POST DA SEMANA HammerFall - Dominion (2019) Suécia



Desde a sua fundação em 1993, os templários do heavy metal HammerFall têm lutado para continuar o legado dos anos 80 do heavy metal, criaram mais de dez discos e estabelecendo-se como principais mestres do heavy metal da Suécia e da Europa. Seu mais recente álbum, Dominion, oferece uma potência épica que facilmente disputa com seu material inicial em termos de qualidade e coração.
Se tu julgaste explicitamente por este álbum, não tens ideia de que estes músicos estão chegando aos 50. Entre cada grande hino de arena, os vocais fortes e de grande impacto de Joacim Cans soam limpos como sempre. Além disso, os riffs trovejantes e as imensas formas de fusão (eu escolheria um ou dois favoritos, mas todos eles são incríveis) de Oscar Dronjak e Pontus Norgren mantêm a seção rítmica firme e emotiva. Sob esta vigorosa força musical, a bateria versátil é realizada pelo mais novo integrante da banda, David Wallin, que se juntou em 2014.
Dominion irradia mais energia e paixão do que os três lançamentos anteriores da banda combinados, o que é mais facilmente visto na velocidade e potência em faixas como “Bloodline” e “Scars of a Generation” que dão ouvidos ao trabalho anterior da banda. A força motriz por trás desse som revitalizado é provavelmente devido ao fato de que a banda adotou uma abordagem muito mais relaxada para compor, em vez de se preocupar com prazos e horários.
Outra parte fundamental do sucesso do Dominion reside na sua variedade. Onde o álbum anterior, Built to Last, pisa com segurança no território usual HammerFall, Dominion prova sua ousadia explorando alguns (não muito, lembre-se, mas alguns) novos caminhos. Ainda é mais ou menos o que tu esperas deles, mas faixas como “(We Make) Sweden Rock” e o temma de abertura “Never Forgive, Never Forget” trazem um pouco de frescura. Além disso, há duas baladas no álbum: “Second to One” conduzido por piano, e o último tema o mais íntimo, “And Yet I Smile”, que deixa o álbum pendurado num ar otimista e agridoce.
Tudo somado, este disco é o que todos devemos esperar dos HammerFall: heavy metal refinado que foi martelado na forja por vinte e cinco anos. Se queres riffs de quebrar o pescoço, refrões de bater a cabeça e solos de derreter a cara, estás no lugar certo. Seu décimo primeiro álbum até o momento, Dominion prova que, apesar de alguns contratempos de carreira, os HammerFall ainda são capazes de explodir cabeças sem nenhum sinal de desligar seus martelos em breve.




Temas
01. Never Forgive, Never Forget
02. Dominion
03. Testify
04. One Against the World
05. (We Make) Sweden Rock
06. Second to One
07. Scars of a Generation
08. Dead by Dawn
09. Battleworn
10. Bloodline
11. Chain of Command
12. And Yet I Smile
Banda:
Oscar Dronjak - Guitars
Fredrik Larsson - Bass (Death Destruction, ex-Crystal Age, ex-Cans, ex-None, ex-Evergrey)
Joacim Cans - Vocals (ex-Mrs. Hippie, ex-Cans, ex-Warlord, ex-Highlander)
Pontus Norgren - Guitars (Pänzer, ex-The Ring, ex-Dreams Fall, ex-Ludor (live), ex-Great King Rat, ex-Humanimal, ex-Jekyll & Hyde, ex-Talisman (Swe), ex-The Poodles, ex-Zan Clan, ex-Jeff Scott Soto (live))
David Wallin - Drums (Blacksmith, Meduza, Stormwind, ex-Pain (live))








Share on Google Plus

About Roxx World

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário