terça-feira, 31 de março de 2015

EBC Roxx - Winners Vol.1 (2010) UK



O álbum de estreia dos EBC ROXX - o "projeto de corrida musical" com cantora alemã Ela, rock e blues, cantor, compositor, multi-instrumentista e produtor musical Tony Carey (RAINBOW, OVER THE RAINBOW) e Jürgen "JR" Blackmore (guitarra), filho do ex-DEEP PURPLE e lendário guitarrista Ritchie Blackmore RAINBOW .
De acordo com um comunicado de imprensa, as canções [on]" Winners "não só falam sobre a Fórmula 1 (" Silver Arrow "e" Livin''Big), mas em geral sobre a vida na pista rápida sobre duas ou quatro rodas. "Winners" é sobre o lado positivo, [e] "Your Last Dance" [é sobre] o lado negro do automobilismo. As duas 'drivin' songs', assim como o primeiro tema 'Rolling' retratam a intoxicação causada pela velocidade. "Fly "é dedicado às semanas de lendária velocidade das salinas de Bonneville (EUA). 'Red Devils Dirt" é sobre os trovejantes motociclistas de motocross. "
Tony Carey produziu algumas canções para a cantora Ela no registo a solo, "Make My Day", em 2008. Ele e JR Blackmore fizeram uma turnê no início de 2009 com OVER THE RAINBOW, também com seu companheiro e ex-integrantes do Rainbow Joe Lynn Turner nos vocais e Bobby Rondinelli na bateria.
Carey foi teclista do RAINBOW 1975-1977.

Jack Starr feat. Rhett Forrester - Out Of The Darkness [remastered & expanded] (2013) USA


O guitarrista Jack Starr inicialmente fez seu nome com a banda de metal da costa leste Virgin Steele durante o início dos anos 80, tocando nos seus dois primeiros álbuns (de 1982 auto-intitulado de estréia e 1983 de Guardians of the Flame) antes de embarcar em uma carreira solo. Starr formou uma banda de apoio chamada Burning Starr, que se iniciou em 1984 com Out of the Darkness. Outros álbuns seguidos a um ritmo constante: 1985 Rock the American Way, 1986 No Turning Back, 1987 Blaze of Glory e em 1989 The Orange Album. Tomando um novo rumo para os anos 90, Starr gravou um trabalho totalmente instrumental intitulado A Minor Disturbance em 1990 e, posteriormente, se juntou à banda Strider, que editou um álbum estréia auto-intitulado no ano seguinte. Em 1994, Starr auto-lançou um projeto colaborativo chamado oxgen I (apenas em cassete) e passou grande parte do resto da década apoiando outros trabalhos. Em 1999, ele ressurgiu com o Jack Starr Blues Band, um projeto que lhe permitiu explorar o seu amor há muito adormecido por elétrico blues e blues-rock.

Burning Rain - Epic Obsession (2013) USA


Na carreira de Doug Aldrich todo o caminho pode ser traçado de volta ao Lion, a banda de hard rock dos anos 80. Ele gravou álbuns com o Hurricane e House of Lords, antes de formar Bad Moon Rising com o vocalista de Lion, Kal Swan. Seu próximo projeto foi Burning Rain, que formou com o vocalista Keith St. John. Os Burning Rain lançaram dois álbuns: o auto-intitulado Burning Rain em 1999 e Pleasure to Burn em 2000. Aldrich mais tarde se juntou a Ronnie James Dio band em 2001, antes de finalmente se juntar aos Whitesnake e se tornar um parceiro de composição com David Coverdale. Enquanto Aldrich se juntava aos Whitesnake em 2003, ele e St. John assinou um contrato com a gravadora Frontiers Records em 2004 para um terceiro álbum de Burning Rain.
Com o ressurgimento dos Whitesnake em popularidade e uma agenda de turnê implacável que logo levou a lançar dois álbuns de estúdio, versões posteriores de álbuns ao vivo e DVDs, Burning Rain foi posto em espera - até agora. Então, depois de um hiato de nove anos, St. John e Aldrich voltaram com o seu terceiro álbum de estúdio Epic Obsession. O álbum contém 12 novas canções de hard rock vesiculares e duas faixas bónus. Co-produzido por Aldrich e St. John, a dupla completou a banda com o baixista Sean McNabb (Dokken, Quiet Riot) e Matt Star (Ace Frehley).
Burning Rain oferece música que é um produto dos anos 1970. As músicas e arranjos são infundidos com os anos 80 ganchos de estilo arena, que são elevados por tecnologias avançadas de gravação de hoje. Liderado por Aldrich mão certa no trabalho e arrogância vocal infundida em bluesy de St. John, que possuem seus próprios estilos quando comparados com os seus pares, inclusive indo num cabeça a cabeça com outra banda de Aldrich, Whitesnake. Há também uma comparação a ser desenhada; Aldrich cresceu no rock britânico, e o Whitesnake de Coverdale foi uma influência para o seu caminho antes que ele se juntar à banda.
Com isso dito, Aldrich é ele mesmo. Ele desenvolveu o seu estilo ao longo dos anos, trabalhando em várias bandas e projetos. Ele é a base da Burning Rain, assim como ele é com Whitesnake, Lion ou Bad Moon Rising. Seu trabalho é emocionante, enérgico, agressivo e elegante. Seja Keith St. John ou Coverdale, a música narra sempre o conto e dá cantores de qualidade numa tela na qual a pintam os seus vocais.
Como fan de hard rock, heavy blues rock, você certamente gosta de Burning Rain. E embora tenha passado um tempo desde que tivemos música fresca para desfrutar, talvez seja doce amargo o ter esperado tanto tempo. Porque o produto final é tudo que você quer e muito mais. Keith St. John soa incrível aqui e não pulou uma batida. Aldrich traz up-tempo rockers que carregam a tocha do rock, e para uma boa medida, oferece uma balada ou duas. Quatorze faixas, 74-minutos nas mãos de músicos menores seria cansativo, mas Epic Obsession implora para ser ouvido, e o tempo passa num piscar de olhos.

Billy Squier - Essential (2011) USA



The Capitol collection Essential Billy Squier compila vários hits de álbuns dos anos 80 pop / rock. Tomando-se a parte " essential" do catálogo de Squier aqui estão faixas de 1981 Don't Say No, de 1982 Emotions in Motion, e 1984 de Signs of Life, incluindo "Everybody Wants You", "The Stroke", "In the Dark", e " My Kinda Lover". Menos essencial, mas não menos dignos de inclusão são os temas como "Lonely Is The Night" de Don't Say No e " The Big Beat " da estreia de Squier em 1980, The Tale of the Tape. Também estão incluídos alguns temas menos conhecidos, como "Love Is the Hero" de 1986 do Enough Is Enough " Don't Say You Love Me", de 1989 do Hear & Now, e " Angry", de Squier injustamente ignorado de 1993 Capitol, Tell the Truth. Tomado como uma colecção, estas são faixas mais conhecidas e sonantes de Squier e mostrar sua mistura única de Led Zeppelin com Queen reunido a Rod Stewart estilo de dance-rock. Enquanto Squier continuou a gravar para vários rótulos a partir dos anos meados dos anos 90, estas faixas compõem a maior parte de seu tempo como uma mercadoria quente nos anos 80, e é óptimo tê-los todos num disco.

segunda-feira, 30 de março de 2015

The Quireboys - St. Cecilia And The Gypsy Soul [Box Set] (2015) UK



The Quireboys vai lançar seu nono álbum, " St. Cecilia And The Gypsy Soul", em 30 de março e ele vem numa caixa de 4 CD Set.
Inspirado pelo sucesso do aclamado álbum acústico 2009 do "Halfpenny Dancer" (fora da impressão), a banda entrou nos Lemon Studios na suécia com a intenção de criar algo com aquela atmosfera. No entanto, na Caverna de Aladim os instrumentos intrigantes e amostras misteriosas inspiraram The Quireboys a empurrar os contornos e mudar o foco.
The Quireboys regressaram a casa com 10 músicas novas e um novo som. "St. Cecilia And The Gypsy Soul" o resultado, embalado ao lado de "Halfpenny Dancer" - finalmente disponível novamente - E dois discos que cobrem as inéditas de 2010 "Halfpenny Dancer" show com violinos ao vivo, pedal steel, bandolim, banjo e mais .
Bem, vamos começar com o CD 1, o principal "St. Cecilia And The Gypsy Soul". É exatamente como um álbum Quireboys deve ser.
The Quireboys são uma das poucas bandas que não precisam de alterar o projeto de construção de uma canção e cada vez produz algo que é fresco e inequivocamente deles. O tema de abertura "Gracie B" é assustadoramente dark, com a arrogância inimitável que inspira muitas de suas anteriores canções. Há uma pitada de veneno e raiva pontuando as letras. No entanto, a banda deixou cair um par de engrenagens em oposição às suas identidades estridentes.
Enquanto isso, com canções como "Land of my Father" e "St. Cecilia ", é The Quireboys fazendo o que nenhuma outra banda faz: bom rock and roll.
No entanto, a maior parte do álbum tem uma atitude descontraída, com apenas alguns temas movimentados. Enquanto a banda adere às suas raízes, autodenominado gypsy rock and roll, isso traz algo de novo para a mesa e é uma mudança bem-vinda. Baladas ou músicas mais pesadas, a banda sempre floresceu em ambas as áreas.
A voz de Spike, como sempre, está na sua melhor forma. Potencialmente melhor do que era há trinta anos e muito melhor envelhecimento do que outros. Rosnando e ganindo, não podes deixar de imaginar o teu sorriso contagiante. Ele fala muito da natureza infeciosa dessas canções e como elas são escritas, que só depois de um par de escutas, tu estarás cantando com Spike, palavra por palavra.
Dada a maior parte da formação não se alterou em muitos anos, é ótimo ter Dave McCluskey e Nick Mailing de volta, possivelmente, a melhor secção rítmica que The Quireboys terá tido. Com o fundo despojado de som, bateria e baixo são menos proeminentes do que outros trabalhos, mas o par consegue gerir alguns momentos incríveis como "Adaline" e é o som de uma máquina bem oleada.
Guy Griffin e Paul Guerin estão em boa forma também, suas guitarras tocam em torno de si sem esforço, um sinal do seu duradouro trabalho juntos. Guerin também desliza em momentos de bandolim e lap steel, trazendo mais diversidade e trabalha isso na melodia das canções onde eles não se sentem confortáveis.
Teclista maestro Keith Weir flexiona seus músculos, conduzindo a maioria das canções e aparecendo com destaque na maioria das músicas, enriquecendo-os, em vez de ficar pendurado no fundo.
"Halfpenny Dancer" é uma adição muito boa para esta versão, um estúdio de gravação acústico quente com montes de sentimento.
Muito do disco será familiar para os fãs, com algumas das suas melhores canções a terem uma nova interpretação. Se és um fã, já podes ter Halfpenny Dancer mas se não fores, é uma boa adição à sua coleção, dando nova vida aos velhos temas favoritos.
Também nos discos há "Halfpenny Vivo, contendo muitas das canções de Halfpenny Dancer enquanto a adição de algumas de suas mais conhecidas canções e temas profundos como " Hates to Please" e executada para uma audiência.
"St. Cecilia and the Gypsy Soul" é o Quireboys em inconfundível boa forma.
Ouvindo o novo disco, o CD acústico anterior, e o show ao vivo, tens a sensação de que a banda é como um bom vinho do Porto - e um clichê literário - está cada vez melhor.

VAN HALEN - Tokyo Dome In Concert [2-CD] (2015) USA


Próximo março 31, VAN HALEN vai lançar seu primeiro álbum ao vivo para caracterizar o vocalista original David Lee Roth. Gravado em 21 de junho de 2013 no famoso Tokyo Dome, em Tóquio, no Japão, " Tokyo Dome In Concert "inclui 23 canções, abrangendo todos os sete álbuns da banda com Roth.
Ele será lançado como um CD duplo e quatro LPs definido em vinil e não há vídeo, apenas o áudio.
Misturado pelo premiado engenheiro Bob Clearmountain e masterizado por Chris Bellman, o álbum apresenta hinos clássicos como "Dance The Night Away", "Beautiful Girls", " And The Cradle Will Rock "," Unchained "e" Everybody Wants Some!! " bem como versões de "Tattoo", "She’s The Woman" e "China Town" do mais recente álbum de estúdio do grupo, A Different Kind of Truth.
Claro que há também os êxitos "Jump", "Panama", " You Really Got Me ", e o escaldante, "Eruption ".
"Tokyo Dome In Concert" soa bastante cru e direto, com um verdadeiro sentimento 'Live'.
Eu estava ansioso, principalmente, para ouvir o desempenho de Roth. Alguns, vídeos de fãs dos últimos shows do Van Halen mostraram David Lee Roth em muito má forma e fora de sintonia.
Pois bem, "Tokyo Dome In Concert" foi gravado há dois anos, e David soa muito bem, como toda a banda.
Agora podes ouvir Eddie realmente na sua excelente guitarra, algo que falta no único álbum oficial ao vivo do Van Halen Right Here, Right Now, de 1993.
Eu gostei muito de "Tokyo Dome In Concert", e é um álbum que qualquer fã do Van Halen e amante dos incríveis dedos de Eddie, deve ter.

Gary Jeffries - Middie Class Mas (2011) USA


Gary Jeffries, vocalista que gravou o primeiro álbum do Asphalt Ballet e também toca na banda de Hard/Southern Alligator Stew.
Agora a solo com o álbum Middie Class Man. Uma bela reavaliação, de excelente e moderno rock dos velhos tempo e o velho Southern rock no estilo dos velhos tempos de bandas como Skynyrd, Molly, Doc & Co. agora com um pouco mais de capacidade técnica e conhecimento. Para mim, um dos melhores discos de Southern rock do novo milénio.

Solemnity - Circle Of Power (2012) Alemanha




Solemnity estão de volta com seu quinto álbum, entretanto, infelizmente, provavelmente pela última vez, porque de acordo com Sven, The Axe há mais apoio no lado negativo do negócio e não está mais disposto apenas a pagar. Pode-se entender perfeitamente, certo? Bem dizer adeus, pelo menos, os homens com um desempenho absolutamente matador. O novo álbum soa como se flutuassem livremente e com tudo resolvido por restrições internas.
Por exemplo, às vezes os sons usados nas teclas são a mais, o que ao verdadeiro fã de metal comum pode causar asfixia. Até mesmo o Kauzfaktor nos velhos tempos diminuiu ao mínimo as teclas a favor do aumento de simpatia. Uma canção como "Anubis", lembra-me muito sobre a formação de Dark Wave com THE END OF MUSIC, em termos de melodia e humor. Mas não o medo, SOLENIDADE em vez disso coloca neste CD um poder enorme na guitarra.
Basta ouvir o tema divertido e super rápido intitulado " Return Of The Hairf?hrer " e você sabe disso. Com " Ludicrous Smile ", a banda também apresenta uma versão cover muito boa do clássico de estreia de SAVIOUR MACHINE. Nas canções originais, há uma grande melodia e todos os temas entram muito rápido no seu ouvido. Não importa o caminho que escolheu, você não vai encontrar quase nenhuns temas fracos, excepto, talvez no momento " Unholy Ange " que acho estranho. Na minha opinião á que destacar " In Honour To The Beast " com seu refrão muito forte. E isso nos faz lembrar das melhores do álbum "Rare Diamonds" por WARLOCK / DORO Capa também não é má. Um álbum muito grande cheio de pequenos hinos.
" Circle Of Power " soa como guerreiros, batalhas épicas, num ambiente escuro.

Jeff Scott Soto - Damage Control (2012) USA


Legendario cantor de hard rock Jeff Scott Soto (YNGWIE MALMSTEEN, TALISMAN, JOURNEY) lançou o seu álbum solo, "Damage Control",  via Frontiers Records.
Um artista extraordinário e vocalista incrível, explosões de Jeff Scott Soto através destas faixas hard rock com energia e mestre na transição suave do rock pesado para uma balada delicada.
Para "Damage Control", Jeff virou-se para muitas de suas influências do passado e os aspectos mais requisitados de sua carreira, misturando a arte de rock melódico com rock pesado.
"Eu sinto que 'Damage Control' é mais um retorno ao que os meus fãs esperam ouvir de mim", diz Jeff. "É uma mistura perfeita de meus dois primeiros álbuns solo com a Frontiers Records -" Prisma "e" Lost In The Translation "- mas também mistura alguns dos meus momentos favoritos de minhas bandas do passado, como TALISMAN e SOUL SIRKUS. É heavy, AOR, hard rock com montes de grandes riffs e melodias."

Grand Magus - The Hunt (Limited Edition) (2012) Suécia



Grand Magus esteve afastado algum tempo depois de ter lançado cinco álbuns em mais de uma década. Se você não conhece Grand Magus eles são uma banda de heavy metal da Suécia com um monte de influências que se misturam nas letras de power metal, um pouco do sul do hard rock e stoner metal, mas principalmente metálicos pesados. Originalmente a banda era estritamente stoner metal, mas as com o tempo se transformaram num estilo mais tradicional. Então, Hammer of the North acho que poderia dizer que foi o primeiro álbum de sucesso para eles em que apareceram em algumas listas no ano de 2010. Assim como com qualquer álbum de sucesso, a pressão é para criar um acompanhamento que seja digno e poder continuar a gerar mais interesse e negocio para a banda. Portanto, agora é 2012 e estamos perto do lançamento do sexto álbum de estúdio "The Hunt". Esse é um nome agradável para um álbum que tem temas míticos e épicos em suas músicas, mas que faz um sinal de desaceleração em termos de qualidade ou uma paragem no momento apenas de um nome?
Não é verdade.
A faixa-título já foi lançado como um vídeo lírico e verdade seja dita, é um das minhas canções favoritas do álbum.
E quando comecei a ouvir o álbum fiquei muito animado. As três primeiras faixas têm alguns ganchos e músicas carregadas de riffs que apelam para uma pessoa mais velha como eu, que sente falta dos riffs clássicos. O vocalista Janne "JB" Christoffersson parece canalizar os lendários vocalistas nos últimos dois lançamentos especialmente quando se trata da faixa de abertura. Desta vez Starlight Slaughter abre e imediatamente me lembra os Deep Purple dos anos 80, quando Ian Gillan voltou. Segue Sword of the Ocean que nos lembra quando os grandes riffs estavam de volta e um refrão que poderia se encaixar bem com 80 clássicos do heavy metal. Valhalla Rising é provavelmente a minha faixa favorita do álbum
Diga-me que não é uma pista cativante.
Mas, então, o álbum começa a perder do power. "Storm King" é mais de uma faixa de enchimento com um coro bastante genérico que você poderia encontrar nas músicas de Priest ou Saxon.
"Silver Moon 'é uma canção útil, mas por agora eu comecei a perder a chama do primeiro terço do álbum e como eu mencionei a faixa-título é a minha canção favorita, principalmente devido à forma como os versos são escritos. Os riffs são fantásticos, mas os versos não são iguais e me deixou decepcionado com a melodia. ‘Son of the Last Breath’ é uma partida enorme em relação ao resto do álbum. A primeira metade é uma faixa acústica no estilo folk que conta uma história. É a parte mais interessante da música como a última metade leva um pouco de enchimento e o refrão é épico e até introduz um pouco de base. ‘Iron Hand’ é uma faixa roqueira rápida que é levemente divertida, um pouco de aceno para os clássicos mais rápidos de Dio como We Rock. The Hunt fecha com 'Draksådd ", que termina o álbum com uma nota alta por ser um tema tipo roqueiro alto, que me leva de volta para o início do álbum.
The Hunt é no geral uma montanha-russa e não necessariamente o tipo bom. Eu estava esperando por mais consistência e depois de ser bombeado, em seguida, desapontado, tipo de desinteressado antes de tomar interesse novamente eu fiquei com um álbum em geral é apenas uma espécie de ok em relação ao Hammer of the North ou Iron Will (que tanto por sinal, também teve material de enchimento mas não tanto). Eu ainda recomendo dar uma olhada porque eu tenho certeza que existem pessoas que vão gostar mais do que eu e realmente é refrescante ouvir uma banda que traz de volta alguns sons e estilos que fizeram grandes músicas de metal décadas atrás.

Picture - Warhorse (2012) Holanda



PICTURE banda de metal dos anos 80 com origem na holandesa lançou seu novo álbum, "Warhorse", em 22 de fevereiro através de Artist Station Records. O CD foi mixado por Oscar Holleman, que já trabalhou com WITHIN TEMPTATION e AFTER FOREVER, entre outros.
PICTURE foi banda de suporte de AC / DC, TED NUGENT e SAXON, na Holanda. Com SAXON, eles fizeram um tournê Europeia completa em 1981. Mais tarde, eles viajou com Rose Tattoo na Alemanha e na encabeçou tournês na Itália e Israel.
Depois da reunião alguns anos atrás, uma edição limitada do CD que foi gravado ao vivo de dezembro de 2008 até janeiro de 2009, a banda retirou-se nos StarSound Studios em Utrecht, Holanda, para gravar "Old Dogs New Tricks"

Symbolica - Precession [2012] Brasil


Após cinco anos de estrada com a banda catarinense Enforcer, Diego Bittencourt e Zeka Jr deram um passo adiante e em janeiro de 2011 formaram o Symbolica. Na companhia do já renomado produtor Adair Daufembach, sem perder tempo, iniciaram os trabalhos de pré-produção do que veio a se tornar hoje o álbum Precession.
Em maio desse mesmo ano o vocalista de carreira internacional Gus Monsanto (Adagio e Revolution Renaissence) se integrou ao grupo. Inicialmente, Gus gravou os vocais da musica Around us, musica essa que seria o primeiro single do Symbolica não fossem algumas mudanças no cronograma da banda.
Marcelo Moreira, baterista das bandas Almah e Burning Hell, foi o próximo a entrar na banda. Em outubro gravou as baterias no estúdio Daufembach em São Paulo/SP.
Lucas Pavei (Alcoholic Trendkill), baixista conhecido também por trabalhos com outras bandas da região, completou o time.

Grease Helmet - Grease Helmet [2012] Finlândia


Grease Helmet, com o guitarrista Andy McCoy, ex-Hanoi Rocks. Um vídeo da música para o primeiro single "Keep Your Helmet Greasy" foi lançado para ajudar a promover o novo álbum.
Grease Helmet foi fundada por Jere Garcia (vocal) e Niclas Etelavuori (baixo), em outubro de 2009, em Helsínquia, Finlândia. 5K Studios foi adoptado como sede do Helmet e daria o refúgio onde a estratégia de padrão hard rock 'n roll era para ser realizado. Logo a notícia se espalhou para fora e Jan Rechberger (bateria), Ben Varon (guitarra ritmo) e o lendário guitarrista Andy McCoy (lead guitarra), onde foram recrutados para o exército Grease Helmet.
Dentro de dois anos Grease Helmet criou seu som único e dinâmicas habilidades de composição, que serão exibidos no "Grease Helmet 'o tão aguardado álbum de estreia auto-intitulado. A edição japonesa do álbum irá conter duas músicas bónus exclusivos, "Speed King" (Deep Purple) e "The Rocker" (Thin Lizzy).

domingo, 29 de março de 2015

THUNDERHEAD - Classic Killers Live (1994) Alemanha


Thunderhead foi formado em Hannover, Alemanha, no final dos anos 80 (como a história se passa, vocalista Americano Ted Bullet viajou para a Alemanha para um teste para a banda alemã Victory, o que não correu bem, mas ele encontrou vários músicos que queriam tocar juntos, e nasceu Thunderhead). Thunderhead era uma daquelas bandas que montou a linha entre o hard rock acessível e metal tradicional, com uma familiar atitude rock com destaque para clássica voz hard rock de Bullet. Eles gravaram de forma constante entre 1989 e 1995, atraindo uma base de fãs de tamanho razoável na Europa e no Japão. Em meados dos anos noventa a banda mantinha o seu curso, e com dificuldades financeiras e diferenças pessoais iminentes, disseram até um dia. Vários anos depois, Bullet recrutou três novos músicos para formar uma nova versão do Thunderhead (curiosamente, este mesmo trio iria também fazer backup de ex- vocalista Metal Church David Wayne no seu projeto Wayne), e um álbum final, Ugly Side, foi lançado em 1999.

ThrillRazr - All comes down (2008) USA


Os roqueiros de San Diego ThrillRazr ficaram com um pé na década de 80 e outro no som do rock de hoje, o seu álbum " All comes down" com 8 faixas traz ao pensamentos bandas como Buckcherry e Smile Empty Soul, mas a produção é pobre e faz com que o som do álbum pareça uma demo. O som de bateria é demasiado fraco, mas eles têm algumas boas ideias que salva este álbum de se afundar totalmente. Talvez se ThrillRazr fosse ajudado se tivesse uma melhor mistura e alguns dos coros mais fortes.

Free Fall – Power & Volume (Limited Edition) [2013] Suécia


Mais uma banda da Suécia. E mais uma da Nuclear Blast que parece estar gostando da onda do old school, retro, rock n' roll, ou Freedom Rock como a banda mesmo se classifica, seja lá o que for. As influências vão de AC/DC, Deep Purple, Free, a Led Zeppelin. Puro rock n roll. Para os fãs de hard rock clássico Power & Volume, é obrigação. Uma estreia fantástica, sem dúvida!

sábado, 28 de março de 2015

Post da Semana


POST DA SEMANA

The Poodles - Devil In The Details (2015) Suécia




Mais uma vez, esta semana viu serem editadas algumas boas obras musicais, do nosso género favorito; e dignas de menção e audição, mas já é algo de religioso quando os suecos The Poodles editam algo, as nossas atenções ficarem de imediato reféns desse acto. E assim sendo, vamos lá perceber um pouco do que os "caniches" do metal nos oferecem agora.
Para começar, temos o baptismo de um novo membro; o baixista Johan Flodqvist, ex- Fatal Smile e Holy Diamonds; Que substitui Pontus Egberg, um dos fundadores da banda e que decidiu mudar de ares e rejuvenescer um pouco. Quanto à musica, já não tão comercialmente melodiosos, dirigem agora os seus intentos para um hard rock'n'roll mais directo, in yourface! Neste novo método de "esmiuçar o diabo em detalhes"; 6º disco de originais; tivemos a apresentação do seu single de promoção, House of Cards\The greatest que nos reforçou mesmo essa vontade da banda em seguir numa toada mais setenteira. Não será nada de transcendente, já muito foi feito e se está a fazer neste género; mas The Poodles têm sempre uma distinta maneira de nos propor velhas ideias em novas formas e com o seu toque especial, festeiro e agradável de incorporar. Bom disco; um pouco diferente dos anteriores mas ainda assim, merecedor de registo.
mcLeod Falou!

sexta-feira, 27 de março de 2015

21 Guns - Demolition (2002) USA



21 GUNS - NOTHING'S REAL 1997 USA



21 Guns - Salute (1992) USA


Os 21 Guns são uma banda de Hard Rock. Fundados nos Estados Unidos da América pelo ex-guitarrista dos Thin Lizzy Scott Gorham.
Apesar de ter membros com experiência e qualidade dentro da proposta de som que faziam, os 21 Guns nunca saíram do underground, facto que não pode ser dissociado da época em que surgiram (início dos anos noventa) com a saturação que o mercado musical tinha e a mudança do paradigma musical do Rock no mainstream.
A banda ainda assim lançou três álbuns de estúdio, tendo-se dissolvido depois. Em 1992 sai o álbum "Salute", em 1997 é lançado o álbum "Nothing's Real" que mantém a banda no limbo e termina, em 2002 já com a banda fora de actividade é lançada uma colectânea de lados B, "Demolition".
O som dos 21 Guns era um Hard Rock pesado e virtuoso, bem diferente do som clássico que Scott fazia nos Thin Lizzy.
A música "Knee Deep" é retirada do primeiro álbum da banda. Álbum de Hard Rock de imensa qualidade mas que ficou completamente esquecido nas sombras do tempo.
Esta faixa é marcada pela voz rasgada e poderosa de Tommy La Verdi, a música tem também os riffs agressivos do Hard Rock dos anos oitenta e o seu virtuosismo no solo.
Esta faixa conta também com algumas partes mais climáticas, marcadas pelo teclado que dá uma harmonia e melodia especial à música.

21 GUNS - 21 GUNS 1990 Austrália



Imperial State Electric - Reptile Brain Music (2013) Suécia



Imperial State Electric não tem nada a ver com death metal e também não tem nada a ver com The Hellacopters. Os que já ouviram o disco anterior "Pop war" sabem o que eu quero dizer. Imperial State Electric toca rock dos anos 70, na linha de bandas como T-Rex e The Sweet e eles fazem isso de uma forma interessante e refrescante. Neste álbum chamado “Reptile brain music” essas influências são ainda mais dominantes.
A coisa boa da banda é que todos os membros são excelentes músicos. Isso já está demonstrado pelo fato de que todos eles podem cantar, como o baixista Dold de Borst em "Reptile Brain" e todos eles sabem tocar vários instrumentos também. Lembre-se de que Nicke começou no Entombed a tocar bateria.
O rock rápido "Emptiness into the void" abre o álbum. Um excelente começo com velocidade, força e paixão. Rock'n'roll puro. Eu também gosto muito de "Underwhelmed". É uma faixa mid tempo com uma grande melodia e um refrão que não consegues esquecer facilmente. A experiência de puro rock. "Repitle brain", a faixa título ', é outra canção que eu posso recomendar. Eu gosto disto. Meu corpo só quer se mover quando oiço estas músicas. A coisa boa com todas as doze canções é que eles têm o tempo entre 2:30 e 3:30 minutos. Com "Dead things", o álbum também tem uma balada, o que está muito longe do clichê. É apenas uma boa música para ouvir. Tempo para o rock de novo? Claro. Basta ouvir "Born again". Chuck Berry seria muito feliz se ele pudesse ouvir a música.
Estes são apenas alguns exemplos, mas, no final, todas as faixas são de alta qualidade e o álbum torna se divertido de ouvir. E eu poderia imaginar que a banda pode até mesmo superar isso nos seus shows ao vivo.

Imperial State Electric – Pop War (2012) Suécia


Nicke Andersson é mais conhecido como o monarca metal mais importante da Suécia e como o líder de lendárias, instituições veneráveis como ENTOMBED, THE HELLACOPTERS, DEATH BREATH e THE SOLUTION, mas ele tem esse amor descarado por Cheap Trick e dos Kiss da era de 70, uma paixão que, na verdade, parece em desacordo com seus papéis nos grupos acima mencionados. Após a dissolução desoladora dos The Hellacopters no final de 2008, Andersson embarcou no que era para ser um disco solo, mas, em vez disso, IMPERIAL STATE ELECTRIC - o supergrupo com Andersson e Dolph de Borst dos muito subestimados neozelandeses The Datsuns - foi baptizado, de Imperial State Electric e lançou seu debut auto-intitulado em 2010. A estreia foi informada pelas mesmas influências de Cheap Trick e KISS que agem como fundação War Pop, e os destaques do primeiro álbum (the incendiary quadrophonic 'Throwing Stones', 'Deja Vu', A Holiday From My Vacation' and 'Resign') parecia melhor registo do que realmente foi, War Pop sofre as mesmas fraquezas que na estreia. O problema com a War Pop não é necessariamente a premissa de rock dos anos 70, mas sim a forma como Imperial State Electric que prometem, em vez de Dressed To Kill or Dream Police, temos os momentos mais doces de Destroyer e 70 AM rádio. Apesar de War Pop ser possuidor de futuros clássicos de Andersson em Uh Huh', 'Narrow Line', 'Monarchy Madness' e o brilhante "Deride And Conquer", os restos do álbum são demasiado atolados em nostalgia com registos medíocres.

Steve Saluto — VERITAS (2012) Itália


O guitarra Steve Saluto é capaz de mostrar todo o gosto do artista e do coração tendo no impacto e na frescura do som a sua carta vencedora "nesta Revista Guitar Club Magazine introduzido Steve Saluto em 2000. Residente em Treviso (Itália), Steve Saluto começou a tocar guitarra com a idade de 15. No início eram aulas de guitarra jazz então, inspirado no solo de Van Halen em "Beat It", Steve começou a tocar rock. Do jazz ao funk a Rock e Pop, Steve já tocou e gravou com diversos músicos, tais como Danny Losito, The Venice Gospel Ensemble, Jeff Berlin, Darryl Jones, Danny Gottlieb, Buddy Miles, Phil Palmer, e muitos mais. Ele escreveu e produziu 10 gravações solo e a banda apresentando seu virtuosismo na guitarra diversificada. Além de guitarrista e status de líder da banda, Steve é um escritor em demanda e produtor que é próximo de bandas jovens sob sua empresa de produção conhecida como " Imput Level Productions"; Ele também possui um estúdio de gravação comercial em San Biagio di Callalta (TV) .

Devilicious – The Esoteric Playground (2012) Suécia


Depois de conhecer a sensação sueca do Hard Rock ECLIPSE e revisão ao épico álbum "Bleed And Scream" Eu estava pronto para outra banda sueca de Rock. Eu estava realmente animado ainda em êxtase porque os ECLIPSE me deixaram com um gosto pelo rock sueco. Devilicious é um quarteto de Hard Rock de Gotemburgo, na Suécia. De acordo com sua biografia oficial há raízes de Stoner Rock, esta é uma grande causa misturando música Stony com pedaços de rock cria um estilo de metal grande que não tem nome. Eu chamo isso de MAGUS GRAND como "vontade de ferro" de estilo (também uma grande banda sueca), no entanto misturar esses dois ingredientes especiais não é fácil e muito difícil de reunir.
Devilicious do principio ao fim faz a mesma coisa, riffs Stoner em ritmo de Hard rock. Não há nada de especial aqui, porém, eles fazem isso muito bem. "Hollywood" é para mim uma canção épica com riffs que ficam na mente, grande secção de vocais, mas o clipe "Hollywood" vídeo e a música faz você gostar de ir para a estrada andando por aí fora até Hollywood.
"Cock Blocker" e "Here Comes The Blues" são talvez o verdadeiro som de Hard Rock puro no álbum, agradável dedilhado, um dedilhar Rock limpo. Por outro lado, "In Seth" mostrou que unindo dois grandes géneros em um também pode fazer algo de bom. Uma menção honrosa vai para "Love Explosion", novamente um riff de Stoner, mas desta vez muito mais rápido dá a essa música algum sabor do tipo Hard Rock.
Eu tenho pensado a respeito de "The Esoteric Playground" se é um álbum bom ou ruim. Mas eu posso dizer é bom, pois é um mistura agradável de Stoner com Hard Rock, no entanto, acho que não foi totalmente bem integrado e tem lacunas. Apesar de não ser algo superior, mas o Mikael Jacobsson com um grande vocal de gama baixa que soa bastante impressionante nas canções mais orientadas ao Stoner do que ás do Hard Rock. Tenho certeza de que o próximo será uma subida na escala não importa a direcção que a banda escolher. Então, se você gosta de MONSTER MAGNET ou ALABAMA THUNDERPUSSY, este álbum provavelmente vai apelar para você, mas se você for um fã dos ECLIPSE ou um fã de puro Hard Rock provavelmente você vai achar que é um pouco difícil de engolir, de novo, excepto para o épico " Hollywood "que provavelmente todos vão gostar.

Gaia Epicus - Dark Secrets (2012) Noruega


Os noruegueses Gaia Epicus, banda de Power Metal lançou seu novo álbum de estúdio em 26 de março de 2012. Intitula-se "Dark Secrets" e foi lançado pela gravadora Epicus. O álbum foi gravado no Pirate Cave Studios por Thomas Chr Hansen e mixado por Tommy Hansen.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Falling Edge - Falling Edge (2013) Canadá



Bio:
Traduzida do site oficial.
Falling Edge teve o seu início em 2004, com os membros originais Kevin Tetreault (bateria e vocal), Chris Rupert (guitarra e vocal) e Don McClellan (baixo, vocais), embora ainda não estivesse criado Falling Edge. No ano seguinte, viu a adição do tecladista e vocalista Tim Bork, e não demorou muito depois disso que a ideia de colocar alguns dos nossos originais para um CD foi lançada no ar. Nós começamos a trabalhar no material original a sério, passar os detalhes de tempo, discutindo sobre arranjos, e assim por diante. A gravação começou no final do verão de 2007, e janeiro do ano seguinte um bom pedaço.
Social Engineering foi feito. Infelizmente, foi nessa época que Don teve que deixar a banda, que nos deixou lutando por um baixista para continuar a trabalhar no álbum. Isto provou ser muito mais difícil do que o previsto, e, alguns meses e vários baixistas mais tarde, a nossa incapacidade de garantir um baixista tornou-se uma espécie de piada entre os membros restantes. Nem um muito engraçado, você mente. O problema não era tanto o de encontrar alguém como ele foi encontrar alguém que se pudesse comprometer com um projeto dessa envergadura. Quando encontrávamos alguém que estava interessado, deixávamo-lo trabalhar nas músicas para um pouco, então ensaiado por várias semanas, 2 ou 3 meses se passam. Multiplique esse cenário, vários baixistas diferentes, e não é difícil ver que ficou muito atrasado para completar o álbum. Porque Social Engineering estava em fase de conclusão, decidimos terminar a gravação com Chris no baixo e todos os vocais (Don originalmente cantou backups). Foi um pouco de arrastar ter que deixar as partes originais de Don, uma vez que todos nós ficamos felizes com a sua música, mas com as diferenças de tom e estilo tornou-se necessário. Essas faixas de graves originais ainda estão andando por aí, no entanto.
Enquanto isso, os ensaios continuaram por outras faixas do álbum, assim como a nossa busca por um baixista fixo. Nós começamos a gravar Not That Far Away, uma vez que faz uso do teclado para baixo. Not That Far Away estava cerca de 90% concluído quando Tim decidiu chamá-la. Destemidos, decidimos terminar a pista com Chris nos teclados. Mais uma vez, devido a diferenças de tom e estilo, todas as partes de Tim no Not That Far Away tiveram que ser desfeitas. Nesse meio tempo, Jim Walsh se juntou à banda no baixo, então pelo menos que já tínhamos baixo.
Ao invés de repetir a nossa experiência de encontrar baixista, decidimos apenas avançar com Chris no manuseio de teclado enquanto buscamos um novo teclista. Nós pressionados com essa formação por mais um ano ou mais, quando, em agosto de 2010, Steve Kubica se juntou à banda nos teclados.

Bob Katsionis - Rest In Keys (2012) Grécia


Babis "Bob" Katsionis começou a tocar teclado aos 10 anos e aos 14 anos guitarra. Fez parte de inúmeras bandas até ser reconhecido como teclista das bandas Firewind e Imaginery. Tem também um projecto a solo, tendo já gravado três álbuns.
As suas maiores influências são Kevin Moore, Jens Johansson, Keith Emerson e é Claro Matthew Key.

GHOST RIDERS - FORTUNE TELLER (2003) USA



A Ghost Riders foi formada no início de 2003 e fez seu primeiro show em março. Eles são baseados em Tampa, Flórida, onde Steve Grisham dirige o Mira Vista Studios, onde a banda gravou seu álbum de estréia, "Fortune Teller", no mesmo ano.
Além de produzir em seu próprio estúdio, Steve Grisham também é lembrado por ter sido um membro do The Outlaws e por ter escrito o hit "Keepin' Our Love Alive", da Henry Paul Band. Sua atual line-up também inclui Barry Rapp (teclados), Pug Baker (bateria) e Phil Stokes (baixo).
Após alguns problemas com sua gravadora independente local, a banda assinou um contrato com os alemães da Phoenix Records e lançou mais dois álbuns, "Back to Rock" em 2007 e "Fortune Teller 2.0" em 2008. Todos os três álbuns estão cheios de charme sulista e é altamente recomendado.


Ghost Riders - Back to the Rock (2007) USA


Isto sim é southern rock, primos de Skynyrd. O som é muito similar e como sempre agradável de ouvir. Melhor, faz falta ouvir. Ghost Riders têm um som bastante hard rock'n'roll, "Don´t know where i'm bound" parece uma faixa de bues á lá rock'n'roll. Este disco foi gravado em 2007 mas está sempre actual, aliás não conheço um bom disco de southern rock que não esteja actual, tão típico como o moonshine ou jack daniels, sempre bom. A base de operações desta banda é na Flórida onde Steve Grisham, ex- The Outlaws, é também produtor, engenheiro de som e tem o seu próprio estudio. Desde 2003, ano da formação destes Ghost Riders; uma das bandas com maior procura no género; apenas gravaram 2 álbuns. Este "Back To The Rock" antecedeu uma regravação do 1º àlbum com a inclusão de 4 originais em 2008. Os restantes músicos são lendas de outras bandas como Henry Paul Band e Pure Prairie League.
Chapéu confederado e country style, "Missin' Dixie" é uma balada acústica para levar a saia rodada para a pista de dança e... e é isso! Pedir namoro á miúda! Que mais? Uma nota para a capa. Se a tentativa foi pintar um ghost rider, o tipo parece mais aflito do que com vontade de voltar ao rock. Não tem nada a ver com o disco. Mas o que percebo eu de arte! Tem de tudo aqui, horse riding, salão de baile, bar fight. Recomendado! McLeod Falou!

Ghost Riders – Five (2013) USA



Ainda em turnê e a gravar Ghost Riders, que surgiram a partir do Outlaws-Spin da Banda Henry Paul, o presente "Five", seu terceiro disco no Hamburg Southern e Classic Rock Especialistas Phoenix Records. "Five" é mais do que um trabalho sólido de música no meio da Southern Rockl e Mainstream Rock nos EUA. É claro que é o seu melhor álbum até agora.
Além da abertura heavy e cativante " Pray for me", "Getting My Love" e a relaxado Swampgroove "Cajun Jesus" assegura o CD com todas as possibilidades de orientada Classic Westcoast e Southern Rock. Que significa: canções de Rock Relaxante, uso obrigatório de Slide Guitar heavy, canto melódico, emparelhado com Blues e Boogie e duas bonitas baladas - o álbum têm tudo.

Ghost Riders - Too Many Skeletons in Your Closet... (2010) USA




Zar - From Welcome ... To Goodbye (1993) Alemanha


O que aconteceu a este disco foi um crime de proporções planetárias! Se existem discos de hard'n'heavy\AOR melódico que nenhum apreciador deste fabuloso estilo musical deve deixar de possuir ou pelo menos ouvir, este é sem dúvida um deles.
Esquecido durante 22 anos, esta jóia foi agora redescoberta pela editora 7HARD que decidiu reeditar a discografia desta banda alemã, que contou durante algum tempo na sua formação com o fabuloso vocalista John Lawton, que entre outros, foi o frontman dos Uriah Heep. Sem dúvida a estrela mais reluzente deste disco, Lawton deixa aqui neste registro; que estava escondido; um dos seus melhores trabalhos e da música em geral. Outra das peças vitais é o guitarrista e compositor da banda Tommy Clauss que apesar do som ser mais oitenteiro a puxar para os inicios faz um trabalho criminosamente excelente, um trabalho técnico e muito bem estudado, em certas alturas pensamos que estamos a ouvir o "Odissey" de Malmsteen.
Na discografia desta banda pesam 5 discos de originais, que vos recomendo a sua audição, porque a qualidade é por demais evidente para uma banda que passou sempre ao lado em termos comerciais. É uma grande lástima não terem apostado numa editora ou numa promoção pelo menos da sua música, porque essa é escandalosamente boa demais para ficar esquecida. Ouçam e logo verão o que digo.
Neste disco podia destacar alguns temas, mas o trabalho vocal de Lawton é excelcio que seria tendencioso. É um disco para se possuir!
Dedicado ao nosso Webmaster YAMAN!
McLeod Falou!

Zar - The Holy Rhythm Of Nature (1995) Alemanha




Gasoline 67 - Time To Rock (2011) USA


Famoso produtor Beau Hill, mais conhecido por seu trabalho com Ratt, Warrant e Alice Cooper, remixou algumas faixas de Gasoline 67 do álbum de estreia 'Time To Rock'.
Sediada em Jacksonville, Florida , com fortes raízes em Nashville, Tennessee, Gasoline 67 coloca os pés no chão, conduzindo diretamente a batida de volta em três acordes rock. Uma abordagem muito atrasada na música de hoje que se centra em torno do excesso de produção pop. A decorrer sob o lema de que tudo o que precisas é de canções sólidas, rapazes honestos e um palco para tocar, Gasoline 67 faz exatamente isso - knocks out the rock.
Gasoline 67 é alimentada por ácido e adrenalina. A potente combinação que permite Paul Marko (guitarra), Mark Janssen (bateria), Sonny Kane (vocal) e Doc Haygood (baixo) para chegar a uma reação inflamável durante os seus enérgicos shows.
A banda foi destilada a partir do pântano da Florida e da albufeira do Mississippi ingredientes que fermentados numa mistura explosiva foram engarrafados na edição de estreia de Gasoline 67 com 'Time to Rock ".

TEN - Stormwarning (2011) UK


TEN voltou na força total com o álbum «Stormwarning»
Frontiers Records fez o lançamento do nono álbum de estúdio dos TEN com todos os temas originais, intitulado "Stormwarning" em 18 de Fevereiro 2011 na Europa e, a 15 na América do Norte.
Tumulto é uma palavra que bem poderia descrever o que a vida tem sido para os TEN em poucos anos. Passando por várias mudanças de line-up e um exílio auto-imposto da cena, TEN para muitos parecia ser um nome que escreveu páginas gloriosas no período mais negro do Melodic Hard Rock, deixando de manter a chama viva, quando o ritmo foi aumentando novamente.
Ainda assim, os TEN tem como cantor e compositor principal, Gary Hughes sabia que ele tinha um outro ás na manga e decidiu jogar pelo seguro. Para o novo álbum "Stormwarning" Ele queria ter a primeira linha e ele recorreu aos serviços de Neil Fraser na guitarra solo e Mark Sumner no baixo, além de membros de longa data John Helliwell na guitarra e Paul Hodson nos teclados .
Em seguida, o mestre Mark Zonder (Fates Warning) convidado para cuidar de todos os deveres e Gary tem a certeza de que ninguém menos que Dennis Ward (Pink Cream 69 e produtor de Angra, Place Vendome, Sunstorm, Edenbridge, entre outros) seria ele a misturar e produzir o álbum. Finalmente, ele fez contato com o designer original da "Spellbound" e "Babylon", o renomado artista espanhol de fantasia Luis Royo, para recriar os gráficos perfeitos para o novo álbum.
No verão de 2010 com todas as bases do feito, TEN finalmente começou as gravações de "Stormwarning" um álbum que, como o próprio nome diz, é uma inspiração para os contos de glória, guerra e morte e do amor é claro. Qualquer fã de rock, que gosta do som que Rainbow fez com "Difficult To Cure", ou que Whitesnake trouxe para o sucesso com "1987" e que Gary Moore exaltado com álbuns como "Final Frontier" ou "Run For Cover" precisa ter esse registro em sua coleção. E mesmo para o bem familiarizado, os TEN reacendem as memórias de "The Name of The Rose" e "Spellbound".

Koritni - Welcome to the Crossroads (2012) Austrália


Lançamento do álbum novo de estúdio dos KORITNI “WELCOME TO THE CROSSROADS” através Verycords / Warner Music France. Cinco anos depois do álbum de estreia Lady Luck em Janeiro de 2007, Welcome To The Crossroads será o terceiro álbum de estúdio dos Koritni.
O novo álbum apresenta uma obra de arte aqui ilustrada retratado por Mark Wilkinson, que já trabalhou em algumas versões anteriores (Game Of Fools, Red Live Joint, No More Bets)..
A banda também se reuniu com longo tempo os engenheiros Mike "Fraze" Fraser, Leffler Dan e Dean Maher para gravar e mixar o álbum ao longo de 2011 em vários locais como Megaphon Studios, em Sydney, Hipposonic ou Warehouse estúdios em Vancouver. Mais uma vez após seu trabalho em Game Of Fools, Ryan Smithperformed o Mastering no Sterling Sound, New York.
Pela primeira vez na história dos Koritni, alguns convidados especiais foram convidados a participar do projeto, e eles gentilmente concordaram. Por isso, é com honra que a banda pode anunciar Jeff Scott Soto (Journey, WET), Jeff Waters (Annihilator) e Rusty Brown (Electric Mary) será apresentado no álbum.

Shameless – Dial S for Sex (2012) Alemanha


Shameless anda pela Alemanha há mais de 20 anos, mas sua estreia não atingiu as ruas até ao final de 1999. A banda veio para USA, Los Angeles e gravou seu debut com Gilby Clarke nos Redrum Studios. O que se seguiu foi uma meia dúzia de lançamentos em 12 anos com os membros dos Kiss, Stryper LA Guns, Warrant, Guns N 'Roses e who's who roqueiros dos anos 80.
Agora em 2012 a banda lançou seu 5 álbum de estúdio (6 disco no geral) com o "Dial S For Sex." A nova versão foi produzida por Keri Kelli e Steve Summers (Pretty Boy Floyd) e Stevie Rachelle (Tuff), como as bandas co-lead vozes. Ambos os cantores americanos têm aparecido em todos os releases de Shameless, bem como aparecido com a banda em todas as suas turnê européia.
O novo disco é mais uma vez editado pelo fundador da banda / baixista, Alexx Michael junto com seu principal ajudante BC (guitarra). Alguns dos convidados especiais desta vez são Chris Holmes (WASP), Keri Kelli (Alice Cooper Band, Slash's Snakepit) e Tod "T" Burr baterista preenche o line up tanto no estúdio como para a banda em turnê.

quarta-feira, 25 de março de 2015

AOR - Return To L.A (2015) França



Apenas oito meses se passaram desde o lançamento de "LA Connection" e aqui está o francês Frédéric Slama novamente com o seu 14 álbum de AOR, chamado "Return to LA". Slama sempre chama uma longa lista de músicos convidados para tocar nos seus álbuns de AOR, mas a lista foi menor no seu último álbum e a mesma fórmula foi aplicada no álbum novo, o que significa que ele é acompanhado pelo onipresente Tommy Denander e o baterista Pat Thern. O resto do elenco consiste de vocalistas, oito mais precisamente. Três das dez canções são cantadas por Paul Sabu e embora eu tivesse uma baixa opinião dele ultimamente (prefiro a sua produção dos anos 80), eu tenho que admitir que ele me impressionou aqui. Para o disco: ele canta o tema de abertura "Victim Of My Own Desire", "The Sign Of Fire" e da faixa de encerramento "The Wisdom of Eve". Outro cantor que sempre admirei, é Jesse Damon (ex-Silent Rage) e ele teve ao cuidado as excelentes faixas "Angels Never Sleep" e "The Breaking Point". Em cada uma das restantes cinco canções aparece outro vocalista: Tommy Funderburk (Airplay, King Of Hearts) em "The Trail Of Your Heart", Rick Riso em "Dangerous To Know", Erika Norberg em " Burning Shadows", Bob Harris (Axe) em "99 Percent Chance Of Loving You" e os protegidos de Slama Sarah & Melissa Fontaine em "Love Remains The Same". Embora esses cantores ainda tenham que me convencer, eu posso alegremente informar que eles não me dececionaram nesta faixa em particular.
Conclusão: mais um álbum do AOR que contém música west coast e que, na verdade, soa bem, mas não vou chamá-lo de surpreendente.

Wild Shooter Band - Inside 2.0 (Deluxe Edition) (2015) Itália


Em 2008, a WSB publicou o álbum "On the Road" totalmente produzido e financiado por eles mesmos. Foi uma viagem até a cultura e mentalidade americana em 2009, a WSB tocou por Itália, com mais de 20 shows em muitos clubes famosos ao vivo espalhando sua música por todo o lado.
Em 2010, começou uma nova era para WSB com uma nova turné "ON THE ROAD TOUR" fazendo mais 25 shows ao vivo. A nova colaboração conjunta com o produtor musical DAVE Betchel de Nashville (TN) lança Wild Shooter Band numa nova dimensão no mesmo ano.
Agora em 2015 presenteia-nos com uma nova edição de Inside 2.0 (DELUXE EDITION).

ROB MORATTI's Tribute to Journey (2015) USA


Rob Moratti (Saga) é mais uma das "lendárias vozes do rock". Outra é de Steve Perry, que gravou muitas canções com uma pequena banda chamada Journey, e é amplamente considerado como um dos melhores cantores de melódico rock da história.
Rob, é homem suficientemente corajoso para fazer um álbum tributo a Journey porque, bem, porque, como muitas outras pessoas ele gosta de Journey. Então, tome doze das melhores faixas de Journey (todos os que estão num Greatest Hits ou noutro) e regravá-los, colocando sua própria assinatura neles, dando-lhes uma nova vida e energia. Segurem-se, no entanto, Rob não fez nada disso, ele apenas os regravou com música inferior e vocais inferiores.
Olha, não há nada de intrinsecamente errado com os vocais de Rob, como ele atinge as notas quando ele tem que o fazer (embora haja definitivamente alguma ajuda eletrônica em certos pontos - talvez seja apenas a produção, mas soa estranho). Mas, afinal, qual é a finalidade deste álbum? É um projeto de vaidade que apenas vai chamar a atenção aos fãs de Rob Moretti, e mesmo assim eles sabem muito bem que eles são melhores com os originais. A riqueza e paixão dos originais é filtrado, deixando um trabalho de homenagem que seria bom se o visse num pub. Estou espantado da Escape ter-se envolvido com isso, porque musicalmente é o equivalente a uma fotocópia da Mona Lisa.