segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

HYDRA - Solar Empire (2016) Alemanha




"Solar Empire" é o segundo álbum dos alemães HYDRA, uma banda liderada por uma mulhere que musicalmente é tão versátil quanto o monstro mitológico com muitas cabeças de cobra de onde foi retirado o seu nome.
Os HYDRA são influenciados por muitos estilos de rock diferentes, como melódico metal, power metal e metal progressivo com um toque sympho.
Como o oposto da maioria das bandas da cena atual a fusão destes gêneros aqui em que o foco não é uma voz classicamente treinada. Em vez disso, a dama Lisa Rieger integra seus vocais limpos na malha musical com uma sensação de tradicional metal, dando à banda características melodias encantadoras.
Musicalmente, Hydra é conduzida por contrastes deliberados: riff heavy e fortes combinam com arranjos suaves e etéreos evocativos de contos de fadas que recordam o tradicional metal.
Há um conceito sobre "Solar Empire", uma história sobre um casal amoroso. A protagonista feminina 'Lanya' está vivendo num mundo chamado 'Lunar', enquanto o protagonista masculino 'Am'ran' é um habitante em 'Solys', mas seu amor não é tolerado. Sim, "Solar Empire" conta a história clássica de um amor proibido.
Mas tu podes desfrutar de cada faixa individualmente, e há muita variedade para desfrutar aqui.
Há um ritmo de sinfônico / melódico metal em 'Towards The End', juntamente com os coros, a um tema suave aéreo em 'Crystalline Cage', na verdade adornado por orquestrações cristalinas, flautas, gaita de foles e vozes doces.
No meio, nós encontramos títulos mais animados como 'Days Of Thunder' com seu ritmo cativante e algumas estruturas de hard rock, então não vamos esquecer o épico sinfônico com mais de 7 minutos 'Horns Of Erakor' com a voz do convidado Henning Basse (Firewind / Epysode), um alto vocalista.
Tudo em "Solar Empire" assinala as partes certas para um metal melódico bem sucedido com um trabalho power leve / progressivo metal, combinando o clássico com arranjos modernos em relação a esses gêneros.
Lisa Rieger possui uma poderosa voz limpa, tornando-se bastante doce quando necessário, ajudada em duetos por Zuberoa Aznárez (Diabulus In Musica) e Jule Dahs (Ex-Skadika) num par de faixas ainda com mais variação.
O instrumental é forte e arranjado ao detalhe, beneficiada por uma produção pura.
Um disco sólido desta banda alemã muito interessante.



Temas:
01 - Scarlet Occident
02 - Between Two Worlds
03 - Memorial
04 - Witness of Arbitrament (feat. Jule Dahs)
05 - Towards The End
06 - Crystalline Cage
07 - Days of Thunder
08 - Assassin's Scent
09 - Horns of Era'Kor (feat. Henning Basse)
10 - Doomed
11 - The Last Swan (feat. Zuberoa Aznarez)
Músicos:
Lisa Rieger - Vocals
Chris Diefenbach - Guitar
Clemens Birkenmaier - Bass
Jens Viertel - Drums
Convidados voz:
Henning Basse (Firewind / Epysode)
Zuberoa Aznárez (Diabulus In Musica)
Jule Dahs (Ex- Skadika)
Laurentius Singers - Choir
Convidados instrumental:
Ally Storch (Ally The Fiddle) - Violin / Viola
Nadine Mittmann (Conspiria) - Harp
Michele Gasparri (Vexillum) - Bagpipe
Dominik Unhold – Flutes





Sem comentários: