POST DA SEMANA : Ozzy Osbourne - Ordinary Man (2020) UK


Ozzy Osbourne com Ordinary Man, lembra nos que ele é tudo menos isso. 2019 foi um ano difícil para o Prince of Darkness resultando no cancelamento de todas as datas de sua turnê e, no início de 2020, ele revelou que havia sido diagnosticado com uma forma da doença de Parkinson.
Vai ser preciso mais do que isso para o parar e seu novo álbum, co-escrito e produzido pelo guitarrista Andrew Watt (California Breed, Post Malone, Cardi B), é uma contribuição desafiadora para sua carreira solo. O baterista Chad Smith (Red Hot Chilli Peppers) e o baixista Duff McKagan (Guns N 'Roses) formam o resto da banda e juntam se às participações especiais de Slash, Tom Morello, Elton John, Post Malone e Travis Scott.
Ordinary Man tem tudo o que um fã de Ozzy Osbourne estará esperando; músicas conduzidas por heavy riffs, letras carregadas de desgraça e monstros, uma balada ou duas e, o mais importante, a inconfundível voz de Ozzy, que não perdeu a frequência que faz parecer que saiu das profundezas do inferno.
'Straight To Hell' e 'All My Life' dão um passo adiante. A mistura pode ser densa, mas a voz de Ozzy soa com uma marca registrada de "all right now" para facilitar sua entrada. 'Goodbye' empresta pesadamente o lado mecânico dos Black Sabbath e parecerá familiar para os fãs.
'Eat Me' e 'Scary Little Green Men' são entradas sólidas, mas as letras quase cômicas no estilo choque-rock são a primeira vez que as coisas parecem um pouco datadas. Com vozes alienígenas simuladas no outro, Ozzy apenas se safa porque é Ozzy.
A inclusão de várias aparições (ou colaborações, se necessário) é um sucesso. Slash e Tom Morello adicionam seus tons inimitáveis para elevar as faixas em que estão. O solo de Slash na faixa-título do álbum, Ordinary Man, pode ser um tema dos dias de Use Your Illusion, enquanto ele e Duff McKagan abrem caminho pela música, adicionando acordes e inversões para acentuar as notas do guitarrista. Na mesma faixa, Elton John empresta sua voz para um verso. A profundidade suave de sua voz é uma justaposição bizarra com a astúcia de Ozzy, mas funciona bem e é uma adição interessante.
Em 'Ordinary Man' e 'Holy For Tonight', Ozzy é reflexivo de uma maneira que nunca vimos antes. Ele aborda a questão de qual poderia ser o seu legado, como será lembrado e se um moribundo deve se arrepender no seu leito de morte. É uma mudança de tom bem-vinda e mais pungente, dada a saúde recente de Ozzy. Sua sinceridade vem com clareza e os arranjos são simpáticos às letras, permitindo que Ozzy permaneça claro e à frente enquanto luta contra o inevitável.
O produtor Andrew Watt trabalhou anteriormente com Post Malone e é provável que esse elo tenha trazido Malone para o álbum de Ozzy. Na velocidade e caos de 'It's A Raid', a voz de Ozzy corta a densa mistura de distorção e bateria, mas, ao contrário das contribuições de Slash, Morello e Elton John, não está claro qual o valor agregado que Post Malone traz para a faixa. Seu estilo vocal e apresentação são tão modernos que parecem colidir com o de Ozzy. A maneira como as palavras são pronunciadas e a dinâmica aparentemente forçada são mais uma reminiscência das apresentações de talentos de TV, nas quais uma grande nota gera uma ovação de pé do que a franqueza de Ozzy ou Elton John. É um estilo que nunca ficará bem com esses ouvidos, mas a adição de Post Malone aos créditos certamente garantirá à faixa alguns streams extras de fãs mais jovens do vocalista americano.
A faixa de encerramento do álbum deveria e provavelmente poderia ter sido abandonada. Uma música do Post Malone com Ozzy e o rapper Travis Scott, 'Take What You Want' parece fora de sincronia com o resto do álbum. Onde Ordinary Man, na maioria das vezes, pega o som característico de Ozzy e adiciona alguns truques de estúdio do século XXI, como programação e autotune, 'Take What You Want' é uma música que pertence exclusivamente a 2020 e provavelmente não a um álbum de Ozzy Osbourne. O uso da frase “shorty gon' back” e o autotune vocal mais afetado, sinônimo de R&B moderno, parecem um salto demais nesse contexto e o álbum poderia facilmente ter parado na faixa 10.
Há muito o que gostar em Ordinary Man. Para os fãs de Ozzy Osbourne, desde seus dias nos Black Sabbath até sua carreira solo, grande parte do álbum será um território familiar e novos materiais do Prince of Darkness serão sempre bem-vindos. Ordinary Man cai mais quando se desvia dos estilos e sons que Ozzy desenvolveu ao longo de décadas. As técnicas modernas de produção certamente aumentam as músicas em alguns lugares, mas em outros, por exemplo, com o uso excessivo do autotune, elas parecem um passo longe demais.


Temas:
01 – Straight To Hell
02 – All My Life
03 – Goodbye
04 – Ordinary Man (Feat. Elton John)
05 – Under The Graveyard
06 – Eat Me
07 – Today Is The End
08 – Scary Little Green Men
09 – Holy For Tonight
10 – It’s A Raid (Feat. Post Malone)
11 – Take What You Want (Feat. Post Malone & Travi$ Scott)
Banda:
Ozzy Osbourne – lead vocals
Andrew Watt – guitars, production
Duff McKagan – bass guitar
Chad Smith – drums
Slash – lead guitar (tracks 1, 4)
Charlie Puth – keyboards (track 1)
Elton John – piano and co-lead vocals (track 4)








Share on Google Plus

About Roxx World

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário