segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Mad Max – Thunder, Storm & Passion (2015) Alemanha



Os veteranos do clássico hard rock MAD MAX, que vêm de Munster, na Alemanha, lançam um novo álbum, "Thunder, Storm & Passion", que contém 12 clássicos regravados de seus três primeiros LPs.
“Thunder, Storm & Passion", é uma coleção de canções de muito sucesso no período de 1984 a 1987. Mad Max, que se formou em 1982, inspirado no New Wave of British Heavy Metal, foi uma das primeiras bandas a assinar com a nova Roadrunner Records label, ao lado de bandas como Metallica, King Diamond e Lee Aaron. Os gloriosos álbuns da banda 'Rollin' Thunder '(1984),' Stormchild '(1985), e "Night Of Passion" (1987) tiveram um enorme êxito em toda a Europa Continental e extensas turnês com bandas como Pretty Maids, Uriah Heep, Stryper e Yngwie Malmsteen, e sozinhos no lendário Dynamo Open Air Festival em Eindhoven. Mas Mad Max implodiu assim como eles se encontraram à beira da sua descoberta americana no fim da década de 1980.
Então, após uma longa pausa, a formação original reuniu se e assinou com a SPV Records, que lançou o seguimento em 1987 o "Night Of Passion", apelidado de "Another Night Of Passion", em março de 2012. Um impressionante álbum completamente fresco, contendo 11 temas novos, hinos, Groove carregado de composições de clássico hard rock, "Another Night Of Passion", foi premiado em Powerplay pelo escritor Martin Howell, que ficou surpreendido: "O som da banda está em grande forma; é como se passado um quarto de século nunca tivesse acontecido. Isto é antigo melódico metal estilo anos 80, puro e simples. No geral, este é um excelente álbum de melódico rock de qualidade Alemã. " Mad Max posteriormente atuou em palcos de festivais como Rocklahoma, Wacken, Bang Your Head and Rock Of Ages, e em mais duas turnês europeias como convidados especiais de Axel Rudi Pell. O ilustre seguimento, do álbum "Interceptor" de outubro 2013, ganhou ainda mais elogios da crítica do que seu antecessor.
Agora,"Thunder, Storm & Passion" vê Mad Max vai voltar às suas raízes a marca recorde de novas versões, totalmente atualizadas de 12 de suas melhores faixas da década de 1980. 'Thunder', (Rollin 'Thunder'),' Storm '(Stormchild)' & Passion"(Night Of Passion), é um disco que os antigos fãs devem ter e muito mais os novos fãs devem conhecer esta máquina de melodic hard rock.

sábado, 29 de agosto de 2015

POST DA SEMANA

Iron Maiden - The Book Of Souls (2015) UK




Finalmente aqui está o tão esperado 16º álbum dos Iron Maiden e tem o nome de "The Book Of Souls". A banda de alguma forma tem sustentado um surpreendente nível de popularidade durante grande parte de suas três décadas de existência.
"The Book Of Souls" deveria ser lançado no início de 2015. No entanto, com a notícia de que o vocalista Bruce Dickinson estava passando por tratamento ao cancro da garganta, todas as atividades dos Iron Maiden foram adiadas. Agora, com o lançamento do álbum, podemos estar certos de que Bruce está a recuperar e espero poder ouvi-lo a gritar por muitos anos.
O primeiro tema é composto unicamente por Dickinson "If Eternity Should Fail" tem um inicio um pouco estranho, uma introdução quase psicadélica, onde uma sirene de ataque aéreo com diversos tons, até que surgem os primeiros riffs poderosos da canção. Sombria nas tonalidades e texturas e um pouco mais pesada que o habitual nos Maiden, um tema com oito minutos e meio que passam rapidamente, com coros e mudanças de tempo adicionando um tempero extra.
"Speed Of Light", o primeiro single, continua o clima da primeira faixa, o que faz todo o sentido, pois é a composição mais pop álbum.
Os mais recentes álbuns dos Maiden têm se caracterizados pela natureza épica e progressiva de seu conteúdo, "The Book Of Souls" também mostra esse lado em várias ocasiões, mas também é um disco que traz vários flashes de precisão. "Speed Of Light", "Death Or Glory" e "Tears Of A Clown" atingem seu auge perto dos cinco minutos e as três são potenciais hinos dos Maiden, onde a presença de Adrian Smith nota-se intensamente. Entretanto, tanto "The Great Unknown" e "When The River Runs Deep" demonstram a química intuitiva que existe entre Smith e Steve Harris, o trabalho de ambos criam mini-sinfonias para Dickinson soltar seu conhecido vibrato.
“The Book Of Souls”, em seguida, aprofunda-se em algumas músicas progressivas, fortemente dinâmicas,
“Shadows Of The Valley” traz aos ouvintes os mais memoráveis riffs e solos do álbum.
“Tears Of A Clown”, o sincero tributo à lenda recentemente morta, Robin Williams, é liricamente pungente, e a balada “The Man Of Sorrows” oferece vocais e instrumentais crescentes.
“Empire of The Clouds”, Exclusivamente composta por Bruce Dickinson, tem 18 minutos, é incrivelmente brilhante, com Dickinson derramando todo o seu gênio criativo para esta composição. A introdução da faixa é linda, atravessando uma sequência progressiva magistralmente escrita, com arranjos musicais altos e baixos. A paciência daqueles que ouvirão esta música na íntegra, será recompensada, como a enormidade de sua qualidade corresponde ao seu tamanho, e só se pode imaginar o quanto esmagador seria se fosse tocada ao vivo.
'The Book of Souls' é o melhor trabalho dos Iron Maiden desde o irrepreensível 'Brave New World'. Ele conserva e expande estilos dos Iron Maiden dos últimos anos e em muitos aspetos é um reflexo dos álbuns no século XXI. 'The Book of Souls' parece ter sido feito ao longo dos últimos dez anos, Steve Harris e Bruce Dickinson, Adrian Smith, Dave Murray, Janick Gers revelaram a sua criatividade, tanto individual como coletiva, o desempenho e a produção é espetacular como sempre. Os fãs dos Iron Maiden vão encontrar aqui um disco consistente e notável de heavy metal, e não soa nada como um trabalho de uma banda que está chegando ao fim do seu caso de amor com a música, parece é que ainda podem realizar maravilhas ainda maiores.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Backyard Babies - Four By Four (2015) Suécia



Quando ouvi falar de um novo álbum dos Backyard Babies fiquei animado. Oito anos após o lançamento do seu anterior álbum eu não estava esperando um novo disco agora, que Dregen bem como Nicke Borg têm as suas próprias bandas.
Então, quando eu comecei a ouvir o novo disco "Four By Four" Devo dizer que as minhas expectativas eram muito alta.
Depois de o ouvir algumas vezes eu ainda tenho algumas dificuldades com o álbum. O álbum não soa mal, mas é menos cru e menos directo ao ponto como a maioria dos trabalhos anteriores. Eu fui lembrado de bandas punk rock dos EUA, como Green Day, quando eu oiço por exemplo, " Never finish again " e "Wasted Years". Mais uma vez, não é algo que seja mau, é apenas inesperado e surpreendente. Eu penso que este trabalho vai abrir algumas portas para novos fãs que ainda não têm Backyard Babies no seu sistema, quanto os fãs mais antigos da banda podem pensar o mesmo que eu.
"Four By Four" podia ser mais hard e mais agressivo. Um álbum que tem apenas nove canções e uma duração de menos de quarenta minutos. Portanto, é muito curto. Mas músicas como "Th1rt3en or noting" são mais canções de rock com o travão de mão puxado.
Os Backyard Babies estão de volta. Os músicos estão mais maduros e soltos com "Four By Four", um álbum que tem alguns destaques, mas também algumas decepções. No final, cabe a cada um de vocês decidir se algumas boas músicas vale a pena o investimento.

Newman - The Elegance Machine (2015) UK


Steve Newman é um dos roqueiros britânicos mais respeitados pelo mundo, seus álbuns sempre recebem a atenção merecida, simplesmente devido à qualidade infalível das canções.
"The Elegance Machine" Demorou dois anos para que ficasse completo, este álbum marca o bem-vindo retorno de Newman.
Newman está aqui novamente com a sua marca registada, com músicas de qualidade, ótimos vocais e melodia de topo.
Na primeira vez que oiço este álbum tive a sensação de que é mais hard do que o álbum anterior "Siren". Muita guitarra (guitarra por Steve) com todos esses ganchos importantes pelo qual a banda é conhecida e a adição de alguns teclados bastante maravilhosos.
A faixa-título tem um ritmo de condução real, juntamente com o trabalho de Rob McEwen na bateria, sobre a qual o baixo e o trabalho de Steves na guitarra constrói em uma faixa verdadeiramente monstruosa. "Don’t Stay Lonely" tem todas as oportunidades de se tornar um dos marcos da banda ao vivo, pois tem a capacidade de nos fazer cantar junto com o coro, guitarras hard e gritos bem executados.
Um retorno bem-vindo é de Mark Thompson Smith (Big Life / Praying Mantis) que contribui com os vovais de fundo em três faixas, incluindo o tema "Illuminate"
Geoff Wooton aparece em mais três faixas, incluindo o maravilhoso co "Halo" escrito por Steve e Paul Boyle. A canção tem quase sensação U2 as guitarras e um fantástico coro que vai parecer incrível com o público cantando-o com a banda.
Se tu és um fã do trabalho de Steve Newman, não te vais dececionar em qualquer ponto.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Stereo Nasty - Nasty By Nature (2015) Irlanda



Stereo Nasty foi formada em 2013 e toca um cativante, Heavy Metal tradicional. Até agora, eles lançaram uma demo com 3 faixas e agora seu álbum de estreia Nasty By Nature que chega com uma lufada de ar fresco.
O problema para bandas tocando o estilo clássico metal dos anos 80 é que tudo já foi feito antes e algumas dessas bandas tipo 'retro' que acabam por ter um som desprovido de ideias originais e exatamente como a sua principal inspiração.
Stereo Nasty contorna astutamente essa armadilha através da construção do seu som a partir de um incontável número de influências com traços de Balls To The Wall era Accept no seu meio ritmo com riffs crocantes e também um pouquinho de Motley Crue mas mais pesado, é claro. O seu às na manga, é o vocalista Mick Mahon, que, com uma pitada de Blackie Lawless em sua voz, tem os pipes perfeitos para este tipo de música.
Nasty By Nature é composto por 10 canções todas extremamente bem trabalhadas e sólidas. Para ser honesto, todas as músicas são de alta qualidade o que torna muito difícil escolher qualquer das faixas para destaque, mas ouça "Black Widow", " The Fear " ou "The Warriors" por algum excelente melódico metal old-school. É muito difícil escolher qualquer dos temas o que não te vai dececionar.

Betrayal - Black Magic Whore (2015) UK



Não deixes que o título do álbum ou a capa te faça pensar que este álbum não é do teu gosto. Se gostas de heavy metal direto que não se enquadra em nenhuma outra espécie de subgênero que não seja apenas "metal", então está aqui Betrayal com o álbum que vais gostar. Esta banda britânica criou um álbum que se alguém me dissesse que foi feito nos primeiros tempos do metal, eu teria acreditado totalmente nisso, porque o som parece ser dessa época. Os vocais de “Black Magic Whore” têm uma suave sensação real que realmente ajuda as letras a fluir e não têm uma espécie de ritmo mecânico, se sabes o que quero dizer com isso. As guitarras também ultrapassam todas as minhas expectativas, pois têm muito rítmico e um som matador que qualquer fã de heavy metal só pode é gostar não importa o que, e exatamente a mesma coisa é válida para a bateria com a batida que é mantida ao longo "Black Magic Whore" é realmente sólida e ajudou a manter o ritmo muito bem. No geral, Betrayal fez um álbum muito bem conseguido que é praticamente feito para qualquer fã de heavy metal, sem desperdiçar o tempo de ninguém.
"Black Magic Whore" realmente é algo que tens de ouvir.

Kadavar - Berlin (2015) Alemanha



Em 2010, um grupo de homens uniu-se para formar uma nova mistura de rock como não vê há muito tempo. De Berlim, Alemanha, Kadavar chega com um terceiro álbum.
Seguindo os caminhos similares de Witchcraft e The Sword, Kadavar fez a transição de um som doom mais tradicional para um som de rock infundido com heavy blues dos anos 70.
A primeira coisa que notei na gravação foi a diferença no som. Mesmo nos vocais, Christoph "Lupus" Lindemann canta mais facilmente em comparação com os álbuns mais antigos. No trabalho anterior de Abra Kadavar, os vocais eram frontais e agressivos. Poderia ser uma mistura diferente na produção e com menos alterações à forma como Lindemann canta, independentemente, as vozes sozinhas dão ao álbum um sentimento muito diferente.
"Lord Of The Sky" abre “Berlim” com riffs encharcados de rock 'n' roll anos 70. Uma das partes mais emblemáticas para Kadavar são os solos de guitarra únicos em cada canção. Muitos deles são simples, mas são infeciosos para os ouvidos enquanto as seções rítmicas sujas seguem debaixo dos hipnóticos líderes.
"Last Living Dinosaur" a segunda faixa do álbum, um destaca para mim. A imprecisão das guitarras estão pela primeira vez fora de colocação porque gritam típico doom. No entanto, como a canção progride, Kadavar faz o que melhor sabe fazer. De um solo extremamente impressionante, para os preenchimentos de bateria, a segunda metade da canção certamente puxa-os juntos.
Berlim de alguma forma evita o que acontece em muitos álbuns: cada música corre para a próxima. Quando ouço a reverberação nos vocais, o fuzz nas guitarras, e a ruidosa batida nos pratos, eu assumi que o álbum era bom, mas ficam aquém da força individual de cada canção. No entanto, Kadavar evita este problema comum. O primeiro e mais predominante exemplo da escrita da canção vem com a soberba "Pale Blue Eyes." É tipicamente, pesado e apresenta alguns dos melhores trabalhos de Lindemann - Tanto trabalho vocal como guitarra.
Passado um pouco mais do meio de Berlim, está o single lançado em julho - "The Old Man". Eu normalmente não acho que os singles são as melhores canções dos álbuns, mas neste caso eu acho que " The Old Man" é a canção mais memorável no disco.
Cada canção depois de "The Old Man" merece uma descrição porque eles são tão grandes. Os riffs, são incríveis. Rock de alta energia infundido em blues. Isso é o que é rock n roll, e isso é Kadavar.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

The Gentlemen Bastards - Bastards' Brew (2015) USA


Apesar da simplicidade inerente do género Acho que é realmente difícil negar-lhe a magia do stoner rock. Quando uma banda está junta como The Gentlemen Bastards, que abordam o género de todos os ângulos, encontro-me a cair ainda mais fundo no amor. Seu novo disco Bastard's Brew toca em todos os lados do idioma stoner rock, com faixas espaçadas encaixando-se muito bem ao lado de maravilhosos riffs. Enquanto os vocais podem estar um pouco alto na mistura a impressão geral que tenho da música que é deliciosa e reflecte um grupo de músicos que realmente sabem o que estão fazendo.
Agora eles ainda têm que refinar o seu som um pouco, mas o conceito geral da banda é sólido e isso deixa os fãs muito animados para ver onde estes músicos vão estar no próximo ano!

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Craig Erickson - Sky Train Galaxy (2015) USA


Craig Erickson tem vindo a fazer ondas há muito tempo, agora espero que consiga obter a atenção e o crédito que merece. Erickson está de volta com o seu mais recente trabalho, 'Sky Train Galaxy', um álbum que está cheio de músicas de qualidade que correspondam à qualidade do músico. Ele tem toda a técnica que desejas ou precisas de ouvir, mas na raiz de sua música há uma grande melodia, boas letras, sentimento e alma. Uma das melhores características de 'Sky Train Galaxy’ é a forma como os riffs são executadas, em que tu podes obter quase tanto prazer em ouvir pequenas improvisações de Erickson como a partir do solo. Há uma boa e considerável mistura de estilos, blues escaldantes mais lentos e rock. Todas as músicas são boas, mas as melhores na minha opinião são "The Comeback", "Time (Never Enough)" e "Morning Glory". Absolutamente notável.
Craig Erickson é um talento singular, a força de sua escrita, música e poder absoluto do trabalho combinam-se para criar uma experiência muito especial na audição. Tudo somado, 'Sky Galaxy Train' é altamente recomendado para os fãs de blues rock nostálgico de um músico que muito merece a atenção que ele está atraindo na imprensa da música clássico rock e nas audiências.

Bulldozer – Bulldozer (2015) Portugal


Bulldozer é uma banda de Viseu, Portugal formada em 2006. A banda é o resultado da conjugação de vários elementos de quadrantes musicais opostos. Todos os temas são orientados para a vertente blues rock. Bulldozer é o culminar de uma junção de gostos musicais dos elementos integrantes da banda, pelo som criativo e sentido dos blues rock.
Navegando entre um blues ao estilo de Stevie Ray Vaughan e um stoner rock tipo Kyuss ou Black Label Society, os Bulldozer acabam por ser uma refrescante ideia do rock nacional.
Os temas desenrolam-se com as guitarras muito graves e com uma distorção muito suja alterando com outros momentos em que a distorção é praticamente nula.
Só é pena o disco ser de curta duração.

domingo, 23 de agosto de 2015

POST DA SEMANA

Motörhead - Bad Magic (2015) UK




Motörhead vai lançar seu 22 álbum de estúdio, BAD MAGIC, em 28 de agosto para marcar o seu 40º aniversário. Eles também vão lançar uma nova turnê europeia no inverno.
Depois de 40 anos a quebrar os dentes, os ossos e ouvidos com seu lendário rock 'n' roll, tu até podias desculpar os MOTÖRHEAD mas era se eles quisessem tornar isso fácil. Coloca os pés para cima e relaxa um pouco. Ouve, isto é MOTÖRHEAD.
É muito bom podermos desfrutar de um novo álbum do poderoso trio. Depois de um período difícil para Lemmy que estava doente. Mas Motörhead está de volta e talvez até mais forte do que nunca.
A faixa de abertura "Victory or Die” deixou-me deslumbrado, um tema tipicamente Motörhead mal-humorado com Lemmy gritando bem alto. Segue-se “Thunder & Lightning", que encontra os músicos em pleno voo com um enorme riff do guitarrista Galês, Phil Campbell, um tema clássico Motörhead.
Estas duas faixas definem bem o género de álbum, ao ouvi-las tenho a sensação de que eles querem provar que ainda estão aqui para marcar pontos. Uma canção que impõe esta mensagem é “Shoot Out All Your Lights". Mikkey Dee explode durante esta canção e fornece um ritmo de condução maciço enquanto Campbell e Lemmy batem nos seus instrumentos. Esta música tocada ao vivo vai ser monstruosa.
Brian May toca no tema "The Devil", que tem um riff de sleazy blues. Segue o tema principal do álbum "Electricity" e é um típico som com assinatura Motörhead, ele simplesmente não poderia ser executado por mais ninguém.
Nem é tudo rápido e furioso embora com "Till The End” eles abrandam as coisas um pouco e Lemmy apresenta boa voz. Posso ouvir e perceber que Lemmy vocalmente já não é tão forte quanto foi noutros tempos, mas o que é compreensível. O ritmo rapidamente é restaurado para “Tell Me Who To Kill” segue com o grooving “Choking On My Screams”. A música soa como "Orgasmatron" e pertence às melhores do álbum.
"When The Sky Comes Looking For You", de seguida, ilumina as coisas com, uma optimista melodia uptempo, a faixa mais divertida do álbum. Um excelente cover de "Sympathy For The Devil" dos Stones, os Motörhead decidiram não mudar muito a canção. Eles ficam perto da versão original, mas com o seu próprio som, baseado principalmente na voz proeminente do Lemmy e guitarra hard rock de Phil. É o melhor de dois mundos que se reúne numa faixa.
Depois de ter ouvido o álbum algumas vezes, devo dizer que "Aftershock" foi bom, mas " Bad Magic " é ainda melhor. O trabalho soa fresco, jovem e moderno e ainda é 100% Motörhead. Parece que Motörhead está a revolucionar a biologia destes músicos que parecem ficar cada vez mais novos.
Se eles queriam marcar um ponto com este disco, eles conseguiram esse objectivo e mais alguns pontos. "Aftershock" foi um grande álbum, mas com 'Bad Magic' Lemmy, Phil e Mikkey já aumentaram a aposta mais uma vez.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Lynch Mob - Rebel (2015) USA



George Lynch está de volta com novo trabalho de Lynch Mob intitulado "Rebel" com Oni Logan nos vocais. "Rebel" tem onze temas de Lynch Mob que sem dúvida vai satisfazer os fãs de longa data da colaboração Lynch / Logan.
Ajudando a banda no estúdio estão dois dos melhores músicos em seus respetivos instrumentos, Jeff Pilson no baixo e Brian Tichy na bateria. Neste elenco estão alguns dos músicos mais movimentados do planeta, ainda assim eles encontraram tempo para gravar "Rebelde".
Lynch Mob editou um outro fantástico álbum "Rebel". Eu sou um fã desde a sua estreia e com a exceção da sua monstruosidade Lynch Bizkit, sempre entregou melódico hard rock de qualidade. Eles tocam alguns toques modernos aqui e ali, mas no geral, ouso dizer, é "clássico" Lynch Mob. Teria sido uma vergonha que com a formação que álbum conta tivessem entregue um álbum fedorento, mas não é o caso, as músicas são excelentes, são do topo da linha e tiro o chapéu a Oni, George, Jeff e Brian, bem como ao Produtor, Engenheiro e Mixer, Chris "The Wizard" Collier por um trabalho bem feito.

Maxxwell - All In (2011) Suiça



Suíça e AC / DC? Por uma estranha razão ou outra, tem havido sempre uma ligação entre os dois. Percebemos isso quando Krokus primeiro subiu ao palco na década de 70 e agora nos damos conta de que, pela enésima vez com o lançamento do álbum de Maxxwell, All In . Um dos membros da banda é o guitarrista Hef Häfliger e admite-se que foi o desempenho do AC / DC no Rock In Rio que mudou sua vida para sempre Juntamente com o vocalista Nobi Suppiger e o baterista Oli Haller, ele escreve a maior parte do material para Maxxwell, que pode ser descrito como poderoso, hard rock sem compromisso. All In é o seguimento de Dogz On Dope em 2009 e aprofunda a fórmula do Maxxwell na esperança de atingir um público mais amplo. O videoclipe de Outlaw me trouxe o bom humor para ouvir essa banda e o que eu ouço certamente não é mau, pelo contrário! O U.D.O. banda suportada durante uma de suas turnês européias é óbvio que Suppiger sabe o que faz. Outro ponto positivo desta banda suíça é que eles sabem perfeitamente como tocar rock orientado para o riff de uma forma moderna: heavy, barulhenta e super gorda. Oiça músicas como o tema de abertura Dead End Street o acima mencionado Outlaw, o bonito No Pain No Gain (me que faz pensar em Scorpions) ou mesmo a balada Anything. A biografia descreve-o muito bem: Maxxwell é paixão, emoção e alegria de viver: a essência do rock n’ roll. Tire proveito disso agora! Uma agradável surpresa suíça.

Chasing Violets - Jade Hearts (2013) França


CHASING VIOLETS são duas talentosas irmãs Sarah e Melissa Fontaine da França. Depois de quase um ano de trabalho árduo, as irmãs estão de volta com um novo álbum chamado " Jade Hearts ". Este álbum, assim como o primeiro " Outside Heaven " foi produzido por Frédéric Slama, um AOR fama. Mais uma vez as talentosas irmãs francesas cooperaram com os melhores músicos da cena rock melódico como Tommy Denander (Alice Cooper, Paul Stanley), Paul Sabu KIDD GLOVE, ONLY CHILD), Göran Edman (Yngwie Malmsteem, crossfade), Mikael Erlandsson (LAST AUTUMN’S DREAM), Bob Harris (AXE), os membros da ALIEN, HARDLINE & Lionville, Christian Tolle, Eric Ragno etc Estes músicos ajudam a colocar um alto calibre neste trabalho.
A grande abertura, " The Main Attraction ", é uma pista conduzida por teclados (sente-se influências de VAN HALEN). Ouvindo ele pode revelar um retorno ao rock anos 80, uma vibe maravilhosa de HEART, TOTO, FOREIGNER etc, embalado com grande riffs AOR e amplos ritmos. O melhor tema deste CD é " Silent Victory " tingida com elementos modernos, ainda soa rica com lembranças do passado, sem dúvida que estas irmãs podem cantar tão bem, lembra um pouco o número insidioso da estreia chamado " You're My Obsession ". "Halo Of Light" lembra os velhos GENESIS, especialmente devido ao estilo de cantar, um pouco modernizado, mas com riffs de guitarra bem compostos. " Jade Hearts " tem um refrão tão cativante, muito memorável, riffs fabulosos e montes de melodias de guitarra. "Web Of Lies" tem um pouco do legado do Deep Purple, ainda mais AORish e gentil.
"A Shot In The Dark" é forte tiro bem no centro da frente, mas de repente se transforma num doce com teclados suaves, as irmãs obtendo canto áspero semelhante ao TINA TURNER. Evidentemente, há riffs enérgicos, ritmos orientados anos 80 encruzilhados na veia de FOREIGNER em “Hollow Triumph” Eu gostei do decoro melódico das meninas, tão rico, como se eles não precisa de nenhumas performances dos convidados "Deception In Heaven" é outro parceiro silencioso, lentamente construído. Outros temas que vale a pena ouvir são: " Exile In Sadness ", com um lindo baixo AOR, melodias cativantes, como VANILLA NINJA" The Scarlet Nymph "com muito mais calma e suaves notas de canto e" Secrets In The Shadows ", com teclados seguindo os estilo anos 80 de VAN HALEN e STILSKIN, sempre cativante. " I Owe It to Myself " é o acorde final do Rock para um grande álbum, ritmos perfeitamente reproduzidos e um refrão memorável.
" Jade Hearts " é uma maravilhosa colecção de hits perseguido por melodic rock e música AOR preso entre os anos 80 e o rock contemporâneo. CHASING VIOLETS mais uma vez produziu outro grande álbum cheio de incrível canto e uma aresta melódica. Apesar de ser muito parecido com o de estreia, isso não importa, eu achei que é quase perfeito.

Bon Jovi - Burning Bridges (2015) USA


Com o lançamento do "Burning Bridges" (Mercury), Bon Jovi encontra-se numa série de situações estranhas.
Afinal, este é o primeiro álbum de Bon Jovi, sem o guitarrista Richie Sambora, embora ele faça compartilhar crédito por escrever o primeiro single, "Saturday Night Gave Me Sunday Morning." Para diminuir as expectativas do que um álbum sem Sambora pode soar como Bon Jovi, o vocalista Jon Bon Jovi está deixando claro que este é um "fan album", um álbum de canções que a banda terminou para os fãs e para editar a tempo da sua internacional tour.
Bon Jovi está atualmente escrevendo seu novo álbum, previsto no início do próximo ano, que será o primeiro álbum "real" sem Sambora. Bem, mas Bon Jovi deve preocupar-se porque a faixa coescrita por Sambora "Saturday Night" é o single e o tema mais forte e mais ao estilo da banda quando estava no auge.
"We Don't Run", que Jon Bon Jovi escreveu com John Shanks como uma nova canção e um sinal da nova direção da banda, é meio sem jeito agressivo e incaracteristicamente irritado.
Isso não quer dizer que Bon Jovi esteja em apuros, a exuberante balada " A Teardrop to the Sea " é especialmente forte.

Maxxwell - Tabula Rasa (2014) Suiça



Roqueiros suíços MAXXWELL foram colhendo uma sólida reputação na Europa, com dois álbuns fortes e um EP, e para o seu novo álbum "Tabula Rasa", que foi lançado no dia 03 de outubro, a gravadora começou uma máquina promocional agressiva por trás da banda, agora, e garantiu o lugar de prestígio como o apoio de Michael Schenker Temple Of Rock em turnê este ano.
A primeira coisa perceptível em "Tabula Rasa" é a maturidade. Originalmente comparados com Gotthard (e não só pela sua origem suíça), Shakra, Wig Wam e da mesma forma, som e estilo de Maxxwell é Euro guitarra impulsionada por hard rock com um som moderno.
Mas para este novo disco - 3 anos de produção - Maxxwell evoluiu para uma música mais pessoal.
Na pessoa de Gilberto Melendez a banda tem um novo vocalista, e esse músico realmente 'canta'. Alto, baixo, moderado, poderoso: ele não tem nenhum problema em fazer isso. E isso é bom porque a banda também varia na sua música regularmente.
E é uma das grandes forças do quinteto; a variedade de canções em "Tabula Rasa".
Encontramos hard rock direto com um hino, sente se uma vibração estádio como em "PartyKings", o matador "Cause I'm Lovin' It", o divertido "Man Of Steel" - com letras fora de moda, mas cativante como o inferno - o quente "On Your Face"(um destaque) e a faixa bónus" Turn Me On ", absolutamente estilo Gotthard.
Mas Maxxwell também explora sons mais atualizados e ondas de rock moderno, como no baixo de codução "Trails Of Hate", onde aparece alguma guitarra heavy, mas durante os versos é bastante limpa e onde o vocalista muda o registo para um bom efeito.
"Fallin 'Down" é mais um som diferente, com uma melodia quase poppy embora cheia de riffs razor, enquanto o melódico midtempo "Nothing Changes My Mind" (refrão muito forte) é um dos destaques com um intenso solo de guitarra.
"Backstabber" é talvez a faixa mais experimental que apresenta um rapper chamado Polemikk, resultando em algo comparável ao Faith No More. Muito interessante.
É claro que há um par de baladas, sendo uma delas o single "Gone Forever", mas na minha opinião é a música mais fraca do álbum, obviamente focado para rádios de rock moderno. "Never Let You Go" é muito, muito melhor com um positivo nervo rock.
Maxxwell sabe perfeitamente como tocar hard rock orientado para o riff de uma forma moderna: heavy quando necessário, com guitarras super-gordas, mas também melódico e cativante. Em "Tabula Rasa", eles amadureceram uma tonelada, e este disco vai levá-los longe no negócio, com certeza.
A produção é detalhada, tudo soando polido e claro e a mistura é excelente. Este é um álbum variado, que vai chamar a atenção de hard rockers tradicionais e ouvintes orientados ao som mais moderno.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

St. Prostitute - Glorified (2015) Dinamarca



Felizmente acontece novamente algo de bom na pequena Dinamarca. St. Prostitute lançou um novo álbum. Os rapazes são todos bons e cheios de talento. St. Prostitute formaram-se em 2010 e já em 2011, antes de terem lançado o seu primeiro álbum, eles receberam um batismo de fogo ao abrirem para Pretty Maids em Copenhaga para 12.000 pessoas.
A banda tinha feito em 2010 em uma pequena turnê promocional nos Estados Unidos, onde eles tocaram em vários locais conhecidos. Em 2012 a banda lançou seu álbum de estreia Here comes the Prostitute. O álbum foi muito bem recebido e recebeu uma boa crítica, especialmente na Inglaterra.
Pode-se dizer que Glorified é o aguardado álbum para os fãs da banda.
O novo álbum tem outra camada de qualidade e eu sinto um enorme prazer em ouvir estes rapazes.
A música que é tocada no Glorified, é um delicioso hard rock no seu melhor. Pode-se perceber que eles ouviram DAD e Pretty Maids. St. Prostitute em algumas faixas lembra muito Helpyourselfish (1995). Assim, em muitos aspetos eles são mais rock do que muitas das bandas de heavy dinamarquesas. A banda é realmente uma lufada de ar fresco no mundo do rock dinamarquês. Eles têm trabalhado muito duro nesta sequela, e eles têm-no feito muito bem. Eu podia vê-los facilmente num grande palco nos Estados Unidos, Alemanha ou Inglaterra. Eles têm um grande som e sua música dá ao ouvinte vontade de ouvir mais.
St. Prostitute realmente faz um bom trabalho em Glorified. Se és apenas um pouco fan de rock, este álbum vai levar-te para uma tempestade. A banda tem evoluído e deixou o som do passado para encontrar um grande som que parece ser bastante harmonioso e completo.
É apenas puro rock que tu nunca te cansas de por a tocar. Eu tiro meu chapéu para essa banda. É difícil fazer jus a um álbum tão agradável. Eles têm feito isso com tanto charme e habilidade.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Buckcherry - Rock 'N' Roll (2015) USA



Buckcherry lança o seu sétimo álbum de estúdio chamado “Rock 'N' Roll” e isso é exactamente o que é Rock 'n' Roll. Este álbum tem todo o fundamento do rock and roll, energia, sexualidade, refrões cativantes, grooves profundos e grandes riffs de guitarra.
"Bring It On Back" é uma excelente escolha para tema de abertura. É bom rock and roll à moda antiga e o nome permite que saibas exactamente o que é Buckcherry.
A seguinte é "Tight Pants", uma faixa sleazy com acompanhamento suficiente para atrair mais alguns fãs. Mas o tema sexo é elevado até um ponto ou dois em "Wood" e "Sex Appeal".
Uma das faixas mais hard do álbum chama-se "The madness" é uma canção sobre os dois lados de uma pessoa que todo mundo sabe. O tema tem uma batida implacável, um bom riff e um excelente groove. Esta música que foi escrita para shows ao vivo.
Com "The feeling never dies", o álbum também vem com uma balada bem trabalhada que não tem grande ciência, mas vem com muito de sentimento, enquanto que "Rain's falling" representa o lado bluesy de Buckcherry.
"Rock'n'Roll" é um emocionante álbum de rock. Este álbum faz-te sentir vivo.

PRAYING MANTIS - LEGACY (2015) UK



Caros amigos, é um novo álbum de PRAYING MANTIS, uma das bandas mais conhecidas na cena Heavy Metal / Hard Rock Inglesa e no mundo também. Muitos nomes famosos passaram pela banda como Bernie Shaw (agora vocalista de Uriah Heep), Doogie White, Paul Di'Anno, Dennis Straton, e Clive Burr entre outros.
"Legacy", o seu novo álbum, mantém o mesmo espírito e energia dos velhos tempos. Eles continuam com o melódico Hard Rock / AOR que já conhecemos, talvez um pouco mais orientados ao Pop do que antes, mas a mesma identidade musical e essência que os irmãos Tino e Chris Troy criaram a mais de 40 anos (A banda iniciou em 1973). O álbum é uma melódica e forte mistura de Hard Rock com grandes doses de AOR, grandes sons de guitarras e teclados, com muito charme, melodias e refrões.
A excelente qualidade de som é perfeita e limpa. Não precisa de ser pesado, porque PRAYING MANTIS não é uma banda de Heavy Metal no sentido mais profundo do termo.
"Fight for Your Honour" é a faixa que abre o álbum, grandiosa e melódica com muito bons riffs de guitarra e vocais perfeitos. "The One" é mais melódica e comercial quase uma balada, mas com muito bom trabalho feito no baixo e bateria (juntamente com guitarras limpas finas). Na mesma tendência, temos "Believable", novamente com ótimos vocais e um refrão contagiante. "Tokyo" é introduzido por finas orquestrações no teclado seguido por excelentes guitarras, AOR mantendo a atmosfera acessível e doce.
Mesmo sendo quase uma balada, "Better Man" tem alguns riffs agressivos, com um refrão cheio de sentimento nos vocais. "All I See" Oferece grandes momentos nos teclados e guitarras mais uma vez é profunda e hard. Em "Eyes Of A Child", mantem a atmosfera acessível de AOR Europeu, podemos sentir um trabalho mais heavy feito pela bateria e guitarra baixo. Uma música cativante e mais orientada ao Rock'n'Roll é "The Runner", usando algumas guitarras duplas como IRON MAIDEN usou nos anos 80, usando novamente um excelente coro. Em "Against The World", outra grandiosa canção com um coro clássico, com alguns vocais de fundo finos e bem trabalhados. "Fallen Angel" segue na mesma linha, tendo uma dinâmica de guitarras melhor com a parte rítmica. E "Second Time Around" é uma canção mais enérgica e mais heavy, apresentando riffs fortes e ótimos vocais mais uma vez.
Este álbum é uma obra-prima.

domingo, 16 de agosto de 2015

Lost Weekend - Presence Of Mind (2000) UK


Banda britânica Lost Weekend volta à ribalta com o seu segundo álbum, depois de alguns anos. Liderada pelo guitarrista David Thompson ex-Rhabstallion / Voyager, esta banda apresenta 12 faixas de bom AOR.
"Holding On" é um decente tema de abertura, um cruzamento entre Shy e Rainbow. "I Need You" e "One Chance" as duas faixas são AOR padrão, bastante vulgar, mesmo que a última mencionada tenha um bom refrão. "Slipping Through My Hands" é muito melhor, um teclado heavy soando um pouco como sobrevivente do final dos anos 80/início anos 90 ao estilo0 de bandas como Valentine ou Melidian.
"The Best Is Yet To Come" é uma balada e assim como a outra balada do álbum, "I Don't Want To Be Your Friend", não são dos temas mais fortes. "Kiss From The Heart" e "All Hands To The Fire" são mais agradáveis, bons temas com muitos teclados. É certo que o riff de guitarra de "All Hands To The Fire" segue uma linha muito familiar, mas é uma boa música de qualquer maneira.
O Mid tempo "One Day At A Time" não impressiona, mas o hino "This Moment So Long", já é outra coisa. Um dos meus temas favoritos. Segue o já mencionado "I Don't Want To Be Your Friend", e em seguida, é hora de "Can You Believe", uma faixa que parece o cruzamento entre "Desperate Dreams" de Survivor e "Didn't Know It Was Love", mas não é tão boa como qualquer um deles. "In Time" fecha o disco, um bom tema AOR e nada mais.
Esta é uma banda muito interessante que pode não ser a mais original, mas de certeza que é puro melódico hard rock muito bem feito.
É recomendado para aqueles que ainda apreciam um álbum de rock melódico bem feito, com um típico sabor britânico.

POST DA SEMANA

Disturbed - Immortalized (Deluxe Edition) (2015) USA



Depois de uma pausa de quatro anos, Grammy Award - nomeado, titã hard rock multiplatina DISTURBED anunciaram que estão de volta com o seu sexto álbum de estúdio, intitulado "Immortalized", que vai ser lançado em 21 de agosto por Reprise Records. Primeiro single "The Vengeful One" já saiu, acompanhado com o vídeo de animação do premiado cineasta Phil Mucci. O lançamento segue o disco de ouro "Asylum" de 2010, DISTURBED foi o quarto álbum consecutivo Nº1 na Billboard Top 200, a subsequente pausa do grupo por quatro anos, deu aos membros David Draiman (vocal), Dan Donegan (guitarra), Mike Wengren (bateria) e John Moyer (baixo) a força necessário para fazer este retorno iminente e deliberado.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

9MM - Nitro Killers (2015) Alemanha



Esta banda de rock pode ser muito divertida. Isso é o que os alemães 9mm tentam deixar claro para todos. Seu novo álbum "Nitro Killers" está cheio de canções rock de arrebentar que às vezes são um pouco mais punk, às vezes um pouco mais metal e principalmente puro rock'n'roll.
A banda canta em alemão o que não tem qualquer importância uma vez que a música em si é bem-feita e vale por si só.
"Ole, viva, la fiesta" convida para saltar logo na primeira rodada. A música rápida punk rock cumpre o seu trabalho muito bem sendo o tema de abertura. A faixa-título é também a toda velocidade, com menos de punk, mas muito de metal, determinado pelo primeiro riff.
Eu já mencionei as letras em alemão. Algumas deles estão cheias de humor e ironia. O Punk rock de "Ambrosia und Whiskey" é uma dessas faixas e o mais melódico hard rock "Geiselwind" é outra.
Mas 9mm também alguns temas mais sérios como "Armageddon", uma canção sobre a maldita guerra e aqueles que ganham dinheiro com a venda de armas. Também "Extremisten", outra canção metal, é uma indicação clara contra o fascismo e intolerância, algo que não pode ser mencionado com muita frequência nestes dias.
"Nitro Killers" de 9mm é de facto um verdadeiro matador. Esta música genuína é intransigente, real e suja.

Simon McBride – Since Then (2010) Irlanda do Norte


Como outros o guitarrista virtuoso um irlandês (Vindo de perto de Belfast, Irlanda do Norte), as comparações são feitas frequentemente com Rory Gallagher e Gary Moore, embora Simon pareça ser ele próprio.
Simon começou a tocar aos 10 anos e (autodidata) entrou e ganhou o Young Guitarist Magazine's Guitarist of the Year, quando ele tinha 15 anos.
Ele foi imediatamente recrutado pelo Sweet Savage (Vivian Campbell / Def Leppard), com quem gravou dois álbuns e tocou regularmente em grandes festivais. Isso foi há 13 anos, desde aí ele já percorreu o mundo como guitarrista de diversas bandas, incluindo o Grammy soulman Andrew Strong. Ao longo do caminho, ele já tocou com artistas como TM Stevens, Morgan Charlie, Zorro, Hugh Burns, Slash e Steve Lukather.

NEO PROPHET - T.I.M.E. (2015) Bélgica


Um nome como Neo Prophet me faz pensar numa banda neo prog. E o meu problema com parte do movimento neo prog é que ele carece de power, muitas vezes a música é apenas remexer no passado.
Os quatro músicos belgas (uma continuação dos Neo- Prophet, mas com alguns músicos de outra banda belga Quantum Fantay, o hífen foi abandonado) propuseram-se a escrever um conjunto diversificado de músicas e para mim eles conseguiram. Esta banda é realmente talentosa quando se trata de rock, quando a música pede, eles são capazes de tocar suave, eles fazem a canção longa, e também curtas, e até mesmo o vocalista é muito bom. Portanto, temos aqui a exceção à regra que eu acho. Mesmo que o estilo da música ainda seja considerado neo prog por muitos, eu acredito que a banda se estende por inúmeras fronteiras. De sinfônica para o prog rock e metal, o space rock e até mesmo o vocalista e compositor, a música tem o seu lugar.
E tudo nos leva a um álbum que é muito agradável, com excelente sonoridade (graças a Frank van Bogaert) e simplesmente coloca numa montra de como faz isso.

Jaded Past - Jaded Past (2012) USA


Este segundo álbum é composto por dez canções que se concentram num clássico hard rock, onde a harmonia vocal é uma boa parceria da guitarra numa boa base rítmica.
"Taken" é a canção que abre o disco e começa com um riff médio estilo Van Halen.
"One Step Closer" é uma balada cativante bem dentro da linha entre Faster Pussycat e Poison, enquanto "Roller Roxy" é o típico tema dançarino, brincalhão, cadente com um bom coro.
A banda mostra a sua gratidão para com aqueles que já alcançaram o pódio da fama com este cover de Bob Geldof, "I Don't Like Mondays", num versão mais crua e um pouco menos colorida do que a versão original.
Se eu me lembro o original tinha vocais femininos quando diz "Tell me why!", A única coisa que noto é que a mistura carece de um pouco mais de trabalho. Há canções que variam de volume.
Isso não afeta as boas composições que podem ser encontradas aqui, mas quem está prestando atenção ao detalhe vai notar.

Randy Scott - Out Of The Blue (2013) USA



Randy começou a tocar guitarra com 11 ou 12 anos. Ele começou a ficar sério quando ele estudou no Instituto de guitarra (GIT) e abriu a sua alma para a música.
Depois de lutas e frustração com o negócio da música parou de tocar completamente e vendeu cada guitarra que ele tinha. Nove anos mais tarde, ele apareceu num Guitar Center. O gerente da loja ouviu Randy fazendo riffs na guitarra e sugeriu que ele entrasse na competição King of the Blues, a pesquisa nacional para o próximo grande guitarrista de blues desconhecido.
Num golpe de sorte que ele entrou e acabou á frente de milhares de outros guitarristas para ser nomeado vencedor do Guitar Center quarto concurso anual de King of the Blues.

Grimmstine - Grimmstine (2009) USA



O vocalista Steve Grimmett e o guitarrista Steve Stine uniram-se e eles decidiram chamar a sua nova banda (ou projecto?) GrimmStine. Com a ajuda de Hat no baixo e Dave Johnson na bateria, lançaram o álbum auto-intitulado em 2009.
Abrindo com a maravilhosa introdução de guitarra acústica em Memory, que é pouco testemunho do que está por vir. A faixa seguinte 911 deixa claro que isto vai ser um álbum de metal sem prisioneiros. Riffs pesados, a voz rouca de Grimmett, quase na fronteira de novo território metal. Felizmente a próxima faixa Supernatural coloca mais ênfase na melodia, mantendo essa sensação metal.
E este fenómeno acontece mais, numa faixa ressaltando as heavy guitarras, e o outro sendo mais melódico e progressivo. Nada excessivamente complexo, mas de qualquer maneira com muitas ideias .
Ouvindo o álbum uma segunda vez este revela a sua potência e tu sentes isso. As linhas vocais começam a fazer mais sentido e tu começas a perceber os pequenos detalhes e quebras.
Mas para os amantes da guitarra metal, existe uma grande quantidade de riffs e solos. Com 16 faixas e um tempo de mais de 77 minutos, talvez se tivesse menos algumas músicas, o impacto seria maior.

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Styx - Live at the Orleans Arena, Las Vegas (2015) USA


Filmado em alta definição no dia 25 de julho de 2014, Live At The Orleans Arena Las Vegas é uma montra sonora de destreza e afiada musicalidade ao vivo dos Styx. Esta mostra apresenta a banda, apoiada por enormes telas de vídeo, realizando um set list repleto de canções de sucesso, faixas clássicas e favoritas dos fãs, incluindo "Lady", "Too Much Time On My Hands", "Rockin 'The Paradise", "Come Sail Away", "Fooling Yourself (The Angry Young Man)", " Renegade "e" Suíte Madame Blue ".
A noite também apresentou uma surpresa especial quando Don Felder - ex-guitarrista dos Eagles - subiu ao palco para se juntar à banda em " Blue Collar Man (Long Nights)".

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Hellspray - Bring On the War (2015) Suécia


Verifique o novo conceito de heavy metal sueco com grandes licks de guitarra e vocais infernais.
Alta Energia Rock / Metal com alguns gritos de metal impressionantes e música sólida, bons Rockers com uma atitude sólida de amizade.

Steve Overland - FM Radio Covered (2015) UK


Todos os que gostam do vocalista Steve Overland ( FM) devem ouvir este álbum "FM Radio covered" que reúne todos os covers que ele tem cantado ao longo dos anos em vários projetos.

Hellbilly Rebels - Way Down South (2015) Brasil


Trio de Southern Rock brasileiro, formado em 2012, com fortes influências de Blackberry Smoke, Lynyrd Skynyrd e Pride & Glory. Formado inicialmente por Ricardo Bancalero (guitarra), Renato Ciccone (baixo e voz) e Ettore Luigi (bateria), que lançaram o single Kick Out The Dust. Com a saída de Ettore, o irmão de Renato, Sérgio Ciccone assume a batera e lançam o EP Looking Out For Trouble no início de 2013, que contou com a participação do vocalista Vitor Maldonado (Blüe Barrel) na faixa titulo.
Após uma temporada de shows divulgando o EP, é lançado o single Grounded no final de 2013, que teve óptima aceitação no meio Southern Rock. Em 2014 se dedicaram a composição do primeiro Full-Length, Way Down South, que foi lançado em Maio de 2015.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Love N' Revenge - Love N' Revenge (2015) USA



DAMON KELLY o vocalista dos ROCKARMA tem uma nova banda e um novo álbum "LOVE N' REVENGE"
Damon diz: "Estou muito orgulhoso deste álbum é como eu realmente sempre quis compor, uma seleção de músicas e lançar uma verdadeira guitarra pura impulsionada por melódico rock de arena, um clássico intemporal. Assinamos contrato com a AMG / Universal Music, que atingiu 12.000 estações de rádio em todo o mundo há poucos dias, acordo de licenciamento com a MTV para programas com todo o meu catálogo (três álbuns) e licenciamento de acordo também com TouchTunes atingindo 71.000 bares e restaurantes em toda a América do Norte.