segunda-feira, 29 de julho de 2019

Black Rain - Totalitarian Order (2019) USA

Black Rain, USA, Heavy Metal,

O trabalho solo de Leo Alipour, BLACK RAIN, existe há dez anos e já lançou três álbuns interessantes. Este ano, ele lança um novo álbum chamado "Totalitarian Order", com conceitos e temas de um futuro distópico. O álbum é um heavy metal pesado de treze faixas que certamente agradará a qualquer um. O álbum abre um grande momento com "Cytec" imediatamente exibindo puro heavy metal de Leo nas guitarras e bateria. Os riffs que logo seguem a introdução são um bom momento de desenvolvimento. O refrão é cativante o suficiente para ficar contigo depois de apenas ouvires uma vez. Na sequência, é "2149"que é um monólogo / intro instrumental para a faixa-título em si. A faixa-título está um pouco fora de mim. A introdução é longa, as linhas vocais são mínimas, e os cinco minutos são simplesmente monótonos, se não completamente vazios.
A queda da faixa-título é rapidamente solucionada pela próxima música, “There Will Be Blood”, com seus riffs surdos e o geral humor agressivo. Ele também tem um solo de guitarra muito bom que se soma ao seu tempero. Após essa música, três faixas consecutivas desnecessariamente longas são lideradas pela “Robotic Machinery”. Por que é desnecessariamente longo? Bem, a música mencionada tem duas camadas de introdução. A música ficará bem se qualquer um dos dois for cortado. Há também muitas transições difíceis dentro da música, onde tu realmente te sentirás alienado. O ritmo lento também não ajuda. Com a mensagem que carrega, a música poderia ter sido muito melhor se fosse tocada no dobro do tempo.
Assim que o álbum está chegando ao fim, o instrumental de 8 minutos “Renaissance” entra em cena e abre caminho. Tem um toque muito bom de música neoclássica, e um pouco de influência dos MEGADETH e do início dos METALLICA. “Still a Chance” é a música mais original do álbum. A música é quase uma power balada, se não fosse pelo barulho real no quarto minuto. Enquanto a maioria da faixa tem uma abordagem bastante suave, ela não perde a vibe distópica que foi estabelecida durante todo o álbum. Concluindo o álbum é "Echoes of the Dead". Por fim, posso dizer que essa música de 9 minutos realmente me agradou. Ao contrário das primeiras músicas que excedem a marca de 7 minutos, essa música é uma matadora. Tem um toque de maldição, tem a sua parte de elementos thrash e as influências da NWOBHM são fortes. A experiência geral é uma montanha russa de mudanças de humor e tempo que termina de uma maneira muito elegante.
No geral, vou dizer que esse álbum é bom. Tem muita experiência e a maioria realmente funcionou bem. A produção também é excelente, alcançando um som vintage sem parecer que foi gravado numa garagem. Tens que te lembrar que este é um trabalho de um homem só, e ser capaz de fazer um álbum de 84 minutos não é brincadeira.



domingo, 28 de julho de 2019

Until the Sun - Blackheart (2019) USA



Until The Sun é uma banda de rock alternativo Blues baseada em Phoenix, AZ. Fundada em 2015, Until The Sun começou quando o vocalista e baixista de rock Bruce Jensen e o guitarrista de blues-rock Brandon Teskey uniram forças com Chris Tex, um baterista de jazz altamente qualificado.
Uma colisão frontal de estilos complementares, UNTIL THE SUN tem seu próprio som único e inesquecível que combina elementos de suas influências
A vocalista do Soulful Blues, Mary Lou DuPue, é destaque em três músicas do álbum.



sábado, 27 de julho de 2019

Two Winters – First (2019) USA


'First' dos Two Winters é uma colaboração original do blues rock entre o vocalista Mark McPhail, o baixista David Clark e o guitarrista / produtor Fred Sampson. Este projecto centra-se em ganchos sólidos, melodias fortes e performances soul / roots / rock.



Roxanne - Burning Through The Night (1988) USA


Isto é uma reedição de Hard Rock dos anos 80 uma obscuridade para seguidores do gênero, sem dúvida, fantasia. ROXANNE lançou apenas este álbum (o título original era Burning Through The Night - lançado em 1988 via Scotti Brothers - com uma edição japonesa simplesmente intitulada Roxanne) e desapareceu da mesma forma que inicialmente surgiu do nada.
Não há muito a dizer sobre a história dos ROXANNE. Quase nada é conhecido, de qualquer maneira. Assim, o que tu ouvirás dos Roxanne é uma amostra média de American Hard Rock flertando tanto com o legado Rock dos anos 70 (por exemplo, LED ZEPPELIN , AEROSMITH , KISS ) e com os atributos do rock dos anos 80 (por exemploDOKKEN , KINGDOM COME ). As faixas - a verdade é - concentram-se mais no lado dos 'riffs' - de qualquer forma digno de nota - as guitarras funcionam, com a bateria acompanhando ao estilo dos anos 70. Os vocais de Jamie Brown certamente trará à mente Lenny Wolf dos KINGDOME COME, mas num esboço mais americano (ele faz coisas sleaze aqui e ali - o mesmo acontece com a música). Diante das músicas com relevante facilidade, alguns ganchos são aparecem esporadicamente, enquanto os refrãos acabam não sendo tão fascinantes para quem gosta do género.
Há uma tendência para trazer o instrumental em primeiro plano, assim como no final dos anos 70 / início dos anos 80 (por exemplo, VAN HALEN), com algumas melodias para entreter o seu 'boulevard' gosta de rock, mas nada de esmagador em geral. ROXANNE fica longe dos típicos clichês American Rock dos anos 80, mas - por outro lado - tu precisas ter alguns desses clichês para esse tipo de música Hard Rock. É por isso que músicas como Cherry Bay ou Coming For You provavelmente vão ficar mais ligadas a ti.
Com uma produção - de alguma forma - 'seca' sem a sensação live / arena, Roxanne é um álbum que podes gostar.



Keel - Keel (1987) USA


Depois de regressar de sua turnê vitoriosa no Japão, Keel começou a gravar seu quarto álbum com Michael Wagener e este álbum foi lançado em 1987 com "Somebody's Waiting", lançado como o único single. Embora a música tenha um bom refrão e riffs cativantes, não acho que seja a melhor do álbum. Outro em trilha com "Somebody" é "I Said The Wrong Thing To The Right Girl", uma grande melodia comercial e tem ganchos ligeiramente mais cativantes do que "Somebody". "Don't Say You Love Me" é tocada na mesma linha e tem um groove maravilhoso e contagiante, e essa faixa se tornou a melhor aqui.
Keel é muitas vezes comparado aos Dokken, talvez porque ambos compartilham a semelhança de colocar heavy metal como base, inchado com gritos harmônicos, gritos altos e solos de guitarra. "United Nation", "King of the Rock" e "Cherry Lane" são bons exemplos de músicas comemorativas de espírito quente e de hinos. A balada mid-tempo de "Calm Before The Storm" é evocativa e emotiva, embora às vezes parecesse genérica. "If Love Is A Crime (I Wanna Be Convicted)" tem ganchos viciantes para além da sua formulação ridícula. Minha única queixa é sobre o coro de fundo que é misturado muito alto e dominou um pouco a seção rítmica.
O álbum homônimo de Keel é uma incrível peça de melódico metal com um enorme sabor comercial e um álbum essencial de heavy metal dos anos 80. Além de Dokken, Keel também pode satisfazer a fome de fãs de Scorpions, Krokus e Quiet Riot, então se tu gostas deles e nunca ouviste falar de Keel antes, este álbum é uma ótima recomendação para ti.



MSG (McAuley Schenker Group) - Save Yourself (1989) Internacional


Quando o original, encarnado pelo MSG em Gary Barden, implodiu em 1984, o guitarrista Michael Schenker levou algum tempo antes de se reagrupar com o ex-vocalista dos Grand Prix Robin McAuley. O renomado McAuley Schenker Group estava mais em sintonia com a cena de hair metal amigável à MTV de meados dos anos 80 e sua estreia em 1987, Perfect Timing, deu a Schenker sua primeira experiência de sucesso nos EUA.
Dois anos mais tarde, o Save Yourself continuou de onde esse álbum parou, e está repleto de hinos sleazy, baladas poderosas e momentos de magia de guitarra classicamente influenciada, onde Schenker compete com sucesso com tecnicistas mais jovens, como Yngwie Malmsteen. É um disco forte, elegante, com hinos como Bad Boys e grandes baladas como Anytime e This Is My Heart. Totalmente contemporâneo, Save Yourself tem sido um dos favoritos dos fãs, mas é um daqueles álbuns raros - como o Odyssey de Malmsteen - onde o inegável talento do grande guitarrista não ofusca o que é uma forte coleção de músicas.



POST DA SEMANA Unruly Child - Big Blue World (Japanese Edition) (2019) USA



Para aqueles que estão na cena do rock melódico / AOR, o nome de Unruly Child não é estranho a todos. Originalmente formado em 1993, Unruly Child lançou alguns excelentes álbuns ao longo dos anos. Hoje em dia, Marcie Free (vocalista - King Kobra, Signal), Bruce Gowdy (guitarrista -Stone Fury, World Trade) e Guy Allison (teclista - Lodgic, World Trade, Doobie Brothers) estão juntos novamente para nos apresentar sua novíssima obra intitulada "Big Blue World".
O novo disco é impressionante e de uma forma muito clássica com o fantástico "Living in Someone Else's Dream". Uma faixa que poderia facilmente aparecer na estreia da banda e possui uma melodia brilhante, ótimos arranjos e, claro, uma enorme linha de refrão. "All Over The World" é, novamente, uma ótima música; mais nervosa e com um groove maior nesta faixa me lembrou mais uma vez de trabalhos anteriores de Unruly Child. "Breaking The Chains" é mais descontraído, com algumas pitadas de rock progressivo, uma música que as excelentes linhas vocais de Marcie Free estão brilhando. Uma linda faixa que se destaca aqui.
Em "Are These Words Are Enough", temos uma das melhores faixas do "Big Blue World". Uma linda power balada de que inclui toda a magia infantil primitiva. Arranjos fortes, melodias, linhas de guitarra emotivas e os excelentes vocais de Marcie Free na primeira fila. A joia AOR de "Will We Give Up Today", o mais ousado "The Harder They Will Fall" e dos anos 80 "Down And Dirty" são mais três destaques da nova obra que agradará todos os fãs desta lendária banda.
Em suma, "Big Blue World" é outro lançamento matador de Unruly Child que se destaca com orgulho além dos álbuns clássicos da banda como "Unruly Child", "Waiting For The Sun" e "Worlds Collide".



Spread Eagle - Subway To The Stars (Japanese Edition) (2019) USA



Spread Eagle explodiu na cena do hard rock dos anos 80 e início dos anos 90 tocando uma marca de rock que saltou direto das ruas da cidade de Nova York. Quando Paul DiBartolo (guitarra), Rob De Luca (baixo) e Tommi Gallo (bateria) se mudaram para NY e se encontraram com Ray West (vocal), o metal da East Coast Street nasceu.
O grupo foi rapidamente arrebatado e assinaram para a MCA / Universal Records, em seguida, enviado diretamente para os lendários estúdios da Record Plant para gravar um álbum. Sua estreia autointitulada foi produzida por Charlie Gambetta e contou com um som corajoso e perigoso, com vozes e guitarra forte, como ouvido em músicas como "Switchblade Serenade", "Scratch Like A Cat" e "Broken City". Quatro anos depois, após o lançamento e turnê de seu segundo álbum, 'Open To The Public' (também produzido pela Gambetta), a banda fez uma pausa prolongada e realizaram seus próprios projetos pessoais.
Spread Eagle reformada em 2006 sob a direção de Ray West e Rob De Luca (que também trabalhou com UFO e Sebastian Bach), além de novos membros Ziv Shalev (guitarra) e Rik De Luca (bateria).
A banda tem estado junta desde então, mas não começou a fazer um novo álbum até sua recente assinatura com Frontiers, seguindo as músicas do 'Subway To The Stars' foram reunidas no Music Building em NYC, exatamente o mesmo lugar onde as músicas para sua estreia foram ensaiadas e escritas. A gravação em seguida, aconteceu no Studio E, em Brooklyn, NY, com o engenheiro vencedor do Grammy, Tom Camuso.
'Subway To The Stars' não decepciona e pega exatamente onde Spread Eagle originalmente deixou de fora todos aqueles anos atrás. A banda é uma adição bem-vinda à família Frontiers, onde eles se tornaram ainda outra banda vital da cena rock dos anos 80/90 para lançar novas músicas incríveis no século 21!



sexta-feira, 26 de julho de 2019

Faithsedge - Bleed for Passion (2019) USA



"Bleed For Passion" é o novo álbum da banda de melódico rock Faithsedge. Produzido, mixado e masterizado pelo ex-guitarrista dos Dokken Alex De Rosso, "Bleed For Passion" leva o ouvinte de volta aos dias de grandes guitarras e poderosas linhas vocais melódicas dos anos 80 e início dos anos 90, mas mantendo uma visão atualizada das letras e assunto. A banda conta com o cantor / compositor Giancarlo Floridia, o baterista do Big / Ace Frehley Matt Starr, o ex-baixista do Stryper Timothy Gaines e o próprio Alex De Rosso.
Fonte: Scarlet Records



ISOM - Hearts On Fire (1987) USA


Anteriormente conhecido como "Valentino" ISOM gravou músicas incríveis em 1987 e excursionou implacavelmente para cima e para baixo na costa leste. Criminosamente esquecido pelas grandes gravadoras, infelizmente a banda teve vida curta e o vocalista Mark Isom continuaria colaborando com ex-membros dos Malice para o fantástico álbum de monstros enredado “Through the eyes of the world”.
O que temos aqui é pura felicidade melódica. Ganchos maciços, vocais apaixonados, guitarras extremamente deliciosas e teclados luxuosos, embora a produção seja um pouco descendente. Em 2007, o relançamento da Retrospect Records inclui um DVD com uma performance rara da banda ao vivo em Nova York.



Pat Travers - Swing! (2019) Canadá


Aqueles que já ouviram atentamente a música de Pat Travers não podem ter dificuldade em reconhecer o amor do guitarrista canadiana pelo jazz. Pode não ter sido tão óbvio em números rígidos, se forem compatíveis com o rádio, como “Boom Boom (Out Go The Lights)” ao qual o veterano está associado, mas o género frequentemente elevava sua cabeça com seus solos. Ainda "Swing!" será a última revelação das raízes do jazz de Travers, porque neste álbum, lançado em 26 de julho, duradouras covers de Pat que não são fáceis de se imaginar no seu estilo. Pode-se optar pela aproximação de “Take The 'A' Train” de Duke Elligton ou de “In The Mood” da obra de Glenn Miller, enquanto “Is You Is Or Is My Can Ain't My Baby” de Louis Jordan, e “Apple Honey” de Woody Herman seria difícil de ser visto como peças de rock, embora o último fosse baseado num tema de Gershwin bem rocked. De qualquer forma, o disco vale a espera.



quinta-feira, 25 de julho de 2019

H.E.A.T - Live At Sweden Rock Festival (2019) Suécia


Se há uma banda de hard rock que tu deves ver ao vivo, os H.E.A.T devem estar no topo da tua lista. O notável carisma do vocalista Erik Grönwall, emparelhado com a poderosa energia criada pela banda, faz de cada concerto dos H.E.A.T uma experiência extraordinária. Isso também é verdade para o desempenho no Sweden Rock Festival em 07 de junho de 2018 que se seguiu ao seu álbum de estúdio aclamado “Into The Great Unknown” (2017) (que a Classic Rock UK elogiou como “o álbum mais completa de sua carreira”). “Live At Sweden Rock Festival” lançado no dia 26 de julho de 2019 por earMUSIC como CD + BD Digipak e Digital.
Sua segunda gravação ao vivo - e pela primeira vez em vídeo - inclui todos os hinos notáveis da banda, como “Living On The Run”, “A Shot At Redemption” ou “Bastard Of Society”. Cada música deste setlist é tão animada e inebriante quanto a próxima, tornando este um show memorável que todos os fãs de rock vão gostar.
Ou, como os próprios H.E.A.T colocaram: “Nós ouvimos a ligação e respondemos. Fogo e Hard Rock no meio da noite.



MSG (McAuley Schenker Group) - Perfect timing (1987) internacional



Mais um álbum de 1987, grande ano como sabemos. Michael Schenker uniu forças com a bela voz de Robin McAuley para nos dar um ótimo álbum de melódico hard rock, cheio de sucessos de rock e boas baladas.
O guitarrista alemão é uma instituição no nosso rol e influenciou muitas gerações de músicos, com seu próprio estilo pessoal e inconfundível, esse homem faz jus a Gary Moore para dar um exemplo. Sua carreira inclui grandes grupos como UFO, Scorpions e seu MSG. Haverá aqueles que preferem com Gary Barden, pessoalmente, seu projeto com Robin diz-me mais.
O álbum com um som mais americanizado e comercial abre com o excelente Gimme your love puro doce para os amantes do bom rock, cativante e rocker, muito interessante. Nele só podemos ouvir Mitch Perry agarrando uma boa batida.
Here today gone tomorrow tem uma grande parte vocal, refrão e alto solo, agrada-me esse tema de Michael, a guitarra constante é outro ponto forte.
Os temas mais importantes são: No time for losers que tem um solo espetacular, tu tens que ouvir alto e Get out é realmente impressionante, aqueles coros mais pesados e aquela guitarra que brilha, bravo Michael.
Há um tema que não me excita tanto, eu te falo de Don't stop me now que não tem nada a ver com o tema dos Queen, não me seduz de jeito nenhum, assim como aquele que fecha o disco Rock til your're crazy e I don't wanna lose na minha opinião, eles poderiam ter trabalhado outra coisa, deixando um nível um pouco mais baixo que o resto. Baladas em destaque são Time e Follow the night resumem classe e bom trabalho através de seus poros, especialmente o segundo, coloca um sorriso no meu rosto sempre que eu ouço isso.
Quero comentar em separado sobre o espetacular Love is not a game, aqui se instalam os provadores de pratos ricos, uma melodia sublime tanto vocal como de guitarra, um mid-tempo para se recordar.
Resumindo um álbum muito bom do Sr. Schenker, muito bem envolvido pela voz interessante de Robin.



quarta-feira, 24 de julho de 2019

Boulevard - What's Up (1987) Suécia


Em 1987, o vocalista Roy El Hoshy , os guitarristas Lennart Widegren e Dick Börtner, o baixista Mikael Magnusson e o baterista Morgan Pettersson lançaram seu primeiro single com BOULEVARD , vindo de Gotemburgo na Suécia, “One The Line - Still On The Way” . No mesmo ano, seu álbum de estréia, “What's Up”, viu a luz do dia antes do single anterior ser reeditado com um novo trabalho artístico melhorado em 1988. Infelizmente, esses lançamentos não elevaram a banda ao próximo nível. Finalmente, como muitos outros recém-chegados promissores, os BOULEVARD se separaram. Roy, Lennart e Morgan começou o projeto “Midnight Blue” e lançou um single. Morgan Pettersson entrou para os GLANZIG , uma banda de homenagem dos DANZIG . Dick e Lennart fundaram o grupo “Time Bomb Boys”, que mais tarde foi renomeado para “The Ungrateful” . Além disso, Dick “Dixxi” Börtner tocou com INNOCENT ROSIE e a banda de tributo a THIN LIZZY chamada NIGHT LIFE. Morgan mais tarde se juntou ao grupo B-THONG. Lennart Widegren deixou a Suécia e mudou-se para Los Angeles, onde trabalhava como professor de guitarra e tornou-se membro do grupo "Elegantly Wasted". Mikael Magnusson tocou com os EASY ACTION. Muito cedo, ele faleceu mais recentemente.
Aqui estamos nós, outro obscuro álbum de AOR de 1987, que foi exumado para o seu deleite por aqueles bloodhounds em Yesterrock . A gravadora não tinha interesse aparente em pressionar a banda e, apesar do lançamento de uma série de singles, o álbum nunca foi editado. Músicas como “Still On My Way” (especialmente a versão demo incluída aqui), “Solid As A Rock” , “Fallen Angel” e “Surrender” Tem muito grunhido com pontas suavizadas por um teclado discreto. O poppy groove de "Running" e "I'm What You Need" poderia realmente trazer a festa para ti. A produção poderia ser melhor, mas pelo menos o álbum não parece tão datado quanto alguns que foram lançados recentemente. Comparado com muitas coisas que conseguiram um pouco mais de reconhecimento no passado, este álbum deveria ter visto o BOULEVARD criar ondas além do pouco reconhecimento que eventualmente alcançaram.
Este álbum é apenas para os amantes dos anos 90…



Angel Heart - Give Me Five (1994) Alemanha



Grande CD de HARD ROCK o vocalista faz-me lembrar KLAUS MEINE dos SCORPIONS. Tu começas a ouvir e quando termina voltas a ouvir novamente. Todas as musicas são matadoras e sem enchimentos. Adiciona este CD á tua coleção e aprecia-o ruidosamente.



terça-feira, 23 de julho de 2019

Red Sky Mary - River Child (2015) USA



Red Sky Mary é uma banda jovem da cidade de Portsmouth, no estado de New Hampshire, formada por Sam Vlasich (vocal), Tom Boisse (guitarra), Barrett Goeman (bateria) e Gary Boisse (baixo). O álbum de estreia de 2015 intitulado «River Child».
A banda mudou-se para Chicago para gravar as dez faixas que compõem o álbum, especificamente no renomado Groovemaster Recording Studios, onde trabalharam com o produtor em_jay_dee (também conhecido como Matt Dougherty) e Johnny K (Nonpoint, Staind, Disturbed) produtor/mistura nomeado para o Grammy. Aparentemente, os Red Sky Mary decidiram gravar apenas dez músicas porque sua intenção era manter as músicas mais poderosas que eles tinham.
E se essa era realmente sua intenção, eles realmente entenderam. «River Child» não é o álbum típico com «efeito de montanha-russa», onde outras canções menos interessantes sucedem a canções notáveis. Não, este álbum mantém sua atenção do começo ao fim, seja no "All Hell's Breakin 'Loose" inicial com aqueles "whoo-hoo" intercalados com uma certa banda brit-pop, mas cujos riffs poderiam se encaixar perfeitamente na estreia de Buckcherry, em temas como o maravilhoso "Run Ragged", a lembrança "I Will Wait For You", que "Too Much" ligeiramente influenciado pelos AC / DC (eu diria mesmo no título) ou naquele intenso e - um final de turnê de força relativamente longo que representa o tema que dá nome ao álbum. "River Child" nos mostra muitas facetas dos Red Sky Mary, mas todas com uma sólida base de inspiração casual hard rock, tanto clássica quanto atual. A banda soa como um canhão e - o que é mais importante - eles têm músicas que parecem especialmente projetadas para o show.



segunda-feira, 22 de julho de 2019

5th Avenue - Last Greetings From The Petting Zoo (2016) Alemanha


"Last Greetings From The Petting Zoo" álbum dos melódicos rockers alemães 5th Avenue.
Os 5th Avenue nasceram em Hamburgo em 1989 e é uma das primeiras bandas a tocar no famoso Wacken Open Air, ao lado de grupos como Axe'n'sex, Wizzard, Motoslug, Sacred Season e Skyline.
Mas esses jovens teutônicos se apresentam de imediato em diferentes festivais e abrem para importantes artistas como Katrina e The Waves, Little River Band, Plan B, Saxon, Mama's Boys e DAD, conseguindo então - em 1994 e depois de muito trabalho - assinar o projeto. primeiro contrato de gravação com a Dream Circle / Polydor Records.
O álbum de estreia foi gravado (mas nunca lançado) no Goodnight LA Studios em Los Angeles, Califórnia, sob a direção de Roger Sommers , e o single "Luka" - cover do famoso sucesso de Suzanne Vega - é constantemente passado por estações de rádio norte da Europa.
Mas a banda se separou dois anos depois, exceto para regressar na estrada em 2012. Em 2014, o EP "It's Been a Long Way" foi lançado, mixado por Dennis Ward, e o grupo também lançou o videoclipe da música "Rough Affair", visível no player abaixo junto com o novo single "Easier Said And Done".
"Last Greetings From The Petting Zoo" consiste em várias faixas do álbum de estreia, além de algumas faixas contidas no EP e outras gravadas para a ocasião, para um resultado final que se refere ao som melódico dos anos oitenta misturado com o clássico rock tipicamente americano.



3 Wishes - Six (2017) Alemanha



Os melódicos rockers 3 Wishes lançaram o seu álbum intitulado "Six", uma obra que também quer comemorar os 20 anos de carreira da banda.
Os 3 Wishes são uma combinação alemã interessante, que já tocou em toda a Europa, dando concertos em casa, Itália e Grécia, apoiando bandas como Bonfire, Thunder e Jeff Scott Soto. Apenas o guitarrista / compositor Michael Degen e o baixista Holger Niedrich continuam no line-up original, mas a formação conseguiu alcançar a estabilidade certa desde 2014.
Neste lançamento, o grupo oferece um som que remete aos Gotthards mais contagiantes, ao Bon Jovi dos anos 90 e ao Firehouse mais mainstream, onde uma poderosa seção rítmica combina perfeitamente riffs de guitarra harmoniosos e a quantidade certa de teclados.



Airrace - Untold Stories (Japanese Edition) (2018) UK


Um dos artistas pioneiros do AOR no Reino Unido, o Airrace, foi formado originalmente em 1982. Tendo recentemente se resignado para o selo Frontiers, eles lançaram um novo single e anunciaram um novo álbum. O single, "Summer Rain", é descrito pelo líder da banda e guitarrista Laurie Mansworth como "uma música para o verão. Eu queria escrever algo otimista com uma sensação positiva, já que há muita tristeza e melancolia por aí no momento. Espero que esta música te leve a um dia ensolarado e levante o teu espírito. " O álbum, intitulado "Untold Stories", foi lançado em 10 de agosto. Mansworth continua: "Nós nos divertimos muito fazendo o álbum. Não é tipicamente Airrace, com muito material sendo mais influenciado pelos anos 70. Há também muito espectro mais amplo entre luz e sombra na escrita.
Conhecido nos círculos do hard rock por ser a banda que assistiu à estreia musical do baterista Jason Bonham, o Airrace foi uma criação do ex-guitarrista do More, Laurie Mansworth. Após o aclamado álbum de estreia em 1984, "Shaft Of Light", a banda apoiou titãs do rock como Queen, AC / DC e Meat Loaf, mas eles haviam pousado no verão de 1985. Foi necessária uma reedição de 25 anos do álbum para reunir o grupo (com uma formação ligeiramente alterada) e eles eventualmente lançaram um segundo álbum, "Back To The Start", via Frontiers em 2011.
Fonte: Frontiers Records


domingo, 21 de julho de 2019

17 Crash - Hit The Prey (2018) Itália



Nascidos em 2011, 17 Crash é uma banda de glam rock totalmente inspirada na cena musical de Los Angeles dos anos 80.
Depois de percorrer a Itália de norte a sul, eles decidiram gravar seu primeiro álbum em outubro de 2015.
"Reading your dirty minds" foi o nome do seu primeiro trabalho de estúdio na Demon Doll Records (CA). Depois de uma longa turnê de shows, festivais e apresentações ao vivo como artistas de abertura para artistas internacionais, eles finalmente alcançaram um importante sucesso na cena musical rock n 'roll italiana. Em 2017, a banda iniciou a sessão de gravação do segundo álbum lançado pela Volcano Records.
Lies deixam claro o que é 17 CRASH: uma boa festa de hard rock, neste mesmo hair metal e arranjos agradáveis de harmonia vocal. Can not Touch combina guitarras com muita melodia.
Do not You Break My Life é o mais Aor com muitos sintetizadores e coros em catarata. Out Of It, mostra a banda soando muito clássica com pianos sobre as guitarras ecléticas. Run All Night é mais rock, mas ainda é muito anos 80.
Scream My Name traz uma variação, é um pouco mais difícil e experimental do que a anterior, mostrando mais variedade. In the Eyes of a Woman é a balada do álbum que vai crescendo e se transforma em meio tempo, com uma atmosfera envolvente.
17 CRASH aposta num estilo que é cada vez menos apreciado e que bandas como eles estão tentando nos trazer. Porque não?



Ayreon - The Theory of Everything (2013) Holanda


E se de repente alguém aparece-se com a teoria sobre tudo? Será que o mundo acabava ou começava de novo? Arjen Lucassen é mestre na arte de aparecer com estas estranhas noções e imaginações sobre tudo e qualquer coisa. Fascinado pelo que estará para lá da via láctea, Arjen tem lançado espectaculares obras conceptuais com as mais dispares visões pessoais, mas assim mesmo válidas, criando uma legião de seguidores na qual se inclui este vosso amigo aqui. Muitos teclados 70ies ao estilo Emerson, Lake & Palmer; (Keith Emerson é um dos principais musicos deste disco); numa construção musical que bem podia ter sido composta há 40 anos atrás. Flautas, tipo Jethro Tull, Yes; recuperando com elas uma essência já há muito esquecida, uma era psichadelic e prog onde as mais variadas melodias vindas das mais variadas culturas como a àrabe, criam momentos unicos; e vos asseguro aqui, se estiverem virados para isto vai ser um desvendar de novas sensações para as quais não queriam estar preparados.
Momentos folk, acústicos, ambientes atmosféricos levam-me a identificar muito do que tenho estado a ouvir até agora com o magnifico Mike Oldfield. Arjen é único, mas não me impede de identificar imagens sonoras noutras àreas, sejam elas influências ou não, hoje em dia a musica está de tal modo esculhambada que é quase impossível não ver-mos algumas coisas em tom dejá vu. Disco Prog, psichadelico mas melódico e cativante e com tantos artistas de 1ª linha como convidados nesta nova e fabulosa obra, é imperdível para qualquer um que se intitu-le um aficionado da musica. É sempre bom receber algo diferente e com esta qualidade, são 42 temas em máximos de pouco mais de 3 min. e minimos de 20 seg. Mas numa sequência métrica excelciamente elaborada. Presenças de John Wetton, Rick Wakeman, Jordan Rudess, Steve Hacket, Cristina Scabbia, Marko Hietala e Tommy Karevik entre muitos outros incluindo o Génio Arjen Lucassen inevitávelmente colocam esta obra naquele patamar que se torna impossível julgar e classificar, é mais um para a galeria do melhor que o ser humano é capaz de fazer. Será que é preciso recomendar? Já agora pedir de joelhos!
McLeod Falou!


Concerto Moon - Ouroboros (2019) Japão


O Concerto Moon é uma banda japonesa de power metal, cujas influências vêm de bandas como Deep Purple e Yngwie Malmsteen. Sua música pode ser descrita como um tipo de metal europeu dos anos 80 com influências modernas. Eles podem ser comparados com bandas como Sonata Arctica ou Stratovarius.
No Japão, o Concerto Moon faz parte das maiores bandas da cena metal e são mencionados ao lado de bandas como ANTHEM, LOUDNESS e BOW WOW. Na Europa, a banda também estabeleceu seu nome com alguns lançamentos por uma gravadora alemã, e são conhecidos dos fãs de metal melódico.
Este trabalho não tem nenhum material novo, mas regravações de músicas tiradas dos três primeiros álbuns e outras duas músicas famosas que estrearam um pouco mais tarde.



sábado, 20 de julho de 2019

POST DA SEMANA Sabaton - The Great War (3CD Limited Edition) (2019) Suécia



Sabaton, um dos pilares do Power Metal, está de volta com o seu mais recente álbum, The Great War. Nos regalando mais uma vez com a causa da guerra, mais especificamente a primeira guerra mundial, a mais notável parte deste álbum é o fato de que há um tom mais teatral com uma grande ênfase nos teclados e no apoio coral, parece mais um filme do que um álbum, no entanto, dizendo que tudo isso é um excelente trabalho. "The Future Of Warfare" apropriadamente está em andamento como a salva de abertura da guerra sobre a qual eles estão cantando, riffs rápidos e bateria que faz o sangue bombar. As faixas continuam a fluir com a mesma intensidade, não mais do que '82ndAll The Way', que conta a história do sargento York e da Airborne Division e sua parte na grande guerra com alguns grandes riffs e mais inesperadamente o teclado e bateria que soam como bombas caindo.
‘The Attack Of The Dead Men’ tem uma batida forte como um exército marchando e tu não podes deixar de agarrar o ritmo da batida e com um excelente solo tocado em boa medida, é uma das melhores faixas. ‘Devil Dogs’ aumenta o ritmo com um ritmo alucinante, um solo selvagem e excelentes riffs em toda a música fazem te querer sair no campo de batalha. 'Red Baron' é um enorme festival de groove, contando a história do famoso piloto de caça alemão Manfred von Richthofen, com uma introdução ao teclado direto do livro dos Deep Purple em explosões na faixa com vocais e guitarras se movendo para frente e para trás antes de um solo de teclado dá lugar a um solo de guitarra, um absoluto vozeirão. A faixa-título "Great War" é um filme épico como uma abertura, repleto de coros sinfônicos com uma batida fantástica, tu podes quase te ver marchando ao longo da melodia enquanto te diriges para a guerra. "A Ghost In The Trenches" segue nos teus calcanhares, embalado com todas as harmonias de power metal essenciais, riffs saindo de teus ouvidos e as guitarras duplas tocando uma e outra é incrível. "The End Of The War To End All Wars" é outra música épica, como se tornou a norma neste álbum, é cheia de vocalizações assombrosas com harmonias inacreditáveis reunidas com uma excelente guitarra entrelaçada com aberturas orquestrais, bastante simples. O encerramento do álbum é "In Flanders Field", um poema que foi escrito pelo médico Canadiano, o tenente-coronel John McCrae, durante a guerra e cantado por Flour Jansen, uma maneira apropriada de terminar o álbum.


sexta-feira, 19 de julho de 2019

Ark Storm - Voyage Of The Rage (2018) Japão



Os mestres do Neoclassical Power Metal, Ark Storm, regressaram com um novo álbum “Voyage Of The Rage”, 14 anos depois de “The Everlasting Wheel” o anterior.
Ouvindo o novo álbum eu tenho que dizer apenas uma coisa: “Ok, valeu a espera”. Por quê? Porque o álbum é composto principalmente de obras-primas do Neoclassical Power Metal abençoadas pela incrível guitarra do poderoso Katsu Ohta e, claro, pelos vocais do único Mark Boals que canta neste álbum. Sim, leste corretamente, neste álbum tu tens a chance de ouvir o próprio Mr. Boals entregar algumas linhas vocais incríveis em oito das dez faixas do álbum. Os outros dois "Voyage Of The Rage" e "Witchcraft Stone" são instrumentais. Para dizer a verdade, eu prefiro mais duas músicas com os vocais de Mark.
De qualquer forma, apenas material neoclássico de alta classe que podemos ouvir neste álbum. difícil escolher uma faixa específica, mas no final "Ablaze" tornou-se um dos meus temas favoritos. Músicas incríveis em todas as faixas. isso é o Neoclassical Power Metal japonês como nós gostamos.
Eu tenho uma última palavra para compartilhar sobre a produção. Ok Ark Storm nunca teve as melhores produções do mundo. Mas eu estava esperando um nível de produção muito próximo ou igual ao do álbum anterior. As coisas no novo são um pouco piores, eu preferiria as guitarras rítmicas um pouco mais altas na mixagem e um balanceamento mais cuidadoso entre os instrumentos, afinal. A produção não é uma porcaria, mas pode ser um pouco melhor.
de qualquer maneira, a boa notícia é que temos uma nova obra-prima de Ark Storm para nos fazer companhia pelos próximos 14 anos (???). Vamos ter que esperar tanto pelo próximo álbum? Quem sabe….



The Black Keys - Let's Rock (2019) USA


Depois de cinco longos anos de espera, a elogiada dupla de garage rock The Black Keys está oficialmente de volta às atividades com um novo álbum.
Formado em Ohio por Dan Auerbach (guitarra e vocal) e Patrick Carney (bateria), o duo já havia instigado seus fãs ao editar em Março deste ano a inédita “Lo/Hi” para audição, mas sem mencionar maiores detalhes do que estava preparando.
A dupla agendou para 28 de Junho o lançamento de Let’s Rock, seu 9º álbum de estúdio e aguardado sucessor de Turn Blue, de 2014.
O título transmite, justamente, o que os músicos idealizaram com esse trabalho: “O disco é como uma homenagem à guitarra elétrica. Nós adotamos uma abordagem simples e tiramos toda a gordura, como costumávamos fazer”, disse Carney.
Let’s Rock, que saiu através da Easy Eye Sound/Nonesuch Records, está em venda no site oficial da banda e, inclusive, ganhou uma edição em vinil rosa, limitadíssima a 7.500 cópias.
O disco tem 12 faixas compostas, gravadas ao vivo e produzidas pela própria dupla no estúdio Easy Eye Sound, de Auerbach, localizado em Nashville.



Beautiful Creatures - Deuce (2005) USA


Existem algumas bandas de rock alternativas que realmente sabem como ligar o passado ao presente - bandas que são relevantes para um mundo pós-Nirvana, pós-Nevermind, mas mantêm uma forte afeição pelo metal pré-Nevermind, hard rock e arena rock dos anos 70 e 80. Deuce aponta para o fato de que Beautiful Creatures é a tal banda, e eles unem os elementos pré-Nevermind e pós-Nevermind de uma maneira totalmente integrada e
esta inspirada neste segundo album. Claro, a parte pré-Nevermind não é surpreendente quando tu consideras quem está liderando Beautiful Creatures; seu chefe é o frontman dos Bang Tango, Joe Leste - e ele não toca mais pop-metal, mais Sunset Strip do que Bang Tango (que eram, em termos de criatividade, uma banda acima da maioria das bandas de hair glammed que saíram de Los Angeles nos anos 80). Mas Deuce não é um álbum que está preso
na interseção de Sunset e Doheny por volta de 1988. Em vez disso, Beautiful Creatures conecta com sucesso os anos 70 e anos 80 com os anos 90 e 2000; pense em Deuce como os Guns N 'Roses, os Aerosmith, os L.A. Guns, os Led Zeppelin e o Motley Crue por meio de Godsmack, Nirvana e Stone Temple Pilots. Faixas como "Never" (não deve ser confundido com o hit dos Heart em 1985), "Unforgiven" e "Brand New Day" têm toda a melodia do hard rock dos anos 70 e 80, metal e arena rock, mas não sem oferecer uma grande dose de batida pós-grunge também. Deuce é um álbum memorável que consegue ser rock alternativo e rock & roll, e demonstra que há certamente vida após Bang Tango para Joe Leste.



quinta-feira, 18 de julho de 2019

Dionysus - Anima Mundi (2004) Suécia


Dionysus é uma banda de Power Metal que geralmente só os que se afundam mais no estilo conhecem mesmo. Mas talvez, a voz do vocalista seja bastante familiar a muitos, uma vez que muita gente conhece os Rhapsody of Fire, e por consequência, conhecem a carreira solo do Luca Turilli. O vocalista é ninguém menos que Olaf Hayer, o sueco daquela ótima voz que lidera a extinta carreira solo do Luca. Dionysus é, ou melhor, foi sua banda de origem, e estamos falando de uma excelente banda, autêntica.
Originária da Suécia, em Bålsta, no ano de 1999 por Ronny Milianowicz, que havia acabado de sair do também extinto Sinergy, Dionysus teve como sua primeira formação a seguinte: Olaf Hayer no vocal, Johnny Öhlin nas guitarras, Magnus “Nobby” Norberg no baixo, Ronny Milianowicz na bateria e Kaspar Dahlqvist nos teclados. Com essa formação, seu primeiro trabalho foi a demo lançada em 2000 chamada “Paradise Land“. O fruto desse trabalho rendeu à banda um contrato com a AFM Records, possibilitando o lançamento da esteia.
O disco foi lançado em 2004 e recebeu o belo nome de “Anima Mundi“, que significa “a alma do mundo” em latim. Mais um excelente álbum que segue a tendência de seu antecessor, mas de uma forma mais madura. Interessante a proximidade da banda com Joacim Cans, vocalista dos HammerFall. Ele escreveu a faixa “Bringer of Salvation” no primeiro álbum e “Bringer of War” no Anima Mundi. Ele e Ronny Milianowicz têm uma bela amizade, inclusive trabalharam juntos em outros projetos paralelos, como o “The Conspiracy“.



quarta-feira, 17 de julho de 2019

Crystal Ball - In The Beginning (Japan Edition) (1999) Suiça


"In the beginning" é o álbum de estreia da banda de melódico hard rock suíço "Crystal Ball", originalmente lançado em 1998 e relançado pela AFM Records após a reedição de seu álbum "Hard impact". Embora ultimamente reconhecido como uma banda de heavy / power metal com lançamento de alto nível nesses géneros, "Crystal Ball" se destacou como uma banda que atraiu elementos tanto do hard rock quanto do metal em pé entre os dois. Na verdade, o som melódico hard rock / glam metal do final dos anos 80 foi muito influente em seus primeiros trabalhos.
A formação conta com o vocalista Mark Sweeney, o guitarrista Scott Leach, o guitarrista / tecladista Tom Graber, o baixista Danny Schallibaum e o baterista Marcel Sardella. Produzido por Tommy Newton do grupo alemão-americano "Victory", a estreia de "Crystal Ball" naturalmente soa similar à banda mencionada anteriormente. "In the beginning" apresenta uma boa quantidade de músicas cativantes, pesadas e memoráveis como "Magic", "Twilight zone" e "Shake me"; enquanto "Fire still burns" é provavelmente o primeiro traço do estilo power metal que a banda adotaria nos seus trabalhos posteriores.
Para ser crítico, é preciso considerar que "In the beginning" não é exatamente a classe artística de "Hard Impact", seu segundo álbum. Embora "Crystal Ball" realmente tivesse a habilidade técnica das qualidades de produção e da visão artística, a escrita de suas canções ainda não havia se desenvolvido na força esmagadora que prenderia o ouvinte à parede o que muito acontece com seu sucessor. No geral, "In the beginning" é um álbum de melódico hard rock de qualidade do final dos anos 90 e uma reedição muito necessária que é obrigada a satisfazer a sua base de fãs (inclusive eu) que estava procurando por essa estreia rara / fora de catálogo.



Turbo Shokk - Get Radical (2016) USA


Aqui está uma banda engraçada. Eles alegam que este pequeno trio de hair metal está aqui para salvar o heavy metal, e querem levar-te de volta aos anos 80, quando tudo era uma grande festa de rock n roll. Eles recomendam este álbum para os fãs do STEEL PANTHER, DOKKEN, GUNS N 'ROSES e GREAT WHITE. Grandes palavras, embora nunca tenham dito nada sobre serem tão boas quanto elas. Os TURBO SHOKK definitivamente não é uma banda má, mas dificilmente são tão bons quanto esses gigantes. Ainda vale a pena conferir se você é um fã de hair metal.



Worry Blast - Hit The Gas (2016) Suiça



Esta banda de hard rock inspirada nos AC / DC da Suíça traz o seu lançamento na forma de “Hit The Gas”, que serve um verdadeiro rock n 'roll.
Há um grande AC / DC que encontra o som dos Georgia Satellites para o 'Raised by Rock' n 'Roll' que realmente atinge o local e traz te para a Terra com uma sacudida - é verdade, as coisas não precisam ser mais complicadas do que isso eles fazem? 'Heads Will Roll' que segue é tão original quanto a faixa-título 'Hit the Gas' desde o início, é óbvio o grande sinal que estes músicos dão aos AC / DC e o rock sujo que seguiu o seu caminho, mas estes rockers suíços realmente têm as músicas para torná-los mais do que apenas seguidores.
O resto do álbum é quase tão imediato quanto o som do grande baixo em 'Born to Lose', sendo um favorito em particular, mas no final tu podes pensar que o percurso tem sido um pouco mais rápido e o cenário é um pouco monocromático.
Noutro lugar, 'Hold Up' tem uma ótima arrogância e 'Gone to the Dogs', um groove bem forte, e sim, tu acabas te perguntando qual música dos AC / DC uma faixa em particular te lembra!
Na verdade, aqui não há realmente uma música má e eu ficaria mais do que feliz em assistir a estes músicos quando eles conseguem arranjar músicas como 'At Daggers Drawn' e o mais lento bluesier 'Family Business', o único tema realmente mais lento, que balança num groove matador. O álbum fecha com outro dos melhores temas "Hot Blooded Woman", que ainda tem um toque de Def Leppard no refrão. Este é um álbum para tocar alto!



Bad Side -...Bad Things Come In Threes (2008) USA


Bad Side foi uma banda de rock formada em Michigan em 2004-2010. Apresentando Jason Mapes em Guitarras, Melissa 'Lissa' Krahnke em Vocais e Teclas, Rich Blair no baixo e Jonah Brockman na bateria. A banda tocou com Loverboy, Eddie Money, Blue Oyster Cult, Foghat, Seven Mary Three, Sass Jordan, Nonpoint e muito mais durante seus 6 anos de carreira. Eles lançaram 3 CDs trabalhando com o aclamado produtor multi-platina Beau Hill (Ratt, Warant, Winger, Alice Cooper) e tocaram seu último show em junho de 2010 no Summerfest em Milwaukee - o maior festival de música do mundo. O último show foi transmitido pela rede nacional de TV a cabo "The Cool TV" e encerrou uma grande corrida pela banda. Mapes mudou-se para Nashville em 2010 e tornou-se o apresentador de "Music City Music & Lyrics" um show semanal do cantor / compositor no centro de Nashville e também toca e atua como artista solo. O baterista Jonah Brockman retornou a sua carreira solo e tem 3 CDs disponíveis online.



terça-feira, 16 de julho de 2019

Bad Side - Bad Side II (2007) USA


Bad Side é Jason Mapes em todas as guitarras e backing vocals e Melissa 'Lissa' Krahnke no Lead Vocals. No estúdio, Rich Blair forneceu o baixo e Dan Furmanik tocou toda a bateria, alguns baixos e alguns backing vocals.
Seu primeiro CD foi lançado em 2005 e recebeu ótimas críticas!
O novo CD - Bad Side II traz mixagens do produtor MULTI-PLATINUM, Beau Hill! (o homem por trás de Ratt, Winger, Warrant e mais!) Beau se aproximou da banda para trabalharem juntos e a banda estava ansiosa para adicionar o toque Platinum de Beau ao novo CD.
Do começo ao fim, o Bad Side II é um dos álbuns de rock mais sólidos de 2007. As coisas começam com uma energia tão alta que é difícil acreditar no quão bom é o fluxo desse álbum. Jason e Melissa fizeram um trabalho incrível colocando todas as faixas no momento certo do álbum, então quando parece que as coisas estão prestes a nivelar a banda, volta com uma variedade de elementos diferentes para manter tudo empolgante.
A combinação perfeita, considerando que Jason Mapes é um dos guitarristas tecnicamente mais proficientes na cena do rock hoje. Sua forma de tocar é tão refrescante de se ouvir, já que ele basicamente pode improvisar um riff de guitarra e adicionar a quantidade certa de influências como Eddie Van Halen ou Ace Frehley o tempo todo sem se desviar de seu próprio estilo. Depois, há o outro fator na equação na forma de Melissa Krahnke, que pode combinar com Jason na entrega e resistência. Sua voz sozinha pode trazer tantas emoções que é insano ouvir, considerando que aqui está uma mulher a cantar que pode suportar uma banda rock de verdade. Misture esses dois elementos juntos com composições coerentes e o resultado final é uma dose matadora de rock 'n' roll de alta voltagem.



Bad Side - Bad Side (2005) USA


Bad Side é uma banda de rock. Claro e simples. Vocais que sobem e guitarras que rugem! Bad Side tocou com rockers como Scorpions, KISS, Aerosmith, AC / DC, Bob Seger, Bon Jovi, Guns and Roses, Elton John e outros. O CD reflete esse estilo clássico sem soar desatualizado. Liderada por Jason Mapes no Lead e Rhythm Guitars, backing vocal e teclados e Melissa 'Lissa' Krahnke nos vocais, piano e teclados. A dupla gravou o seu CD de estreia em Nashville, TN no Hitmakers Digital Sound com o multi-talentoso Dan Furmanik. Dan também tocou alguns instrumentos, incluindo bateria, baixo e guitarras rítmicas. Também no disco está Carol Lee Cooper, conhecida por seu trabalho vocal no Grand Ole Opry, conduzindo "The Carol Lee Singers". Carol contribuiu com sua experiência vocal para a grandeza da música "See Now" não apenas adicionando sua voz, mas também organizando o Coro que acompanha a música. Quem também contribuindo foi Rich Blair no baixo para várias das músicas. Bad Side foi escolhido entre mais de 100 inscrições para aparecer no CD "Northern Michigan Rocks", que foi lançado pela estação de rádio rock WKLT de Traverse City. O monstro de Detroit WRIF "The Riff" tem apresentado a banda com frequência e o PD Doug Podell, do WRIF, foi citado no seu programa dizendo "Eu tenho escutado esse CD ... eles são bons!"



Benedictum – Uncreation (2006) USA



Vindos de San Diego, Califórnia, a banda de cinco membros que se intitula BENEDICTUM está pronta para seguir os passos de bandas como JUDAS PRIEST, METAL Church e o lendário Ronnie James Dio. Agora isso é um inferno de uma combinação! Juntando todos esses elementos, o lançamento de estreia dos BENEDICTUM, "Uncreation", é um espetáculo atrevido, poderoso e com um baixo, que te fará bater a cabeça do começo ao fim. Eu acho que a melhor maneira de descrever a sensação geral é nas linhas de "Angry Machines" de DIO ou "Magica" a era é um pouco menos polida e muito mais abrasiva.
BENEDICTUM é liderado pelos talentos vocais ásperos e grosseiros de Veronica Freeman que, de certa forma, me lembra um pouco o cruzamento entre Wendy O. Williams e Doro Pesch com apenas uma “sugestão” de DIO. Freeman é o complemento perfeito para uma banda rica em talento. Da seção rítmica do baixista Jesse Wright e do baterista Blackie Sanchez, aos teclados assombrosos de Chris Morgan e, finalmente, ao trabalho de guitarra estrelar de Pete Wells , BENEDICTUM é definitivamente uma força a ser reconhecida. Além de tudo isso, adicione uma produção superior do ex-baixista dos DOKKEN / DIO, Jeff Pilson, e algumas participações especiais de Craig Goldy e Jimmy Bain, e tens uma estreia absolutamente excelente, o que deve fazer muita gente na indústria se levantar e tomar conhecimento.
O álbum abre com a faixa-título, "Uncreation", que apresenta uma introdução assustadora que leva a uma sinfonia pesada e durável, que permanece consistente praticamente durante todo o lançamento. Este tema continua no próximo par de faixas, “Benedictum” e “# 4”, com o seu rosnar, às vezes quase cantando, refrões e hard, heavy, ritmos pulsantes. "Misoginia" diminui um pouco, mas ainda mantém esse elemento duro.
Mudando em alta velocidade, mais uma vez, as próximas duas músicas ("Ashes to Ashes" e "Wicca") estão entre as minhas faixas favoritas no CD. Estas melodias de alta potência apresentam alguns dos melhores trabalhos de guitarra no álbum soando muito ao etilo Yngwie às vezes, enquanto que apenas sutilmente tocando num pouco de George Lynch, que é muito evidente nas notas de abertura para "Wicca".
Em seguida é a primeira de duas covers absolutamente surpreendentes dos BLACK SABBATH, "Heaven and Hell". O que posso dizer? Esta é uma das melhores covers que eu já ouvi da música. É singularmente original, mas mantém-se fiel às suas raízes e inclui alguns trabalhos de guitarra muito impressionantes que fazem até o grande Tony Iommi se levantar e ouvir! Muitos elogios para Veronica e toda a banda… que deixa os SABBATH orgulhosos.
“Them” voltam para aquela sensação dura e surda e continuam em “Two Steps To The Sun”, o que (se tu ouvires REAL de perto) sugere um pouco do refrão de “Gates of Babylon” de RAINBOW. “Uncreation”, em seguida, acaba com a melhor faixa no CD, “Valkyrie Rising”. Vocalmente, liricamente e musicalmente, “Valkyrie Rising” traz o álbum inteiro numa proporção quase épica combinando elementos de praticamente todas as faixas do CD. Mas, para não esquecermos, isso ainda não acabou, pois “Uncreation” termina com a segunda cover dos SABBATH, “The Mob Rules”, que é, sob todos os aspectos, outro elogio ao original.
"Uncreation" é um primeiro trabalho absolutamente tremendo. O CD é hard, heavy e mói através de teus ossos como uma navalha. Os deuses do metal abriram novamente seus portões enegrecidos e o rugido abafado liberou BENEDICTUM!



Scorpions - MTV Unplugged - Live In Athens (2013) Alemanha



Em 11, 12 e 14 de Setembro, as lendas do hard rock “Scorpions” realizaram três concertos em Atenas na Grécia sob a bandeira “MTV Unplugged – Scorpions Live In Athens” no Teatro Lycabettus na parte antiga da cidade. Pela primeira vez na história da série “MTV Unplugged” um concerto foi realizado a céu aberto na Grécia. A banda tocou seus maiores sucessos que são clássicos do rock, bem como algumas novas canções exclusivas no som e no arranjo típico do “MTV Unplugged”.
No show, Rudolf Schenker (guitarra), Matthias Jabs (guitarra), Klaus Meine (vocal), Pawel Maciwoda (baixo) e James Kottak (bateria) executaram clássicos, canções recentes e inéditas.


Primitai - Rise Again (2013) UK



Terceiro álbum da banda. Mixagem e masterização do álbum feita por Fredrik Nordström (DREAM EVIL, ARCH ENEMY, SABATON, IN FLAMES, HAMMERFALL, FIREWIND) no Studio Fredman, Gothenburg, Suécia,e o registro foi realizado em conjunto com Tom Keech em Stakeout Studios, Londres.
PRIMITAI adiçionou o guitarrista Tom Draper para as fileiras do grupo. Ele substitui membro fundador Nick Saxby , que deixou a banda no início deste ano. A chegada Tom adicionou um novo impulso ao processo, bem como, ao lado de Srdjan Bilic , algum trabalho inspirado de guitarra.
O guitarrista Richie Faulkner de JUDAS PRIEST participou numa música. Os rapazes deram um significativo passo em frente em relação aos trabalhos anteriores. O material tornou-se mais hits e memorável. O álbum saiu muito forte. ! Recomendo