quarta-feira, 17 de julho de 2019

Worry Blast - Hit The Gas (2016) Suiça



Esta banda de hard rock inspirada nos AC / DC da Suíça traz o seu lançamento na forma de “Hit The Gas”, que serve um verdadeiro rock n 'roll.
Há um grande AC / DC que encontra o som dos Georgia Satellites para o 'Raised by Rock' n 'Roll' que realmente atinge o local e traz te para a Terra com uma sacudida - é verdade, as coisas não precisam ser mais complicadas do que isso eles fazem? 'Heads Will Roll' que segue é tão original quanto a faixa-título 'Hit the Gas' desde o início, é óbvio o grande sinal que estes músicos dão aos AC / DC e o rock sujo que seguiu o seu caminho, mas estes rockers suíços realmente têm as músicas para torná-los mais do que apenas seguidores.
O resto do álbum é quase tão imediato quanto o som do grande baixo em 'Born to Lose', sendo um favorito em particular, mas no final tu podes pensar que o percurso tem sido um pouco mais rápido e o cenário é um pouco monocromático.
Noutro lugar, 'Hold Up' tem uma ótima arrogância e 'Gone to the Dogs', um groove bem forte, e sim, tu acabas te perguntando qual música dos AC / DC uma faixa em particular te lembra!
Na verdade, aqui não há realmente uma música má e eu ficaria mais do que feliz em assistir a estes músicos quando eles conseguem arranjar músicas como 'At Daggers Drawn' e o mais lento bluesier 'Family Business', o único tema realmente mais lento, que balança num groove matador. O álbum fecha com outro dos melhores temas "Hot Blooded Woman", que ainda tem um toque de Def Leppard no refrão. Este é um álbum para tocar alto!



Bad Side -...Bad Things Come In Threes (2008) USA


Bad Side foi uma banda de rock formada em Michigan em 2004-2010. Apresentando Jason Mapes em Guitarras, Melissa 'Lissa' Krahnke em Vocais e Teclas, Rich Blair no baixo e Jonah Brockman na bateria. A banda tocou com Loverboy, Eddie Money, Blue Oyster Cult, Foghat, Seven Mary Three, Sass Jordan, Nonpoint e muito mais durante seus 6 anos de carreira. Eles lançaram 3 CDs trabalhando com o aclamado produtor multi-platina Beau Hill (Ratt, Warant, Winger, Alice Cooper) e tocaram seu último show em junho de 2010 no Summerfest em Milwaukee - o maior festival de música do mundo. O último show foi transmitido pela rede nacional de TV a cabo "The Cool TV" e encerrou uma grande corrida pela banda. Mapes mudou-se para Nashville em 2010 e tornou-se o apresentador de "Music City Music & Lyrics" um show semanal do cantor / compositor no centro de Nashville e também toca e atua como artista solo. O baterista Jonah Brockman retornou a sua carreira solo e tem 3 CDs disponíveis online.



terça-feira, 16 de julho de 2019

Bad Side - Bad Side II (2007) USA


Bad Side é Jason Mapes em todas as guitarras e backing vocals e Melissa 'Lissa' Krahnke no Lead Vocals. No estúdio, Rich Blair forneceu o baixo e Dan Furmanik tocou toda a bateria, alguns baixos e alguns backing vocals.
Seu primeiro CD foi lançado em 2005 e recebeu ótimas críticas!
O novo CD - Bad Side II traz mixagens do produtor MULTI-PLATINUM, Beau Hill! (o homem por trás de Ratt, Winger, Warrant e mais!) Beau se aproximou da banda para trabalharem juntos e a banda estava ansiosa para adicionar o toque Platinum de Beau ao novo CD.
Do começo ao fim, o Bad Side II é um dos álbuns de rock mais sólidos de 2007. As coisas começam com uma energia tão alta que é difícil acreditar no quão bom é o fluxo desse álbum. Jason e Melissa fizeram um trabalho incrível colocando todas as faixas no momento certo do álbum, então quando parece que as coisas estão prestes a nivelar a banda, volta com uma variedade de elementos diferentes para manter tudo empolgante.
A combinação perfeita, considerando que Jason Mapes é um dos guitarristas tecnicamente mais proficientes na cena do rock hoje. Sua forma de tocar é tão refrescante de se ouvir, já que ele basicamente pode improvisar um riff de guitarra e adicionar a quantidade certa de influências como Eddie Van Halen ou Ace Frehley o tempo todo sem se desviar de seu próprio estilo. Depois, há o outro fator na equação na forma de Melissa Krahnke, que pode combinar com Jason na entrega e resistência. Sua voz sozinha pode trazer tantas emoções que é insano ouvir, considerando que aqui está uma mulher a cantar que pode suportar uma banda rock de verdade. Misture esses dois elementos juntos com composições coerentes e o resultado final é uma dose matadora de rock 'n' roll de alta voltagem.



Bad Side - Bad Side (2005) USA


Bad Side é uma banda de rock. Claro e simples. Vocais que sobem e guitarras que rugem! Bad Side tocou com rockers como Scorpions, KISS, Aerosmith, AC / DC, Bob Seger, Bon Jovi, Guns and Roses, Elton John e outros. O CD reflete esse estilo clássico sem soar desatualizado. Liderada por Jason Mapes no Lead e Rhythm Guitars, backing vocal e teclados e Melissa 'Lissa' Krahnke nos vocais, piano e teclados. A dupla gravou o seu CD de estreia em Nashville, TN no Hitmakers Digital Sound com o multi-talentoso Dan Furmanik. Dan também tocou alguns instrumentos, incluindo bateria, baixo e guitarras rítmicas. Também no disco está Carol Lee Cooper, conhecida por seu trabalho vocal no Grand Ole Opry, conduzindo "The Carol Lee Singers". Carol contribuiu com sua experiência vocal para a grandeza da música "See Now" não apenas adicionando sua voz, mas também organizando o Coro que acompanha a música. Quem também contribuindo foi Rich Blair no baixo para várias das músicas. Bad Side foi escolhido entre mais de 100 inscrições para aparecer no CD "Northern Michigan Rocks", que foi lançado pela estação de rádio rock WKLT de Traverse City. O monstro de Detroit WRIF "The Riff" tem apresentado a banda com frequência e o PD Doug Podell, do WRIF, foi citado no seu programa dizendo "Eu tenho escutado esse CD ... eles são bons!"



Benedictum – Uncreation (2006) USA



Vindos de San Diego, Califórnia, a banda de cinco membros que se intitula BENEDICTUM está pronta para seguir os passos de bandas como JUDAS PRIEST, METAL Church e o lendário Ronnie James Dio. Agora isso é um inferno de uma combinação! Juntando todos esses elementos, o lançamento de estreia dos BENEDICTUM, "Uncreation", é um espetáculo atrevido, poderoso e com um baixo, que te fará bater a cabeça do começo ao fim. Eu acho que a melhor maneira de descrever a sensação geral é nas linhas de "Angry Machines" de DIO ou "Magica" a era é um pouco menos polida e muito mais abrasiva.
BENEDICTUM é liderado pelos talentos vocais ásperos e grosseiros de Veronica Freeman que, de certa forma, me lembra um pouco o cruzamento entre Wendy O. Williams e Doro Pesch com apenas uma “sugestão” de DIO. Freeman é o complemento perfeito para uma banda rica em talento. Da seção rítmica do baixista Jesse Wright e do baterista Blackie Sanchez, aos teclados assombrosos de Chris Morgan e, finalmente, ao trabalho de guitarra estrelar de Pete Wells , BENEDICTUM é definitivamente uma força a ser reconhecida. Além de tudo isso, adicione uma produção superior do ex-baixista dos DOKKEN / DIO, Jeff Pilson, e algumas participações especiais de Craig Goldy e Jimmy Bain, e tens uma estreia absolutamente excelente, o que deve fazer muita gente na indústria se levantar e tomar conhecimento.
O álbum abre com a faixa-título, "Uncreation", que apresenta uma introdução assustadora que leva a uma sinfonia pesada e durável, que permanece consistente praticamente durante todo o lançamento. Este tema continua no próximo par de faixas, “Benedictum” e “# 4”, com o seu rosnar, às vezes quase cantando, refrões e hard, heavy, ritmos pulsantes. "Misoginia" diminui um pouco, mas ainda mantém esse elemento duro.
Mudando em alta velocidade, mais uma vez, as próximas duas músicas ("Ashes to Ashes" e "Wicca") estão entre as minhas faixas favoritas no CD. Estas melodias de alta potência apresentam alguns dos melhores trabalhos de guitarra no álbum soando muito ao etilo Yngwie às vezes, enquanto que apenas sutilmente tocando num pouco de George Lynch, que é muito evidente nas notas de abertura para "Wicca".
Em seguida é a primeira de duas covers absolutamente surpreendentes dos BLACK SABBATH, "Heaven and Hell". O que posso dizer? Esta é uma das melhores covers que eu já ouvi da música. É singularmente original, mas mantém-se fiel às suas raízes e inclui alguns trabalhos de guitarra muito impressionantes que fazem até o grande Tony Iommi se levantar e ouvir! Muitos elogios para Veronica e toda a banda… que deixa os SABBATH orgulhosos.
“Them” voltam para aquela sensação dura e surda e continuam em “Two Steps To The Sun”, o que (se tu ouvires REAL de perto) sugere um pouco do refrão de “Gates of Babylon” de RAINBOW. “Uncreation”, em seguida, acaba com a melhor faixa no CD, “Valkyrie Rising”. Vocalmente, liricamente e musicalmente, “Valkyrie Rising” traz o álbum inteiro numa proporção quase épica combinando elementos de praticamente todas as faixas do CD. Mas, para não esquecermos, isso ainda não acabou, pois “Uncreation” termina com a segunda cover dos SABBATH, “The Mob Rules”, que é, sob todos os aspectos, outro elogio ao original.
"Uncreation" é um primeiro trabalho absolutamente tremendo. O CD é hard, heavy e mói através de teus ossos como uma navalha. Os deuses do metal abriram novamente seus portões enegrecidos e o rugido abafado liberou BENEDICTUM!



Scorpions - MTV Unplugged - Live In Athens (2013) Alemanha



Em 11, 12 e 14 de Setembro, as lendas do hard rock “Scorpions” realizaram três concertos em Atenas na Grécia sob a bandeira “MTV Unplugged – Scorpions Live In Athens” no Teatro Lycabettus na parte antiga da cidade. Pela primeira vez na história da série “MTV Unplugged” um concerto foi realizado a céu aberto na Grécia. A banda tocou seus maiores sucessos que são clássicos do rock, bem como algumas novas canções exclusivas no som e no arranjo típico do “MTV Unplugged”.
No show, Rudolf Schenker (guitarra), Matthias Jabs (guitarra), Klaus Meine (vocal), Pawel Maciwoda (baixo) e James Kottak (bateria) executaram clássicos, canções recentes e inéditas.


Primitai - Rise Again (2013) UK



Terceiro álbum da banda. Mixagem e masterização do álbum feita por Fredrik Nordström (DREAM EVIL, ARCH ENEMY, SABATON, IN FLAMES, HAMMERFALL, FIREWIND) no Studio Fredman, Gothenburg, Suécia,e o registro foi realizado em conjunto com Tom Keech em Stakeout Studios, Londres.
PRIMITAI adiçionou o guitarrista Tom Draper para as fileiras do grupo. Ele substitui membro fundador Nick Saxby , que deixou a banda no início deste ano. A chegada Tom adicionou um novo impulso ao processo, bem como, ao lado de Srdjan Bilic , algum trabalho inspirado de guitarra.
O guitarrista Richie Faulkner de JUDAS PRIEST participou numa música. Os rapazes deram um significativo passo em frente em relação aos trabalhos anteriores. O material tornou-se mais hits e memorável. O álbum saiu muito forte. ! Recomendo


WILD ROSE - Hit 'N' Run (2014) Grécia



WILD ROSE fez sua estréia há 4 anos e mostrou que os gregos foram plantadas na década de 80 puro
AOR na composição e som, e desde então eles lançaram deliciosos álbuns para os fãs do género.
E seguindo essa curva ascendente, a banda está de volta a música com "Hit 'N' Run", um CD que prova, de uma vez por todas, que Wild Rose é uma banda a ter em conta.
Novamente com o talentoso David A. Saylor no microfone, o trabalho é notável e as próprias canções são de alta classe. Os vocais são quentes e apaixonados e são apoiados de forma adequada por algumas guitarras de veludo que respiram emoção. E nós temos que os teclados / sintetizadores em redemoinhos que todos nós amamos.
Os destaques incluem o cativante rádio friendly AOR / melódico rock "Through The Night", "I'll Be There", "Stay", "Another Day" (uma das minhas favoritas) e o explosivo "Can't Wait On Love".
E quando pensas que não poderia ficar melhor, entra "Give In To Me" (com as suas guitarras perfeitamente equilibradas e teclados) e que o matador "I Want Your Love" (outro favorito) fechando a tracklist.
Mas há algumas baladas muito bos também, como a comovente "Without Your Love" (isto é que é uma melodia!) E "Together", um mid-pacer tão poderoso que poderia fazer o Minotaur dar um passeio através de um matadouro.
Somando tudo, vejo Wild Rose crescendo a cada álbum que coloca fora, e "Hit' N 'Run" é uma prova disso. Vocais requintados de David A. Saylor são uma adição valiosa para o trabalho da banda, enquanto os arranjos e produção são mais fortes do que nunca.
Mantendo intacta a fórmula de sucesso que mistura melodias suaves e refrões celestiais, "Hit 'N' Run" é uma compra obrigatória para qualquer amante de AOR / Melodic Rock.



XLR8 - GIRLS LIKE TO ROCK (2013) USA



Olhando para a música que coloca o X no sexo?
Não procure mais - Hair Metal Masters XLR8 voltaram!

XLR8 foi formada em 1996 e foi parcialmente responsável por manter a cena do Hard Rock & Hair metal vivo na costa leste na época em que Grunge assumiu as ondas. Abrindo para bandas como Firehouse, Britny Fox, Slaughter, Warrant, Ratt, Dokken, Cinderela, WASP, Ace Frehley, LA Guns, Quiet Riot e Tesla. Agora Demon Doll Records uniram-se com a banda para voltar a emitir o CD de XLR8 original, incluindo faixas nunca lançadas e demos que estão para se tornar clássicos do metal!
Uma grande revista listou o lançamento como " gumes de hard 80 músicas de sexo impulsionado o rock com guitarras secas que certamente irá dar ao ouvinte uma EAR-gasm".
As músicas "Go Go Dancer" e "Girls Like To rock" foram ouvidos no show Howard Stern em 1999 e atraiu a atenção de muitos programas de rádio nacionais.
Esta é uma viagem musical que, uma vez iniciada, devem chegar à conclusão inevitável de que as meninas gostam de Rock!



LONEWOLF - CULT OF STEEL (2014) FRANCE




Os Franceses Lonewolf, irmãos de armas dos Nightmare, acabam de apresentar o seu mais recente trabalho, "Cult Of Steel". Realmente o metal é um culto, uma religião, não é verdade? Poderoso e bem equilibrado disco. Metal potente vindo da idade média, onde a forja era a profissão maior.
Rápido, descomprometido, sem ambições promovidas por arranjos de produção, apenas puro metal com guitarras e bateria, que apoiam um vocalista gutural e coros de seguidores da causa até à morte.
Serão talvez seguidores da saga germânica de meados de 80, em que bandas de 3ª linha como Gravestone, Tyrant, entre muitos outros, editavam discos deste género, dando origem a novas promessas como Running Wild, Grave Digger. Posso estar enganado nesta minha observação e a banda até estar inspirada noutra formas como o folk ou o viking metal, mas como conheço essa onda metálica vigente na Germânia em meados da década de oitenta, é-me difícil dissociar estas correntes musicais, e por isso só um confronto entre estes gauleses, cheios de poção mágica contra esses germanos pode resolver a questão. Diria Obelix: - São loucos esses germanos! E eu também por me meter ao meio dessa confusão; ou melhor, por ter criado essa confusão. De qualquer modo, soam a algo que já foi feito, mas nem por isso deixa de ser cativante e merecedor da vossa atenção. Bom disco de Metal no género que vos descrevi. Recomendado!
McLeod Falou!