domingo, 31 de maio de 2015

POST DA SEMANA

ARMORED SAINT - Win Hands Down (2015) USA




Armored Saint banda de heavy metal americana foi formada em 1982, esteve no activo por 10 anos até 1992, parou e reuniu-se em 1999 e tocaram até 2003, em 2008 voltaram-se a reunir até ao presente.
Depois do lançamento de "La Raza" em 2010 quase não ouvi falar deles, pensei que eles iriam desistir de um hiato e mostrar-se com mais coisas novas e performances ao vivo.
Armored Saint lançam agora o seu sétimo álbum de estúdio. Win Hands Down, é ao estilo clássico de Armored, um vintage crocante de clássico power impulsionado por uma espectacular explosão de vida para 2015.
O estilo de composição de Vera e a execução de guitarra de Sandoval é suficientemente único para se perceber quem é "The Saint" que faz explodir o som através dos alto-falantes, mesmo depois de elevar os níveis crescentes do heavy ao longo dos anos. O músico que realmente os diferencia, no entanto, é o vocalista John Bush. O homem tem grandes pipes, canta com muita paixão e é imediatamente reconhecível. Seu desempenho aqui é excelente.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

RedLizzard - The Red Album (2015) Portugal



Redlizzard foram formados em 2008 em Almada, são compostos por Mauro na voz, Patrick e Elvis na guitarra, David no baixo e Rick na bateria. Durante este tempo a banda venceu vários concursos de música, entre os quais destaca-se, o Have a Nice Day With Bon Jovi, em 2011, uma iniciativa conjunta Hard Rock Café/Rádio Comercial/Everything is New, que levou os Redlizzard à abertura do concerto dos Bon Jovi, no Parque da Bela Vista, onde acuaram para 56.000 pessoas. Venceram também nesse ano os prémios Upper State Independent Awards (E.U.A.), em duas categorias: Best Pop Rock Band e Best International Band.
Agora foi editado o primeiro LP dos Redlizzard “The Red Album”, e o segundo disco, depois do EP “In Your Face”, lançado em 2011.
“Slaughter” Joe Foster produtor inglês foi quem produziu o disco, ele já produziu bandas como Jesus and Mary Chain, Primal Scream, ou My Bloody Valentine, este disco foi gravado em 2014 nos Estúdios Rosa dos Ventos, por Telmo Gomes, com supervisão de Paulo Jorge Silva (Pajó), a mistura e a coprodução foi executada por João Martins Sela, que já trabalhou com bandas como Xutos & Pontapés, Da Weasel, João Pedro Pais e UHF. O álbum também teve a participação de convidados, como Nuno Espírito Santo, Mário Delgado, Patrícia Silveira, Patrícia Antunes, Marco Cesário e Ricardo Galrito.

Nashville Pussy - Ten Years of Pussy [2CD] [2015] USA


Depois de seis álbuns de estúdio e 19 anos de carreira, Nashville Pussy, banda americana de hard rock, lançou uma nova compilação que irá recolher os seus maiores sucessos, intitulado "Ten Years Of Pussy". Descrito como "um monstro composto por 22 faixas que incluem as melhores canções da última década e um EP bônus ao vivo gravado durante o show em Nottingham em 2009".

Helloween - My God Given Right (2015) Alemanha



O Helloween anunciou detalhes do seu novo álbum, 30 anos após o lançamento do primeiro EP. O 15º álbum da banda “My God-Given Right”, é no dia 29 de maio, via Nuclear Blast.
“My God-Given Right” foi gravado entre Outubro de 2014 e Fevereiro de 2015 no Mi Sueño Studios em Tenerife, mais uma vez com o produtor Charlie Bauerfeind.
Mais uma vez Martin Häusler (Bon Jovi, Queen, Gotthard), é o responsavel pela arte da capa que terá uma versão 3D a venda. Martin Häusler comentou sua criação: “Nós tentando criar um mundo de ideia, mantendo os “elementos clássicos do Helloween”, como abóboras em uma mão e algo novo na outra, como nós temos feito durante os últimos anos em outras capas do Helloween.
A primeira inspiração veio pelo titulo do álbum “My God-Given Right” e alguns nomes de músicas como “The Swing Of A Fallen Word”, “Lost In America”, “Battle’s Won”, etc. Durante minha pesquisa, eu acabei tropeçando no filme “O Dia Depois de Amanhã” e a ideia surgiu.”
Andi comentou: “Eu nunca sei como, mas de alguma forma nós fizemos isso de novo…
O álbum esta realmente demais!!! Nós temos as melhores pessoas connosco que tornam isso possível.
O produtor Charlie Bauerfeind e Martin Häusler”. O guitarrista Michael Weikath adicionou: “…Isso prova que um pouco de neve não só é capaz, como realmente causa! Eu pessoalmente odeio a neve e a capa mostra que muito de alguma coisa nunca é bom. Como Andi disse “Eu estou muito feliz com o novo álbum”.
Obrigado pelo suporte e nós esperamos que vocês gostem do novo álbum, tanto quanto nós gostamos.
Contando com a capa de “My God-Given Right”, Martin Häusler chega a marca de cinco capas em álbuns de inéditas do Helloween. Ele vem criando as artes para a banda desde o “Keeper Of The Seven Keys – The Legacy” em 2005.
Fonte: Whiplash

