SOTO - Inside The Vertigo (2015) USA



Jeff Scott Soto retorna a carga com um grande disco potente heavy, sem dúvida, uma das melhores vozes do circuito desde 2012 com a sua "Damage Control" não editando nada sozinho. Até agora falar sobre o Jeff é sinónimo de trabalho e prestígio, ele tem participado em grandes bandas como Axel Rudi Pell, Talisman, Journey ou Kuni, um fenómeno com muita força e bem acompanhado em 2015 com “Inside The Vertigo”.
A data de lançamento é 30 de janeiro que coincide com o nascimento do baixista Marcel Jacob, que era seu amigo íntimo infelizmente desaparecido. Uma homenagem e um detalhe de Jeff que o honra.
Possivelmente, o álbum mais poderoso que editou na sua carreira como Soto, acompanhado na guitarra por Jorge Salan, fez um trabalho quenão dá tréguas ao ouvinte. Outras que colaboram são Gus G (Firewind, Ozzy), Jason Bieler (Saigon Kick), Mike Orlando (Adrenaline Mob) ou Joel Hoekstra (Nightranger, Whitesnake), que colocaram as suas técnicas e o bom trabalho no projecto. Entre os artistas que aparecem como convidados e a co-escrever as músicas são Casey Grillo (Kamelot), Connor Engstrom, Tony Dickinson, Leo Mancini, Hugo Mariutti e Gary Schutt .
O álbum bate forte desde o início "Final Say" com uma grande guitarrada de Salan e um bonito coro, onde se encontra o jogo de vozes de Soto em diferentes tons, tomando os comandos. Outros temas que seguem este poderoso tónico são "The Fall "(o que me fez lembrar de Widowmaker de Dee Snider com seu segundo álbum," Stand By For Pain ") novamente as guitarras afiadas e um toque industrial com solos rápidas e emocionantes, "Wrath" continua a colocar a carne na grelha, lembrando Halford em Crucible, endemoniado riff e altas pulsações, mas sem deixar de lado a melodia (com aqueles wooh na recta final antes do segundo toque), Jeff canta de luxo em todas elas .
"Break" quebra literalmente, continuando com a coerência, com o baixo mais protagonista no arranque e maior presença de teclados, mas cuidado só aos 02:35 é quando Soto grita ¡¡yeah!! e atacam com pedaço rápido e curto. Não baixam o nível em "Narcissistically Yours" arranque com toques mais especialmente na voz, o disco não estagna e até mesmo se move sobre em terrenos heavy e hard durante quase todo o caminho, tenta ser variado. Em algumas secções parecem menos inspirados nos arranjos aqui, mas nada alarmante.
"End Of Days" é a jóia da coroa, uma grande canção quase nove minutos, épica e esmagadora, começando como uma balada, tem uma mudança de ritmo aos 03:53 fulminante bombo duplo e um enorme e tremendo metal, e coros de crianças, é toda uma aventura andando ás voltas nela, sem duvida, uma das melhores do ano e uma das melhores músicas que ouviu de Soto .
A faixa-título entra com baixo ameaçador e segue mostrando a qualidade de combinação, como em “Karma’s Kiss”. A balada é excelente, “When I’m Older”, onde Jeff brilha com uma centena de sóis e é que este homem tem um dom divino, tanto em músicas lentas e poderosas.
“Trance” parece menos redonda, apesar de seu poder e energia, acho que é branda e menos trabalhada que o resto. "Jealousy" melhora novamente o assunto com melodia e bom trabalho nas seis cordas, os teclados voltar a ter forte presença aqui.
O encerramento rápido e directo, com o “Fall To Pieces”, que é o meu tema favorito no cd, coro matador e saboroso para o ouvinte, é o estilo Gary Schutt.
Recomendado retorno de SOTO em terrenos mais heavy, vai agradar a todos os seguidores do vocalista.



Temas:
1. Final Say
2. The Fall
3. Wrath
4. Break
5. Narcissistically Yours
6. End Of Days
7. Inside The Vertigo
8. When I’m Older
9. Trance
10. Jealousy
11. Karma’s Kiss
12. Fall To Pieces

Banda:
Jeff Scott Soto: Voz
Jorge Salán: Guitarras
BJ: Teclados, Guitarra
David Z: Baixo
Edu Cominato: Batería



Share on Google Plus

About Roxx World

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário