sábado, 28 de fevereiro de 2015

THE STORYTELLER - SACRED FIRE (2015) SUÉCIA


Os Suecos The Storyteller, estão de volta para mais um ataque metálico aos escaparates. Desde 1995 que forjam o seu heavy\power bem melódico mas no bom e velho estilo europeu. Sexto disco de originais este Sacred Fire, que tenho a certeza não vai passar despercebido, tal é a sua qualidade musical. Não será original mas é certamente competente e capaz de nos agarrar à sua audição e fazer-nos repetir várias vezes. The Storyteller não são uma banda qualquer, nem mais uma no panorama do metal; para os mais desatentos, são frequentemente chamados a fazer as primeiras partes das tours de gigantes do metal como Helloween, Pretty Maids, Blind Guardian, Gamma Ray, Hammerfall, Stratovarius, and so on, and so on ... Por isso os grandes palcos não são desconhecidos para estes rapazes. Mas as suas influências musicais, apesar de surgirem imagens de muitos desses colossos, elas vêm de mais longe, como Iron Maiden. Chega quase a ser épico, por vezes alguns elementos Folk, mas próprio da orientação cujo próprio nome da banda indica; The Storyteller, o contador de estórias; e para isso há que criar os ambientes para as contar; clássico, folk, épico, tudo serve para exprimir o melhor possível o seu sentimento em cada tema.
Uma Banda que eu tenho em grande conta e admiração, e que decerto vocês também terão, ou vão passar a ter, porque o seu material é excelente; escola clássica europeia e com selo de garantia da casta sueca, que por estes dias nada está a dever aos teutónicos germânicos neste campo, os nórdicos estão tão bem quanto os seus vizinhos mais a sul, e recomendam-se, e muito! Fica como um dos meus favoritos por estes tempos.
McLeod Falou!


MELECHESH - ENKI (2015) ISRAEL\PALESTINA



Rei do fogo! É assim traduzido o nome desta fabulosa banda de "extreme" metal vinda de Israel e Palestina. Ashmedi, formou o projecto em 1993; mas rapidamente deixou de ser um pressuposto a solo para se tornar numa banda. Black metal era a direção, mas as influências eram provenientes da cultura folk e obscura das zonas Mesopotâmica e Suméria. Tiveram problemas com as autoridadesdevido a essa orientação oculta, mas que melhor promoção do que ter um "problema" desses não é verdade? 
Começaram a gravar em 1995 em formato demo, e a partir daí, este já é o 7º àlbum de originais, editado pela Nuclear Blast! Vejam só como estes rapazes são respeitados. Intrépidos, é um termo mais apropriado porque a sua qualidade musical é enorme e a sua sagaz motivação também. Superior death, black e groove metal, excelentemente produzido e com um som refinado. Faz muito tempo que não ouvia algo assim tão bom. Este género de extreme metal complementado pelas melodias do folk da região tem a vantagem de não cansar tanto como a maioria das outras bandas do género. E querem saber mais? Max Cavalera dos Soulfly\Sepultura; Sakis Tolis dos Rotting Christ e Rob Caggiano dos Anthrax\Volbeat foram capazes de gostar tanto do projecto que decidiram fazer parte dele com as suas participações especiais. 
Um bom disco de final de semana para aquela rapaziada que quer expelir todo o seu stress de 5 dias a fazerem pela vida. Recomendo também à grande maioria dos aficionados do metal porque além da excelente creatividade, este disco demonstra aos "wanna bes" que orientações devem assumir para singrar no negócio. Eles estão na Nuclear Blast! E vocês? Alguma reclamação?
McLeod Falou!


ENFORCER - FROM BEYOND (2015) SUÉCIA




Estes suecos não param de surpreender a rapaziada do metal. parecem mais reais que os próprios percursores da NWOBHM, até a capa do novo disco. Cópia cuspida e escarrada do melhor que se fazia no inicio dos anos 80 por terras de sua majestade por bandas como Samson, Jaguar, Persiah Risk,... e agora são tantas que me desculpem por utilizar talvez aquelas que até nem se parecem muito com estes Enforcer. 
Estes rapazes são a nova geração do metal. desde 2004 a debitar toneladas de riffs trazidos até nós há mais de 30 anos, mas que eles dizem agora serem seus com todo o amor à causa metálica. Técnicamente; Imaculados! Composições; Fenomenais! Produção; purista até ao mais pequeno detalhe!
Este é o 4º disco de originais, a contar desde 2008, ano da edição do primeiro. Arvika, cidade sueca e terra natal deste quarteto, nunca mais foi a mesma depois destes enforcers a terem tornado a sua base de assalto aos nosso canais auditivos por todo o mundo.
Este não é um daqueles discos que tem muito para se dizer, é pegar nele, ouvi-lo com toda a pureza e ingenuidade induzida pela própria banda; basta olhar para a sua imagem; e partir a barraca toda. Agora cuidado com as "feras" porque podem acabar a dormir na casota do cão, eheheheh
Excelente disco de uma onda que tende a voltar novamente a estar presente nos nossos momentos musicais. Super Recomendado!
McLeod Falou!

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Death Valley Wolfriders - Play For Blood (2015) USA


Death Valley Wolfriders são uma banda de fast & mean rock 'n roll de Kansas City. Influenciados por bandas como Motorhead, AC / DC, MC5, KISS, e The Supersuckers, The Wolfriders carrega a tocha para o verdadeiro heavy rock & roll.

Kissing Miss Lizzy - Kissing Miss Lizzy (2015) Noruega



Kissing Miss Lizzy toca hard rock e faz o lançamento de seu novo álbum!
A banda toca clássico hard rock anos 70-80 com melodias cativantes e som moderno.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Eldorado - Babylonia Haze (2015) Espanha



Há uma qualidade vintage para a maior parte da música rock n 'roll que Eldorado tocam. O quarteto de Madrid são bluesy o suficiente para fazer a comparação com bandas como Thin Lizzy, Whitesnake e Led Zep, mas seu groove, marca a sua verdadeira vocação como filhos do Deep Purple. Babylonia Haze, seu terceiro álbum em Inglês (os restantes discos consiste em lançamentos espanhóis), tem uma tendência para escorregar em fórmulas, mas o coração do trabalho bate forte, firme e verdadeiro.
A música está repleta de fortes tons quentes e toques de estilo. As melodiosas teclas ondulantes do Hammond aparecem em faixas como " Be Satisfied" e " Flowers Of Envy", enquanto a guitarra acústica, licks limpos e riffs de "Resurrection Song" fazem todos os três um pouco de cozinhado para o seu próprio bem. Quando essas simulações aparecem novamente na mistura um pouco mais, o power rock, ganchos e licks de faixas como " You Don’t Wanna Need Her” e " Mad Woman" devem permiti-lo voltar a música regular.
Há também o bom calmo groove de " Karma Generator " para o envolver. É uma faixa que o leva a voltar atrás na parte lenta, abanando a cabeça suavemente e balançando junto. E quando eles carregam no acelerador, é sincero, muitas vezes explosivo, no estilo de baladas como " Goodbye And Carry On" e " Moon Girl" obtêm algo com o lirismo extraído de profunda emoção. O lindo folk " Breath The Night" vai um passo além empilhando o violino cadenciado em cima da guitarra acústica suavemente dedilhada. É a prova de quanto longe a banda está disposta a curvar-se à vontade de sua música.
O álbum tem bastantes melodias doces e estruturas suavemente polidas para atacar com sucesso os fãs.

Elias T Hoth - Confession With The Devil (2015) UK


Elias.T.Hoth realiza o seu pulsante terceiro álbum de estúdio. O material é novamente saqueado a partir das reservas ilimitadas de suas próprias experiências de vida pessoal. Ainda assim, o álbum é mais forte e mais diverso na sua construção e contextos do que seus antecessores. Suas músicas ainda nos presenteiam com originais, frescos e frequentes controversos conceitos musicais muitas vezes lida com assuntos difíceis e tabus.
Há novas reviravoltas interessantes e sutis nos novos arranjos de canções que demonstram claramente a maturidade e a profundidade nestas composições novas e emocionantes. O álbum é uma vez mais implacável na sua natureza e ainda nos oferece o altamente comburente, poder e ferocidade que são elementos integrantes da marca escaldante do Elias.T.Hoth. A partir da abertura explosiva dos álbuns, choque e pavor assaltado com "Guns ‘N’ Ammo". As faixas seguintes, continuam implacáveis na sua determinação, eventualmente, deixando-nos com o desvanecimento, gemidos e gritos desesperados até Satan’s Train.
Não há dúvida que o novo álbum é único, intransigente e consistentemente transmite o que eu acredito que vai ser emocionante Elias.T.Hoth e alguns novos riffs e linhas de ganchos. Ele passou mais de um ano escrevendo as músicas e as letras antes de entrar no estúdio este ano, em janeiro deste 2014, de forma que todo o projeto quando terminar levou mais de dois anos para ser concluído. Mais uma vez esteve trabalhando muito estreitamente com o experiente engenheiro de som Paul O'Neil dos Incentive studios e os novos álbuns do produtor primário Glenn Phillips no GPS studios também em Wigan. Glenn anteriormente produziu os aclamados álbuns "2007 Let Sleepin Demons Lie" e "2013 Wrath Widower".
Como sempre para fazer um álbum é muitas vezes um longo difícil e exigente caminho, mas eu tenho toda a fé e confiança de que os conceitos musicais e arranjos originais de Elias.T.Hoth trazidos à vida pelos músicos do grupo altamente talentosos vai finalmente, entregar a especial, única e poderosa realidade para os ouvintes de "Confession with the Devil".

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Kyrie Ellison - Untold Stories The Scriptures Of Sadness (2015) USA


Um projeto de power metal com base principalmente no norte do estado de Nova York. Formado em 1988, pelo trio músico / compositor de; Mark G David, Chuck Woodard, e Paul G Warrior. Som do Kyrie Ellison foi influenciado a partir do movimento metal progressivo meados de 1980. Fortemente influenciado por artista como Fates Warning, Queensryche, Crimson Glory, Hittman, Savatage, Black Sabbath, Iron Maiden, NWOBHM, e thrash / speed metal bandas dos anos 80. A banda passou três anos a aquecer concertos de metal nacionais localmente e nunca passou da fase de demonstração. Como o metal se rendeu ao grunge no início dos anos 90; Kyrie Ellison foi dissolvida em novembro de 1991. Co-fundador membro, Mark G David juntou-se com virtuoso da guitarra: Mike Campese. Estilo de fusão de rock de Mike foi um bom ajuste para movimentadas linhas de baixo de Marcos e os dois foram se apresentando ao vivo juntos desde 1999. Chuck manteve-se ativo musicalmente em vários projetos (com destaque para: vocais para a edição de estreia de Kid Bludo "Up & Away”).
2013, trouxe Mark, Chuck, e Paul novamente juntos com o único propósito de completar um álbum de estreia há muito esperado de Kyrie Ellison. Gravado em vários locais ao longo de 2014, Kyrie Ellison - Untold Stories: The Scriptures Of Sadness foi lançado em janeiro de 2015. As músicas demo foram reformuladas a partir da demo de 1990 e novas canções escritas para completar o álbum com 10 canções. Vocais foram manipulados pelo vocalista de sessão: Chad Wagner (Born2Rule) a Bateria foi fornecida pelo (amigo de longa data) Jason Bittner ((Flotsam and Jetsam, Toxik, and Shadows Fall) e Mark Zonder (Fates Warning, Warlord, e Chroma Key. ) solos de guitarra também foram adicionados a partir dos virtuosos da guitarra: Mike Campese e Chris Caffery (Savatage e Trans-Siberian Orchestra)
É baseado na história fictícia de um vidente do século 17. O nome foi criado a partir da canção "Kyrie Elieson" dos Fates Warning de Paul " Warrior" Joseph e gravado na música Kyrie Ellison (Foreseen Destiny) letras e história de Mark G David. Bandas de metal precisam de uma capa / imagem assombrosa e uma boa história para escrever sobre o futuro.

Maxxxwell Carlisle - Visions of Speed and Thunder (2015) USA



Maxxxwell Carlisle (artista solo, Hellion guitarrista) assinou com Killer Metal Records da Alemanha para o lançamento europeu do seu próximo CD solo, “Visions of Speed and Thunder”.
O álbum completo, que é o seguimento do Maxxxwell do bem recebido EP "Full Metal Thunder" de 2013, apresenta as faixas principais de cada uma das versões anteriores de Carlisle, totalmente remixadas e remasterizadas, além de várias novas faixas bônus (somente na versão dos USA) .
O álbum conta com convidados nas performances vocais por Fang VonWrathenstein (Lords Of The Trident), Frank Casciato (Shades Of Crimson, Just Like Priest); além dos vocalistas Michael Yancy e Caro Lion.
Outras performances de convidados incluem o guitarrista Michael Angelo Batio (artista solo, Nitro), Nita Strauss (Alice Cooper, Femme Fatale, The Iron Maidens) e violoncelista elétrica Tina Guo.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Black Rain - Requiem for a Killer (2015) Canadá


Um oficial que sofre de uma doença do sangue torna-se perseguido por um assassino em série e agora procurado por seus crimes.
2089, Tallinn, Estónia é isolado e lutando com uma doença no sangue, enquanto drogas e corrupção estão reinado sobre a cidade. Em seguida, uma série de terríveis assassinatos lançou outra sombra sobre a cidade. Todas as vítimas eram oficiais, principalmente polícias corruptos de combate às drogas.
O assassino em série não identificado, Edmund Vaher, chama a polícia para relatar sua morte e depois se suicida sem uma nota ou explicação. A autoridade encontra-o pouco depois, pegam no seu sangue e preservam-no para doação.
Naquela mesma noite, o Investigator chefe de polícia Kale Johansen acorda de um pesadelo com o rosto coberto de suor, lutando com a doença no sangue. Johansen estava supervisionando a investigação sobre os assassinatos em série e passou os próprios negócios ilegais para outro lado.
No hospital, os médicos dizem a Johansen ele tem pouco tempo e ele precisa de uma transfusão de sangue completa agora. Porque Johansen tem um tipo de sangue raro e ele teve que esperar. Até ao momento em que os médicos dão-lhe o sangue de Edmund.
Acorda e sente-se bem, Johnansen vai a casa de banho e vê o reflexo de Edmund e ouve, "Good Morning Officer Johansen". Johansen ignora-o, pensando que é um efeito colateral dos narcóticos. Os médicos estão satisfeitos com a sua recuperação e libertam-no.
O pesadelo assombra Johansen todas as noites. Visões de assassinatos brutais de oficiais como ele, e as próprias vítimas inocentes de Johansen de seus crimes olham-no fixamente. Ele toma alguns comprimidos e vai dormir. Mas ele ainda ouve a voz de Edmund dizendo: “Go to sleep, the next few days will be your judgment days, ah hahhaha.”("Vá dormir, os próximos dias serão seus dias de julgamento, ah hahhaha.")
No seu escritório, Johansen abre o caso do serial killer sem solução e tenta encontrar as peças que faltam. Ele lembra-se da voz de um homem inocente preso, um ex-soldado um legionário que resistiu à prisão e foi condenado a um ano de castigo e preso - Edmund Vaher. Johansen olha arquivo eletrônico de Edmundo e descobre que ele morreu há um par de semanas atrás por suicídio e também tem o mesmo tipo de sangue exatamente como ele ...........

Influenciado por Judas Priest, King Diamond, Queensryche e Megadeth este terceiro álbum vai levá-lo para um outro mundo criado por Black rain.

Blindside Thunder - 100 Proof (2015) USA


100 Proof - Blindside Thunder entrega mais um trabalho de qualidade de American Hard Rock / Heavy Metal. Esta versão é absolutamente incrível. Entregando um som que é de primeira qualidade. Bateria parece um trovão que se sente como se tivesse 100 toneladas. Guitarras brilham como o metal derretido e incendeiam tudo no seu caminho. Trabalho de Baixo mantém a gama baixa e ajudar a dar a Blindside Thunder o seu som característico. Trabalho vocal neste trabalho realmente está á altura das circunstâncias. John realmente parece ter intensificado seus vocais neste álbum e saltou um par de níveis na sua entrega vocal. Em vez de preencher um álbum com um par de boas canções e um monte de enchimento, Blindside Thunder criou um disco com oito faixas que rock. Um dos destaques é, "Take My Breath Away" com a sua verdadeira arrogância e apelo sexual. Este é o tipo de álbum que eu gosto e vou ouvi-lo por muito tempo. Blindside Thunder tem um grande talento para escrever hinos de festa que te fazem querer trazer de volta alguns bons momentos. A abertura de "Rebel Revolution" tem uma vibração arrepiante muito boa que ajuda a desenrolar uma faixa que é uma chamada às armas e te faz querer juntar ao Exército Blindside. A partir da abertura das guitarras em "Rock n 'Roll Junkie" até a resplandecente "Burn" Blindside Thunder lidera e oferece grandes músicas. Se tu és um fã de Hard Rock / Heavy Metal, então eu recomendo este álbum porque ele oferece 100% do tempo com puro 100 Proof.

Furyon - Lost Salvation (2015) UK



É ótimo ver Furyon de volta! Com um novo álbum e acompanhamento ao soberbo Gravitas, já faz três anos desde que seu álbum de estreia foi lançado com um lado hard rock, bom para os nossos ouvidos ... e eles começam de onde pararam.
Lost Salvation continua no molde de Gravitas, tanto assim, que com Furyon é praticamente um caso de "se não está partido, porque corrigi-lo?". Pessoalmente, isso funciona perfeitamente para mim. Gravitas foi uma estreia tão brilhante que Lost Salvation é mais o caso de a banda aprimorando seu som rock e moldando-o numa máquina incrivelmente bem oleada.
Matt Mitchell, mais uma vez nos mostra que sua voz foi construída para este tipo de música. Ele é de fato o típico som áspero, conduzido, elevado, vocalista majestoso que todas as grandes bandas de rock têm. Para focalizar Matt, sua voz é estupenda e está fazendo ao resto dos músicos da banda um serviço enorme. Lee Farmery e Alex Bowen têm uma base sólida e permite as guitarras dançarem sem esforço, puxando alguns volumosos riffs dirty (a faixa-título e Scapegoat em particular, mostram isso com grande efeito) e alguns solos melodicamente intensos!
O sabor deste álbum sustenta o corajoso, quase Stoner como a sensação em Gravitas misturado com um gancho de rock comercial que o torna instantaneamente acessível e eternamente simpático. A partir do emocionante Lost Salvation, há crescente These Four Walls que tem um refrão épico sangrento, ao majestoso Good Sky que gere a música com um bom bocado de tudo em conjunto, Furyon parece ser capaz de transformar a sua mão para qualquer tipo de estilo

F.O.R.M - Dynamite (2015) Suíça


A banda suíça de seis membros, que consiste em Raffty Marmouq (lead v), Oli Moser (w / v), Roman Zaugg (g), Michael Hartmann (b, g acústico), David Lenherr (d) e Sandy Fonollosa (v) vêm da região de Basel e une músicos e músico que já trabalhou em bandas como Smash Alley, Pheenix, Lee White ou 38DD. Após a sua criação em 2011, FORM, cuja abreviatura anunciada é para "Fuckin 'Ordinary Rock'n'Roll Music", começaram a escrever as suas próprias canções novas. O álbum de estreia é intitulado "Dynamite" e este é também o tema de abertura que realmente é rápido. Inevitavelmente, o som desta me lembra outros grupos suíços, como Steve Whitney Band, Black Angels, The Force ou Sideburn. No entanto, a tocar baixo Michael é surpreendentemente dominante no som geral e faz muito bem como os dois melhores guitarras. Em "Heather Victoria Ray" o baixo vai em frente e ainda modela o som rock mid tempo. A balada "Freedom" é uma das mais simplesmente do álbum mas que preenche todos os requisitos. Além disso, aqui pode ouvir os vocais galopantes de Raffty com pontuação máxima. Outros destaques incluem "Lonesome Rider", o ligeiramente badalado "Rich Man" e o quente Rocker “Roll The Ball”, onde o baixo é lindo. Após a semi-balada "American Hero", tem o "Snakebite" num disco de rock Suíço realmente bom depois de quase 40 minutos o que parece curto.
F.O.R.M transporta o som típico do rock suíço anos 80 uma vez com uma produção notável, confiança no presente.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

STEPHEN CHESNEY Ft. ROBERT MASON - ANNUIT COEPTIS (2014) USA



Após tê-lo mencionado na review do novo disco da norueguesa Issa, decidi procurar um pouco mais sobre este novo guitar-hero de quem tanto se tem falado mas cuja discografia pessoal, não existe; ainda! Stephen Chesney é rapaz inglês que cedo se mudou para Los Angeles, em 2004. A partir daí, muitas coisas aconteceram, mas a mais notória foi o reconhecimento do seu talento pela Fractal Audio, que em 2011 lhe deu o endorsement para usar o Fractal Audio AXE-FX como seu equipamento. Coisa que poderia ser até banal não fosse o Fractal Audio um equipamento de topo para os especialistas das seis cordas; e que Stephen leva a conhecer a potenciais candidatos a guitar-heroes em convenções como a NAMM.
Voltando um pouco atrás, em 2007, juntou-se a Robert Mason; ex- vocalista de bandas como Silent Witness, Cry Of Love, Lynch Mob e actualmente nos Warrant; e juntos produziram 2 temas que lhes valeram o prémio de melhor nova banda nesse mesmo ano.


Mas os compromissos profissionais foram falando mais alto e só no final de 2014, mais exactamente em 17NOV.2014; é que é editado o primeiro EP do duo, com os dois temas já conhecidos e mais um, composto entretanto e para a referida edição. Nomes como Scot Coogan da banda de Ace Frehley; Koko Powell da Edgar Winter Band; faziam já parte do grupo que gravou os dois primeiros e premiados temas; "Devils Daughter" e "Breaking Down", entretanto regravados para este EP pela mão do conhecido engenheiro de som, Rob Beaton, que já trabalhou com Guns'n'Roses e Santana. O mais recente tema teve a participação de outros dois músicos conhecidos; Chris Frazier, actualmente baterista dos Foreigner, e Perry Richardson, baixista e ex-FireHouse.
A vontade de editar um àlbum está bem viva entre eles e este ano de 2015, poderá bem ser o tempo de Chesney e Mason, a hora de "Annuit Coeptis", expressão em latim que por grosso modo quererá dizer avalo, anuência, para iniciar algo forte e de prevalência; aliás, essa expressão está inscrita no verso do Grande Selo dos Estados Unidos; em que a figura central é um olho sobre uma pirâmide, e que nesse contexto, essas palavras expressam: "Ele, aprova o nosso empreendimento"; em que ele o olho representará o poder divino que tudo vê e protege. Sentimentos profundos que deram origem ao nome deste primeiro EP de Chesney & Mason, e que vos apresento agora aqui.
Três temas; Hard Rock Melódico, com muitas imagens de trabalhos passados como Lynch Mob, juntamente com um southern feeling, e uma secção de metais mais próprias do género Soul. Se o primeiro tema, "Devil's Daughter", é mais para Lynch Mob, já o 2º, "Breaking Down", é algo muito à Bon Jovi, um meio tempo de açucarar o ambiente. O 3º tema, "Bleed", já é algo mais Guns'n'Roses com uma abordagem algo Lynch Mob. Como podem constatar, motivos mais do que suficientes para conhecerem a perícia de Stephen, que tem um tom limpo e perfeccionista na sua abordagem à guitarra. Decidi colocar mais um tema; "For You", um instrumental que é "quaaaase" uma balada Blues. Entretanto, já vi e ouvi algo mais de Stephen e depreendi que, Neal Schon e os seus Journey, são a sua influência máxima, o seu outfit favorito. 
Actualmente, Stephen é patrocinado não só pela Fractal Audio Systems, mas também pela Seymour Duncan; Ernie Ball; Paul Reed Smith Guitars e a CAD audio. Se isto não diz que o rapaz é mesmo bom, talvez os videos abaixo vos convençam.
Esperando por um disco completo, deixo-vos com o que se pode arranjar por agora, de um não tão desconhecido e excelente guitarrista.
McLeod Falou!

H.E.A.T. - LIVE IN LONDON (2015) SUÉCIA




Londres está a voltar a tornar-se por estes dias na meca do hard rock melódico. Desta vez foram os suecos HEAT quem decidiram gravar o concerto da sua mais recente tour na capital inglesa, e deixem-me que vos diga,... um potente de um concerto! 1º disco oficial ao vivo para estes talentosos escandinavos com 15 temas de deixar a audiência ao rubro, gravado em maio da passado ano. Por estes dias, ouvir discos ao vivo não tem sido a minha opção, tenho dado preferência aos videos, e neste caso vale bem a pena, uma banda jovem para um público jovem ou "actualizado", e que realmente já merecem a confiança para se tornarem nas certezas da nova geração do rock que levará este género musical mais além. 
Muito Recomendado!
McLeod Falou!

URIAH HEEP - LIVE AT KOKO london 2014 (2015) UK




Uma das mais aclamadas instituições do rock, acaba de editar mais um disco ao vivo. Um duplo CD\DVD\BLUERAY, gravado ao vivo em londres no mês de março do passado ano. Esta nova edição comemora o culminar da longa tour sobre o seu último disco de originais e premeia o mais recente elemento da banda, Davey Rimmer o baixista que substituiu o desaparecido e já saudoso Trevor Boulder. Para todos sem excepção, este é um concerto digno de se apreciar dos co-criadores do género hardrock, conjuntamente com os Black Sabbath, Deep Purple e Led Zeppelin. O hino "Easy Livin'" não podia faltar; eu até passei logo ao encore porque esse tema deixa-me louco. Vão procurando no nosso blog associado Roxx2Video, pode ser que tenham uma surpresa. E já agora não esqueçam a Roxx2metal, nossa\vossa rádio.
Obrigatório, pelo menos em DVD!
McLeod Falou!

ISSA - CROSSFIRE (2015) NORUEGA


#4º disco de originais para a mais badalada norueguesa do momento, no mundo do rock melódico. Para os apreciadores da garota; e já agora, da sua musica; temos aqui mais uma excelente oferta para uns momentos bem passados com a marca de qualidade estampada na produção e composição pelos irmãos Martin dos Vega; esta uma das bandas sensação no mundo do hard rock melódico a nivel mundial , e que no mais recente disco, editado a finais de 2014, emplacam um tema que pode muito bem ser o melhor tema do ano passado, "All or Nothing". Não é só na suécia que existem as mais refinadas produções musicais, esta nova vaga "brit", não fica nada atrás. E falando da vaga "brit", temos também Steve Overland do FM; Steve Newman dos Newman; Pete Newdeck dos In Faith; Mike Kew dos Vega, Matt Black dos Fahran; Stephen Chesney, um dos mais recentes guitar heroes, ena que ainda não tenha um album gravado; como músicos participantes na realização deste novo disco da norueguesa. Outros nomes a realçar são os de Robert Sall dos Work of Art; Alessandro DelVecchio, este italiano está em todas; Daniel Palmqvist dos X-Origin e Daniel Johansson dos Degreed. Como vêm, só motivos mais que válidos para perderem um tempinho a ouvir esta nova graça de Isabell Oversveen, que ela realmente até é engraçadinha, eheheheh; seus depravados,... Recomendado!
McLeod Falou!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

UFO - A CONSPIRACY OF STARS (2015) UK



Uma coisa que me mantém interessado em UFO, e isso é Phil Mogg, o cantor de UFO (e membro fundador junto com Pete Way) uma vez que a banda foi formada em 1969, eu tinha 10 anos.
Os vocais de Phil ainda são sólidos; se falta um pouco de poder desde o dia do fenómeno da UFO mania, principalmente o impressionante álbum ao vivo "Strangers In The Night", embora ele faça mais por isso do que sua inimitável presença no palco.
Um grande número de membros passaram pelo UFO desde 69, com Michael Schenker sendo o mais famoso, no entanto esta última formação do UFO já dura quase 10 anos agora, e os álbuns que eles estão editando apenas ficam melhores, 'The Visitor "(2009) foi bom, Seven Deadly" (2012) foi muito bom, " A Conspiracy Of Stars' até tem muito para se gostar.
‘The Killing Kind’ tem um grande riff de abertura, a música é bastante básica, mas explode ao longo, com um estilo de cantar relaxado fácil de Mogg, um grande solo de Vinnie Moore ajuda a elevar a canção acima da média, um grande começo para o novo álbum.
'Run Boy Run' tem um som mais moderno, com um som de guitarra com um lado mais duro, mas sendo UFO, esta é uma grande faixa.
'Ballad Of The Left Hand Gun' tem uma introdução acústica bluesy, uma batida suave da bateria do retornar baterista Andy Parker, e, em seguida, a voz de Phils realmente eleva este título, ele só exala classe, mesmo depois de todos estes anos.
"Sugar cane" é a primeira faixa na base de teclados, e uma abertura soft com eles, permite que outra faixa bluesy floresça, um grande coro liderado por outro solo Vinnie Moore.
‘Devils In The Detail’ tem uma grande corrida no ritmo da guitarra terminando a faixa, com Vinnie sobrepondo um solo rápido e fluido.
O que é evidente até agora sobre esta obra é o alto padrão de escrita de canções, eles sabem o que funciona e o que devem fazer, depois de quase 45 anos na música.
As demais faixas são todas tão boas, não há pontos baixos neste álbum, e que faz com que seja muito difícil escolher um tema favorito, "Precious Cargo" é muito bonito, soando como um cruzamento entre zztop e Great White, como é 'Rolling Rolling'.

Los Cobras - We Live For Cars & Girls 2015 França


O som de Los Cobras é definido pela mistura de rock and roll dos gloriosos anos 50 e rock moderno. Os textos falam meninas, festas, corpos bonitos e rock'n roll. Vindos de diferentes cidades, o quarteto criou uma reputação em muitos lugares devido ao seu desempenho super enérgico desde 2010. Este poder compartilhado com o público e o interesse da mídia, têm assegurado as respectivas datas em toda a França desde a lançamento em agosto de 2012, do seu álbum de estreia, "Born to Rock 'n Roll" auto-produzido e gravado no Boss Hog Studio no Nord Pas de Calais. As cenas continuam chegando, o grupo é convidado para vários festivais, é finalista / vencedor de vários concursos nacionais "Musik'Casting", "Hard Rock Cafe", "Virgin Radio" e ganhou o apreço do público. Após a experiência adquirida a partir da primeira cena do Mass Hysteria, BB Brunes, Sales Majestés, Guerrilla Poubelle e outros Los Cobras decidiram gravar um novo álbum "We Live For Cars & Girls", lançado em janeiro de 2015.

BLACK STAR RIDERS - THE KILLER INSTINCT (DELUXE EDITION) (2015) USA



BLACK STAR RIDERS foi formado por membros de THIN LIZZIE, e juntaram-se ao baterista ex-MEGADETH e ALICE COOPER "Jimmy DeGrasso". Seu segundo disco "The Killer Instinct" será lançado via "Nuclear Blast" em 23 de Fevereiro de 2015. BLACK STAR RIDERS vão provar que ainda são uma banda de clássico rock por direito próprio.
A vibração das faixas é otimista e positivo, assim como as mensagens, misturadas com vibrações do rock da velha escola que bandas como THIN LIZZY. Canções como "Killer Instinct" e "Bullet" falam sobre apanhar um tiro nos teus sonhos, e fazeres o que acreditas. É uma lembrança real de que se nós nunca apanhar-mos um tiro no que nós queremos na vida, nunca vamos conseguir isso. O álbum traz essas faixas para o ouvinte como canções otimistas, positivas que são uma espécie de "hinos do rock" que dão o tom para o álbum.
Algumas das outras faixas falam de outros temas muito reais que também fazem parte da vida. "Soldierstown" discute a realidade da guerra, a morte, e as famílias que podem despedaçar. Há muitos perigos envolvidos com a guerra, mas é necessária para manter nossa liberdade do fazer o que amamos, e para lutar por aquilo em que acreditamos como povo. "Charlie I Gotta Go" fala sobre de como todos nós vamos ter que deixar alguém que amamos em determinado ponto. Chega um momento em que todos nós temos de seguir em frente com as nossas vidas. Eles têm que ir e viver suas vidas. Não é fácil, mas todas as coisas boas, como um romance de verão, chegou ao fim. "Blindsided" começa como uma balada, mas questiona por que devemos viver no passado quando podemos passar para o futuro. Esta canção lembra-nos que o futuro é para onde devemos olhar. O passado não pode nos fornecer mais nada, temos de seguir em frente para o futuro para encontrar o que buscamos.
No geral, "The Killer Instinct" é uma mistura impressionante de hinos do rock moderno que combina com clássico rock soa como THIN LIZZY o utilizou para fazer. Não é difícil imaginar a banda sendo quatro dos cinco ex-membros do THIN LIZZY, ainda que BLACK STAR RIDERS conseguiram fazer um trabalho extraordinário ao modernizar o seu som para o que os fãs do rock e metal desejam ouvir em 2015.

FARMIKOS - FARMIKOS (2015) USA



Conheço o trabalho de Joe Holmes desde o mítico disco dos Lizzy Borden, "Visual Lies". Quando ouvi o tema "Me against the world", este tornou-se de imediato um dos meus temas preferidos de sempre. Substituiu Jason Becker na banda de Dave Lee Roth por motivos por demais conhecidos, e ainda assim, substituiu Zakk Wylde na banda de Ozzy Osbourne. O rapaz até que é famoso, mas isso não o impediu de ser um humilde técnico de guitarras para o não menos conhecido Jake E. Lee enquanto nos Badlands. Foi aluno de Rhandy Rhoads, o que quer dizer que com tantas conotações a Ozzy, só podia mesmo lá ter ido parar, estava escrito! É fã de Ozzy desde que sabe ouvir musica.
No passado ano de 2014, Joe juntou-se a Robert Locke, vocalista dos Laidlaw e gravaram um EP auto-intitulado, com a ajuda dos não menos conhecidos Robert Trujillo dos Metallica no baixo, e Brooks Wackerman dos Bad Religion na bateria. O resultado foi melhor o que o esperado e o que faltava para organizar um disco completo foi o passo seguinte. Agora, em 2015, temos essa mais do que esperada edição. Um caso curioso por estes dias da era digital, é que todos os temas foram editados como singles e só depois compilados neste àlbum; pouco ortodoxo mas resultou, ou não?
Desta vez, antes da musica quero falar-vos da produção; é fenomenal, do melhor que já ouvi. Rich Mauser, que entre outros já trabalhou com os Transatlantic e Spock's Beard, fez um trabalho de produção e mistura, monstruoso. De referir que Joe também foi co-produtor. Este é um género de hard & metal que eu não sou muito apreciador, mas com este trabalho de produção, fiquei completamente agarrado.
Hard Rock do pesado e alternativo com muito groove e uma potente dose de metal, fazem deste disco de estreia dos Farmikos; nome estranho, derivado do tema Scapegoat; um "must have"! Um disco obrigatório para qualquer amante do rock pesado até porque podendo não ser algo de original tem os seus pontos de interesse. Se gostam das últimas coisas que Ozzy tem feito, andará um pouco por aí; e quando digo por aí, quero mesmo dizer quase copykat; ("Spoon and Sun" é o exemplo flagrante). Bom, não integralmente, mas percebe-se; será que Joe quer voltar de novo à banda de Ozzy?
Dez temas com um profissionalismo impressionante; e diria mais, um processo de creatividade excelso. Os temas não cansam, sempre com novidades; o som das guitarras de Joe é limpo e é possuidor de uma técnica brilhante, que agora poderia fazer Lizzy Borden voltar ao topo. A voz de Rob Locke é algo que não consigo descolar de Ozzy e Chris Cornell. Falando em voz, Benji Webbe dos Skindred faz aqui uma "perninha" no tema "fragile". Brent Hofford dos My Own Machine, também deixa o seu contributo, só que neste caso, além das guitarras em "Kings Of Dust", Brent foi co-autor de oito dos 10 temas deste debut.
Um género musical que não será alheio a nenhum dos participantes de renome neste projecto, mas que com este disco, estabelecem uma nova fasquia na qualidade musical do Hard & Heavy.
Só tenho a dar-lhes os parabéns e a recomendar a compra de olhos fechados deste disco, porque este será mais um marco na evolução do rock.
OBRIGATÓRIO!!!
McLeod Falou!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

SCORPIONS - RETURN TO FOREVER (2015) ALEMANHA




Eu sei que é cedo para o post da semana, mas neste caso não tenho medo de arriscar;  eheheheh!!!

50 anos!!! Estes rapazes fazem 50 anos de carreira este ano de 2015! Adjectivos não me faltam para descrever este acontecimento, este feito notável desta lenda do hard rock. Mas só me dá vontade de dizer,... PARABÉNS E MUITO OBRIGADO!
Cheguei a ponto de aceitar que mais não lhes podemos pedir, é meio século a fazer aquilo de que mais gostam e assim viveram todos esses anos as suas vidas como uma família. Só posso mesmo admirar.
O primeiro concerto como grupo, foi em 1965, mas o 1º disco só surgiu em 1972. Desde então, nomes como Uli Jon Roth, Michael Schenker, Herman Rarebell, Francis Buchholz, passaram pela banda durante estes 50 anos e os 18 discos de originais; entre os mais de 100 milhões de discos vendidos em todo o mundo. Se isto não faz deles um dos marcos da humanidade, ou vocês são muito exigentes ou não gostam do fenómeno; de qualquer modo estão no vosso direito; mas tal como eu, existem muitos milhões por este mundo fora que pensam do mesmo modo e por isso, é uma questão de ponto de vista sobre as evidências, há quem goste de dizer copo quase cheio e há quem goste de dizer copo quase vazio; apesar de que neste caso eu e "muuuuuiiiitos", vemos um copo a transbordar.
"Return to Forever" não poderia ser mais apropriado como nome deste novo disco; tendo em conta que estão atentos ao que se vai passando com a banda; mas para os mais desatentos aqui vai uma breve explicação para não ficarem perdidos. Em 2010, após a edição de "sting in the tail", a banda começou a anunciar o fim da linha após 45 anos de estrada. Foram feitos os preparativos para os últimos concertos, a derradeira tour; e entretanto mais um disco de versões e remasterizações de alguns dos seus maiores êxitos surge em 2011. Mas as audiências não despegam e a ideia de sair de cena;... saí de cena! Depois de muitos ajustes e conversações decidem fazer um pacto e "voltar para a eternidade". É isso mesmo, agora é até morrer em palco! Será? A ver vamos.
Agora a musica. É este um disco de Scorpions? Sem a menor dúvida! Mas será que elas existem, as dúvidas? Sim! Só que há que conhecer a carreira da banda para se perceber o sentido das coisas. Um disco bem americanizado em essência e conteúdo. Os produtores são repetentes, suecos e conhecidos por fazerem hits multiplatinados; o que quer dizer pop e comercial, por isso podem esperar um disco polidíssimo e melódico até doer. Quanto aos temas, não são nada mais nada menos do que um repasso fiel dos 50 anos de carreira, ou pelo menos de 44 anos de gravações oficiais. Cada tema trás riffs e arranjos já usados noutras "vidas" em que nos pomos a tentar identificar de que disco surge aquela "imagem sonora". Melodias subliminares a dizerem-nos que Scorpions ainda conseguem voltar ao passado e trazê-lo para o presente orientando o futuro. O som é vintage; muito bem camuflado pela actualização digital mas é. Desde Classic Rock, Power & Soft Ballads, Heavy melódico da golden Era (80's), são tudo aquilo o que Scorpions fizeram voltando a baralhar as cartas e a dar novamente.
Podem Identificar Whitesnake, Dokken, entre mais algumas coisas, mas isso são só ilusões porque 50 anos quer dizer que já gravam sucessos há bastante mais tempo do que os grupos referidos.
A versão oficial tem 12 temas mas existe uma que vos oferece mais 5 temas extra e bem merecedores de fazerem parte do line-up oficial num total de 17 canções de hard rock melódico.
Podemos acusá-los de uma abordagem para as massas, mais pop, mais comercial, algures mais soft mas desde há muito que Scorpions são isso mesmo, entertenimento para as massas. Poderá esta nova coleção de 12 temas não agradar aos mais puros e Hard'n'Heavies seguidores destes icones, como eu sou, mas ao fim de 50 anos o que mais podem vocês exigir? Musica dos Scorpions, seja ela mais comercial ou mais rocker, é fazer a festa com o que nos dão porque depois de ouvir este disco poderiam muitos dizer que me contento com pouco, mas ouçam vocês com atenção todo este disco em que apenas temos 3 baladas e depois do que descrevi, em que os sons do passado voltam incursionados em coisas do presente e depois, se forem honestos, fazem como eu, aceitam e toca de "rock my car". 
Só posso dizer que sou um seguidor destes germânicos; eu fui "stinged with the tail" e "envenenado" pelo poder do rock desta lenda há pelo menos 30 anos. Foram e são fundamentais na minha vida!
Bem Hajam, Scorpions!!!
McLeod Falou!

Oz - Burning Leather (2011) Finlândia


Cinco novas faixas, assim como uma meia dúzia de clássicos regravadas, desde os anos 80, incluindo um trio de "Fire In The Brain" ( "Gambler" , " Search Lights" e da faixa auto-intitulada), um par de "III Warning" ( " Total Metal " e "Third Warning" ), além de "Turn The Cross Upside Down" . Este é o seu primeiro álbum desde 1991, deixando sua marca bem antes de os holofotes globais estarem ligados a sua pátria adoptiva (Os membros da banda originalmente emigraram da Suécia), OZ realmente nunca se impôs, embora inspirado em infeccioso tradicional / NWOBHM (Pensa como contemporâneos escandinavos PRETTY MAIDS ou HEAVY LOAD).
Temas como "Fire In The Brain" e "Turn The Cross Upside Down" ressoam com Metalheads em todos os lugares, apesar dos gritos e vocais estilo Boltendahl. Em retrospecto, a melodia poderia ter sido um mantra para os Noruegueses Black Metal mafia ("Turn the cross upside down, burn the churches to the ground ", o pensamento radical meia década antes do caos chegar ao norte). "Gambler" é mais de perto a Classic Rock inclinando-se para o "metal" como CLOVEN HOOF, em que falta um pouco de energia para dias de hoje. "Enter Stadium" é a única nova faixa que toca o seu dedo do pé, uma flagrante tentativa de se tornar um desporto profissional tocando o hino, como QUEEN "We Will Rock You" ou Gary Glitter "Rock N Roll Part 2" (aka "Hey" ). Muito boa diversão à moda antiga sem se preocupar com tal para ganhar dinheiro.
Um ponto extra concedido para importância histórica. Ouça e aprenda!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Rock Sugar - Reimaginator (2010) U.S.A.



Os ROCK SUGAR, embora não inove na proposta, surpreende com um disco que mistura de maneira inteligente, divertida e com qualidade grandes clássicos do rock, em especial do hard rock dos anos 80. Durante o disco ouviremos as mais inusitadas misturas de músicas e bandas/artistas como MOTLEY CRUE com QUEEN, AC/DC com MADONNA, RICK SPRINGFIELD com OZZY OSBOURNE e por aí vamos. O resultado é muito interessante e vale a pena a conferida no clip de "DON'T STOP THE SANDMAN", uma brincadeira com as famosas DON'T STOP BELIEVIN', do JOURNEY, e ENTER SANDMAN, do METALLICA. Bom divertimento!! Ah, o vocalista é o JESS HARNELL, da banda americana LOUD AND CLEAR!

Road To Ruin - Road To Ruin (2007) Suécia


Este quente, quarteto sueco é a ideia do guitarrista Lars Chriss (LION’S SHARE) e do baixista / teclista Sampo Axelsson (LION’S SHARE, GLENN HUGHES). "Road To Ruin" é uma celebração musical com influências de bandas provenientes da era do clássico rock e carregando marcas de artistas como Whitesnake, Thin Lizzy, Deep Purple, Led Zeppelin e mais - especialmente quando se trata do som da guitarra - Black Sabbath. A banda é completada por Thomas Broman na bateria (HUGHES / TURNER, JOHN NORUM, ELECTRIC BOYS) e um dos cantores mais bem cotados da Suécia: Matti Alfonzetti (SKINTRADE, JAGGED EDGE), nos vocais.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Revolution Saints - Revolution Saints [2015] USA



Se o som dos Revolution Saints é familiar, tem uma boa razão: Axeman Doug Alrich deixou sua marca como um membro do Whitesnake. O baixista Jack Blade tem estado em torno de um monte de trabalhos multiplatinum. Mais conhecido como vocalista co-liderança no Night Ranger, Blade também foi membro fundador dos Damn Yankees e fez uma série de álbuns com membro do Styx Tommy Shaw. O baterista Deen Castronovo não é tão conhecido, mas ele deixou sua marca como baterista em ambas as bandas Journey e Bad English, bem como em diversos projetos com o líder do Journey Neal Schon.
Sendo assim, não é nenhuma surpresa que Revolution Saints tome elementos de cada uma dessas bandas. O que pode ser surpreendente é que essa fórmula bem-vestida soa a fresco e vibrante.
Parte da razão porque o auto-intitulado álbum de Revolution Saints funciona é Castronovo. Claro, ele é um baterista de rock sólido, em pé de igualdade com os grandes bateristas de Journey como Steve Smith, Ansley Dunbar e Prairie Prince. Quem já viu um show de Journey ao longo da última década também podem atestar o fato de que Deen Castronovo é um excelente cantor ao estilo de Steve Perry / Sam Cooke. Feche os olhos e pode facilmente confundir isto com um álbum hard rock dos Journey de décadas atrás.
Isso só é composto pela presença de Neal Schon, bem como do vocalista Arnel Pineda dos Journey, que fazem aparições notáveis em "Way Of The Sun" e "You’re Not Alone", respetivamente. No entanto, eles são a cereja no topo de um bolo já saboroso. O trio Alrich, Blades e Castronovo faz-se ouvir em "Dream On", uma faixa que se parece com Santana, mas rapidamente se move para hard rock, território sempre na frente com vocais crescentes de Castronovo apoiado pelos edificantes, coros ao estilo Damn Yankees. Solo quente de Alrich ainda é decorado elegantemente.
Revolution Saints mostra contraste com a balada conduzida pelo piano "Don’t Walk Away", parecendo ao mesmo tempo eficaz e adequada para esta definição. "Here Forever" é uma aplicação ainda com mais sucesso do que o tema power ballad. A música começa a andar rapidamente com os vocais fortes de Castronovo, apropriadamente apoiados pelas partes de guitarra ritmo e interação guitarra. "Turn Back Time", soulfully cantado totalmente com alma e uma urgente batida de condução, pode muito bem representar melhor os Revolution Saints.

Midnight Blues - Tattoos And Whiskey (2015) Dinamarca


Heavy rocking blues/rock da Dinamarca. Todos os temas são originais. Sua música tem como corrente principal o rock, como Pat Travers e Leslie West.

Asphalt Horsemen - Asphalt Horsemen (2015) Hungria



Aqui está uma nova banda da Hungria chamada Asphalt Horsemen. Isso é um heavy Southern Rock boogie. Para aqueles que gostam de Black Stone Cherry, Little Caesar, The Four Horsemen, Zakk Wylde Black Label Society, Ean Evans Noon, Soundtruck da Grécia vão apreciar estas doze canções. O álbum começa com "Runnian" em um som pesado atrás de guitarras afiadas. Então segue-se uma música agradável, com um bom slide guitar "Wasting Time". Vamos começar de novo em "Go To The City" e "Change". Sons de motos a começar o tema "Ride On", pouco antes o bom "Memories", uma profunda crawling boogie com uma harmónica ao estilo de Skynyrd com duetos de guitarra. Isso é heavy! É a mesma coisa em "The Reason" e, de seguida, por incrível que pareça podemos ouvir os cantos dos pássaros para começar "Outlaw". Este momento de tranquilidade termina rapidamente e voltar para o maravilhoso "Sears", com solos de guitarras duplas e os ótimos vocais cantados por Karoly Lorincz que tem uma voz clara e poderosa usada para beber o álcool Hungria Palinka. "México" fecha o álbum, uma espécie de canção de metal mexicano com um grande carisma. Nós também podemos ouvir um trompete mariachi por trás das guitarras.

Crow7 – Symphony of Souls (2012) Alemanha


CROW7 banda alemã, formada em 2005, lançaram dois álbuns até à data e fizeram espectáculos de sucesso no centro da Europa, mas a banda ainda, é relativamente desconhecida para muitos.
Agora eles estão de volta com um novo trabalho, "Symphony Of Souls".
Musicalmente, o quarteto combina estilos diferentes no seu som, como gostam de chamá-lo: ProMeRo (Progressive-Metal-Rock), que dá uma ideia bem geral sobre o som da banda, mas eles adicionaram vários elementos como o old school Hard Rock, Sympho, Epic e uma pitada de atmospheric Metal
No papel, essa mistura parece um pouco estranha e não é fácil de digerir, o que ainda a torna mais interessante.
Ouvi seus álbuns anteriores, no passado, mais moderno Hard Rock orientado (especialmente o primeiro). Em "Symphony Of Souls" eles procuram expandir todas as fronteiras.
O musical que os CROW7 tentam é louvável, mesmo que por vezes não seja totalmente bem sucedida, talvez devido ao comprimento do álbum: quinze músicas e quase 80 min. de música parece demais.
Enfim, há muitos bons momentos para desfrutar aqui.
A faixa-título "Symphony of Souls" abre num bom caminho, lembrando um Savatage comercial com um som moderno e um toque sympho. "Street Of Slaver” e “The Guide”" tem um coro sólido o suficientes ganchos para fazê-los sobressair.
"Dirty Lies" é realmente um bom balanço mid-tempo número que evita o comercialismo servil, adicionando um toque progressivo ao coro, bem como alguns backing vocals esforçados que funciona bem e é original.
Uma das minhas músicas favoritas é o semi-midtempo e bastante comercial "Great Spirit", que tem um verso muito ao genero de Valensia / Valentim com uma secção rítmica pulsante e uma melodia empolgante.
"Breed of the Crime" traz alguma credibilidade de metal sensível à sua saída sonora com boas teclas sinfônicas e violinos acentuando o fundo da mistura, enquanto "The Final Ride" traz uma explosão de adrenalina em dose dupla.
"Where Do We Go Now" encerra o CD e tem a forma de algum tipo de balada, mas esta banda não grava as coisas da maneira tradicional, por isso esta música lenta tem suas mudanças de tempo interessantes e abundância de teclados e vocais com harmonia.
Crow7 oferece em "Symphony Of Souls", um passeio musical que mistura vários géneros.
Para lhe dar uma ideia adequada, isso é basicamente rock progressivo intenso slathered, com a produção beefy tão popular hoje, salpicando o sympho e batida de metal para aumentar a intensidade.
Estilisticamente, como disse antes, nas partes em que a música tem muitos pontos em comum com obras Valensia / Valentine, (Robby) ou Valensia's project Metal Majesty. Hard Rock e power com energia também saem para tocar de vez em quando, com a adição de alguns efeitos electrónicos modernos.
Todos os membros da banda são músicos qualificados e a produção de som são impecáveis.
Muitos artistas se contentam em se esconder na zona de conforto e marcha para fora exactamente a mesma coisa como mil bandas antes deles, por isso parabéns ao Crow7 por ter a coragem de ir contra a corrente e aventureiro algo tentativa.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Manilla Road - The Blessed Curse (2015) USA



Manilla Road banda formada em 1977 estiveram na iminência de se tornarem enormes, mas nunca conseguiram obter o sucesso que eles tão mereciam.
"The Blessed Curse " é o 17 álbum da banda, está cheio de canções que vão agradar aos seus fãs, mostrando exactamente por que é que esta banda tem um número tão grande de seguidores na cena underground, esta versão tem de ser ouvida, amada e adorada.
"The Blessed Curse " leva o ouvinte para o tempo dos Sumerians é um CD majestoso e inteligentemente pensado que é absorvente e mostra os imensos talentos da banda.
Há imensos destaques aqui, a faixa título "The Curse Blessed" abre o disco, a sua abertura lenta melancólica logo dispara numa canção animada.
"Tomes of Clay" é firme e uma canção incrível, seus oito minutos de deliciosa musicalidade tomando-o numa viagem de descoberta, é um tema que eu tenho ouvido muitas vezes, sua entrega flutuante não só é arrepiante, é de tirar o fôlego, como a história se desenrola e quando a música atinge os seis minutos, ela realmente queima no seu coração com a imposição do guitarrista, esta é uma pista fenomenal.
Há faixas poderosas como "Truth in The Ash" que exalam tradicional metal com alguns riffs brilhantes e bateria que fazem abanar um morto vivo! Como, aliás, " The Dead Still Speak " vê a banda executar literalmente, eu gosto do conteúdo lírico e como Manila Road nos leva numa jornada épica através da história antiga.
Em seguida, há belas faixas acústicas como "Falling" aqui o solo é sublime, uma linda balada.
Existe aqui muito para adorar e desfrutar, existem doom riff carregados uma abundância em canções como "Kings of Inventions" e "Luxiferas Light".
Bateria Furiosa juntamente com guitarras crocantes, emanam dos alto-falantes em "Reign of Dreams" este álbum deixa-o preso, com seus diferentes tons de metal vão entusiasmar e confundir os seus sentidos
"Sword of Hate" proporciona um tema de sustento Metallic levando a faixa final "Musas Kiss" um conto épico para acabar o "The Curse Blessed"
Manilla Road, nos últimos anos tocou no Sweden Rock, Hellfest e Metal Days Festival. Por toda a Europa, América do Sul, Canadá - em todos os lugares com casas cheias. Partilhando os estádios com Kiss, Rush, Hawkwind, Megadeth e bandas como Raven, Bullet, Omen abriram para eles, para citar apenas alguns.
“After The Muse” inclui músicas mais calmas, principalmente, canções que evoluíram ao longo de vários anos e algumas das quais foram gravadas com músicos convidados.
Ao exibir fitas antigas para a série de re-lançamento em Golden Core / ZYX conheceu o baterista Neudi na canção "All Hallow's Eve", que foi gravado na sala de ensaios no início dos anos oitenta. Infelizmente, depois de cerca de 12 minutos, a canção acaba e a última parte deste tema foi perdido para sempre. A canção foi gravada e também apresenta a versão original com ex-baterista da banda Rick Fisher.
O resultado é puro old school Manilla Road!
Este álbum é uma verdadeira obra de arte para os amantes do metal como, aliás, é a capa do álbum, tem uma capa excepcional com um enorme álbum, a obra de arte é uma pintura a óleo de Paolo Girardi.
Possivelmente, um dos álbuns do ano!

Bai Bang - All Around The World (2013) Suécia



Bai Bang, uma das mais poderosas bandas de rock da Suécia, lançou "All Around The World 'no dia 26 de abril pela AOR Heaven. O novo álbum é o oitavo da banda e foi gravado no Sunshine Explosion Studio. Bai Bang vem trabalhando com Pontus Assarsson como produtor com Martin Kronlund mais uma vez a lidar com a masterização.
Bai bang apresenta o talentoso e dinâmico line-up composto por Diddi Kastenholt (vocal), Pelle Eliaz (guitarra), Joacim Sandin (baixo), Jens Lundgren (guitarra) e Johnny Benson (bateria). Desde que a banda começou no final dos anos 80, Bai Bang passaram muito tempo juntos em turnês por toda a Europa, EUA, Canadá e Japão - incluindo paragens no famoso Whisky A Go Go e Cat Club Los Angeles ', duas vezes cada um. Os suecos já dividiu o palco com bandas como LA Guns, Thin Lizzy, Wishbone Ash, Ratt, Dio, Motley Crue, Pretty Maids, Saxon, e Axel Rudi Pell e ter iocado em festivais como Sweden Rock, Wacken e Rocklahoma.
O álbum "Are You Ready 'foi lançado em 2009 e foi nomeado para o melhor álbum sleaze / Glam nas Swedish Metal Awards e votada como" The Best all round party anthem album of the year ' pela revista Australian The Rockpit.
Para os fãs do L.A. GUNS, H.E.A.T., STEEL PANTHER, THE POODLES. Após o impressionante Livin' My Dream (2011) Esta banda apresenta outro grande álbum.

Seven Gates - The Good And The Evil (2009) Itália




Segundo disco dos italianos do Seven Gates, legítimo representante da escola italiana de melódico metal, músicas velozes, bateria forte, riffs certeiros, teclados na medida sem exageros, bons refrões. É um bom disco, vai agradar em cheio os fãs de melódico power metal. Ride The Wild é uma das melhores faixas do disco, assim como Dragon's Kiss que é empolgante, felizmente não há nenhum ponto negativo a ser destacado!
Uma curiosidade sobre a banda é que este disco foi disponibilizado inteiro na internet, no site oficial da banda www.sevengates.it , além da músicas também tem a capa, as letras e todo o encarte.