu estava um pouco perplexo com os novos sons apresentados aqui. A banda amadureceu as composições, o verdadeiro teste de tal coisa tende a serem épicos ( ou quase épicos , neste caso ), e os 12 minutos de " The Silfen Paths " é a música mais longa que a banda já gravou em CD. É um pouco suave e prolongada, às vezes, com uma boa dose de luz, porções Spacey, mas os versos e refrão são excelentes, o canto soberbo ( Christer está mais confiante e poderoso do que nunca ), e eu diria que é uma forma rápida de sucesso.
Completando o álbum, "Run For Your Life " é outro retrocesso para tempos anteriores, complementado com um curto mas brilhante solo de guitarra e o mesmo minimalismo textural que eu já falamos, " A Place Above The Air" tem um estilo Theocracy e Sonata Arctica talento especial para fazer chorar de desespero saindo como uma das melhores músicas de power metal que você vai ouvir este ano. Nada, porém poderia ter me preparado para o álbum, a mais adequada : " FTL " Eu sou um fã de Keldian quase desde que eu me lembro de ter ouvido Heaven’s Gate quando saiu em 2007, por isso não é levianamente que eu digo que eu digo que " FTL " é a melhor música que Keldian já escreveu .
Outbound é uma expressão de amigos e músicos, criando algo que é verdadeiramente esmagador, é uma expressão de inspiração quase transcendente e é a história de por que eu oiço música.



Тemas:
1. Burn The Sky
2. Earthblood
3. Never Existed
4. Morning Light Mountain
5. Kepler And 100 000 Stars
6. The Silfen Paths
7. Run For Your Life
8. A Place Above The Air
9. F.T.L.

Banda:
Christer Andresen - lead vocals, guitars, bass
Arild Aardalen - synthesizers, vocals

Musicos convidados:
Helene Hande Midje - Additional Vocals on tracks: 2,4,5,6
Thommie Myhrvold - Additional Vocals on tracks: 7,9
Kjell Vidar Merkesdal - Additional Vocals on track 4
Jørn Holen - Drums (Vreid, Cor Scorpii, ex-Ulcus, ex-Windir, ex-Ulcus Molle)





Sem comentários: