sábado, 31 de março de 2018

POST DA SEMANA Jaded Heart - Devil's Gift (2018) Alemanha/Suécia



Poucas bandas podem se gabar tanto de uma carreira em andamento assim como de uma produção consistente de álbuns em 28 anos, mas os Jaded Heart podem. Formados na Alemanha em 1990, os Jaded Heart lançaram o seu primeiro álbum em 1994 e produziram consistentemente um álbum quase a cada dois anos. Eles regressam com o seu décimo terceiro álbum de estúdio, Devil's Gift. E é outro que vai aquecer.
Desfocando as linhas do género, os Jaded Heart oferecem melódico heavy metal com a acessibilidade de um groove hard rock. Eles fazem isso combinando os elementos musicais essenciais na combinação adequada. Isso inclui misturar melodia e harmonia nos arranjos de guitarras duplas e arranjos vocais limpos, solos de guitarra ferozes e ardentes, um toque de sintetizadores, power e groove da seção rítmica. Todas essas coisas se juntam nos roqueiros de melódico heavy metal, como The Enemy, Phoenix, Story Of My Life, Final Moment, e a faixa bónus Black Days. No entanto, no geral e como sempre, o destaque é mais para o heavy metal do que para o hard rock. Alternativamente, mais algumas músicas encontram os Jaded Heart movendo se para outra direção de heavy metal. Canções como The Enemy, Conspiracy Of Science e a supracitada Story Of My Life podem ter o ritmo do power metal.
No final, Devil's Gift simplesmente encontra os Jaded Heart em ótima forma, entregando o seu clássico melódico heavy metal embrulhado no hard rock. Não há nada de mal com a consistência constante. Se tu és fã dos Jaded Heart, não vais ficar desapontado.



quinta-feira, 29 de março de 2018

Ayreon - Ayreon Universe - Best Of Ayreon Live (2018) Holanda



AYREON Universe; The Best of Ayreon Live, alternativamente conhecido como simplesmente Ayreon Universe, é o próximo álbum ao vivo e DVD / Blu-ray do projeto de rock progressivo / rock de Arjen Anthony Lucassen Ayreon, a ser lançado em 30 de março de 2018.
Ao contrário do primeiro álbum ao vivo de Ayreon The Theatre Equation, que foi uma performance de palco do álbum The Human Equation, o Ayreon Universe foi apresentado como um concerto tradicional, com duas músicas adicionais de Star One, outro projeto de Lucassen.
"Ayreon Universe" é uma prova de que nunca deves dizer "nunca". Depois de criar óperas de rock no estúdio por mais de 20 anos, o criador do projeto, Arjen Lucassen, também conhecido como Ayreon, finalmente levou o seu universo ao palco em setembro de 2017.
Três shows esgotaram em poucas horas após a publicação. Mais de 9000 fãs de todos os cantos do mundo reuniram-se no local 013 em Tilburg, na Holanda, para assistir a este show tão esperado ao vivo.
Este desempenho único apresenta 16 cantores, 28 músicas, uma banda de 8 musicos e uma aparição especial de Arjen, com duração de mais de 2 horas.
O que eu realmente gostei no "Ayreon Universe" é a sua natureza: não um conceito / ópera rock que tens que seguir: na verdade, este é um Greatest Hits.
Onde obtens as melhores músicas / composições da carreira de Arjen Lucassen, com temas de todos os álbuns de Ayreon, incluindo "The Source" de 2017, além de alguns temas favoritos dos fãs de Star One.
Uma incrível variedade de vocalista parece trazer vida ao Ayreon Universe: Floor Jansen (Nightwish), Damian Wilson (Threshold), Hansi Kursch (Blind Guardian), Tommy Karevik (Kamelot), Anneke van Giersbergen (The Gentle Storm), Marco Hietala (Nightwish), Jonas Renkse (Katatonia), Mike Mills (Toehider), Marcela Bovio (Stream of Passion), Irene Jansen, Robert Soeterboek (Star One), John Jaycee Cuijpers (Praying Mantis), Edward Reekers (Kayak), Jay van Feggelen, Maggy Luyten (Nightmare) e Lisette van den Berg (Scarlet Stories).
À primeira vista, parece muito material para se apreciar ao ouvir. Bem, deixe-me dizer-lhe que ambos os discos fluem facilmente.
"Ayreon Universe" se beneficia de seu "formato de música". A maioria das composições foi reduzida em comprimento e, adicionalmente, as melhores e mais cativantes foram selecionadas da suculenta discografia de Ayreon.

  

Whiskey River Gun Club - 100 Proof (2018) Canadá


Ao ouvir este disco avivou me as memórias dos anos 70 e 80 em que bandas como Lynyrd Skynyrd , Thin Lizzy , Molly Hatchet , The Outlaws , Johnny Cash , Motorhead , AC-DC , Aerosmith, Mountain, Led Zeppelin e ZZ Top estavam na moda e explodiram através da colunas.
Lembro-me dos rápidos solos de guitarra eletrizantes e da bateria trovejante capturando minha atenção enquanto balançava meu corpo. Anos mais tarde, minha atenção ainda é cativada e continuo dançando ao estilo southern com os Whiskey River Gun Club. Com o seu som de alta potência e cheio de adrenalina, juntou-se a Tim Neuhaus no Ear Art Music Studio em Surrey, BC, e lançou o seu primeiro CD de 12 músicas. Canções que falam de tudo que o rock n roll é e sempre será. Bons tempos, sem arrependimentos e às vezes é preciso um álibi.
Os solos de guitarra elevam o som das bandas, no entanto, quando tens três guitarristas, Rob Thiessen, Greg Lowe e Pinto Stiletto, o som é intensificado a um nível de intoxicação por euforia que nenhuma quantidade de cervejas poderia alcançar. A relação entre um baixista e baterista define a base. Richie Lee (baixo) e Kevin Lovering (bateria) estão trancados no som sólido que dá à música o seu batimento cardíaco. Veteranos experientes da cena do rock que sabem como fazer um bom show e pela reação da multidão Rock N 'Roll nunca vai morrer.



