quinta-feira, 30 de junho de 2016

Sacred Heart - The Vision (2012) USA


Outra banda de metal fantástico dos EUA na linha de Shock Paris / Fifth Angel. Sacred Heart de Cleveland realizou apenas um três-track-tape chamado "The Vision", em 1989. Sim, tens razão, temos aqui um problema de reedição da demo com muito material bônus.
Mais duas faixas extras serão incluídas num presente: "Time After Time" de 1991 "Heavy Artillery" sampler (lançado pela Auburn Records) e "Take Hold" (uma faixa, que foi esquecida há muito tempo), bem como um anteriormente EP inédito gravado a partir de 2010 pelo guitarrista Byron Nemeth (que entrou nos Amon-Ra após a separação do Sacred Heart em 1991).
Em destaque nos Sacred Heart são os poderosos vocais de alta frequência do cantor Keith Van Tassel, as melódicas twin-guitarras e o som de bateria desta obra-prima. Melódico Power Metal dos EUA no seu melhor, á maneira que nós gostamos!
O EP seis-track do Byron Nemeth Group é mais progressivo e moderno, então, não é mais típico do que outro metal dos EUA, incluindo alguns teclados e até violinos também. Mas a sua composição variada é muito grande. Neste o cantor Ray Richter tem uma voz clara e poderosa.
A transferência de fita analógica a partir do original de 1989 nas fitas master dos Sacred Heart foi feito pela indústria de Bruce Maddocks em Los Angeles, Califórnia, em 01.16.12. Todas as músicas do Sacred Heart foram totalmente remasterizada por Pacifica Studios. O transporte da obra de arte original para o ano de 2012 estava nas mãos de Timo Wuerz.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Halloween - Terrortory (2012) USA


Os Halloween de Detroit existem quase há 30 anos dizem que tocar heavy metal com um toque da velha escola parece ser uma aposta segura. Seu mais recente álbum, Terrortory de 2012, é um abrandar os caminhos do horror-strewn, mais recentemente, viajaram com os Wolf da Suécia. Todas as músicas são em meio-tempo, heavy e ameaçador. Como o nome da banda diz, horror é o tema principal das letras e títulos de músicas como " Traipsing Through the Blood", "Caught in the Webs" e " Hands Around My Throat" encerra o caso para julgamento.
Qualquer banda que existe há tanto tempo merece algum reconhecimento, mas, apesar de sua posse, há problemas com Terrortory. Através das primeiras cinco ou seis músicas, o álbum vai soando muito bem. Os guitarristas Donny Allen e Don Guerrin exibem algum trabalho agradável de ligação e o resto dos músicos estão bem. Em torno meio do álbum, o cantor Brian Thomas começa a marcar um pouco. Ele parece cansado e se esforçando para atingir as notas em faixas como " Re-inventing Fea" ou " Scare You". Até mesmo os vocais de fundo não ajudam e estes são ocasionais. Este é também o ponto onde começa a desintegrar-se sob o seu próprio peso Terrortory. Não parece terem boas ideias o suficientes para todas as 16 faixas do álbum. Sei que parte do material não foi escrito especificamente para os Halloween nem Terrortory mas poderia facilmente ter cortado algumas canções e ficariam com um álbum muito mais forte.
Fãs do Heavy Metal dos anos 80, especialmente aqueles que gostam das músicas de inspiração no horror e de Lizzy Borden ou Hallow's Eve, irão encontrar o valor de Terrortory. Basta estar preparado para saltar para encontrar as melhores músicas.

Mad Max - Another Night Of Passion (2012) Alemanha


Com várias interrupções prolongadas ao longo do caminho, Mad Max da Alemanha vem tocando há mais de 30 anos. Com Another Night Of Passion, sugerindo para o álbum de 1987 que era suposto rebentar nos Estados Unidos, mostra que os Mad Max estão em boa forma.
Mad Max: Mel Gibson suspeito ausente.
Isso é essencialmente hard rock melódico, às vezes aproximando se do metal; as coisas que os fez famosos nos anos oitenta. Another Night of Passion apresenta quatro músicos que torna isso verdadeiro. Grandes canções com grandes ganchos, melodia e solos de guitarra rasgando e não tem teclados. Ah, sim, ou ainda sem baladas, Fallen from Grace pode ser considerada um hino do metal. E o lado do metal revela-se na apropriadamente intitulada Metal Edge.
Black Swan, uma das melhores canções, turva as linhas com notas de power metal e melódico hard rock. Mas os mais fortes e ousados rockers levam a carga aqui, com 40 Rock, Back and Alive, e Rocklahoma é bastante notável.
Honestamente, depois de ouvir, eu não fiquei muito impressionado com Another Night of Passion e Mad Max, não querendo descartá-los como referencia do metal melódico dos anos 80. A audição mais atenta prova que entre a musicalidade forte e simples maturidade, o tempo mostra se muitas vezes ingrato para Mad Max.

Fates Warning - Theories of Flight (Limited Edition) (2016) USA



Classificado como pioneiros do prog metal USA ao lado de nomes como Queensrÿche ou Dream Theater e continuam de pé até hoje como veteranos com doze álbuns, Fates Warning lança seu novo álbum "Theories of Flight " próximo dia 1 de Julho.
Metal progressivo é, por definição, tudo sobre o movimento, mudança, e intensidade. Com "Theories Of Flight" Fates Warning está atualmente numa versão com base em torno desses mesmos temas centrais. E eles são excelentes.
É parte de outro mundo? Oiça o tema de abertura do CD “From The Rooftops” para o motor múltiplo de fusão nos momentos de bateria são cortesia de Fates Warning e do baterista Bobby Jarzombek, e os solos de guitarra loucos podem ser encontrados na poderosa "White Flag".
Sem dúvida uma das melhores faixas no álbum "White Flag" são cinco minutos de força, uma tempestade de acordes maciços, solos queimando, agitando riffs e grooves exaustivos que sustentam os vocais de Ray Alder, simultaneamente, falando diretamente e cantando teatralmente.
E sobre épicos? Fates Warning tem dois para entregar, um “The Light And Shade Of Things” e outro destaque intitulado “The Ghosts Of Home”. A última prova o vencedor deste álbum como guitarrista / produtor / compositor Jim Matheos vai fundo no seu passado, remoendo as repercussões psicológicas do desenraizamento repetidas na infância e emergente com uma música que só precisas de ouvir para ti mesmo, porque dizer mais alguma coisa iria estragar uma experiência dos fãs de Fates Warning com o tesouro que demorou algum tempo para vir.
Precisas de algumas performances vocais virtuosas? Não te preocupes: Ray Alder abrangeu a faixa-título em “Theories Of Flight” e a sua cativante duração de cinquenta e três minutos divididos em várias seções.
Simplificando, “Theories Of Flight” é um exemplo quase perfeito do progressivo metal moderno.
Fates Warning nunca foi uma banda infernal para comandar o mais ouvinte com suas proezas técnicas, velocidade e mudanças de tempo gerado a confusão. Os músicos são todos altamente qualificados e técnicos nos seus instrumentos, a música é certamente complexa e os ritmos e grooves deslizam e movem se juntos como um dançarino de Bali com uma cobra-rei, mas no coração de todas as músicas há uma melodia forte, preenchida com ganchos para desenhar o ouvinte e até coros acessíveis, uma heresia para alguns fãs do prog.
Mas essas melodias fazem a sua casa aqui, e eles desenham o ouvinte todo o tempo, e fazem-te desejar mais bandas com a capacidade de fazê-las bem.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Unisonic - Unisonic (2012) Alemanha




O vocalista Michael Kiske e o guitarrista Kai Hansen, ambos dos Helloween juntaram forças na actual banda UNISONIC! Antes disso, poderíamos, ocasionalmente, ouvir os dois juntos em algumas de faixas a solo de Kiske ou em álbuns dos Gamma Ray e dos Avantasia. Mas Unisonic é uma coisa séria e real, cerca de 50 minutos de génio do rock-metal puro - um deleite para quem aprecia o agradável talento destes dois companheiros ex-Helloween.
Alguns podem se perguntar se álbum de estreia auto-intitulado dos Unisonic é metal, o que seria um sonho para a maioria dos fãs do Helloween, ou talvez hard rock ou AOR que Kiske parecia ter preferido nos últimos anos, mas os rótulos tal como géneros não importa se o material é de boa qualidade como no presente caso em particular. Se é um facto de que Kiske principalmente compõe canções de rock e Hansen geralmente permanece fiel ao metal só contribui para o valor global do álbum. Unisonic não é, portanto, apenas um monte de grandes riffs de guitarra, mas também ostenta algumas belas melodias, letras pensadas e sobretudo variedade de escrita das canções o suficiente para nos manter redefinindo o álbum a cada faixa.
Ele começa da melhor forma possível, a faixa-título em poucos segundos põe os ouvintes a bater os pés e com o trabalho inspirado de guitarra abanas a cabeça e quase partes o pescoço com ritmo, depois estremeces totalmente com o poderoso refrão. As músicas seguintes são, a electrizante “Souls Alive” a optimista "Never Change Me" e a relaxante "I’ve Tried" - e sem piedade nos ataca com seus ganchos afiados. Mesmo nos casos de momentos mais maduros, como perto do fim de outra forma elástica "My Sanctuary", pode-se sentir que há alguma energia cósmica a ferver sob a superfície, enquanto o "King for a Day" marca um retorno ao mais pesado, ao estilo Gamma Ray. Destaco ainda outra - "Star Rider". Eles terminam com uma nota mais melancólica com "No One Ever Sees Me," tema emocional com grandes letras e uma bela performance vocal de Kiske.
Embora Kiske e Hansen sejam as estrelas principais da banda, há este sentimento em todo o álbum dos Unisonic – que conta também com Kosta Zafiriou na bateria e Ward Dennis no baixo dos Pink Cream 69 e Mandy Meyer dos Gotthard na guitarra, é uma entidade muito homogénea e não apenas um projecto de dois veteranos do metal pesado. De qualquer forma, a palavra "veteranos" soa um pouco mal, não é? Após todos estes anos Kiske e Hansen têm som fresco e energético como noutros tempos. Unisonic nunca foi concebido para se tornar um clone dos primeiros álbuns do Helloween, não é nada disso, mas vai ser difícil conseguirem recuperar a atmosfera jovial do vocalista e guitarrista inovadores em 1980.

Elm Street - Knock 'Em Out... With A Metal Fist (2016) Austrália



Australianos com pesadelos desagradáveis estão de volta com o seu segundo álbum que promete ser um punho metálico que te vai agarrar. Bom trabalho na capa em estilo cómico torna este álbum muito interessante, tipo de na mesma linha como a capa do álbum de estreia, que foi lançado em 2011. O álbum de estreia, foi muito bom, mas muito comum em estilo, não teve grande destaque. Passaram se vários anos desde o ultimo álbum e agora talvez eles tenham encontrado algo com a sua própria voz.
Este álbum é mais heavy metal padronizado com alguns traços de thrash metal tornando-o um pouco mais poderoso do que algumas bandas do género. Bons vocais, produção forte, mas eles realmente não nos levam em qualquer direcção diferente do que ouvimos no primeiro álbum, é mais ou menos a mesma coisa. Nós temos um pouco mais de variação e melhor produção do que no primeiro álbum, mas realmente eles não evoluíram de qualquer outra maneira. Eu teria gostado de os ouvir com algo mais pessoal, mas é a mesma coisa de antes, e o álbum é bastante longo, com 56 minutos não é variado o suficiente para manter-nos focados na música através de todo o álbum.
Eu acho que é um bom álbum com canções fortes, boa energia e é simples o suficiente para facilmente o levar. Mas também acho que é demasiado neutro e muito anónimo para realmente se destacar e ser notado, os fãs de heavy metal provavelmente vão gostar deste álbum, mas considerando a quantidade de música existente do género este álbum realmente pouco se destaca em comparação com a maioria da música lançada. Embora a arte da capa seja perceptível para que haja uma chance.
Eu acho que a faixa de abertura Face the Reaper, o destaque do álbum, talvez porque estabelece um bom-tom para o resto do álbum e é a primeira que ouve do álbum, mas é realmente boa. Eu acho que este é um álbum muito sólido, mas que não se destaca o suficiente para fazer qualquer grande impressão.

domingo, 26 de junho de 2016

ZAR - Don't Wait For Heroes (2016) Alemanha



Banda fundada pelo guitarrista alemão Tommy Clauss, ZAR entregou um estupendo álbum AOR em 1990 com o ícone ex-Uriah Heep John Lawton nos vocais. Agora, 2016 e após treze anos desde o último lançamento da banda, ZAR está de volta com "Do not Wait For Heroes".
Desta vez o mentor Tommy Clauss decidiu ser o vocalista, bem como, pela primeira vez na carreira dos Zar. Gravado e produzido por si e masterizado pelo renomado Alexander Krull (Leaves' Eyes) "Do not Wait For Heroes" tem todas as marcas do último período dos Zar: groovy Hard rock com melodia num molde tipicamente alemão.
A faixa título abre o CD e é a primeira amostra pura do hard rock dos anos 80 no seu melhor, impulsionado por um grande groove, uma linha de coro memorável e guitarras cativantes.
Após a melódica 'One Step Closer' e o espetacular 'Fighter', em 'The Rain Is Still Going On’, temos um dos destaques do álbum, uma bonita balada clássica e tão emocional que inclui soberbos vocais e um enorme trabalho de guitarra.
É hora de acelerar um pouco as coisas com o rocker 'Till The Final Day', e mais tarde o midtempo 'Time' é mais um momento alto, um pouco teatral, que te prende com a sua melodia e Clauss tem um desempenho sólido.
Clauss é principalmente um guitarrista, e ele mostra sua guitarra a tocar heavy em ‘Triumph Of Faith', e chama toda a atenção com alguns solos quentes em 'Stalingrado', 'Konsuke' e um pouco fora de moda, mas verdadeiro em 'Storm'.
"Don't Wait For Heroes" é um álbum simples, mas extremamente eficaz tradicional hard rock com toda a vibração dos anos 80 intacta.
Clauss é realmente um bom guitarrista (também com baixista) e ele pode não ser Lawton, seus vocais são muito bons e em sintonia. Especialmente nas faixas midtempo, onde a atmosfera groovee toma lugar, é onde este Zar 2016 funciona melhor.

Doro - Strong and Proud (2016) Alemanha


Rainha do metal alemão DORO celebrou o 30º aniversário de atuações ao vivo durante 2013/2014 em turnê pelo mundo todo por um ano, e agora um álbum comemorativo chamado "Strong And Proud - 30 Years Of Rock And Metal".
Dorothee Pesch teve um grande impacto desde o estouro da cena no início dos anos 80 como um membro dos Warlock. Abençoada com grande entusiasmo que nunca diminuiu, a cantora de Düsseldorf ajudou a criar muitos dos limites que conhecemos hoje, nunca usando seu sexo para vender discos, cada vitória ou ponto de referência - em 1986 ela se tornou a primeira mulher na frente um banda de metal em Castle Donington - no entanto grande ou pequeno, construindo uma carreira que já se estende por mais de três décadas.
Através de 14 canções, no "Strong & Proud" Doro celebra sua carreira desde os Warlock até os dias de hoje, também oferecendo versões cover de artistas que a inspiraram - incluindo Iron Maiden, Dio e Accept.
Além de sua impressionante banda, todos vieram para a festa com Doro: Phil Campbell (Motorhead), Biff Byford (Saxon), ex Accept Udo Dirkschneider, Uli Jon Roth, Chris Caffery (Savatage), Blaze Bayley (ex-Iron Maiden), Joakim Broden (Sabaton), Hansi Kürsch (Blind Guardian), Lordi, bem como muitos convidados mais surpreendentes - a lista de estrelas que celebravam com a rainha do metal no palco surge como um quem é quem no cenário do rock & metal.
"Strong And Proud - 30 Years Of Rock And Metal" é realmente uma boa vitrine para a carreira de Doro e seus talentos no palco. É um álbum gravado correctamente, cheio de muitas músicas fortes.

sábado, 25 de junho de 2016

POST DA SEMANA

Foghat - Under The Influence (2016) UK



Os lendários rockers Ingleses FOGHAT estão comemorando o 40º aniversário de sua primeira canção de êxito com um novo álbum intitulado "Under The Influence". A formação atual da banda está junta há mais de uma década e parecem estar tão fortes como sempre, entregando grooves de clássico hard rock com um som explosivo.
"Under The Influence" apresenta uma mistura de músicas novas e alguns covers e a julgar a qualidade deste novo álbum perfeitamente produzido pelo vencedor do Grammy Award Tom Hambridge, temos que dar valor para estes roqueiros veteranos.
Foghat estão de volta em pleno vigor e ouvir este álbum é difícil acreditar que eles já foram embora. Para as gerações mais velhas de ouvintes de clássico rock que será lembrado por seu "êxito dos anos 70; para a geração i-phone de hoje eles vão os conhecer no Guitar Hero.
De qualquer maneira é a faixa "Slow Ride", que será familiar para todos. Estes 9 minutos de guitarra boogie tem sido um suporte de rádio dos EUA desde então e não foi surpresa para vê-lo aparecer num jogo de tocar guitarra.
Só o baterista Roger Earl é da formação original, embora o baixista Craig MacGregor está a bordo desde 1977. a banda atual é completada pelo guitarrista Bryan Bassett (Wild Cherry, Molly Hatchet) e Charlie Huhn (Ted Nugent, Humble Pie).
No entanto, a chave para o sucesso deste álbum será o fato de que eles têm ligado com o produtor e compositor Tom Hambridge. Fãs de ZZ Top, Joe Bonamassa e muitos outros vão estar familiarizados com o seu trabalho (também ver seus discos solo eles são muito bons).
Ele preenche todo o álbum com um brilho comercial na escrita e produção. É, portanto, carregado com guitarra rock up-tempo que salta para fora dos alto-falantes.
O novo material é bom; particularmente 'Heart Gone Cold', 'Hot Mama' e a matadora 'Knock It Off'. Há até mesmo uma versão melhorada do 'Slow Ride' anteriormente mencionado e um cover de 'Heard It Through The Grapevine'.
Todo o disco é recheado de potenciais hits e posso imaginar este álbum a ser um suporte da Classic Rock Radio durante os próximos anos.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Steel Engraved - On High Wings We Fly [2012] Alemanha


Banda de Power Metal alemão STEEL ENGRAVED foi fundada em 2006 por Andy Straehler, Marco Schober, Chris Wende, Thorsten Zirpner e Anton Weber.
Em dezembro de 2009 Daniel Kieslinger juntou-se aos STEEL ENGRAVED substituiu Anton Weber na bateria e Thomas Lang substituiu Thorsten Zirpner no baixo no final de 2011.
O primeiro Demo CD foi um lançamento de 2007 e é chamado de "Fuel For Life" e ganhou muitas boas críticas. O primeiro longplayer "State Of Siege", saiu em Agosto de 2010 por Stone Stallion Records e foi uma homenagem muito clássica ao heavy metal dos anos 80.
Desde então, o som da banda desenvolvendo continuidade de Power Metal moderno, com algumas influências sinfónicas, mas nunca perdeu suas raízes clássicas.
Em 2010, a primeira turnê europeia foi tocada com CIRCLE II CIRCLE e VICIOUS RUMORS.
Um tour como suporte para WASP em 2011.
Em 2012 STEEL ENGRAVED lança seu novo álbum chamado "On High Wings We Fly", que é um simples pedaço de verdadeiro Power Metal alemão. Foi produzido por VICIOUS RUMOR e Mastermind GEOFF THORPE durante janeiro e fevereiro de 2012.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Hammerforce - Access Denied (2013) Russia


Seis peças formam Hammerforce banda de power/prog metal da Rússia Eles tiveram seu início em 2006 e tem dois outros lançamentos "Dice" de 2009 e "Mass Media" single de 2011. Este chama-se “Access Denied.
"I Am I" é a primeira canção que chega aos meus ouvidos, um início épico, podes dizer que vai ser muito emocionante a partir dos primeiros riffs. Minha mente pensa automaticamente em Dream Theater, isso é uma coisa boa, pois eu sou um grande fã de DT. Como alguns trabalhos de teclados são incríveis e o que eu escuto é tocado com talento, tanto quanto o trabalho de guitarra e eles se complementam muito bem.
"Templates For All" os vocais estão batendo grandes recordes nesta faixa quase uma reminiscência do estilo de Rob Halford, bateria é rápida e precisa com um alto nível de detalhe e complementa cada nota que foi tocada pelos outros instrumentos.
"Wasted" é a terceira faixa editada para este álbum, vocais duplos nos primeiros versos são um ajuste perfeito para o ataque que vem a seguir, todos os elementos de seus talentos são evidentes nesta faixa como cada instrumento é capaz de fazer algo diferente para momento, mas permanecem sempre dentro da ferocidade da composição.
Eu recomendo este álbum para os fãs do Dragonforce, Dream Theater ou Judas Priest.

David A Saylor - Ship To Nowhere (2016) UK


David A Saylor tem um estilo de assinatura, onde o AOR e West Coast encontram se no meio. Desta vez, David elevou suas participações e produção e reuniu os melhores músicos para fazer o trabalho neste cd. Isto inclui três membros do PUSH do Reino Unido e o colaborador de há muito tempo JON DEWSBURY e o guitarrista RAY HATFIELD (ex Martin Turner's Wishbone Ash).
Aparição especial do convidado no dueto tema We Won't Sacrifice é PHIL BATES (ex ELO2 e Atlantic singer). Outras faixas incluíndo Open Door que tem um som Scandi clássico se tu cruzares Alien e Rainbow. O cover adicional de John Waite, é dedicado à memória do pai e da falecida irmã de David.

Walter Trout - Alive In Amsterdam (2016) USA



ALIVE in Amsterdam contém canções extraídos de todos os períodos da carreira de cinco décadas de Walter, mas o seu mais recente álbum 'Battle Scars' tem sido o centro da atenção de Walter e tem fascinado os fãs do guitarrista em todo o mundo com suas frases magistrais e estilo único. Walter Trout foi três vezes vencedor do título Overseas Artist Of The Year no British Blues Awards, e três vezes candidato ao Blues Music Awards.
Em 2015, ele ganhou o Prémio Sena European Guitar Award e também lhe rendeu o # 6 slot in BBC Radio One’s Top 20 Guitarist listeners’ poll.
Lançado a 17 de junho de 2016 em Mascot / Provogue, 'Alive in Amsterdam' é o som de um homem anunciando sua ressurreição após um período de paragem. Walter Trout nunca soou tão vivo. A data é 28 de novembro de 2015. A localização é de Amesterdão Teatro Real Carré. E a ocasião é uma performance ao vivo da lenda blues-rock a todo vapor. "We were rocking", lembra Trout no show de retorno capturado em "Alive in Amsterdam '. É no palco onde Walter Trout está verdadeiramente vivo.

domingo, 19 de junho de 2016

POST DA SEMANA

TEMPT - Runaway (2016) USA


"Runaway", a estreia de nova-iorquinos TEMPT marca o primeiro lançamento de Rock Candy Records de um novo artista com um álbum novo.
Tempt tem sido mencionado em vários sites e revistas ao longo do último ano, elogiando principalmente o altamente recomendado EP autofinanciado e um muitos shows ao vivo. O EP apresentou uma banda jovem, mas completamente contemporânea, tocando um estilo de música que evoca memórias das grandes bandas de melódico hard rock do passado.
A música dos Tempt é bastante moderna, mas a musicalidade e o espírito trazem à mente clássicos de Van Halen, Aerosmith , Def Leppard e muito mais.
Obviamente recheada de uma boa dose de hard rock anos 80s, o vocalista Zach Allen e o virtuoso guitarrista Harrison Marcello levam a banda através de 14 canções melódicas hard rock na veia de todos os seus heróis de antigamente: para além das mencionadas bandas lendárias, Tempt acrescenta, em certas partes, o ataque rock dos Dokken, a melodia dos Firehouse, e os tons de bluesy hard rock dos Tesla.
Eles fazem isso em grande estilo, puxados pelo lendário produtor / engenheiro Michael Wagener.
Os Tempt criaram um álbum de estreia verdadeiramente fascinante, este confronta o ouvinte com uma explosão do presente, mas sugere um aroma reconfortante do passado. Fundamentalmente, todos os elementos estão no lugar, a partir dos grandes vocais, a incrível guitarra e canções brilhantemente trabalhadas com bastantes voltas e mais voltas, não só para satisfazer a musicalmente, mas também para chamar gente que só quer rock.
Até agora uma das melhores estreias de 2016 de uma banda jovem realmente promissora.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Angels Of Babylon - Thundergod (2013) USA


Ex-baterista dos Manowar, Rhino retorna com Angels Of Babylon’s para da continuidade ao tabalho de 2010 Kingdom Of Evil.
Bem como mostrar a sua classe na bateria, Rhino contribui com todos os vocais em Thundergod, e ele é acompanhado por novos recrutas Alex Stephens na guitarra e Jesse Ringo no baixo. Juntos, eles produziram onze faixas estilo anos 80 de speed e power metal, apesar de ainda fazerem soar moderno e relevante.
A faixa título do álbum começa o processo, com o Rhino na estrondosa bateria, enquanto os versos que ele canta são menos tensos como Slayer; ligeiramente caótico misturado com uma agradável harmonia. Excelente estreia de Stephens nos solos de guitarra dá uma boa visão porque ele foi contratado para tocar nos AOB.
"Sondrio" é symphonic metal epic. Grandes ambientes e poderosas letras reflexivas tornando este um dos temas de destaque do álbum.
Os outros temas são “What Have You Become “e “Turning To Stone." Ambos são baladas, se você quiser. " What Have You Become " começa com um pequeno solo de Stephens e, em seguida, um tom de piano delicado controla o ritmo que Rhino canta sobre um amor perdido. AS guitarras dominam um refrão e os versos excelentes.
" Turning To Stone " começa com algumas cordas e sintetizador hipnotizante e os vocais indescritíveis de Rhino cativam desde a primeira palavra. É como uma power balada dos anos 80 e a música sobe até um final enfático, Stephens realiza o seu melhor solo do álbum, o que torna esta canção pouco mais especial. Se você tivesse que escolher um tema, possivelmente este seria o melhor em Thundergod.
Infelizmente as outras músicas não conseguem fazer jus à expectativa. Há muitos enchimentos que realmente não vão a lugar nenhum. Mais frequentemente do que deveria há um sentimento de repetição, e a maioria das faixas com média de quatro e meio minutos de duração, que é muito longo. Em "The Enemy", há uma inclusão inútil de um trecho da gravação tirada de uma entrevista de Charles Manson, o que deixa o ouvinte a coçar a cabeça e a perguntar o porquê.
É claro que há aspectos positivos em Thundergod. Alex Stephens é, sem dúvida, um grande músico, e seus solos de guitarra são um sucesso esmagador. O vocal de Rhino são muito fortes e, como de costume sua bateria é excelente, mas apesar de tudo Thundergod é um álbum para pegar ou largar.
Provavelmente não vão ganhar muitos novos fãs com este trabalho, mas os teimosos provavelmente irão gostar e respeitar, o que, a seu modo pode ser considerado um retorno bem-sucedido de Angels Of Babylon.

Tad Morose - Revenant (2013) Suécia



Os TAD MOROSE sempre foram uma espécie de banda de culto. O que quero dizer com isso é que muita gente nunca ouviu falar deles, incluindo os seguidores de metal, mas apenas para quem não conhece a banda há que tê-los em muito boa conta. Para aqueles que a descobriram pela primeira vez, TAD MOROSE são uma banda com sede na Suécia que toca Power Metal mais para o estilo americano, com alguns toques de metal progressivo e uma forte influência de som heavy metal mais tradicional. Foi uma década inteira desde o último lançamento da banda MODUS VIVENDI, um álbum que já é visto como um clássico do género Power Metal.
No início da década desde o último álbum, a banda deixou de existir após a saída do frontman Urban Breed e também perdeu outro par de membros ao longo do caminho. Membro original Christer Andersson e o baterista de longa data Peter Moren decidiram há alguns anos reactivar o grupo novamente e desde então, vêm construindo um estatuto de músicos conceituados, incluindo seu novo vocalista Ronny Hemlin que alguns conhecem de STEEL ATTACK. Uma vez que a banda tinha encontrado em uma nova line-up, eles começaram o processo que acabaria por levar à edição do 7 álbum da banda REVENANT.
A primeira coisa que você notará no novo álbum é que tem de ser decididamente "duro" para sentir isso ... Power Metal com força e agressivo. Não que isso esteja muito longe de como a banda soou no passado, mas com o estilo vocal profundo de Ronny Hemlin há uma sensação um pouco mais darker em geral. Falando de Hemlin , você tem que dar esse crédito ao vocalista ... Ter que tomar as rédeas de alguém como o altamente respeitado Urban Breed deve ter sido uma tarefa difícil, mas Hemlin obviamente jogou tudo o que tinha nesta nova oportunidade e provou ser um sucessor muito digno. Musicalmente , o álbum não chega a atingir os picos de MODUS VIVENDI, e com menos natureza progressiva do material anterior e um som mais simples há um ligeiro ar de mesma coisa durante todo REVENANT, especialmente no meio do álbum onde algumas músicas consecutivas são um pouco semelhantes uma a outra. Quando o álbum começa , porém, tem faixas brilhantes como BENEATH OF A VEIL OF CRYING SOULS, ARES e SPIRIT WORLD, é realmente uma grande exibição do potencial ainda dentro desta banda e uma grande lembrança de seu legado , até este ponto.
Num mercado tão saturado como o Power Metal é agora, a estar limitado a quantos álbuns você compra pode ser necessário tomar decisões muito difíceis. É seguro dizer que se você é um fã de TAD MOROSE há motivos de sobra para colocar um pouco do seu suor e comprar REVENANT. Quem não conhece a banda pode ser um pouco mais difícil de convencer, mas se você é um fã de power metal que gosta do material alegre e florido, pelo menos, dê a este álbum uma chance.

W.A.N.T.E.D. - Meat N Greed (2013) Grécia


Até agora Thessaloniki nos mostrou sua recessão e talento na música hard rock . W.A.N.T.E.D. vem confirmar isso com o seu segundo álbum com o título inteligente '' Meat n’ Greed' .
Hoje em dia é muito difícil para uma banda conseguir combinar uma boa produção , letra e música . Mas, neste caso estes hard rockers estão perto o suficiente para combinar todos os três critérios para um bom álbum de sucesso ...
O estilo que eles se encaixam é no mais novo hard rock americano como Hinder , Buckcherry e em vários versículos que você iria encontrar algumas semelhanças de Nickelback também. As faixas têm refrões pegajosos e solos de guitarra dinâmicos, uma combinação muito importante para um grande show ao vivo.
A produção parece bastante profissional, mas a opção de usar tantos efeitos nos vocais é uma grande falha na minha opinião. O vocalista tem uma voz bastante apropriada e alta para o estilo das canções e é uma vergonha ser comprometida de forma alguma.
Sugiro aos interessados em '' new blood '' hard rock a prestar atenção a W. A. N. T. E. D., que, com algumas pequenas melhorias pode ser comparado a várias bandas conhecidas.
As faixas do album'' Meet n’ Greed '' que mais me impressionaram foram " Your Life Your Game " e "No Way We Stop" que facilmente se poderia tornar o novo videoclip da banda.

3d in Your Face - Midnight Devils (2013) USA


Uma combinação incrível anos 80 de Hair Metal e Old School Punk que trouxe para 2014. Para uma emocionante mistura de Heavy Metal Driving e Hooks que podes cantar junto também. Este quarto Álbum, é para a todos os ouvintes que ainda acreditam no Rock and Roll!

V.I.P - Let's Go For A Ride (2013) UK


V.I.P são quatro elementos de hard rocking, na onda do Glam / Sleaze metal banda de Newcastle, nordeste da Inglaterra. "O destaque da noite foi incrível a jovem banda de hair metal VIP - grupo de rapazes com 15 e 16 anos de idade em algum lugar entre o início de Def Leppard e Steel Panther -.. teve sala cheia de meninas que vão absolutamente enloquecer e deram uma das melhores performances ao vivo que eu já vi, Eu vi o futuro, e seu nome é VIP " "Quem disse que o jovem talento local não deve ser levado a sério... confrontação com a realidade de quatro elementos da banda VIP, apenas com 15 e 16 anos têm totalmente impressionado desde que descobrir mais sobre eles e me informei sobre sua música -. '. Lets Go for a Ride ". Quando os ouvi e uau! Eu estava totalmente deslumbrado com o quanto incrível que foi.
Me informaram que a faixa era uma versão demo, você pensaria automaticamente e sugere que seria necessário um pouco de trabalho extra. Isso pode ser verdade para algumas bandas - mas definitivamente não para VIP.
O que também é grande sobre VIP é que eles não estão fazendo a coisa óbvia de montar uma banda de hardcore, onde tudo que você ouve é o ruído, ou ir na rota indie como um bando de presunçosos indie. Em vez disso esta poderosa e bem talentosa banda tem uma selecção muito mais impressionante de influências, tais como Kiss, WASP e Reckless Love, mostrando a maturidade em sua música. Esta é apenas uma única música que eu ouvi pelos VIP e me deixou com fome para mais. " - Darkus Magazine

David ''Rock'' Feinstein - Clash Of Armor (2013) USA


Novo solo album de David ''Rock'' Feinstein primo de RONNIE JAMES DIO que é mais conhecido por tocar em grupos como The Rods e ELF. O CD foi mixado no lendário Estúdio Pyramid produtor Alex'om Perialas'om (ANTHRAX, TESTAMENT, OVERKILL). Um grande álbum. RECOMENDADO!

Hell - Curse And Chapter (2013) UK



Preparem-se servos das trevas, o segundo álbum dos HELL está aqui. Este álbum é composto por quase todo o material novo e é tão diabolico e perverso como seria de esperar. Na Terra, pois é com HELL, a música apaziguar com fogo, medo, e chamas, bem como com o apaixonado ângulo dark de recordações NWOBHM que faz ter saudades por SATAN, OVERDRIVE, HOLOSADE, SABBAT, PARALEX, PARIAH, e sua laia de humano como de espírito. Nós todos sabemos que o novo álbum de SATAN é incrível, e agora Brian Ross tem um novo álbum com BLITZKRIEG. Depois de ouvir novo CARCASS eu afirmo que todas as grandes bandas britânicas estão de volta e entregam os bens de ferro para a Beast and Master.
Andy Sneap deixou para trás a produção para que ele pudesse se concentrar em escrever com Kev, Tony, e Tim e a busca para criar a " Curse And Chapter " é tempo bem gasto adorando o lado dark. Se você ouviu o (EP) você sabe que "Age Of Nefarious" é uma abertura notória mesmo sendo uma imitação a banda THE FIFTH DIMENSION do musical "Hair" com a referência ao "Age Of Aquarius".
Todas as canções têm essa sensação macabro e magia maníaca. Por mais que eu esperava Martin Walkyier de SKYCLACD estava disposto a permanecer como seu vocalista substituto, sinto que David tem provado o seu valor, muitas vezes imitando vontade de Martin, inteligência e wisp. Eu nunca o vi em atuação, mas nos vídeos assombrandos dos HELL ele é bastante ostensivo e ameaçador. Infelizmente no momento seus gritos penetrantes e uivos demoníacos podem ficar chatos e tediosos com o passar do tempo, no entanto.
Demos retrabalhadas com mais de duas décadas que vão fazer os fãns gritar como " The Disposer Supreme ", "Deliver Us From Evil" e "Land Of The Living Dead", além de serem liricamente inteligentes, também são cativantes e como a própria praga , muito contagiantes. Eu nunca ouvi os originais, mas tenho certeza de que eles fizeram-lhes justiça, como sempre fazem quando eles dão ao diabo sua dívida.
Eu costumo pular faixas instrumentais, mas a dinâmica de "Deathsquad" são mais atraentes, mostrando os gostos por RUSH, ELP, e DEEP PURPLE com sua diversão e entrega de teclado. "Something Wicked" é pura maldade, misterioso e magnífico e honra uma homenagem ao falecido Ray Bradbury.
Então salva nos de quem nos iria salvar, porque se você gostou do que os demónios conspiradores planeados em " Human Remains " e como eles retrabalharam esses temas clássicos, então você vai desenterrar o mal eles fazem aqui. Se você anseia por clássicos de FATE MERCYFUL, WITCH CROSS, VENOM, CANDLEMASS, CRUCIFIXION, SARACEN, WITHCHFYNDE etc, com uma abordagem moderna para a composição, produção e desempenho na veia e vaidade do CRADLE OF FILTH, DIMMU BORGIR, e mesmo depois POWERWOLF intensa é a sensação de doom e HELL tem uma casa em seu Metal Heart.

Gay Paris - The Last Good Party (2013) Austrália


The Last Good Party é o mais recente trabalho de Gay Paris. A banda auto descrita como festa do rock reuniu 10 faixas de músicas que podem simplesmente reconquistar um lugar para o rock and roll no seu coração.
O álbum é o resultado de uma união de muito sucesso que teve membros da banda break-dancing na Pitt Street Mall para Meshuggah, restabelecendo-se publicamente de cenas de filmes e se ofereceue para escrever canções de hip-hop de doadores. É evidente que sua movimentação correu bem, porque o álbum soa puro e cheio.
Reúne-se um meio-termo entre Clutch e Queens of the Stone Age, com uma pitada ocasional de Funkadelic. As guitarras gritam, o baixo rosna, a bateria bate forte e os vocais explodem.
O álbum é uma pedaço de rock consistente, tendo apenas uma breve trégua do festival de riffs por um único momento de piano-driven em ‘Son of a Butcher Parliament’, antes de agarrar o ritmo novamente.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

First Signal - One Step over the Line (2016) Canadá



One Step Over The Line é o segundo trabalho do projeto de Harry Hess. Desta vez, o vocalista do Harem Scarem une forças com o músico e produtor Daniel Flores (Find Me, The Murder Of My Sweet).

Alarion - Waves Of Destruction (2016) Holanda


Todos conhecem Floor Jansen do After Forever, ReVamp e, hoje em dia, pela fama no Nightwish. Mas quantos de vocês sabem que sua irmã Irene pode cantar como ela? De fato, as irmãs Jansen já dividiram o mesmo palco quando ambas estavam na banda chamada Star One, em 2002. Irene também pode ser ouvida em Gary Hughes: Once And Future King part I e part II (2003), The Human Equation do Ayreon (2004), e em 2015, ela fez seu papel como Passion na performance ao vivo do The Human Equation: The Theater Equation. Mas quando o guitarrísta Bas Willemsen, líder do Alarion pediu à Irene que fizesse 2 músicas para o seu projeto solo, o primeiro álbum Waves of Destruction, ela estava relutante, já que estava focando somente nos estudos e no trabalho nos últimos 10 anos. Mas após ouvir sobre o projeto, e ter ouvido a música, Irene embarcou e gravou os vocais elétricos e versão acústica de Turn Of Fate.
O Indiegogo, campanha crowdfunding para o Waves Of Destruction está sendo executado por um mês e o álbum será lançado em Junho de 2016 através do FREIA Music. Waves Of Destruction contém uma hora de música melódica, sinfônica e intensa. Ocorrerá a participação de muitos músicos excelentes, cantores como Damina Wilson (Threshold), Paul Glandorf (Arjen Lucassen) e claro, Irene Jansen, do qual será a vocalista líder do Alarion na formação ao vivo no show de lançamento no dia 3 de Junho em De Boeederij, Zoetermeer, em The Netherlands com convidado especial End Of The Dream.
Embora Waves Of Destruction não seja inteiramente liderado pelo álbum feminino, continua sendo bastante interessante para os fãs de sinfônico e heavy metal, considerando o fato de sua irmã Floor Jansen ser parte disso.

domingo, 12 de junho de 2016

POST DA SEMANA

Monument - Hair Of The Dog (2016) UK



Monument banda do Reino Unido apresenta o seu segundo álbum chamado Hair Of The Dog.
Olhando para o trabalho artístico da capa destes Ingleses é difícil não ter a sensação de ser algo antigo, algo bastante estereotipado. E ser britânico com um vocalista que soa mais ou menos exatamente como aquele que canta na banda mais emblemática da NWOBHM não fazem exatamente nada para mudar essa perceção.
Poderia ser qualquer álbum de Iron Maiden dos anos oitenta com um som um pouco mais moderno, qualquer um poderia alegar que que eles soam como uma banda de tributo, em vez de uma banda fazendo suas próprias coisas. Não é bem assim, mas eu não posso dizer que reinventaram a roda ou me surpreenderam com a sua nova maneira inteligente de expressar o género do heavy metal, eles parecem se contentar em ser uma parte do chamado movimento NNWOBHM. O vocalista soa como Bruce Dickinson, Iron Maiden e Judas Priest é mais ou menos tudo o que precisas saber para ter uma uma ideia de como estes músicos soam.
Somos atacados com a seleção padrão de canções de heavy metal , riffs, refrões cativantes, solos e qualquer outro truque no manual do heavy metal. Com uma produção e um vocalista decente, estou certo de que os fãs de bandas NWOBHM como mencionada anteriormente Iron Maiden vão ficar impressionados com este álbum. Eu acho que é bom para os fãs que têm medo da mudança dentro de seu género favorito. Com isso dito, eu acho que poderiam apelar mais para uma grande variedade de fãs, para ser completamente honesto, eu diria que cada canção e cada nota neste álbum é uma cópia (ou devemos chamá-lo de homenagem) de algum álbum dos Iron Maiden dos anos oitenta. Então, criativamente eles estão satisfeitos não para chegar a qualquer lugar que seja, e os fãs provavelmente vão apreciar a sua música só por causa disso.
As músicas no álbum são boas, mas acho que a faixa-título de abertura e a faixa final chamada Lionheart são as melhores do álbum, embora elas não sejam realmente memoráveis mas são muito divertidas. Eu acho que podemos descrever este álbum como um álbum de fãs para fãs, e estou certo de que os fãs vão aprovar.

sábado, 11 de junho de 2016

Rage - The Devil Strikes Again (2016) Alemanha



Olhando para a nova formação de Rage fez me cético acerca do novo álbum "The Devils Strike Again". Quer dizer, os novos membros têm grandes lugares para preencher. Eles são, essencialmente, a substituição de um lendário par, o baterista e na minha opinião, um subestimado mestre da guitarra. Não é surpreendente que a minha suspeita estivesse correta, mas seria terrivelmente errado dizer que é um álbum muito mau.
"The Devils Strike Again" é um álbum que merece um comentário sem revestimento adocicado: a voz inconfundível Wagner ainda está rugindo, mas agora acompanhada com os novos membros como vocalistas de fundo, a bateria é bastante simplificada, os familiares riffs de guitarra replicados com uma tonalidade recém-nascida e uma óbvia fórmula diferente nos solos. Este álbum captura o som dos Rage nos seus antigos tempos, os sons melódicos notáveis e a audácia que eles possuem. Evidentemente, não se espera que tenham toda a essência dos Rage - como a progressividade e tecnicidade que Smolski tem contribuído agora não está mais lá, infelizmente para alguns de nós. Eu penso que alguns fãs no entanto aprovam esta nova direção e até mesmo novos ouvintes estão gostando.
A nova formação está indo numa nova direção e eu não vou negar que ela funciona como um álbum de heavy metal. Alguns dos elementos que eu gostava dos Rage ainda estão lá, mas eu acho que perderam alguma da criatividade e surpresa.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Whisky Of Blood - Sexy Woman Of The Devil (2016) França


Fãs de AC / DC, Dokken, WASP, Tesla ou Motley Crue são as influências encontradas neste segundo álbum dos Whisky Of Blood: Sexy Woman Of The Devil!
Um álbum com 10 músicas cativantes em que cada coro ecoando na tua cabeça e cada riff que destrói teus neurônios na tradição dos grandes grupos de Hard Rock dos anos 80.
Os WOB tocam hard rock, heavy rock Groovy experiente cantado por Lord Whisky que posiciona diretamente o grupo entre os melhores e não tem nada a invejar aos professores de Inglês.
Depois a música de Whisky Of Blood assume toda a sua dimensão "ao vivo" com um show espetacular, energético, polvilhado com meninas sensuais e Jack Daniels !!!
A excelente faixa-título Sexy Woman Of The Devil já um clássico para os fãs de suculentos Feel The Pain, enigmática e perto de um Dokken. Ainda na primeira parte Street Ready está mais próximo de Wasp ou Cinderella, além de Bye Bye Baby, título que Van Halen não teria negado! O WOB realmente coloca um ponto de honra para apresentar um novo álbum variado poderoso representado todas as suas influências e realizando todos os grandes valores da década de 80.
Um segundo álbum, e segundo teste de mestre para Sexy Woman Of The Devil esperando para expandir sua reputação!

A Taste Of Freedom - Carved In Our Dreams (2016) França


A Taste Of Freedom é um projecto francês liderado pelo guitarrista conhecido por Neo e conta com a voz do brasileiro Lean Van Ranna. Experiente músico brasileiro que há mais de 14 anos vem trabalhando no metal, Lean Van Ranna é conhecido no youtube pelos seus vídeos em que faz covers de bandas consagradas como Iron Maiden, Angra ou Helloween. Também é vocalista da banda de power metal Auryah e recentemente, vem obtendo destaque numa carreira internacional bastante promissora.
Lean no momento vem trabalhando na gravação do mais novo trabalho do grupo asiático Melodios Deite e está às vésperas do lançamento do álbum "Carved In Our Dreams", estreia da banda francesa A Taste Of Freedom, que conta na sua formação com o famoso guitarrista Neo.

terça-feira, 7 de junho de 2016

M.I.L.F. - More Than You (2016) Itália



Eu realmente não posso culpar-te se tu pensares em 'Mother I’d Like to Fuck' quando lês o nome da banda italiana (Florença, Toscana). Entretanto, não é o que tu pensas, como MILF, neste caso, significa ‘Make It Long N’ Fast’, um apelido que ainda tem algumas conotações sensuais.
Julgado por alguns dos títulos das músicas; "More Than You", "Thief Of Love", " Beach Blues", "Can not Stop" etc. indica que estamos lidando com algum Hard rock / Glam metal. Um género que se tornou popular em meados dos anos 80 de bandas como Mötley Crüe, Guns N 'Roses, Aerosmith, Twisted Sisters e Poison.
M.I.L.F. começou como um projeto em 2010, mas assim que sua música se tornou reconhecida e aceite pelos fãs e pelos meios de comunicação, a sua carreira começou a tomar uma forma. Após algumas mudanças de formação, a banda começou a trabalhar na sua estreia em 2014. Lançado em Buil2Kill, More Than You é composto por 11 canções que são uma mistura perfeita de metal, hard rock, glam e até mesmo algum punk. As músicas são um pontapé de adrenalina, com ritmos intensos, refrões cativantes, belas melodias e grandes partes de bateria. Mais bem exemplificado numa canção chamada "Thief Of Love" também se pode ouvir um começo com partes de piano, uma balada com piano que lembra os Queen!
No geral, o álbum é poderoso e contém muitos potenciais clássicos. Altamente recomendado para qualquer fã do género, mas também para aqueles que querem apenas se divertir, aproveitar o tempo na praia e beber um par de cervejas.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Tragic Earth - Hatred and Tolerance (2016) Austrália


Hatred and Tolerance é uma história numa sociedade futura com os seus tons sombrios, uma realidade amarga, onde através de uma fascinação mórbida tu jogas o jogo de roleta russa na esperança de que, talvez, e se, tu podes escapar da maldição desta eternidade noturna que traz um gosto amargo na sua boca e deixa-o desperdiçado, pedindo para alguém, gritando "enterra me" para ajudar a criar uma fuga, ajudar me a desaparecer e deixar para trás esse muito necessário para alguns comentários que cria o estouro de emoções, essas vozes na minha cabeça que soam tão mal, porque é que eles soam assim para mim?

domingo, 5 de junho de 2016

Alchemy - Never Too Late (2016) Itália



ALCHEMY é uma promissora banda de Brescia, Itália, que tem vindo aprimorando o seu ofício há vários anos, quase dez, tocando sobre tudo na Europa central e editando dois EP indie. Agora os Alchemy estão apresentando o seu álbum de estreia "Never Too Late".
De acordo com a banda, "Podemos dizer que" Never Too Late "é um álbum de hard rock dinâmico com AOR e influências progressivas, fortemente baseado numa seção rítmica sólida, riffs de guitarra cativantes e vocais poderosos, todos colados uns aos outros por cordas orquestrais e sintetizadores "- diz o cantor Marcello Spera.
" Para nós, "Never Too Late" é um álbum que conta uma história . A história de nosso passado, de músicas que foram concebidas há quase uma década e nunca nasceram até agora, de como nos conhecemos. É a prova para nós mesmos de que nunca devemos desistir de nossos sonhos, porque nunca é tarde demais para os tornar reais.
" Daí o verdadeiro título do álbum "Never Too Late". Mas todo o tempo de espera para uma edição de corpo inteiro beneficiou o material oferecido aqui, todos se sentem polido e com atenção aos detalhes.
Na verdade, como os Alchemy afirmam no seu comunicado de imprensa, seu estilo musical é baseado no clássico hard rock com uma forte influência de melódico hard rock, além de alguma ligação a locais e todos influenciados saído de início e meados dos anos oitenta.
Depois, com um toque ou dois; com uma canção como "Alcohol Symphony", há um pouco do fator sleazy hard. Com "Blessed Path", a adição de textura progressiva soando a um hino.
Depois destas coisas, Alchemy é caracterizado por riffs fortes, solos explosivos, uma seção rítmica que permite a linha de baixo subir e vocais melódicos limpos.
Além disso, Alchemy é hábil em colocar seus arranjos num invólucro AOR graças à combinação de groove, melodias e refrões cativantes.
Fundamentalmente, para os fãs do clássico melodic hard rock e hard rock, eu acho que vais encontrar Alchemy e "Never Too Late" com um trabalho forte, agradável de ouvir, e a promessa de ainda haver mais para vir.

Blakshine - II (2016) UK


Diz o Facebook:
Blakshine foram formados em 2010 por Andy Dawson, membro fundador dos Savage e apresenta quatro dos melhores músicos da área.
Dave Lindley na bateria, um ex-membro dos Savage Rick Gilliat nos vocais, Tony Butterworth no baixo.
A banda começou a criar alguma da melhor música rock em 2010, mas não conseguiu encontrar o vocalista certo. Rick foi abordado em 2011 e a banda começou a realmente cozinhar.
Originalmente foram gravadas 11 faixas e banda começou a tocar ao vivo e recebeu críticas fantásticas. A banda sentiu que tinham um pouco mais a oferecer e em 2012 escreveram e gravaram mais 5 faixas estrelares. Eles estão finalizando a lista final de faixas, antes de ser revelado em 2013

sábado, 4 de junho de 2016

POST DA SEMANA

Jorn - Heavy Rock Radio (2016) Noruega



Jorn Lande é inegavelmente um dos melhores vocalistas de hard rock e heavy metal. Brilhante no ano passado com Dracula - Swing of Death realizado com o seu amigo e guitarrista Trond Holter é um excelente exemplo das suas brilhantes maquinações musicais. Este ano, ele ajudou a trazer outro álbum dos Avantasia à sua plena glória. Jorn provavelmente poderia cantar as notícias do jornal que iria soar poderoso e pesado, ainda assim não seria surpreendente encontrar alguns céticos querendo saber se Lande realmente precisa fazer um álbum cover de velhas canções. Pergunta justa: Não, ele não precisa. Mas ao ouvires Heavy Rock Radio tu vais ficar feliz com o que ele fez.
Jorn (o homem e a banda) não toca pelo seguro com as opções em Heavy Rock Radio. Claro que ele se ajusta com performances dinâmicas de canções um pouco óbvias, como "Rainbow in the Dark" do Dio, "Stormbringer" dos Deep Purple, "Die Young" de Black Sabbath e "The Final Frontier" dos Iron Maiden, mas ele também tem como objectivo várias músicas de clássico rock de bandas como Queen, Journey, Eagles, e Foreigner, bem como opções mais intrigantes como "Live to Win" de Paul Stanley e "You’re the Voice" de John Farnham. No entanto, mesmo essas não são as maiores surpresas...
O álbum abre com uma cover de um hit dos anos 80 de Frida "I Know There’s Something Going On". O que Lande fez aqui foi transformar esta faixa pop peculiar numa música de rock musculado.
Depois, ele dá o tratamento pesado para "Running Up That Hill" de Kate Bush, construindo esta música com sinuosos riffs grossos e uma parede de teclados pesados de Alessandro Del Vecchio (Hardline, Voodoo Circle, Ted Poley). O efeito geral é fazer a canção menos sombria e mais poderosa.
"Rev on the Red Line" dos Foreigner permanece fiel ao original e é difícil para desafiar Lou Gramm vocalmente, mas Jorn faz justiça á canção. Por outro lado, é difícil pegar um clássico icónico como "Do not Stop Believing" dos Journey sem se colocar no ponto certo, mas a sua entrega vocal rouca dá á música uma nervosa e melancólica vibração. Francesco Jovino (Primal Fear, UDO) baterista poderoso também acrescenta algum peso.
Jorn assusta absolutamente John Farnham com "You’re the Voice" uma peso pluma, dando-lhe uma sensação épica e tornando a música com mais impacto, de longe, do que o original. Da mesma forma, a voz dominante reforça a mensagem positiva de perseverança de Paul Stanley em "Live to Win".
Talvez o meu primeiro momento de dúvida vem com cover de Jorn em "Killer Queen" dos Queen. Musicalmente a música é um triunfo, mas será uma tentativa de igualar ou superara o poderoso Freddie Mercury ? Isso não pode ser feito, mas Jorn não tenta, ele simplesmente é Jorn, obediente ao original, enquanto procura ser criativo com a sua entrega.
Uma das faixas que mais me intriga é Jorn com "Hotel California" dos The Eagles, que é outro tema icónico da história do rock, e depois de uma introdução verdadeiramente fiel, uma parede de riffs musculosos transforma a música num monstro. Enquanto Trond Holter faz um fantástico trabalho durante todo o disco, este é provavelmente o seu grande momento. Os preenchimentos e nuances são muito melódicas e de bom gosto, acrescentando uma incrível profundidade.
A parte final do disco é ponderada com as faixas acima mencionadas, começando com uma versão fiel e bestial de "Rainbow in the Dark" de Dio. Enquanto sua escolha para o cover de Iron Maiden não é de estranhar a escolhan de "The Final Frontier", é interessante. Jorn faz um trabalho brilhante, como se poderia esperar, assim como faz com os últimos temas do álbum; "Stormbringer " dos Deep Purple e um poderoso desempenho de "Die Young" dos Black Sabbath.
É difícil imaginar Jorn fazendo um álbum de covers que não foram feitos com notável cuidado e amplo poder, mas este disco prova que foram. Heavy Rock Radio é um indicador perfeito para aqueles que ainda têm de descobrir o enorme talento de Jorn, pois aqui ele mostra o seu talento vocal através de uma dúzia de canções mais conhecidas da música. Jorn tinha uma lista de quase 50 músicas escolhidas para este disco, por isso estamos esperando mais volumes.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Yngwie Malmsteen - World on Fire (2016) Suécia


Novo álbum de Yngwie Malmsteen chama-se World on Fire.
Além da bateria e alguns teclados adicionais, Yngwie toca todos os outros instrumentos no novo álbum, incluindo os vocais. Ele também produziu o álbum, compôs e fez os arranjos para toda a música assim como todas as letras e melodias.

Jimmy Barnes - Soul Searchin' (Deluxe Edition) (2016) Austrália



A lenda pub rock descobre sua alma na sua quarta coleção de clássicos. Gravado na América do Sul, Barnes dá tudo o que tem, recrutando The Memphis Boys (banda de apoio para Aretha Franklin, Joe Tex, mesmo Elvis) e Steve Cropper guitar slinger para um sentimento autêntico. Os b-sides pouco conhecidos como "She’s Looking Good" e "Hard Working Woman" aumentam a sua dívida para com Wilson Pickett e Otis Redding.

3 Dayz Whizkey - Live And Let Live (2016) Alemanha


Depois de três álbuns de estúdio aclamados pela crítica Live And Let Live é o primeiro álbum ao vivo por 3 Dayz Whizkey. Fundada no verdadeiro espírito do Rock and Roll, este quinteto criou o seu próprio som distinto, misturando blues e rock com composições cativantes e grandes riffs de guitarra. A mistura de alta potência que têm feito em centenas de energéticos shows ao vivo, transformando cada local num bar á beira da estrada. Warren Huart no Spitfire Studios, em Los Angeles, utilizando apenas os melhores equipamentos analógicos vintage, misturou as três faixas bónus de estúdio. Respeitando o passado ao olhar para o futuro, 3 Dayz Whizkey apaixonadamente é a ponte entre os velhos mestres do Southern Blues-Rock e a próxima geração. Formada em 2012, 3 Dayz Whizkey tornou-se logo uma banda de Southern Rock Blues. O álbum de estreia The Devil And The Deep Blue Sea foi lançado no mesmo ano. Seguiu-se Black Water em 2013 que foi muito aclamado pela crítica e nomeado para o prestigiado Deutschen Schallplattenkritik, um prémio comparável ao Grammy Awards. O reconhecimento permitiu-lhes embarcar numa turnê maciça de 70 dias na Alemanha, que por sua vez reforçou o seu estatuto com um superior concerto live e levam a três nacional rock e Pop Awards, na categoria de Melhor Rhythm and Blues Band. Ao longo de 2014, a banda continuou em turnê numa base quase permanente, tocar em lugares, festivais, e dividindo o palco com Henrik Freischlader, Pat Travers, Saxon, Michael Schenker, o King King, para citar apenas alguns. No entanto eles tiveram tempo livre para gravar Steam. Seu terceiro álbum, 17 temas Blues-rock monumentais, foi gravado na verdadeira moda dos anos 70, ao vivo no estúdio quase sem nenhuns efeitos nem artifícios técnicos. Uma mistura orgânica do Rock, Southern Rock e Blues, este foi um grande salto em frente na carreira de 3 Dayz Whiskey, eles ganham ainda outro German Rock e Pop Award, seguido por uma turnê que correu todo o caminho em 2015.