FREEDOM CALL – LAND OF THE CRIMSON DAWN (2012) ALEMANHA



A voz da liberdade chama por ti! Isto, traduzindo muito poéticamente o nome dos Masters Of Epic Power Fantasy Metal. Não é preciso dizer que adoramos este grupo e coisa e tal, porque quem não gosta destes Freedom Call ou é .... ou coisa pior. Por isso, passêmos à frente e então, temos um novo disco deste espantástico grupo germânico. Desta vez colaram um bocadinho mais a Gamma Ray e Helloween, além de introduzir alguns elementos de hardrock moderno como na faixa "Sun In The Dark". Acho que desceu um bocadinho de qualidade de construção musical, é que há coisas que não ficam bem neste tipo de som e quem fez os arranjos devia ter ouvido primeiro em vez de ir à pressa prensar o disco. Falta uma certa compacticidade entre os arranjos e as linhas musicais e vocais. Apesar de tudo, não deixa de ser Freedom Call, épico e poderoso, melodias que ficam e nos levam em cavalgadas heróicas para campos de batalha em mundos não muito longinquos. Chris Bay e seus pares sabem fazer melhor, com este disco descem para patamares mas generalistas e o destaque de outras obras desvanecesse, fico com a impressão que foi feito muito à pressa. Por esta vez estão desculpados, não é por isso que deixo de comprar este novo disco e juntá-lo à discografia que muito orgulho tenho de possuir. Eu sou um fiel admirador e seguidor deste tipo de som, por isso meus amigos, deixo ao vosso critério analizar mais esta obra de Freedom Call, sendo suspeito, apenas vos deixo com os innuendos para a vossa apreciação e "back Into The land Of Light"!
McLeod Falou!

Infernal Overdrive - Last Rays of the Dying Sun (2012) USA


Você gosta de southern rock? E de guitarra conduzida por heavy rock? Você é um fã de Roadsaw, Dixie Witch ou Gozu? Bom aqui está algo que não deve perder. Infernal Overdrive de New Jersey há alguns anos gravaram um auto-intitulado EP com 4 temas. Agora a banda começa 2012 com o lançamento de um CD pela editora Small Stone Records.
O álbum inteiro está cheio de alguns grandes riffs de guitarra, ritmos cativantes, vocais e letras incríveis e uma bateria impressionante. "Cage" traz uma batida forte e alguns dos melhores sons de guitarra que eu ouvi nos últimos tempos. "Electric Street Cred" é uma obra-prima, uma música com um solo de bateria incrível e altamente tocado pelo baterista Mike Bennett. É realmente difícil identificar aqui uma música melhor que outra porque todas elas são igualmente boas. Excelente realmente.
Possui tudo o que esperamos. É cativante, pesado e soa muito bem.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Thor - Aristocrat of Victory (2013) Canadá


Novo álbum dos veteranos Thor. O álbum de estreia já foi em 1977.

Thor Bio


ROB TOGNONI - CASINO PLACEBO (2013) AUSTRÁLIA


Provavelmente CD mais "trippy", de Rob com acenos para os Beatles e Pink Floyd, guitarras crocantes ao estilo anos 60/70, juntamente com um toque clássico de James Bond transformado para o amor, desgostos e finalmente para um pequeno-almoço australiano ...