quarta-feira, 28 de março de 2018

Monster Magnet - Mindfucker (2018) USA


No momento em que a discografia de uma banda chegou a dois dígitos, eles geralmente estabelecem muito bem suas musicas. E, a menos que a banda envolva imprevisibilidade de géneros, deixando o ouvinte inseguro sobre o que esperar de cada sucessivo disco, as surpresas geralmente são escassas. Então, com algum choque, aprendemos que o 11º álbum do Monster Magnet consiste em boa musica. Nos 27 anos desde o lançamento do Spine Of God, Dave Wyndorf e companhia nunca aprenderam nada de novo… exceto talvez a maneira ainda mais eficiente de se despir. Mindfucker é composto por 10 faixas de rock'n'roll de boa reputação, que mal possuem duas ideias originais entre elas. A voz de Dave, não é o que foi depois de quase 30 anos no negócio, é (deliberadamente?) Enterrada numa mistura enlameada, mas não tanto que é impossível distinguir o número de vezes que ele canta a palavra “bay-bay”. Dezesseis. Dezesseis vezes.
Mas assim como tu estás perdendo a esperança e a capacidade de ouvir Dave cantar essa palavra mais uma vez, When The Hammer Comes Down atinge te com o melhor riff do álbum. Na verdade, a música inteira bate absolutamente, o que torna o fato de que a faixa final é muito mais notória. Olha, todas essas músicas provavelmente vão soar brilhantes ao vivo e se tu pesquisares a discografia dos Monster Magnet, então encontrarás algo para te divertires em Mindfucker. Ouve e provavelmente terás um bom tempo.



terça-feira, 27 de março de 2018

ADLER'S APPETITE - Alive EP (2012) USA



Os fãs podem ouvir "Alive" o novo EP dos ADLER'S APPETITE - a banda liderada por GUNS ex-N 'ROSES baterista Steven Adler
Em "My Appetite for Destruction", Adler diz tudo, sem medo, abordando a sua luta com o vício em heroína e crack; sua ruína financeira depois de ter sido expulso dos GN'R, o seu casamento destruído, e os graves problemas de saúde que quase reivindicou sua vida em vários ocasiões.
Steven finalmente parece ter batido o seu vício de vinte anos. Ele manteve-se limpo e sóbrio para ao longo do ano passado, sob o olhar atento do amigo da família Dr. Drew Pinsky.
Em "My Appetite For Destruction", ele oferece a razão pelo qual ele acredita que foi expulso do GUNS N 'ROSES, e como ele levou 20 anos para se recuperar a partir desse golpe devastador.
Embora seus primeiros anos foram um pesadelo incessante de comportamento destrutivo, Adler, que teve overdoses mais de 20 vezes, teve pelo menos dois ataques cardíacos e derrames, está vivendo agora limpo e saudável. Ele encontrou a salvação em sobriedade e o seu primeiro amor - a música. Steven está atualmente desfrutando do sucesso dos ADLER'S APPETITE sua nova banda.



segunda-feira, 26 de março de 2018

L.A. Guns - Made in Milan (2018) USA



O festival anual Frontiers Rock em Milão é um bom momento para ver grandes bands do portfólio da Frontiers Music ao vivo no palco e é um acontecimento que é muito divertido para os fãs de hardrock, AOR e melódico metal. Além disso, oferece uma ótima oportunidade para a etiqueta gravar shows com o objetivo de lançar álbuns ao vivo durante os próximos doze meses.
Alguns desses álbuns ao vivo já foram revelados e o próximo é o line-up. A potência do Hardrock L.A. Guns fez um show nos últimos anos do festival Frontiers Rock como parte de sua 'Reloaded Tour 2017' e o show agora está disponível em CD e DVD / BluRay.
A banda tocou numa antiga escola em Milão, com foco na estreia e "Cocked & Loaded". Canções desses dois álbuns construíram a base no alinhamento de um concerto que cobriu todos os períodos de Tracii Guns and Co ..
Além disso, o álbum vem com uma produção adequada e não soa a superproduzido. No final, não há nada errado com este álbum ao vivo, mas também não é do outro mundo. "Made in Milan" oferece uma visão geral sólida do trabalho criativo dos L.A. Guns numa configuração ao vivo, não mais nem menos.

  

Palace of the King - Get Right with Your Maker (2018) Austrália



Há certas bandas que te tocam no ponto certo e os Palace Of The King fizeram isso quando eu ouvi pela primeira vez o seu álbum de estreia ' White Bird / Burn The Sky '.
Depois seguiu-se um lançamento igualmente grandioso ' Valles Marineris ', e eu queria saber se seria igualmente bom pela terceira vez!
Bem, eu posso facilmente dizes que ' Get Right With Your Maker ' segue na mesma linha como seus antecessores.
O álbum começa com o primeiro single ' I Am The Storm ', uma faixa que te tece e envolve num som familiar abrangendo todos os álbuns anteriores. A voz única do vocalista Tim Henwood ainda tem aquele toque áspero de Brian Johnson misturado com Donnie Vie, dos Enuff Z'Nuff, o que realmente ajuda a dar às músicas um pouco de força.
Esta é uma banda que não deixou o facto de serem da Austrália impedi-los de terem uma agenda de turnês incansável, que por sua vez ajudou a reforçar este álbum com essa experiência acumulada que por sua vez levou a um som que tu não consegues separar.
A mistura de guitarra dos anos 70, harmonias e batidas que certamente fazem bater o teu pé e abanar a tua cabeça, tu não podes deixar de chegar ao botão de volume e dar-lhe um grande aumento em decibéis.
É difícil fazer uma análise imparcial de algo que preenche todas as suas medidas.



The Dead Daisies - Burn It Down (2018) Austrália



THE DAAD DAISIES lançam o novo álbum intitulado BURN IT DOWN via Spitfire Music / SPV – no dia 6 de abril de 2018
BURN IT DOWN é brilhante e musculado, um tornado na bateria, baixo pulverizador, guitarras gritando e voz crua que te vai derreter. Evocando o melhor Rock dos anos 70, com momentos de melhor de Birmingham, misturado com os primeiros trabalhos dos Boston, em 06 de abril de 2018 'Burn It Down' vai fazer exatamente isso: Queimar tudo no seu caminho até que não haja mais nada em pé.
Gravado em Nashville com Marti Frederiksen no comando, a banda terminou seu o 4º álbum de estúdio 'Burn It Down' em dezembro, com Anthony Focx mais uma vez lidando com o mix e masterizando a lenda Howie Weinberg adicionando sua mágica.
Com a banda ansiosa para pegar a estrada e na verdadeira moda dos Daisies, a banda anunciou a primeira das muitas datas do BURN IT DOWN-TOUR marcadas para 2018 antes do Natal. Muitas outras datas serão anunciadas, incluindo o retorno altamente antecipado da banda ao Japão e à América do Sul!
Com Deen se juntando à formação da banda para gravar o novo álbum, The Dead Daisies são: Doug Aldrich (Whitesnake, Dio), John Corabi (Motley Crue, O Grito), Marco Mendoza (Whitesnake, Thin Lizzy), Deen Castronovo (Bad Inglês, Journey) e David Lowy (Red Phoenix, Mink).

  

Stormzone - Lucifer's Factory (2018) UK



O novo trabalho dos Stormzone, intitulado “Lucifer’s Factory”, que é lançado mundialmente em abril de 2018. Este é o sexto álbum dos irlandeses e cujos lançamentos anteriores tiveram ótimas opiniões nas principais revistas da especialidade.
“Lucifer’s Factory” segue a mesma linha e não decepciona ao longo das 13 faixas do mais puro clássico Heavy Metal, misturando alguns sons de Hard Rock e AOR. Produção limpa e pesada, boa capa, além disso temos a excelente voz de Harv Harbinson, que interpreta os temas cravados nas raízes celtas da banda com maestria e conhecimento de causa. O resultado disso são refrões cativantes e músicas que ficam na sua cabeça por muito tempo.
Em 2018 os Stormzone completam 12 anos de atividades e, nesse tempo, percorreram a Europa tocando com grandes nomes do Heavy Metal mundial (Stryper, Saxon, Y & T, Sebastian Bach, Tesla e outros), além de tocar em grandes festivais como Wacken Open Air, Lorca Rock Festival, Headbangers Open Air, Metal Days, Leyendas Del Rock, Sonisphere, Bloodstock Open Air, Metal Assault Festival entre outros!



domingo, 25 de março de 2018

POST DA SEMANA No Hot Ashes - No Hot Ashes (2018) UK



Às vezes, as coisas boas levam muito tempo para serem feitas, como um uísque escocês saboroso de malte de 12 anos. No caso de NO HOT ASHES ... exatamente 34 anos. De fato, esta fantástica banda de AOR com base em Northern Irish edita o seu primeiro álbum, " NHA / No Hot Ashes ", pela Frontiers Music.
Formados em 1983, foram influenciados por todas as grandes bandas; Journey, Foreigner, Whitesnake, Thin Lizzy e Ozzy. Eles lançaram seu primeiro single 'She Drives Me Crazy' em 1986. Por volta desse período, eles conseguiram fazer shows como banda de apoio com Mama's Boys, Magnum, Girlschool e muito mais.
No Hot Ashes para assinar um contrato com a editora GWR Records em 1988, juntando-se a Motorhead, Girlschool e Hawkwind na lista de talentos, gravando seu primeiro álbum no final daquele ano. A banda levantou ferro e partiu para Londres para estar mais perto de sua editora.
Como muitos, o que começou com uma nova esperança, terminou em desastre, como o álbum nunca foi lançado e o grupo se desfez em 1990.
Avançando para 2013, quando alguém teve a brilhante ideia de reunir a banda para um show de reunião. Essa chama acendeu um fogo e a banda se viu apoiando ícones do rock como FM, Aerosmith, Foreigner, UFO e Scorpions.
Em 2017, No Hot Ashes regressou ao estúdio para gravar o seu primeiro álbum, cuidadosamente guiado pelo baixista dos FM, Merv Goldsworthy, e pelo baterista Pete Jupp.
Depois de muita espera, o álbum chega com alguma tristeza. O membro fundador e baixista Paul Boyd sucumbiu com cancro no mesmo ano. O álbum é respeitosamente dedicado a ele.
“Come Alive” soa tão vibrante quanto deveria, uma vez que eles esperaram três décadas para conseguir algumas músicas por aí. Uma espécie de abordagem moderna do melódico rock, quaisquer semelhanças com os FM são puramente intencionais, dado que Merv Goldsworthy e Pete Jupp mexem nos botões aqui.
O tipo de gravação em que os teclados são tão importantes quanto a guitarra, é um material AOR confiante e elegante.
O mesmo poderia ser dito para o resto, na verdade. Há um toque de Toby Jepson (Fastway, Little Angels) na voz de Eamon Nancarrow, mas particularmente em “Good To Look Back”, enquanto o gancho e o bom solo vão fazer te perguntar porque é que eles nos deixaram por tanto tempo.
"Satisfied" com o seu saber atrevido, é uma classe de mestre em como fazer melódico hard rock maduro e, sim, os braços são destinados a ir no ar aqui - enquanto a balada AOR "Boulders" é raro em sua poesia e introspeção.
Mais ou menos na metade do disco chega, talvez a sua momento chave.
“I'm Back” (ironia no título provavelmente pretendido) começa com um grito exultante. Se é a alegria de finalmente descobrirem isso só eles sabem, mas, parece que pode ser.
Como toda a melhor música deste tipo, há uma vibração, uma batida e uma palpitação sobre "NHA". "Glow" tem todas essas coisas e ainda soa bem.
"Over Again", por outro lado, recebe pontos bônus por três coisas. 1) começando com um solo - sempre campeão 2) Grandes harmonias e 3) Um solo de gêmeo estilo Thin Lizzy no final.
"Johnny Redhead" é essencialmente a melhor canção que os Little Angels não tiveram na sua estreia, e "Souls" não conta apenas a história de uma garota da pequena cidade (provavelmente num mundo solitário) e um menino da pequena cidade (onde ele Nasceu e cresceu não está claro), mas também tem pontos de Journey apenas no caso de não teres a certeza.
Termina praticamente da mesma maneira estridente que começou. Apropriadamente, “Running Red Lights” mostra a todos um par de saltos antes de ir para o horizonte o mais rápido que puder. Assim como o puro melódico hard rock deveria ser, francamente.
Esqueça a história de fundo, se "NHA" fosse um disco de estreia de uma nova banda, seria louvado como especial. Adicione tudo o que aconteceu ao longo do caminho para No Hot Ashes e isso se torna excecional.
Isso é puro material sonoro dos anos 80, da composição à produção. O que eu gosto disto é que já faz mais de três décadas, e parece que deram sangue, suor e lágrimas a cada música.
Eles também não exageraram, e com apenas 10 faixas (mais um bônus), não há um enchimento à vista, quando eles poderiam ter uma tendência a colocar 15 músicas no disco, e torná-lo um pouco aborrecido.
É um álbum lindo, todo melódico Rock / AOR, e um dos meus favoritos este ano até agora.



quinta-feira, 22 de março de 2018

EverLevel - Hardwork (2018) Espanha



Depois de quatro anos na criação, a banda Espanhola EVERLEVEL está lançando "Hardwork", o seu novo álbum. Estes são músicos experientes que trabalham juntos desde meados dos anos oitenta e sob diferentes nomes.
O estilo musical EverLevel sempre foi uma mistura de melodias hard rock inspiradas nos anos 80 com fortes melodias AOR.
A EverLevel lançou um álbum independente no início dos anos 90, depois mudou o nome para La Fase, lançando um CD autointitulado que ganhou uma sólida reputação e opiniões no passado.
Depois disso, eles continuaram tocando e gravando com o nome Arka (um álbum) e EverLevel novamente (último álbum de 2014).
Depois de quatro anos de “Hardwork”, temos este novo álbum, muitas músicas energéticas cheias de melodia, como os FM / Overland, Journey, etc.
O som geral e a produção são um pouco “ásperos”, mas esse é o estilo que os EverLevel querem, de acordo com os membros da banda.
O que eu gosto no EverLevel e nas músicas de “Hardwork” é a forte presença de teclados / sintetizadores em todas as faixas. As teclas são um elemento substancial na música, definindo a orientação clássica do AOR.
Eles têm uma música chamada "AORland", e isso fala por si. No entanto, a música (e tudo no álbum) é cercada por fortes guitarras elétricas, proporcionando um ataque muscular.
Ouve o single / vídeo "Never Give It Up", e isso dá te uma pista do que é os EverLevel.
É tudo muito cativante, bem organizado e profissionalmente gravado, coisas de classe para todos os aficionados de Melodic Hard Rock / AOR.



quarta-feira, 21 de março de 2018

TABERAH - Necromancer (2013) Austrália



Hard 'n' Heavy\ Power Metal! Vindos dos antipodas, Taberah; "os infames diabos da tâsmania"; são um quarteto de rapazes que gosta de fazer a malta rockar até que nada mais reste em pé. Revitalisando as suas memórias dos anos 80, estes aussies; mais própriamente da Tâsmania; são algo a ter em conta nesta infindável indústria da musica. Antes de mais vou levar-vos até ao ultimo tema deste 2º disco de originais, Burn; uma versão bem potente e bem captada de Deep Purple. Se é metal é para ser tocada como tal, e vai daí dão-mos uma paulada na cabeça com esta sua versão bem metálica; ainda estou combalido, e já vou na 7ª audição seguida. Estou boqui-aberto com tamanha destreza, bravo rapazes.
Olhando pela capa, não lhes dava sequer 2 segundos do meu tempo, mas como vinha um video junto, lá tive que engolir mais um sapo. Um grande disco de Hard Metal, old-school, melódico e excelentemente produzido por Stu Marshall (Death Dealer; Empire of Eden; Dungeon), mas uma anotação fraca para a mistura final de Joe Haley que falhou em poucos mas importantes pormenores como o fading. Linhas de guitarra bem melódicas com a força de guerra nas veias puxam pelos riffs potentes e recrutam-nos de imediato para combater a seu lado as inumeras batalhas que cantam nos seus temas. Podem bem perder o vosso tempo a ouvir isto que tenho a certeza a seguir vão acabar por repetir vezes sem conta. Crédito devido, é muito acima da habitual leva de "wanna Be's" que aparece como cogumelos todos os dias. Os musicos são bastante competentes e o vocalista é bem certinho com o timbre ideal para este tipo de musica, parecendo por vezes Dave Mustaine.
Uma grande homenagem às bandas metálicas dos anos 80, e uma certeza de que irão levar bem longe a sequência genética do género, não foi à toa que Lemmy os escolheu como banda de suporte para a touné australiana dos Motorhead.
Poderoso, selvagem, com atitude e montes de talento, vão ser grandes! Super recomendado!
Mcleod Falou!



terça-feira, 20 de março de 2018

Hogjaw - Devil in the Details (2008) USA


Hogjaw é uma banda norte-americana vinda do deserto do Arizona, formada em 2006, por quatro amigos da mesma cidade. O estilo da banda é um tipo de Southern Rock mais pesado, com muita influência Country Western, Bluegrass, Hillbilly Porch, Rockabilly e Heavy Metal. As letras da banda retratam histórias dos costumes locais, bebidas, auto-estrada e sobre o velho-oeste.
Com vocais graves, guitarras expressivas e uma bateria trovejando em chamas, a banda lança em 2008, o seu primeiro álbum de estúdio chamado Devil In The Details. O álbum ficou no Top 10 de vendas da CDBABY.com, e os vídeos do disco foram parar no Top 10 da OurStage.com, batendo recorde de vendas.
Dois anos depois, a banda lançou o seu segundo álbum de estúdio, Ironwood, em 2010. O álbum também bateu recorde de vendas, e suas faixas alcançaram boas posições nas paradas norte-americana.
A banda provou que surgiu para somar, mostrar que o Southwest Rock ainda está vivo, e que bandas boas podem sim surgir nessa era em que tudo está ficando cada vez mais medíocre de se ouvir.
O quarteto é formado por JonBoat Jones (Vocal/Guitarra), Craig Self (Guitarra Solo), Elvis DD (Baixo) e J. "Kwall" Kowalski (Bateria).



Herman Rarebell & Friends - Acoustic Fever (2013) Alemanha


Diz Rarebell:.
"Eu tive a idéia de Acoustic Fever em 2011, como eu pensei que seria uma boa ideia para fazer outro álbum solo com todas as minhas músicas que eu escrevi ou co / escrevi com minha antiga banda, os Scorpions Mas desta vez eu pensei em fazer todas aquelas músicas de novo acusticamente! Então eu comecei a entrar em contacto com os cantores que eu tinha já no meu primeiro álbum solo como Don Dokken e Jack Russell e eles disseram que sim que eles gostariam de fazer parte deste novo projecto.
"Meu amigo Michael VOSS me apresentou a estrelas cantores Alex Ligertwood de Santana e Tony Martin de BLACK SABBATH, PAUL Shortino e JOHNNY JIOELI que trabalhou com ele antes. Conheço BOBBY KIMBALL de uma sessão que fizemos juntos em 2007. JOHN PARR eu conheço da Inglaterra e como nos tornamos amigos nós nos encontramos em Londres e Brighton em 2010. DOOGIE WHITE é o cantor no Temple of Rock de MICHAEL SCHENKER, então eu perguntei-lhe também se queria juntar-se a nós para este álbum. GARY BARDEN Eu conheço há muitos anos, então eu perguntei-lhe e eu estou feliz por ele também cantou uma canção no álbum.
"Em 2012 eu produzi um álbum com uma banda chamada Unbreakable da Alemanha e eu achei o cantor GEORGE DANIELS fantástico, Então eu perguntei-lhe se queria cantar também neste álbum MICHAEL NAGY é de Fresno, Califórnia, e foi-me apresentado pelo meu amigo Corey Whitehead, que toca também flamenco -.! Guitarra acústica no álbum que eu estou realmente feliz por ter todos esses grandes cantores no meu álbum e eu também estou feliz que eles disseram que sim para fazer isso estou ansioso para conhecê-lo todo no Acoustic Fever Tour! "


Michael Schenker - A Decade of the Mad Axeman (2018) Alemanha


Haverá poucas pessoas que classificariam a produção do guitarrista Michael Schenker nos 10 anos a partir de 2006, chegando mesmo a combinar o que ele conseguiu com UFO e MSG nos anos 70 e 80. No entanto, como prova essa compilação de dois CD, a música que ele fez no século XXI está longe de ser desastrosa.
O primeiro CD foi tirado de um período que o viu lançar o álbum subestimado MSG The Midst Of Beauty, pelo qual se reuniu com o vocalista Gary Barden, com quem gravou o mais importante material de MSG. E a combinação funcionou muito bem em músicas como I Want You e Night To Remember. Menos impressionantes, porém, são as faixas de Temple Of Rock, tiradas dos três álbuns lançados entre 2011 e 2015. Embora elas realmente não atendam às expectativas, o voz de Doogie White é confiante e competente, e a seção ritmo dos Scorpions, o baterista Herman Rarebell e o baixista Francis Buchholz acrescenta um certo brilho. Mesmo quando a qualidade geral das músicas é um pouco abaixo do desejado, Schenker ainda prova ser maravilhosamente criativo na guitarra, adicionando seus próprios sabores únicos ao som.
O segundo CD é ao vivo e vem de cinco shows entre 2010 e 2016, incluindo apresentações em Tóquio, Londres e Madrid. É aí que as coisas realmente decolam, porque eles têm energia, poder e paixão. Embora diferentes carreiras estejam envolvidas, todos estão claramente comprometidos com as músicas e entregam o melhor. A propagação de canções funciona na gama da ilustre carreira de Schenker até a data, e inclui clássicos dos UFO ( Doctor Doctor , Lights Out , Rock Bottom ) e MSG ( Armed And Ready, Attack of The Mad Axeman , Desert Song ). Há até um sinal para os Scorpions com a inclusão de Rock You Like A Hurricane, embora isso seja mais sobre Rarebell e Buchholz, já que Michael não teve nada a ver com a gravação do mega hit dos Scorpions. Há delícias nessas gravações ao vivo, e o próprio Schenker está inspirado em todas. As faixas de Londres (2011 no High Voltage Festival) e Tóquio (2010 e 2016) são os principais pontos aqui.
No geral, esta coleção de Schenker não é vintage, mas ainda há muito a ser louvado, e é uma boa lembrança de seu brilho duradouro.

  

sexta-feira, 16 de março de 2018

POST DA SEMANA Velvet Viper - Respice Finem (2018) Alemanha



Os mais velhos ainda se lembram deste nome Jutta Weinhold. A carismática vocalista que foi a fundador dos Zed Yago, uma banda de metal alemã que teve um enorme sucesso na década de 80 com a sua estreia “From Over Yonder". O segundo álbum "Pilgrimage" também não foi um mau álbum, seguido por Weinholz deixando a banda em 1990.
O que aconteceu foi anos de metal que nunca trouxe de volta o anterior sucesso dos Zed Yago, nem para a nova formação de Zed Yago, nem para Weinhold e sua banda de metal recentemente criada Velvet Viper. Dois discos, essa é a discografia de Velvet Viper e foi o lançamento de 1992 "The 4th Quest for Fantasy" que fechou um capítulo ... pelo menos até agora.
Do nada, Velvert Viper está de volta com uma nova formação e um novo álbum. Ao lado de Weinhold, o fator constante, é Fabian Ranft (b), Holger Marx (g) e Micha Fromm (d) que fazem parte dos Velvet Viper.
Como tu esperas, "Respice Finem" apresenta músicas de metal dramáticas que eu descreveria como melódico metal. A singularidade de Velvet Viper é sem dúvida a voz de Weinhold que pertence aos mais icônicos do metal. É incrível que ela possa manter essa voz por mais de quarenta anos. O que podes ouvir em "Respice Finem" pode não ser tão bom quanto o primeiro álbum dos Zed Yago, mas ainda é música bastante boa, que está enraizada no metal tradicional.
O álbum pode perder um pouco de power para o final, mas músicas como "Do not Leave Before Wintertime", "Shadow Ryche" e o uptempo "Fraternize With Rats" são excelentes músicas de power metal. No entanto, também a segunda metade tem seus momentos. O "Stormy Birth" que se arrastra lentamente é um deles e "Law of Rock" é outro.
"Respice Finem" é um bom disco de metal que traz a excelente voz de Jutta Weinhold de volta ao metal.



Powerized - The Mirrors Eye (2018) Holanda


Banda de power metal holandesa Powerized - liderada pelo vocalista ex-Vicious Rumors Nick Holleman - anunciou o lançamento iminente do álbum de estreia "The Mirror's Eye", que será lançado em 16 de março de 2018.
Powerized é a criação do multi-instrumentista e vocalista Nick Holleman. Estes cinco músicos da Holanda são conhecidos por sua profundidade lírica e contador de historias, combinados com um som de melódico metal irresistível e intensos vocais limpos.
Depois de lançar a demo "My Creed", da qual a faixa do título ganhou status de culto, os Powerized tem tocado extensivamente em toda a Holanda e no resto da Europa. A banda rapidamente ganhou uma formidável reputação ao vivo. Eles embarcaram em sua primeira turnê europeia em setembro de 2014.
Depois disso, Powerized voltou ao estúdio e saiu com "Where Worlds Meet the Eye", que foi misturado e masterizado por Matt Smith dos Theocracy. Este single foi lançado ao público durante um show esgotado com os lendários Helloween. Na sequência do single, uma segunda turnê seguiu, apoiando Death Dealer (ex-Manowar, Halford, ex-Dungeon) e Flotsam e Jetsam.
De uma completa extravagância headbanging a músicas de tirar o fôlego, de grandes sinfonias épicas para composições suaves, os shows dos Powerized são cativantes do início ao fim.
Fonte: facebook.com/powerizedofficial/



Felskinn - Mind over Matter (2018) Suiça



Felskinn foi originalmente formado por Andy Portmann em 2005. O álbum de estreia autointitulado foi gravado com músicos convidados e lançado em março de 2006. A primeira música no álbum "170105" foi posteriormente regravada por Kai Hansen e apareceu como "Built A World" na versão de 2014 "Empire Of The Undead" dos Gamma Ray (nº 13 nas paradas alemãs). A banda tocou inúmeros shows e festivais. Em abril de 2007, o segundo álbum "Listen!" foi lançado, seguido novamente por turnês intensivas. Devido às "famosas" diferenças musicais, a banda se dissolveu em 2008. Portmann começou um projeto ao vivo com Mandy Meyer, tocando músicas de suas bandas anteriores. Em 2010, Portmann formou os Felskinn, seguimento da banda Download e começou a trabalhar no álbum "Eleven Stages", lançado em abril de 2014. A banda ao vivo incluiu a formação atual dos Felskinn com um baterista diferente. Ao trabalhar no próximo álbum "Mind Over Matter", Portmann decidiu trazer de volta o nome da banda Felskinn. Com a produção internacional de "Mind Over Matter" e o novo contrato assinado com Rock Of Angels Records, os Felskinn estão prontos para atingir o mercado mundial!
Fonte: felskinn.ch



quinta-feira, 15 de março de 2018

Stone Temple Pilots - Stone Temple Pilots (2018) USA



Stone Temple Pilots (2018) é o sétimo álbum de estúdio da banda de rock americana Stone Temple Pilots, programado para lançamento em 16 de março de 2018. O álbum é o seu segundo álbum consecutivo autointitulado da banda, com o primeiro álbum autointitulado sendo lançado em 2010. O álbum é o primeiro com o novo vocalista Jeff Gutt, que se juntou à banda e o primeiro sem o vocalista original Scott Weiland, que morreu em 2015.
O primeiro single, "Meadow", foi lançado oficialmente em 15 de novembro de 2017. O segundo single, "Roll Me Under", foi lançado em 31 de janeiro de 2018.



quarta-feira, 14 de março de 2018

Little Caesar - Eight (2018) USA



Little Caesar, os bluesy, ballsy, biker rockers de Los Angeles regressam com o seu quinto álbum de estúdio “Eight” no dia 16 de março no Golden Robot Records. O álbum soa como parte dois de sua estreia autointitulada em 1987. Fiquei mais do que surpreendido com os ganchos cativantes e os coros que este álbum tinha. Eu estava rufando no ar e balançando a cabeça durante todo o álbum.
"Good Times" é uma daquelas músicas que me fizeram bater repetidamente o pé com seus grooves. "Straight Shooter" é exatamente o que é intitulado; um hard rock que te atinge na tua cabeça com guitarras rasgadas e uma batida que mantém o teu pé batendo. Ron Young, o vocalista, também é incrível na música mais suave "Morning", que abranda as coisas é o meu tema favorito no álbum. Esta música tem essa sensação dos anos 80 com uma ponta de 2018. A faixa principal, "21 Again", pode ser o seu hino de regresso, pois esta música leva-te a pensar nos dias em que o hair metal governou.
Little Caesar era apenas uma dessas bandas que estavam no lugar errado na hora errada, pagaram suas dívidas e ficaram com o que gostaram de fazer, o que estão tocando é pelo amor de tocar. Com o ressurgimento de tantas ótimas bandas daquela época, agora é a sua vez e eles estão aqui para ficar por um tempo com este lançamento matador.



W.E.T. - Earthrage (Japanese Edition) (2018) Suécia



O rock melódico está vivo e bem de saúde. Sabem porquê? Porque está aqui um novo lançamento dos WET mais uma vez para satisfazer nossa fome de música deste género. Eric Mårtensson, praticamente é a pessoa da música mais trabalhadora do planeta com álbuns de sua própria banda, Eclipse e outro com os Ammunition, voltou a conceber outro grande álbum como só ele sabe fazer, o novo álbum intitulado Earthrage. Nove músicas (doze musicas na Japanese Edition) de brilho puro, a banda é composta pelo vocalista principal Jeff Scott Soto, o teclista Robert Säll, o baterista Robs Bäck e os guitarristas Magnus Henriksson e Eric Mårtensson, e estão a lançar um terceiro álbum de estúdio.
A primeira música e o single "Watch The Fire" já deveriam ter arrancado os teus motores quando foi lançado semanas atrás. Nomeie qualquer outra música aqui e vai acontecer a mesma coisa. "Burn", "Kings On Thunder Road" e "Dangerous", todos têm perfeitas melodias melódicas e guitarras rasgadas de Henriksson e Mårtensson. Se Måartensson é o homem com o trabalho mais difícil, então Soto é o vocalista mais difícil do trabalho. Com um álbum solo no ano passado, além de ser o vocalista dos novos Sons Of Apollo, Soto mais uma vez é brilhante aqui cantando música após música e pode ser o melhor vocalista melódico de hoje, se não um dos melhores. "Calling Out Your Name" definitivamente vai fazer-te acreditar nessa afirmação. Porque eles estão tão ocupados com outros projetos todo o tempo, esta banda só pode tocar esporadicamente ao vivo aqui e ali e principalmente na Europa, o que é uma verdadeira vergonha, pois os shows que eles fazem recebem bons elogios das suas atuações.
Produzido e projetado por Mårtensson, o Earthrage aparece no dia 23 de março pela Frontiers Records e vai chamar a tua atenção como os dois anteriores.

  

FM - Atomic Generation (2018) UK



Uma das bandas mais queridas de AOR é sem qualquer dúvida os FM. Desde o seu álbum de estreia, " Indiscret " em 1986, os FM sempre lançaram discos de alta qualidade e extremamente melódicos. Para citar alguns (e, claro, eu gosto de quase todos), "Tough It Out", "Aphrodesiac" e a mais recente "Metropolis" e "Rockville" são ótimas amostras de uma banda incrível.
"Atomic Generation" é o décimo primeiro album oficial da banda, através da Frontiers Music srl , que verá a luz do dia a 30 de março deste ano.
O novo álbum é lançado como o mais forte "Black Magic". Este é um dos bons, nervoso e mãos no ar para este hino melodic rock que o mais certo é que será um futuro clássico e uma dessas músicas que são feitas para grandes arenas. "Too Much Of A Good Thing", " Killed By Love " e o groovier "In It For The Money" são as três músicas clássicas dos FM cheias de marcas anteriores da banda. E isso é grandes melodias, grande groove e, claro, excelentes vocais pelo próprio e único Sr. Steve Overland.
"Golden Days" é uma dessas músicas que tornaram os FM famosos. Uma joia de melódico rock que inclui algumas belas harmonias, uma forte linha melódica espetacular, guitarras harmônicas e um coro para cantar durante vários dias. O bluesier "Playing Tricks On Me" é mais um destaque enquanto "Make The Best Of What You Got" (lembra um pouco de Bryan Adams), o mais ousado "Follow Your Heart" e a balada "Love Is The Law" bem-feita pelos FM.
Os FM com sua nova geração "Atomic Generation" continuam o seu legado e oferecem coisas fortes, apaixonadas e rock melódico de alta qualidade da maneira que eles melhor conhecem.



terça-feira, 13 de março de 2018

Bulletboys - From out of the Skies (Japanese Edition) (2018) USA



Tiveram algum sucesso, mas breve, no final dos anos oitenta e início dos anos noventa, pensei que os BulletBoys eram história. Mas para minha surpresa, apesar de alguns soluços ao longo do caminho, os BulletBoys têm sobrevivido no underground e gravando álbuns, liderados pelo fundador e vocalista Marq Torien (Mark Maytorena), a única constante. A banda lança o décimo primeiro álbum de estúdio “From Out Of The Skies” com Frontiers Music.
Tenho poucas lembranças da música inicial dos BulletBoys. Pouco me lembro de sua estreia autointitulada que atingiu um disco de platina. From Out Of The Skies chega-me praticamente sem pressupostos nem expectativas. Basicamente, BulletBoys oferece melódico hard rock com uma leve ponta de metal. A maioria das músicas é simplesmente rock com bom groove, fortes linhas de baixo, finos solos de guitarra, melodias cativantes e refrões inesquecíveis. Torien canta limpo com força e atenção à melodia e à harmonia.
Falando de alguns destaques, o álbum começa com rock infundido de metal em Apocolypto e D-Evil, que apresenta Jesse Hughes dos Eagles of Death Metal como vocalista. Depois, começa o WhatCha Don't com uma enxurrada inicial de riffs e bateria que se movem num riff forte, grande batida de bateria, rocker. Com o P.R.A.B., os BulletBoys soltam alguns teclados peculiares para iniciar outro riff rocker injetado em metal. Então, no meio do tema ou assim, tem um funk rock groove. Não é tudo rock e heavy. Ambos os temas, Hi-Fi Drive By e Once Upon A Time têm mais uma vibração AOR na melodia, no Groove e no arranjo vocal. Depois, há as baladas Losing End Again e Switchblade Butterfly que apresentam a voz de Torien sobre a guitarra acústica. Escusado será dizer, From Out Of The Skies oferece alguma variedade nas músicas, o que torna o álbum interessante, divertido e um pouco imprevisível.

  

segunda-feira, 12 de março de 2018

Axel Rudi Pell - Knights Call (2018) Alemanha



O fértil alemão Axel Rudi Pell está de volta com outro trabalho comprometido no power / melodic metal. Como um relógio, ele lança um álbum de material novo a cada dois anos. 'Knights Call' é a décima sétima versão de Pell desde que deixou os Steeler em 1989.
Este álbum não está com a fórmula testada e confiável de trabalhos anteriores. Isso será um alívio para os fãs da Continental que compram música em caminhões e reúnem shows. Embora menos avidamente seguiu no Reino Unido, o 'Game of Sins' de 2016 decepcionou brevemente as tabelas de rock e metal. Este é um seguimento decente o suficiente.
O tema de abertura 'The Medieval Overture (Intro)' apresenta um tom extraordinário antes de o álbum entrar nas duas faixas mais fortes. 'The Wild e Young' e 'Wildest Dreams' se alimentam de riffs e coros melódicos. O último é sustentado por alguns floreados bem-sucedidos de Hammond. Mais tarde, 'Follow The Sun' é um excelente brinde.
'Truth and Lies' é uma divertida montra do meio-ritmo da guitarra habilidosa e inventiva de Pell. A faixa também apresenta algumas divertidas pausas de teclado de Ferdy Doernberg e algumas atraentes linhas de baixo são cortesia de Ferdy Doernberg.
Como é típico do material de Pell, as faixas épicas são fortes e rápidas. A balada semi-acústica, 'Beyond The Light' é provavelmente a melhor delas. Grande solo.
'The Crusaders of Doom' está bem junta, com um ótimo trabalho de Pell, se apenas um pouco trabalhada com mais de oito minutos. 'Tower of Babylon' é para fechar o álbum e os relógios com um pouco menos de 10 minutos. Mais uma vez, a faixa é competente e cuidadosamente elaborada com um som adorável. Mas o problema é que uma mistura de Stargazer com Kashmir para ser uma audição difícil. Quase um tributo a ser levado a sério.
Johnny Gioeli o vocalista com um tom grave e muito power, sobretudo no "Beyond The Light". Estou tentando evitar as comparações óbvias, mas há algo de Klaus Meine nos arranjos vocais. Embora não esteja no conteúdo. As letras muitas vezes retornam ao bom medieval versus território malvado. Basta castelos e cruzadas e cavaleiros para ter mantido Ronnie James Dio no negócio, Deus descansa no seu coração nobre.
Os únicos temas menos interessantes são "Slaves on the Run" e "Long Live Rock", que é muito clichê e decadente para ser um verdadeiro hino.
Tudo aqui é bem tocado e lindamente produzido com alguns bons momentos entre alguns mais comuns.



sábado, 10 de março de 2018

POST DA SEMANA NIGHTWISH - Decades (2018) Finlândia



Os gigantes de metal sinfónico finlandeses NIGHTWISH está comemorando o 20º aniversário lançando "Decades", um CD duplo contendo versões remasterizadas do material de toda a carreira. E eles começam a turnê para "Decades: World Tour".
A banda vai sair em turnê pela América do Norte em março e voltar para a Europa a partir de maio para comemorar seu 20º aniversário - e vai tocar material raro desde os primeiros dias.
O líder dos Nightwish, Tuomas Holopainen, disse: "6 de julho de 1996, foi a data exata marcada no livro de visitas da cabana de verão da minha família. Naquela data, por uma fogueira, foi tomada uma decisão para formar uma banda de três membros, tocando música acústica atmosférica liderada por uma voz feminina ".
Quinze meses depois, este grupo batizado como NIGHTWISH lançaria o seu álbum de estreia e, mais de duas décadas depois, lançaria uma compilação, incluindo músicas de oito álbuns de estúdio e da primeira demo que deu o nome à banda.
"Decades" é uma excelente compilação para iniciantes, abrange todas as eras da banda, incluindo todos os seus famosos vocalistas: Anette Olzon, Tarja Turunen e Floor Jansen. Tudo totalmente remasterizado.

  

sexta-feira, 9 de março de 2018

Borealis - The Offering (2018) Canadá



Borealis é uma das melhores bandas de melódico Prog Metal de hoje. E nada demonstra mais do que o seu último trabalho, The Offering.
Parece-me que depois de ouvir os seus dois primeiros álbuns, ambos regravados, depois de um álbum tão forte como o Purgatory, a banda estava pronta para avançar e criar o que é facilmente o seu melhor álbum até à data. Ainda mantendo o mesmo tipo de sensação de Evergrey (Prog melódico entregue de forma escura e pesada), a banda demorou algum tempo para se distanciar de soar como Evergrey e mais como eles. Não estou dizendo que Borealis era um clone, mas era muito óbvio a influência, tanto que se poderia chamá-los de irmãos dos Evergrey. Um álbum muito mais escuro e mais pesado, os Borealis cria a mistura perfeita de ganchos inesquecíveis, riffs e músicas cheias de emoção e se fermentam com paixão. Faixas como “The Second Son,” “Sign of No Return,” e “The Devil’s Hand” mostram o que esta jovem banda atravessou ao longo de sua caminhada pelo heavy metal.
Este trabalho leva a banda para o próximo nível. Melhor composição, apresentações espetaculares, e com tal poder de som fazem com que seja facilmente um concorrente para o álbum do ano para mim. É simplesmente incrível ouvir uma banda tão jovem fazer um álbum tão veterano como este. É também um desses álbuns que, com cada roda, tu ouves algo ou sentes algo que perdeste audições anteriores. Este será um álbum que ficará comigo por muito tempo.



Silent Saga - Rise! (2018) Alemanha



Depois de editar 3 LPs digitais, Ball Of Vanities, Immortal e The Path , a banda de metal sinfónico Silent Saga editou o primeiro álbum físico (CD) da banda, com todas as músicas dos EPs lançados. Estão finalmente prontos para ir mais longe e lançar nosso primeiro álbum completo chamado "RISE".
É por isso que eles lançaram uma campanha de kickstarter no mês passado para financiar o álbum completo de Silent Saga. Seu objetivo foi atingido, o projeto de álbum físico da Silent Saga foi financiado com sucesso - Graças a todos os apoiantes, os fundos serão transferidos para o criador e eles começarão a trabalhar no seu projeto.
O álbum apresenta todas as 10 músicas lançadas até agora nos 3 EPs, em um formato de CD com uma nova capa de arte e letras.
Saindo além da música atual do género, os Silent Saga combina influências Heavy e Thrash Metal com intensas melodias vocais.
As letras também se destacam, abordando o ouvinte diretamente, trazendo a discussão temas atuais e desafios que todos nós enfrentamos hoje em dia.
A banda vem de Hamburgo, Alemanha, onde Sabrina Todt (vocal e flauta) e Renato Angelo (baixo, teclados e guitarras) vivem desde 2014 depois de se mudarem do Brasil, onde compartilharam estágios com algumas das maiores bandas do género como Epica e Nightwish, com a Brazilian Metal Act Amazon .
No final de 2016, eles uniram forças com Alex Mancini (guitarra), dando origem a uma nova banda: Silent Saga. Finalmente, o experiente baterista Daniel Sapcu completou a nova linha europeia algumas semanas depois.
O material de estreia da banda, produzido por Sander Gommans (After Forever / HDK / Phantom Elite) , Ivo Van Dijk (Xystus, Karmaflow) e Amanda Somerville (Avantasia, Kiske / Somerville) é composto por 10 faixas.

  

War Of Thrones - Conflict In Creation (2018) USA


O Sonic Night Music Club, um rótulo de hard rock e metal, tem o prazer de receber WAR OF THRONES em sua lista. A banda de metal com os antigos membros dos Crimson Glory e Rob Rock terá o seu álbum de estreia, Conflict In Creation, em todo o mundo em 9 de março de 2018.
Forjado em aço, WAR OF THRONES foi formado quando o icônico vocalista Wade Black e o virtuoso guitarrista Rick Renstrom juntaram-se em 2012. Anteriormente, os dois trabalharam juntos em LEASH LAW editando o Dogface em 2005.
Wade não é estranho ao metal. Por mais de duas décadas, Wade emocionou o público em todo o mundo quando cantava em bandas de metal tão lendárias como Crimson Glory, Seven Witches e Leatherwolf. Rick entrou na cena em 2000, juntando-se a banda do lendário vocalista Rob Rock nos tours e gravações. Tendo viajado ao redor do mundo, centenas de milhares testemunharam a incrível e inspiradora guitarra de Rick. Juntando-se a Wade e Rick, o baixista Rich Marks (Vivaldi Metal Project) que oferece uma linha de baixo virtuosa, bem como o antigo baterista de Yngwie Malmsteen, Patrick Johansson, atrás da bateria.
A banda deve aparecer em Rocklahoma 2018. WAR OF THRONES continua a atrair audiências ao vivo enquanto compartilham o palco com bandas como Kamelot, Drowning Pool, Marty Friedman, Anvil e Mushroomhead.



quinta-feira, 8 de março de 2018

Budda Power Blues - Back To Roots (2018) Portugal


Budda Power Blues são considerados a melhor e mais importante banda de Blues nacional, os Budda Power Blues têm em Budda Guedes a figura mais notória do género em Portugal. Com o trio como formação, Budda Power Blues são reconhecidos por frequentemente juntarem 3 vozes à guitarra, baixo, e bateria, oferecendo uma massa sonora pouco habitual nesta formação.
Em 2016 foram selecionados para representar Portugal pela primeira vez no European Blues Challenge, a banda liderada por Budda Guedes fortaleceu o seu papel como a melhor banda portuguesa de Blues. Em 2013 foram escolhidos para serem a banda europeia de Shirley King, a filha do lendário BB King, tendo acompanhado a Norte Americana desde então.
Em 2017 editam o seu 6.º disco fruto do desafio feito a diva do Jazz português Maria João para que se juntasse ao trio e fizesse um um disco de Blues. “The Blues Experience” conta com 10 temas da autoria de Budda Guedes.
Em 2018 editam o seu 7.º disco, intitulado “Back To Roots”. Neste disco procuram as possíveis ou imaginárias interferências que a cultura portuguesa possa ter tido no blues. Trata-se de um disco de Blues fortemente inspirado na cultura lusitana, seja temática, lírica ou por retrato de paisagens, relatos de sentimentos, etc…
No próximo dia 11 de Março os Budda Power Blues irão gravar 5 temas em vídeo do seu novíssimo álbum “Back to Roots”, como forma de estar junto dos seus fãs espalhados pelo mundo e de agradecer todo o apoio que tem recebido.
Parte desta sessão de gravação irá ser transmitida em directo no Facebook, entre as 15h e as 16h, oferecendo assim aos fãs a possibilidade de assistir a esta sessão, mesmo que geograficamente distantes.
Fonte: Glam Magazine



quarta-feira, 7 de março de 2018

Judas Priest - Firepower (2018) UK



A banda britânica Judas Priest lança o seu 18º álbum de estúdio intitulado “Firepower”, que chega 4 anos depois o último sucesso do grupo, o álbum “Reedemer of Souls”. Este novo material tem a produção de Tom Allom, com quem a banda já trabalhou em alguns de seus melhores discos anteriormente, e do produtor Andy Sneap.
Segundo o vocalista Rob Halford “Tom Allom tem esse toque de clássico metal enquanto Andy é mais um produtor de ‘metal moderno’, mas seu modo de pensar é um pouco diferente do Tom. E eu acho que ter esse balanço entre o metal mais clássico e old school com a visão do Andy é uma coalescência notável. ” Judas Priest estourou no cenário do heavy metal pela primeira vez em 1974 com “Rocka Rolla” e é reconhecido como um dos grupos mais representativos e influentes do género. De acordo com vários críticos, são tidos como um grupo que definiu o género, graças aos álbuns “Sad Wings of Destiny” e “Sin After Sin”.