POST DA SEMANA : Firewind - Firewind (2020) Grécia



Firewind tem um novo álbum autointitulado, e valeu a pena esperar. Se tu segues os virtuosos da guitarra, provavelmente está mais do que familiarizado com o trabalho de Gus G, não apenas na sua banda de longa data Firewind, mas também de seu excelente trabalho em Dream Evil, Ozzy Osbourne, Mystic Prophecy e Nightrage, entre outros. Uma banda que começou como um projeto pessoal para o Gus G mostrar sua demo Nocturnal Symphony em 1998 se tornou uma banda de Power Metal e o álbum prova isso. Embora a linha tenha mudado um pouco ao longo dos anos, este grupo parece que eles estão juntos há muito tempo.
O novo vocalista Herbie Langhans (Avantasia, Radiant, Seventh Avenue, entre outros) acrescenta sua voz única à mistura, traz uma profundidade e variedade real ao material. Gus G explica como ele recrutou o novo cantor: “Lembrei-me de Herbie cantando para Sinbreed e como sempre fiquei impressionado com sua performance vocal”, lembra ele. “Então, eu pesquisei no YouTube, a minha gravadora o procurou e foi direto ao assunto: Olá Herbie, aqui estão dez novas músicas, você pode nos ajudar? O prazo final é meados de janeiro. Felizmente, Herbie concordou imediatamente e se familiarizou com tudo em pouco tempo. Algumas semanas depois, eles tinham o álbum gravado e pronto para o engenheiro de som sueco Tobias Lindell (H.E.A.T, Mustache, Europe e Avatar) trabalhar sua mágica especial e eis que: Firewind renasce novamente.
O álbum começa com uma bela parte de guitarra acústica que nos leva ao hino "Welcome to the Empire". Langhans rosna um pouco, mas permanece melódico na sua apresentação vocal nesta abertura forte, que tem conotações clássicas não muito diferentes dos trabalhos dos anos 80 de Yngwie Malmsteen. Os sons são lisos e a musicalidade é de primeira qualidade do começo ao fim. A seguir, está o "Devour", que também mostra uma ótima combinação de melodias clássicas com o seu metal direto. "Rising Fire" segue com mais do mesmo e me lembra bastante o som inicial dos Dream Evil que Gus G ajudou a criar. Outras faixas notáveis incluem a balada “Longing to Know You”, “Perfect Strangers” e “Kill the Pain”. Um dos meus temas favoritos é o Dio-estilo “Overdrive”, que tem o tipo de vibração Black Sabbath / Dio Last in Line.
O trabalho de guitarra é sem dúvida incrível em todas as faixas, e as músicas são bem concebidas e executadas do começo ao fim. A sensação do disco me fez mais de uma vez relembrar os anos 80 Dio e Yngwie, o que para mim é uma grande coisa para evocar quando ouço um novo lançamento. O Firewind é cativante, bem produzido e, no geral, um ótimo álbum que eu acho que pertence a qualquer coleção de headmetal.


Temas:
01. Welcome To The Empire
02. Devour
03. Rising Fire
04. Break Away
05. Orbitual Sunrise
06. Longing To Know You
07. Perfect Stranger
08. Overdrive
09. All My Life
10. Space Cowboy
11. Kill The Pain
Banda:
Gus G. - Guitars, Keyboards (Gus G., ex-Tuska20, ex-Dream Evil, ex-Mystic Prophecy, ex-Nightrage, ex-Ozzy Osbourne, ex-Arch Enemy (live))
Petros Christo - Bass (ex-Breaking Silence, Overpower)
Jo Nunez - Drums (Meridian Dawn, Dragonland (live), Gus G. (live), ex-Suicide of Demons, ex-Negate (live), ex-Darkblazers, ex-Kamelot, ex-Nightrage, ex-Marty Friedman (live), ex-аbout: Blank, ex-Mystica)
Herbie Langhans - Vocals (Beyond the Bridge, Radiant, The Lightbringer of Sweden, Whispers in Crimson, Avantasia (live), ex-Seventh Avenue, ex-The Preachers, ex-Neoshine, Voodoo Circle, ex-Sinbreed, ex-Symphonity)






Share on Google Plus

About Roxx 2 Metal

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário

Amazon