Stormzone - Three Kings (2013) UK


Stormzone lançou seu quarto álbum de estúdio, Three Kings. Esta banda que vem da Irlanda está na cena musical desde 2006 O álbum começa com um som do tipo militar . Há rufos de bateria , melodias semelhantes a um hino , e discurso de Churchill no principio.
A voz de John Harv ' Harbinson é o elemento chave para este álbum que faz com que tudo soa muito bem. " Spectre " é uma grande canção que usa a simplicidade para acertar todos os sons certos. Há grandes riffs e vocais agudos que dão lugar a múltiplas escalas .
" Alive" é uma canção que certamente destaca mais do que as grandes vozes que estão , obviamente, presente neste álbum. A linha de baixo é como um trovão que ressoa por algum tempo. A velocidade sobe e todos juntos têm um som diferente. Também há sempre uma balada que contribui para quebra do álbum, e " Beware in Time" é uma balada que é bem feita.
Cada música tem uma ponta do chapéu para anos 80 do glam metal. O som continua no pico através de faixas como "Night of the Storm ". " Three Kings" traz vida ao som do álbum. Há um ritmo constante que agarra mais rapidamente do que algumas das outras faixas . É uma canção de punho erguido que tem a capacidade de hino capaz de cativar uma multidão.
Estas músicas parecem ser as mais bem sucedido do álbum. " I am the One " é outra faixa que parece ter maior atenção como de " Three Kings ". Ela começa a soar doce, mas rapidamente muda para um som mais pesado e tem solos de guitarra e uma batida eficaz.
" BYH " significa " bang your head ", e essa música é mais uma vez um hino , como na sua progressão. Não é uma coisa má , mas é algo esperado como serpentear as músicas para baixo. O álbum acaba sendo como uma gangorra que soa bem . Há uma grande sintonia dos anos 80 e em seguida, alguns picos de heavy metal na sua cabeça através da faixa seguinte.
No geral, este álbum é bom. É apenas bom, não grandioso . Ele faz a recomendação ilícita, mas é algo que pode ter sido ouvido antes. Há uma linha em " BYH " sobre a música permanecer viva.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

The Shutter Dogs - Better Days (2015) USA


Grande álbum ao estilo Southern, não é engano, eles tocam vários géneros (southern rock, country, hard rock, etc.). Apenas um excelente álbum com algo para todos.
Uma das minhas músicas favoritas no álbum é "Got the Time ', mas cada música tem sua própria identidade. Se gostas do género... não te vai decepcionar.

Iron Savior - Live At The Final Frontier (2015) Alemanha



Iron Savoir levou bastantes anos para editar o primeiro álbum ao vivo na sua carreira. Agora ele está feito. "Live at the final frontier" foi lançado.
Piet Sielck começou Iron Savior, em 1996, juntamente com Kay Hansen (ex-Helloween, Gamma Ray) e Thomen Stauch (ex-Blind Guardian). Nesse meio tempo ocorreu algumas mudanças na formação, mas Sielck e companheiros de banda podem olhar para trás em oito discos da longa discografia e com alguns destaques reais de metal alemão. Esta é uma base sólida para um relevante disco ao vivo.
"Live at the final frontier" captura um show em casa. O álbum contém um show de Iron Savior tocado na sua cidade natal Hamburgo, em Janeiro de 2015. O alinhamento é uma viagem através de 20 anos da banda. Músicas do álbum de estreia (por exemplo, "Atalantis falling") foram realizados, bem como material novo como "Last hero", incluindo a introdução chamada "Ascendence".
O final do show é a referência de Iron Savior para Judas Priest. Os fãs tiveram para ativar as últimas reservas de energia para uma versão poderosa de " Breaking the law". Um grande final de um show enérgico.
O som do álbum ao vivo é muito bom, e autêntico. Tu podes sentir a atmosfera ao vivo, que é qualquer coisa crucial. Então tudo está bem feito.
Para concluir: "Live at the final frontier" tornou-se uma excelente visão geral sobre o trabalho criativo de Iron Savior ao longo dos últimos 20 anos. E é um álbum que também é muito divertido.

Bullet Train Blast - Shake Rattle Racing (2015) Dinamarca


Bullet Train Blast banda de Hard rock Dinamarquesa apresenta um novo clássico e excelente sentido á melodia e energia!... se gostam de Metallica e Volbeat, também vão gostar deste disco.

terça-feira, 26 de maio de 2015

TEN - Isla De Muerta (2015) UK



Os gigantes Britânicos do hard rock TEN lançam o seu aguardado 12 álbum de estúdio em 2015 via Rocktopia Records. O novo álbum é intitulado ' Isla de Muerta 'e segue os passos de seu inovador e altamente elogiado álbum de 2014 Albion '. A capa do álbum foi ilustrada por Gaetano Di Falco.
Baptizado com o nome do mítico “Island Of The Dead” da lenda do pirata e como o título sugere, desta vez o álbum tem muito sentimento sobre piratarias marítimas. No verdadeiro estilo clássico de TEN, o álbum abre com o sentimento atmosférico “Buccaneers” instrumental e segues em frente na cena cinematográfica com “Dead Men Tell No Tales”. Qualquer fã de TEN não vai ficar decepcionado.
Neste álbum encontra toda a essência das marcas registadas de TEM. Grandes canções, grandes coros, solos impressionantes e leva estes sete elementos britânicos mais uma vez a elevar a fasquia e disparando em todos os sentidos.
“Isla de Muerta” promete inspirar a imaginação, com o compositor Gary Hughes , mais uma vez se aprofunda num tema rico e variado. Empenhado na forma clássica dos TEN e evocando imagens numa simples escala cinematográfica.

Rockstar Frame - Rock 'N' Roll Mafia (2015) Itália



Rockstar Frame é uma banda de Milão com cinco elementos, tem uma abordagem espontânea na composição e uma energia frenética no seu estilo de heavy rock, Rockstar Frame é uma banda que está sendo solicitada para muitos lugares.
Com um som que segue naturalmente as pisadas de Guns 'n' Roses e Aerosmith, apenas com os poderosos vocais femininos de Faith Blurry, eles já estão virando cabeças na Itália depois de terem ganho o ‘Rock the Road Contest’ em Itália.Competindo contra 70 bandas escolhidas a dedo de todo o país Rockstar Frame saiu por cima graças às suas canções assassinas e grande show ao vivo.
Rockstar Frame tem uma história como nenhuma outra banda. A banda começou quando o fundador Max estava em coma depois de ter caído de um penhasco. Sua família tocava para ele música rock enquanto ele estava inconsciente, e ele acordou com a crença de que a música ajudou a trazê-lo de volta - inspirando-o a escrever a sua própria música.
A partir daí, a banda foi formada, e tem vindo a crescer desde então, ficando ainda maior com a chegada do novo álbum e com a ajuda de uma crescente base de fãs.

Worldview - The Chosen Few (2015) USA



"The Chosen Few" é o álbun de estreia da banda Americana WORLDVIEW.
Worldview apresenta membros de bandas emblemáticas como Sacred Warrio, Deliverance e Recon.
"The Chosen Few" é composto com uma série de músicos convidados: Oz Fox (Stryper) tocando uma guitarra em chamas, Les Carlsen (Bloodgood), dirige um dramático vocal, Jimmy P. Brown (Deliverance) talha alguns lentos e poderosos vocais de fundo.
Larry Farkas (Vengeance Rising, Die Happy) distribui os seus licks saborosos, Armand Meinbardis (Rob Rock) deslumbrando com seu violino e piano, e Niki Bente enfeitando o disco com a sua encantadora voz na faixa-título.
A obra de arte foi criada por Felipe Machado Franco [Blind Guardian, Rhapsody of Fire, Jorn] e o álbum foi mixado e masterizado por Bill Metoyer [Fates Warning, Slayer, WASP].

Room Experience - Room Experience (2015) Itália



Gianluca Firmo é um nome que muito provavelmente não te diz nada, mas que já há algum tempo é tema de conversa entre os fãs de aor rock melódico italiano (e não só). Desde que começaram a disparar os primeiros rumores de seu projeto de estreia, Room Experience, nome dado em honra das muitas horas passadas no seu quarto a compor música no teclado, ele também criou muita curiosidade por causa dos nomes envolvidos. Em primeiro lugar, a equipe de produção é sem dúvida a melhor no campo melódico em relação a Itália, aos quais se juntaram músicos que da mesma forma é uma garantia de qualidade. Um dos nomes mais atraente é, certamente, representado pela voz principal, o inglês David Readman , o vocalista dos Alemães Pink Cream 69 , apresentado ao Gianluca & Co. por seu amigo comum Alessandro Del Vecchio (responsável pela mixagem e masterização), considerado por alguns como um dos maiores produtores no campo aor.
Com este pano de fundo, as expectativas são altas, e certamente não desapontam.
A lista de faixas consiste em mid tempo, baladas e up tempo, maravilhosamente interpretado por um Readman num estado de graça, versátil e capaz de melhorar cada tipo de faixa do disco.

The Darkness - Last Of Our Kind (2015) UK



Last Of Our Kind é o novo e quarto álbum de estúdio pela banda Inglesa de hard rock The Darkness . Produzido pelo guitarrista Dan Hawkins no seu estúdio Leeders Farm em Norfolk, o álbum é lançado pela própria etiqueta da banda Canary Dwarf Records via Kobalt Label Services. É o único álbum da banda a apresentar a baterista Emily Dolan Davies, que substituiu Ed Graham em 2014.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

WOLFPAKK – CRY WOLF (2013) ALEMANHA


Segundo disco de originais para os irrequietos Mark Sweeney e Michael Voss no seu projecto internacional Wolfpakk. Gostei imenso do primeiro e agora depois de ouvir este segundo, e com tantas individualidades envolvidas, o que acho um exagero; fica-me um sabor a pouco. Porquê a pouco? O global da obra tem muitos momentos divergentes, boas malhas, bons temas, boas prestações, ora metálico, ora hardrocker, ora glam ora pop, um facto que só dignifica Michael Voss e a sua genialidade musical, mas não leva uma linha musical. Por um lado isso é bom, não existe compromisso, só bons tempos passados a gravar com os amigalhaços e a dar-nos um pouco do seu ser menos profissional no sentido de que estão a trabalhar para eles como querem e lhes apetece sem pressões editoriais. Mas para quem compra sabe que vai comprar um bom disco, mas no final de algumas audições ficam as escolhas tipo uma busca para uma colectânea de autorádio. Assim sendo, recomendo-vos que olhem para este "Cry Wolf" como um disco diferente e não algo de expectável e assim serão mais felizes. É difícil destacar temas, Michael Voss é actualmente um dos melhores musicos\compositores a nivel mundial e com tanta sabedoria coloca cada musico no seu espaço natural o que torna o disco um a peça obrigatória de audição porque não existem temas melhores ou piores, boas ou fracas prestações porque tudo está equilibrado, como já referi, apenas não existe um fio condutor, simples conjunto de temas com muito revivalismo da "golden era" em que o hard 'n' heavy era rei e senhor e que valem bem o dinheiro. Dokken, Accept, Victory, Bonfire ou Sinner são algumas das conotações que poderão encontrar aqui. Além das referidas prestações vocais de Sweeney e Voss, temos também Tony Mills, Goran Edman, Johnny Gioely, Doogie White, Ralf Scheepers, Piet Sielck, Amanda Sommerville, Blaze Bayley e Jean Marc Viller. Em contrapartida na parte instrumental outros gloriosos guerreiros do rock se apresentam com soberbas prestações, e Roland Grapow, Kee Marcello, Mandy Meyer, Brian Tichy, Don Airey e Tony Carey, entre outros fazem um cartaz de respeito. E de respeito se fala na versão do tema "run with the wolf" dos Rainbow, muito bem feita! Desejo-vos uma boa audição, porque eu,... bem, ainda estou a divagaaaaar........
McLeod Falou!

Furia Louca - On the Croup of the Sinner (2013) Brasil



Confesso, caro amigo leitor, que nunca tinha ouvido falar da banda maranhense FURIA LOUCA até esses dias, quando recebi esse seu primeiro disco para resenha. Contudo, a banda já está na estrada desde janeiro de 2005, fazendo um hard rock da melhor qualidade, com forte influência daquele feito na década de 80.
Alias, quase tudo aqui remete ao hard/glam da década de 80: o som pesado e direto; as linhas vocais cheias de personalidade e com refrãos marcantes e para cantar junto; os ótimos riffs e grudentos riffs de guitarra; a cozinha simples mas precisa; e até o visual e nome dos músicos. Contudo, a única coisa que não remete àquela fase da música pesada é a produção, excelente e moderna, com todos os instrumentos muito bem equilibrados e bem timbrados, mas sem tirar a essência da sonoridade da banda.
Além disso, os caras são muito competentes no que se propõe a fazer, esbanjando atitude e amor pelo estilo, e conseguindo criar faixas fortes e que ficam na cabeça do ouvinte, marcando com facilidade.
A título de exemplo, cito as ótimas e energéticas “Fatous Fire”, “Lost’n Found (I Sold My Soul For Rock’N’Roll”, “Oozie Snooze” e “Furia Louca”, que mostram todo o poder de fogo da banda, que se destaca também nos momentos mais calmos, como na semibalada “Mary Ann”.
Realmente um discaço, e sem querer cometer injustiça com nenhum outro lançamento do estilo no ano, mas para este que vos escreve, o melhor disco de hard rock de uma banda nacional de 2013. Se curte o estilo, nem pense em deixar de conferir; mas vá com cuidado, pois é difícil querer parar de ouvir...

SINNER – TOUCH OF SIN 2 [BEST OF] (2013] ALEMANHA


Existem algumas coisas na vida que não devem de ser mexidas, e o legado sinner, a não ser que tenha uma abordagem correcta, é uma dessas coisas. Quem não conhece Sinner, o projecto de Matt Sinner, um agente musical que dispensa apresentações, musico, compositor, produtor e outras coisas mais, é um dos mais reputados nomes do heavy metal mundial. Hoje em dia, entre outras coisas é o director musical e baixista da banda Primal Fear. A sua carreira começou no final dos anos 70, mas o seu impacto no metal começou em 1982 com a criação da banda Sinner. Sinner tornaram-se um icone no hard'n'heavy melódico, e como poucos serão aqueles que não conhecem esta fabulosa banda desta vez vou partir do principio que isso já é matéria sabida e quase esquecida, por isso vou continuar com a minha desilusão. Como matt deve de andar com uma grande preguiça decidiu pegar em alguns dos melhores temas de Sinner e dar-lhes uma nova roupagem. Erro! Os temas recuperados para este disco foram escritos para a posteridade e com um impacto que pedia a sinner que os levásse mais longe com a actual tecnologia e não uma descompressão mais hardrocker para motards. Mas isto é a minha opinião, porque esperava exactamente que um dia Sinner fizesse o oposto do que fez aqui neste caso, e desse mais força a temas como germany rocks, concrete jungle entre muitos outros, tirando-lhes mesmo pitch!
Passado o meu amuo, este best of recuperado em novas roupas é um disco muito bom, hard rock melódico com uma atitude vocal mais gutural a arranhar o hard, apesar de que esse é o tom de Matt. As musicas foram bem escolhidas, mantendo a escrita original fazendo apenas arranjos devido às mudanças sonoras, dá para os mais novos ficarem curiosos e pedirem por mais, procurando a discografia original deste fantástico grupo por onde passaram muitos dos musicos de top do heavy metal germânico. Mesmo assim e depois de 4 audições desde que estou a escrever esta resenha; hoje estou muito lento; prefiro cada vez mais os originais que já tardam em saír remasterizados; será este disco um sinal dessas tão esperadas edições? A ver vamos. Não vale a pena dissertar sobre a musica porque a produção é do melhor que há, os musicos idem idem, e o produto final excelso; mas eu continuo a preferir os originais, meu! O gajo é surdo! Eheheheheh....
enfim, um regresso ao passado, descomprometido, popalhado ou punkalhado, é bom? ....é.... raios...
recomendado a todas as idades credos e clubes de futebol, eheheheheh
McLeod Falou!

domingo, 24 de maio de 2015

POST DA SEMANA

MICHAEL BORMANN - CLOSER (2015) ALEMANHA





Um dos melhores vocalistas da actualidade; ou pelo menos, um dos mais requisitados; está de novo em cena, pouco tempo após os Redrum, Powerworld, os Silent Force, e mais recente ainda, os Grindhouse. Mais um disco em nome pessoal; "Closer" já é o 5º disco a solo; e Michael promete continuar a editar a solo paralelamente ao que estiver a fazer com outro projecto de renome; é assim que compositores da qualidade de Bormann; Michael Voss; entre outros funciona, a mente não pára.
12 novos temas de puro hard rock melódico com muitos elementos de outros géneros que vão dando um tom ora festivo, ora mais pesado; ora mais épico, ora mais descontraído; ao novo trabalho. Americanizado é de certeza; muito de rock and roll, southern, blues, soul, elevam a fasquia para um patamar acima do esperado, isto em termos de reputação em nome individual. MB sabe bem escolher as àguas por onde navega; a sua voz não será algo de especial tipo Coverdale, Hughes, ou outro vocalista mítico, mas quando se sabe do assunto, escolher a área por onde se movimenta torna-se fácil e depois os pormenores que poderiam limitar o trabalho passam despercebidos ou deixam mesmo de existir. como já referi há algum tempo sobre MB, é um dos meus preferidos, porque pode não ter uma grande mas sabe colocá-la ao serviço daquilo que mais gosta de fazer, a musica, e torná-la no instrumento mais poderoso do seu trabalho. E por falar em trabalho, MB tocou todos os intrumentos neste novo disco, fora claro está as participações e ajudas que recebeu de familiares e amigos como Jean Bormann ou Eric Ragno, respectivamente.
Este disco pode ser algo que deixará muitos de vós, até certo ponto, decepcionados pelo facto de existir melhor para colocar como post da semana; não trás nada de novo, existem coisas melhores e talvez com mais motivos e pontos de interesse do que este; mas MB tornou-se num reputado músico e compositor do Hard & Heavy da actualidade, e como forma de homenagear essas suas qualidades há que fazê-las chegar aos mais novos no assunto do rock pesado, porque se muitos existem que querem ser estrelas do amanhã na diabólica industria da musica, este rapaz, nascido e criado na alemanha, é um exemplo a levar em consideração e estudo, porque o resultado do seu trabalho é de 1ª qualidade, e não fica nada a dever a ninguém, mesmo! Então para todos esses interessados, este disco é mais que recomendado! Para os restantes, o blog tem muito com que se entreterem, caso não estejam interessados e HardRock melódico "made in germany", mas com selo USA.
McLeod Falou!

Osukaru - Transition (2015) Suécia



Osukaru foram gravando e se apresentando em espectáculos durante cinco anos, tendo já um número impressionante de lançamentos sob o seu nome. " Transition " é o quarto álbum e um gigantesco passo em frente para Oz Osukaru e sua banda. Canções muito mais fortes e uma produção extremamente poderoso torna este disco absolutamente essencial para os amantes AOR Escandinavo como MISS BEHAVIOUR, GRAND DESIGN e ALYSON AVENUE (nos seus momentos poderosos). Verdadeiramente soberbo!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

VA - A Light in the Black - A Tribute to Ronnie James Dio (2015) Internacional


Uma homenagem de dois discos para RONNIE JAMES DIO. Com CRYSTAL BALL, MESSENGER, GLORYFUL, WIZARD, BURDEN OF GRIEF e muitos mais.
Ronnie James Dio foi um herói e inspiração para muitos músicos, como Lars Ulrich (Metallica), Doro Pesch ou Axel Rudi Pell, e havia rumores de que ele é a principal razão pela qual cada metalhead em todo o mundo está familiarizado com o sinal dos chifres.
Agora é hora fazer um tributo a ele, assim: 12 bandas fazem covers de Ronnie James Dio para honrar este excecional músico!
"A Light In The Black (A Tribute To Ronnie James Dio)" vem com dois CDs, com 20 músicas de 12 bandas diferentes.
CRYSTAL BALL, MESSENGER, GUN BARREL, GLORYFUL, THE ORDER, METAL INQUISITOR, CIRCLE OF SILENCE, BURDEN OF GRIEF, LOVE.MIGHT.KILL, REBELLION, IRON FATE and WIZARD fazem todos parte deste projeto.
A obra de arte impressionante foi criado por Jan Yrlund (Darkgrove.net), que também é um grande fã DIO.

Crystal Ball - Liferider (2015) Suiça



Os roqueiros suíços Crystal Ball lançam o seu oitavo álbum, "LifeRider", pela Massacre Records. Este é o primeiro lançamento da banda desde o lançamento do álbum "Dawnbreaker" em 2013. O novo material foi produzido, gravado e misturado por muito tempo colaborando com o grupo de Stefan Kaufmann (ACCEPT, UDO), que também tocou em várias faixas numa guitarra acústica. A arte da capa foi feita por Thomas Ewerhard. Entre as novas canções está o duo do vocalista Steven Mageney com a vocalista BATTLE BEAST Noora Louhimo.
LifeRider é álbum cheio de alegria pura, não adulterada para os fãs do bom e velho Hard Rock. Grande guitarra acústica e grandes melodias vocais, e um passeio global divertido carregado positivamente. O que realmente gosto é a variedade apresentada neste disco, cada música é grande e tem a sua própria personalidade, enquanto o disco global permanece muito coerente. O dueto com a cantora de Battle Beast em Eye to Eye também é uma adição bem-vinda, e uma grande música se que saber. Os vocais são bastante bons no geral, muito apropriados para o gênero, lembrando-me Gotthard nos velhos tempos.
Neste álbum não há faixas fracas, canções como o tema de abertura Mayday!, O super cativante Paradise ou a mais pesada Balls of Steel , cada canção é na verdade simplesmente um puro prazer melódico. Outros dos temas meus favoritos são Take It All e Antidote que seguem numa linha de Hard 'N Heavy direto. As duas baladas Bleeding e Memory Run são boas canções, mas um pouco estereotipada dentro do gênero, ainda assim eu gostei muito. Memory Run é definitivamente a minha favorita das duas embora o coro me faça lembrar algunas boas velhas músicas de Grave Digger.
Não é a melhor produção que já escutei nestes últimos tempos, mas de alguma forma ajuda o álbum que evoca canções com um puro sentimento anos 80. No geral um bom álbum que qualquer fã do género deve ter na sua coleção.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Hammer King - Kingdom of The Hammer King (2015) Alemanha



Hammer King é uma nova banda alemã de heavy / power metal épico caracteriza pelo vocalista e ex-guitarrista da banda Ivory Night e Ross The Boss - Patrick Fuchs, que está escondido sob o nome de Titan Fox. É um álbum cheio de grandes melodias, coros épicos e guitarras galopantes com som limpo e brilhante que foi gravado e produzido nos estúdios Greywolf pelo próprio Charles Greywolf do Powerwolf. A arte da capa foi criada pelo artista alemão Timo Würz que foi capaz de capturar com sua arte a essência e potência da banda.
E, tanto quanto isso é verdade. Julgue por si mesmo!
Há pouca semelhança com o Hammerfall. E não é apenas o nome do grupo. Em relação aos vocais, nem todos podem ser um DIO ou Halford! Há cantores menos poderosos. Alguns como Joacim Cans e Timo Kotipelto também não têm vozes poderosas e brilhantes, no entanto, têm um enorme Strats e um grande número de fãs em todo o mundo.

Defy All Reason - The Road Ahead (2015) UK



Roqueiros galeses Defy All Reason, editam o seu álbum de estreia, The Road Ahead.
Defy All Reason conseguem criar a mistura perfeita de melodia e força de carácter, enquanto tocam um bom som com uma atitude um bocado antiga mas nesta relação criam um dos melhores álbuns que eu tive o prazer de ouvir já faz algum tempo. A partir do tema de abertura Midnight Train, com suas influências heavy southern blues, ao corajoso melódico groove de Bad Blood, o baixo impulsionado You Get Me High, o tingido de funk Bad Taste Of You, as enormes baladas de Behind Those Eyes e Finding My Way (Back To You), o álbum realmente cobre todas as bases! (Incluindo a melhor versão do clássico de Bon Jovi Wanted Dead Or Alive que eu já ouvi!).
Como afirmei anteriormente a banda encontrou o equilíbrio perfeito entre heavy grooves e melodia. E estava pensando que realmente a última grande banda a sair do País de Gales foi Tigertailz!
Eu caí de amores por este álbum na primeira audição, e posso crer que estes músicos vão fazer grandes coisas no futuro desde que tenham apoio e a exposição correta. Este é um álbum que realmente deves ter na tua coleção.

Black Belt - Three Man Army (2015) Suécia


Finalmente o terceiro álbum dos Black Belt "Three Man Army". Black Belt foi uma das primeiras bandas a assinar pela Novoton e como nós esperamos por este tratamento. A ausência do olhar do público deu à banda uma chance para recarregar e aperfeiçoar um som que combina a alma do blues rock dos anos 60 com penetrantes pontas do heavy metal do início dos anos 80. Portanto, obtém o seu groove e ROCK OUT!

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Sammy Hagar & The Circle - At Your Service [Live] (2015) USA


Álbum gravado ao vivo em turnê em 2014, esta versão documenta o desempenho espetacular de uma banda em chamas realizando visitas á música de Sammy Hagar durante quatro décadas de rock ( MONTROSE , solo, VAN HALEN , THE WABORITAS , CHICKENFOOT ), bem como faixas clássicas de LED ZEPPELIN.

Bohemian Lifestyle - Madame Libertánah (2015) Suécia



Bohemian Lifestyle banda de rock sueca acaba de lançar seu álbum de estreia, "Madame Libertánah". As letras de Bohemian Lifestyle são baseadas nas suas próprias experiências de vida e do sonho de sucesso. A música que tocam é Rock n 'Roll, com influências de bandas como Black Stone Cherry e Backyard Babies. Adiciona o ingrediente "jovem e cheio de vida" e obténs Bohemian Lifestyle. Tocaram com alguns artistas incríveis, incluindo John Corabi (ex Mötley Crüe), banda de apoio a Ted Poley (ex Danger Danger), Crucified Barbara. Tocaram em festivais como Skogsröjet, Estocolmo Rock Out e outros.

Guardians Of Time - Rage And Fire (2015) Noruega



Veteranos do Heavy Metal os noruegueses GUARDIANS OF TIME lançam "Rage and Fire" que é composto por 11 canções de metal. Fast, loud and heavy. Se és um fã de vocais gritados, bateria explosiva e duplos solos de guitarra intermináveis, de certeza que não queres perder este!
O álbum é mixado e masterizado por Fredrik Nordström e Henrik no Studio Fredman Udd (Dimmu Borgir, Hammerfall, In Flames, Opeth, Soilwork etc etc). A arte da capa é feita por Carlos Cabrera ".
Heavy Metal na sua forma original com riffs esmagadores e melodias em destaque.
Depois de três álbuns de estúdio, milhares de quilômetros de tours os Guardiões estão de volta com a brutal nova gravação que vai certamente mostrar a todos que o verdadeiro Heavy Metal ainda está vivo e forte.